Venom: "Matar pessoas não é entretenimento"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Guedes, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

Em entrevista com Conrad "Cronos" Lant, realizada por Paul Travers do Suite 101, o frontman do VENOM fala, dentre outras coisas, sobre a influência sofrida pela cena Punk e a violência cometida na Noruega no início dos anos noventa, por integrantes de bandas que se diziam influenciadas pelo VENOM.

publicidade

Suite 101: O quão grande foi sobre você a influência da cena Punk que precedeu o NWOBHM?

Cronos: "O Punk foi bom para o Rock porque o Rock é para ser a música do demônio e um pouco irado e algo que seus pais não vão gostar. Esse era basicamente o novo Rock’n Roll".

publicidade

Suite 101: Você estava consciente de que estava fazendo algo revolucionário na época ou isto surgiu acidentalmente?

Cronos: "Posso dizer que foram ambos. Quando as pessoas falam do VENOM criando todo aquele movimento Black Metal ou o que quer que seja, é um grande fardo a se carregar. É difícil chegar a uma conclusão pois sempre pensei que o VENOM era apenas um catalisador para o que viria a acontecer de qualquer forma. Com tantas bandas que estavam sendo cópias de todo mundo, fez muito sentido que houvesse uma p*** banda que soasse diferente. Porque eu sabia que eu não podia ser a única pessoa no planeta pensando do jeito que eu pensava. VENOM foi um catalisador para o que era inevitável e era necessário para o Rock pegar de volta toda aquela sujeira e para as pessoas falarem ‘foda-se essa enganação, a meia baixa e as presilhas, vamos ligar os amplificadores e pegar meleca e cuspir nisso’. Era difícil encontrarmos bandas quando começamos – queríamos tocar com bandas como METALLICA, SLAYER e EXODUS. Bandas que eram como a gente para cair na estrada eram muito poucas e distantes. Mas veja as coisas agora – são mega colossais. Eu acho que aquilo foi inevitável, além de ter sido uma saudável forma da música progredir".

publicidade

Suite 101: Como você se sentiu vendo as igrejas queimando e os assassinatos na Noruega no início do anos 90, por bandas que se diziam influenciadas pelo VENOM?

Cronos: "Você pode levar as coisas de todas as formas para outras áreas, porém a partir do instante em que eventos vão além da música, você está saindo do foco. Você sempre tem que ter a música como número um e sair matando pessoas não tem nada a ver com entretê-las. Você terminará numa cadeia e então não pode mais tocar. Infelizmente o que ocorreu foi uma série de eventos que saíram pela culatra, algo totalmente errado. Isso superou a música – se tornou algo que as pessoas queriam falar além da música em sí. Se você falar – do BURZUM ou do MAYHEM, fale uma de suas músicas, entendeu? Ou, além do cara que está na cadeia, fale dos outros membros da banda. Você estaria pressionando as pessoas a conhecer atualmente um pouco mais sobre eles – eles só sabem falar sobre as igrejas queimando e assassinatos".

publicidade

A entrevista completa (em inglês) está neste link.



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: Quanto vale a banda? Quanto cada um deles tem de dinheiro?Metallica
Quanto vale a banda? Quanto cada um deles tem de dinheiro?

Musas inspiradoras: as esposas mais lindas dos rockstarsMusas inspiradoras
As esposas mais lindas dos rockstars


Sobre Thiago Guedes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Thiago Guedes no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin