Matérias Mais Lidas

Sepultura: Max Cavalera admite que copiou Black Sabbath em Roots Bloody RootsSepultura
Max Cavalera admite que copiou Black Sabbath em "Roots Bloody Roots"

Michael Sweet: um post nas redes que pode ser sobre o também cristão David EllefsonMichael Sweet
Um post nas redes que pode ser sobre o também cristão David Ellefson

João Gordo: ele comenta treta com Digão do Raimundos, que o chamou de pela sacoJoão Gordo
Ele comenta treta com Digão do Raimundos, que o chamou de "pela saco"

Rodox: quando baterista estragou show da banda após João Gordo vê-lo rezandoRodox
Quando baterista estragou show da banda após João Gordo vê-lo rezando

Iron Maiden: banda não será incluída no Rock And Roll Hall Of Fame em 2021Iron Maiden
Banda não será incluída no Rock And Roll Hall Of Fame em 2021

Raimundos: Digão revela que recebeu proposta astronômica para reunião com RodolfoRaimundos
Digão revela que recebeu proposta "astronômica" para reunião com Rodolfo

Cavalera Conspiracy: Max confessa que mentiu a Iggor sobre primeiro álbum da parceriaCavalera Conspiracy
Max confessa que mentiu a Iggor sobre primeiro álbum da parceria

KK's Priest: banda divulga música, data, capa e tracklist do primeiro álbumKK's Priest
Banda divulga música, data, capa e tracklist do primeiro álbum

Max Cavalera: como ele desistiu de detonar o Sepultura em Eye for an Eye, do SoulflyMax Cavalera
Como ele desistiu de detonar o Sepultura em "Eye for an Eye", do Soulfly

Nirvana: por que, até hoje, Dave Grohl não canta músicas da bandaNirvana
Por que, até hoje, Dave Grohl não canta músicas da banda

Iron Maiden: a reação de Steve Harris ao ouvir clássico de Bruce DickinsonIron Maiden
A reação de Steve Harris ao ouvir clássico de Bruce Dickinson

Sepultura: ideia de Refuse/Resist surgiu de uma jaqueta, conta Max CavaleraSepultura
Ideia de "Refuse/Resist" surgiu de uma jaqueta, conta Max Cavalera

Mamonas Assassinas: a história das fotos dos músicos mortos, feitas para tabloideMamonas Assassinas
A história das fotos dos músicos mortos, feitas para tabloide

Kiss: Vinnie Vincent está vendendo suas letras manuscritas por 50 mil dólaresKiss
Vinnie Vincent está vendendo suas letras manuscritas por 50 mil dólares

Edu Falaschi: Anunciadas datas de lançamento do álbum Vera Cruz e linha de produtosEdu Falaschi
Anunciadas datas de lançamento do álbum "Vera Cruz" e linha de produtos


Stamp
Edu Falaschi - Vera Cruz
Pentral

Black Metal: o lado mais negro da cena brasileira

Por Alexandre Maia
Em 02/05/12

Na virada do milênio, o black metal norueguês já havia consolidado sua posição no contexto da cena metal, e sua gélida estética e cortante sonoridade inspiravam, por todo o globo, o surgimento de novas bandas. Uma resposta brasileira a esta "segunda onda do black metal" iniciada na Noruega não tardaria a ser formulada.

Nesse período a cena carioca, ganhando atenção da mídia especializada (leia-se: Rock Brigade), figurava como principal representante da reação brasileira ao metal negro norueguês. Do "Hell de Janeiro" surgia uma cena com bandas que são, hoje em dia, bem conhecidas dos bangers brasileiros atentos ao cenário nacional, entre elas o Mysteriis (que retomou suas atividades recentemente, após um hiato de alguns anos), o Unearthly (que, distanciando-se da estética black metal, aposta atualmente em uma sonoridade death metal) e o Nocturnal Whorshipper (cujas antigas glórias seu fundador hoje lamenta, prostrado aos pés da cruz, clamando a Jesus Cristo por perdão por seu passado blasfemo).

O que poucos sabem é que, paralelamente a esta cena carioca, emergia no Brasil uma outra cena, cuja existência maldita esteve fadada, desde o início, a permanecer confinada às mais sombrias profundezas do underground, presa a correntes que lançava sobre si mesma. Tais correntes se traduzem na baixa fidelidade sonora de seus artefatos, por vezes beirando uma crueza excessiva; na predileção por formatos antiquados, em especial as fitas cassete; lançamentos disponíveis em quantidades extremamente limitadas, normalmente com cópias numeradas à mão, distribuídos apenas por meios extremamente subterrâneos e inacessíveis; flertes com ideologias pouco populares e, creio ser possível dizer, "perigosas"; a total ausência de shows, apresentações ao vivo e divulgação de qualquer natureza, etc. Diante disso, apenas aqueles acostumados a arriscar-se nas mais negras profundezas e a encarar os mais profundos abismos podiam emergir conhecedores das blasfêmias inauditas proferidas por esta obscura cena. Para estes raros indivíduos, pouco ou nada significam aquelas linhas imaginárias que dividem nações: eles se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo, entre vermes e ossos, em fossos cavados em sua eterna busca pelas terríveis criaturas que habitam as profundezas.

Dessa forma eu, brasileiro, desconhecendo totalmente a existência desta besta subterrânea, alojada sob o próprio solo que habito, tomei conhecimento de sua face hedionda através de uma interessantíssima figura norte-americana: Aesop Dekker, baterista da lendária horda estado-unidense AGALLOCH (além de ex-baterista do finado LUDICRA), recentemente eleito #18 no ranking dos 25 melhores bateristas modernos do site metalsucks.net. Foi em uma entrevista de Aesop Dekker ao ótimo webzine Intervalo Banger que pela primeira vez ouvi proferidos, como palavras mágicas de um mórbido encantamento, os nomes DRAUGURZ, GEHEIMNIS, GHASH e THALLIUM, citados, curiosamente, ao lado de um dos maiores nomes da música pesada brasileira, o RATOS DE PORÃO.

Pesquisando sobre estas bandas, das quais Dekker se diz fã, assisti descortinar-se perante meus olhos a visão terrível e magnífica desta oculta entidade subterrânea. Aos poucos as informações sobre as diferentes bandas e projetos, unindo-se como peças de um quebra-cabeça, permitiam a visão de uma imagem mais ampla, de uma "unidade" que engloba o variado bestuário com que aqui lidamos. Creio que seja possível, assim, falar em uma "cena", uma vez que podemos identificar aqui e ali vínculos e interações entre estas bandas, seja por meio de lançamentos através de um mesmo selo, lançamentos conjuntos (os chamados "splits"), participações de membros de diferentes bandas em certos projetos paralelos, e também por se concentrarem as bandas, em sua maioria, nas regiões subtropicais do Brasil, espalhadas entre os Estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

A seguir ofereço um insight no universo particular de cada uma das bandas que julguei serem os principais representates da "cena" que vos apresento...

EVIL

Pioneiros da segunda onda do black metal no Brasil, o paulista EVIL disseminava seus hinos de ódio consagrados ao caos já no remoto ano de 1995, tecendo, no decorrer de longos anos, uma teia de contatos no underground internacional que resultou em colaborações com nomes que figuram entre os mais odiosos e prestigiados do black metal no mundo. Temos, assim, os lançamentos conjuntos com as bandas CELESTIA (França) e MOONBLOOD (Alemanha), ambos de 1999, como o início de uma tradição que levaria o EVIL a unir forças, nos anos se se seguiriam, com uma série de outras bandas ilustres, incluindo BILSKIRNIR (Alemanha), SATANIC WARMASTER (Finlândia), DROWNING THE LIGHT (Australia), ABIGAIL (Japão) e muitas outras. Com uma sonoridade de baixíssima fidelidade e uma atmosfera de crueza primitiva, o Evil conseguiu obter grande sucesso em sua proposta de oferecer emanações sonoras do puro Mal aos ouvidos daqueles que anseiam por uma nova era de caos. Reza a lenda que um dos membros do EVIL teria sido preso no final da década de 90 pelo assassinato de um homossexual. Fica a pergunta: qualquer semelhança com os eventos transcorridos na Noruega seria simplesmente mera coincidência?


MASEREGOTH

Este bizarro duo paulistano surgiu em 1998 com uma demo de hinos sombrios que levam o ouvinte em uma viagem abismal à Idade das Trevas, lançado pelo lendário selo Southern, através do qual muitos lançamentos do EVIL foram editados.

THALLIUM

O THALLIUM surge em São Paulo no ano de 1999 como projeto da sombria e solitária figura de Warwolf, responsável por todos os instrumentos e vocais. A sonoridade remete àquela dos primórdios da horda polonesa GRAVELAND - não, entretanto, ao orgulhoso guerreiro eslavo, equipado com seu elmo e armadura reluzentes, a entoar hinos épicos que evocam a glória do BATHORY em sua era viking; mas sim ao místico encapuzado que conjura, com seus ocultos conhecimentos rúnicos, terríveis bestas e impenetrável escuridão, na qual pode reluzir apenas a afiada lâmina da Morte.


DRAUGURZ

Seguindo os passos do BURZUM, algumas bandas foram capazes de conjurar imagens sublimes de melancolia e ódio pagãos através de sua música. Entre tais bandas podemos destacar o WIGRID (Alemanha), o DRUDKH (Ucrânia) e também o catarinense DRAUGURZ. Formado em 1999 e contando com um único membro em sua formação, o DRAUGURZ evoca o espírito torturado pelo seu isolamento em um mundo em ruínas, impelido a seguir as vozes de um orgulhoso passado pagão há muito perdido nas brumas do tempo.

INMITTEN DES WALDES

Das profundezas das florestas paranaenses, duas almas torturadas, J. e N., se unem para criar um black metal cadenciado e atmosférico, influenciado por bandas como BURZUM e DRUDKH, não muito distante da sonoridade de seu conterrâneo sulista DRAUGURZ. O INMITTEN DES WALDES lançou no anos de 2009 um split com o finlandês MORTUALIA, projeto paralelo de Shatrag, membro fundador e guitarrista da lendária banda HORNA, do qual foi retirado a música a seguir.

GEHEINMIS

De Minas Gerais, temos o único representante desta cena para além do trópico de Capricórnio: trata-se da "one-man-band" GEHEINMIS. Entoando cânticos lúgubres de adoração à natureza em sua língua nativa, o português, a banda surge em 2005 com a demo "Das Negras Montanhas", editada pelo selo Gungnir Productions (finado selo responsável pelo lançamento de uma série de bandas do underground brasileiro como DRAUGURZ, INMITTEN DES WALDES, GHASH e WOODSMARCH).

WOODSMARCH

De São Paulo temos mais uma one-man-band praticando um black metal crú e minimalista, com ótimos riffs e, em geral, andamentos menos cadenciados que de seus companheiros de cena, criando uma atmosfera diferenciada para seus hinos de isolamento e orgulho pagão.

GHASH

De todas as bandas aqui apresentadas, o GHASH, de Santa Catarina, pode ser considerado como a mais bizarra e odiosa. A atmosfera extramamente sombria é composta por riffs simples repetitivos à exaustão através de uma parede de ecos e reverberações, acompanhados por uma hipnótica bateria eletrônica e lamentações desesperadas do espírito torturado de seu único membro, Oghor. Angústia, depressão e suicídio encontram sua mais hedionda tradução na forma da música do GHASH.

O período em que as bandas acima citadas (entre outras) constituíram o que podemos reconhecer como uma "cena" tem seu início no final dos anos 90 e se estende ao final da primeira década do novo milênio. O ano de 2008 marcou os últimos lançamentos de THALLIUM, GEHEINMIS, DRAUGURZ e WOODSMARCH (as duas últimas dividindo um split album). O ano seguinte traria o último lançamento do INMITTEN DES WALDES, cujo membro N. viria a abandonar o black metal para dedicar-se à música clássica. MASEREGOTH e GHASH lançaram apenas uma demo cada, em 1998 e 2004 respectivamente, desaparecendo logo a seguir. Dessa forma, entre todas as banda aqui mencionadas, apenas o EVIL segue ativo, com diversos splits EPs lançados anualmente.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

MOPD
Arte Musical
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira


Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Anthrax: Scott Ian apresenta a solução para o Phil AnselmoAnthrax
Scott Ian apresenta a solução para o Phil Anselmo