Michael Romeo: "Eu queria que as partes orquestrais fossem exageradas"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Altaf, Fonte: Lotsofmuzik
Enviar correções  |  Ver Acessos

"Eu queria que as partes orquestrais fossem exageradas, com muitas guitarras" - Michael Romeo do Symphony X fala com o Lotsofmuzik sobre seu álbum solo "War of the Worlds Part I"

Um dos guitarristas mais influentes dos últimos quinze anos, Michael Romeo está de volta com um novo lançamento. Enquanto sua banda Symphony X está em hiato, ele tirou um tempo para gravar seu primeiro álbum solo, intitulado "War of the Worlds Part I". É um álbum conceitual, que usa o famoso romance de H. G. Wells do mesmo nome como ponto de partida, mas expande a história e aborda todos os tipos de conflitos pelos quais a humanidade está passando agora: política, religião, diferenças de opinião, etc. E como o título indica, haverá uma parte 2 deste lançamento, que já está parcialmente gravada. Michael falou com o colaborador do site Lotsofmuzik (https://lotsofmuzic.weebly.com), e comentou sobre o estado atual do mundo da música, a ideia de fazer uma turnê divulgando o novo álbum, planos futuros para o Symphony X e muito mais. Confira abaixo:

Lotsofmuzik: Primeiro de tudo, parabéns pelo novo álbum "War of the Worlds Part I", que para mim tem um efeito hipnotizante - não consigo parar de ouvi-lo desde que o recebi!

Michael Romeo: Muito obrigado, isso significa muito!

Lotsofmuzik: O album não é exatamente uma sequência para o seu primeiro trabalho solo, "The Dark Chapter", certo? É algo completamente diferente!

MR: Sim, o "Dark Chapter" era apenas uma demo, na verdade. Eu fiz em 1991 ou algo assim, e fiz em casa! Eu não tinha nenhum equipamento e fiz aquilo por diversão. Mas quando o Symphony X fez o primeiro contrato com uma gravadora japonesa, eu lhes enviei essa demo, e eles disseram "podemos lançar isso?" E eu disse "claro, vá em frente". Mas eu não tinha um bom estúdio ou um bom equipamento ou algo assim. Então para mim, "War of the Worlds Part I" é realmente meu primeiro disco solo. A produção é profissional, temos músicos de verdade tocando no álbum, e bons equipamentos, e guitarras que ficam afinadas [risos], então é "pra valer" agora.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lotsofmuzik: Neste disco você também tem John "JD" DeServio (baixo) e John Macaluso (bateria), e Rick Castellano nos vocais. Como cada peça do quebra-cabeça dessa formação entrou na banda?

MR: Eu queria caras que eu conhecia e que fossem amigos. Gente com quem eu saio e que eu sei que são ótimos músicos. Eu conheço John Macaluso há anos, e quando pensei em fazer um disco solo, fazia sentido convidá-lo, e eu liguei para ele assim que decidi gravar este álbum. Sobre o JD, eu estudei o ensino médio com ele, então nos conhecemos há bastante tempo. Ele mora perto de mim, e sempre pensamos em fazer alguma coisa. E Rick, novamente, somos amigos. Nós nos conhecemos há seis anos ou algo assim, e eu o conheci apenas tocando com alguns amigos um dia. De vez em quando, eu converso com velhos amigos do ensino médio para improvisar e tomar algumas cervejas, e Rick apareceu um dia. Lembrei-me dele como sendo um musico muito bom e nos demos bem. Assim que pensei em fazer um disco solo, pensei em convidá-lo para cantar. Então a ideia foi gravar com amigos. A ideia era ter um bom ambiente durante a gravação e se divertir.

Lotsofmuzik: O ponto de partida para o álbum foi a escolha do título e a direção musical geral. Até que ponto os outros músicos foram autorizados a contribuir para a composição do álbum?

MR: Principalmente na gravação. Quando eu escrevo meu material, costumo usar uma bateria eletrônica e um baixo aqui e ali, mas é meio rascunhado, como um esboço. Mas a música será a música. Mandei as coisas para Macaluso e disse a ele: "adicione seu próprio toque. Não mude a música totalmente, mas se você tem uma batida, um ritmo, ou uma virada, coloque ela lá! ". E o mesmo com JD, "se você tem algo a acrescentar, vá em frente e adicione - talvez no final da música, faça um riff finale ou algo assim". Mas com as letras e as melodias, eu Rick e eu colaboramos. Nós sentamos aqui no estúdio por um tempo, nos debruçamos sobre todas as músicas e tentamos todos os tipos de coisas diferentes. Então, sim, quando se tratava de letras e melodias, Rick e eu trabalhamos juntos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lotsofmuzik: Com relação às letras, você mencionou que a "Guerra dos Mundos" a que você se refere não é necessariamente sobre o conflito entre a Terra e alienígenas, mas também guerras religiosas, políticas etc. Parece ser o momento apropriado para falar sobre como a nossa sociedade se tornou divisiva, certa?

MR.: Sim, é verdade cara ... o mundo está muito fodido agora!!! [risos] Com a música, eu sabia que queria ter esse jeito cinematográfico, meio Star Wars acontecendo. E com as letras, eu não queria recontar o romance de H G Wells exatamente, ou cantar sobre discos voadores nas letras, e armas com raios, etc. Isso seria mais do mesmo. Eu e Rick estávamos conversando e dissemos "o que mais podemos fazer". E nós pensamos: e se os "mundos" significassem todas essas outras coisas e guerras e conflitos que estão acontecendo. Como você disse, tudo está tão dividido agora, há muito conflito acontecendo sobre qualquer coisa... então nós ainda poderíamos manter a Guerra dos Mundos e manter o pano de fundo da ficção científica, mas talvez lançar algumas frases aqui e ali, meio que abordando alguns desses conflitos. Eu não sou um cara político ou religioso, estou apenas fazendo uma observação, não estou pregando nada.

Lotsofmuzik: Eu acho que do ponto de vista das letras, a música que aborda isso de maneira mais direta no álbum e a chamada "Diferences", certo?

M.R .: Ah sim! Quero dizer, todas elas têm um pouco disso. "Djinn" também tem um pouco disso - religião e política principalmente. Entre todos nós sempre há diferenças de opinião e problemas com outra pessoa o tempo todo.

Lotsofmuzik: "Believe" para mim é a música em que você se aproxima da sonoridade do prog metal - mas você tomou uma decisão consciente durante o processo de composição de se distanciar do som do Symphony X?

M.R .: Sim, eu não queria que soasse exatamente como o Symphony X. Alguns dos riffs e outras coisas que eu faço soam como o Symphony X, obviamente, mas eu não queria que fosse exatamente o mesmo. Eu realmente não queria solos de teclado no álbum, mas queria que a guitarra e a orquestra estivessem bastante em evidência. Mesmo em "Believe", tem aquela coisa prog e melódica acontecendo, mas bem no meio eu pensei "vou entrar na orquestra aqui com a guitarra e sair na tangente". E tem algumas coisas eletrônicas com a coisa dos robôs e até um pouco de dubstep! Eu pensei que o Symphony X nunca faria uma coisa dessas, então eu disse "vou fazer isso!" Eu queria que fosse diferente.

Lotsofmuzik: Você acabou de tocar na música que eu ia abordar agora, então vamos falar sobre provavelmente a música mais controversa neste lançamento - do título aos sons de dubstep - "Fucking Robots". Você acha que os fãs terão dificuldade em entender essa faixa?

M.R .: [risos] Eu acho que é uma música legal, todos nos divertimos com isso. É apenas uma coisa diferente, uma mistura de outras influências. Há um pouco de dubstep, mas também algumas guitarras pesadas, a orquestra também está lá, e é algo diferente do normal. Eu acho que no começo as pessoas vão pensar que é muito estranho, mas se você ouvir, é muito legal. Mas isso é o que você tem que fazer - seja criativo, experimente coisas diferentes, ou então, é a mesma coisa de sempre. Eu amo essa música, eu sento e escuto isso ultimamente e isso me faz rir, porque é tão diferente e ridículo, mas é divertido, cara, é só música!

Lotsofmuzik: Qual foi a inspiração por trás das três caveiras na capa e quem a desenhou?

M.R .: Eu estava trabalhando com esse artista que eu conheço, o nome dele é Drake Mefestta, e ele também fez capas para outras bandas. Eu disse a ele o que o álbum era e que eu queria uma vibe de ficção científica, um pouco obscuro e meio alienígena e talvez um pouco Giger. Quando eu disse Giger ele trouxe as caveiras e a textura alienígena nos esboços, e o que ele criou realmente se encaixou.

Lotsofmuzik: Assim como muitos dos álbuns do Symphony X, há muitos sons de orquestra e trilha sonora, mas a presença da orquestra no seu álbum está realmente acima da média - você já considerou fazer uma trilha sonora de filme?

M.R .: Ah sim, eu acabei de fazer algumas! E eu estou apenas começando a fazer isso agora, eu fiz um filme de terror em setembro, um programa de TV e outro filme, e me diverti muito fazendo isso! É difícil ganhar dinheiro com música hoje em dia, então faço o que posso. Eventualmente, essas coisas serão lançadas, e eu poderei falar sobre isso um pouco mais. O filme de terror foi muito divertido, é um filme de terror old school com uma vibe dos anos 80, meio Tubarão ou Sexta-feira 13. Eu cresci vendo esse tipo de filme, então eu estava muito animado para fazer isso! Isso é divertido também.

Lotsofmuzik: E você já teve a chance de se sentar com seu herói John Williams?

M.R .: Isso nunca vai acontecer, cara! [risos]

Lotsofmuzik: Talvez, quem sabe?

M.R .: Eu nunca desperdiçaria o tempo dele, cara ... ele tem que continuar escrevendo e produzindo! Tem muitos caras que realmente me inspiraram quando crescia: Randy Rhoads, é claro, Van Halen e Yngwie, Sabbath e Priest ... isso foi uma grande parte da minha vida, e com a música clássica também, eu fui para Stravinski, caras assim. Mas desde que eu era criança, eu adorava música de cinema: Star Wars, Superman, E.T., Indiana Jones e Tubarão...esses são clássicos enraizados no cérebro de todo mundo. Então John Williams é um gênio! Eu o respeito totalmente, assim como todos os meus outros idolos, não importa se eles são shredders, caras de metal, caras prog ou caras de filme...se a coisa é boa, a coisa é boa!!! [risos]

Lotsofmuzik: E trazer de volta o assunto de "War of the Worlds Part I" novamente, aparentemente a Parte II está quase pronta, certo?

M.R .: Sim. Quando eu comecei a escrever, eu estava escrevendo todos os dias, e eu sabia o que queria fazer, eu queria ter como você disse, eu queria um pouco mais de orquestra, e a orquestração ser exagerada, e com muitas guitarras. Todos os dias eu tinha uma ideia nova e as coisas estavam avançando. E depois de cinco meses, voltei e olhei para tudo, e tínhamos mais ou menos duas horas de material. E eu disse " vamos começar a gravar tudo". Nós gravamos a bateria para todo o material, baixo e guitarras base e alguns dos vocais. Mas quando chegou a hora das letras, foi ficando meio difícil - havia muita coisa! Então nós dissemos "talvez vamos apenas trabalhar no primeiro grupo de músicas, e então em algum momento nós voltaremos e terminaremos. Vamos tentar fazer com que a primeira metade seja a melhor possível". Então, sim, grande parte da "Part II" já está pronta, e se o álbum for bem e as pessoas o curtirem, então o outro não precisaria de muito tempo para ser feito. Mas a "Part II" está na mesma linha - obviamente as músicas são diferentes, mas tudo foi escrito ao mesmo tempo, então muitos dos temas voltam, ou o tema é "invertido", e há algum tipo de variação aqui e ali, todos os nossos truques musicais estão lá, então é a mesma vibe.

Lotsofmuzik: Eu acho que é uma ótima estratégia lançar a parte I e depois a parte II porque ela não é muito demandante para o ouvinte. É um conceito e uma história, mas não é difícil para o ouvinte absorver.

M.R .: Eu acho que fazer um disco duplo é demais, até para mim. Isso é muito para absorver, então sim, decidimos dividi-lo. Eu quero que as pessoas absorvam o primeiro por um tempo, e depois vamos lançar o segundo disco. Eles se complementarão, mas também serão um pouco diferentes

Lotsofmuzik: E você também disse que inicialmente não tinha expectativas de tocar esse material ao vivo, mas agora você está pensando em fazer uma turnê ou alguns shows aqui e ali.

M.R .: Sim, isso depende de muita coisa. Quando comecei o disco, pensei em me divertir e convidar alguns amigos. E mesmo gravando, foi ok colocar a orquestra em todos os lugares, e todas essas guitarras extras, e os sintetizadores em todos os lugares, porque nós não sabíamos se faríamos isso ao vivo. Nós dissemos "vamos fazer soar bem agora, e se o fizermos ao vivo, vamos nos preocupar com isso mais tarde". Mas não está nada decidido. Estamos esperando para ver o que vai acontecer com o Symphony X. Estamos nos falando sobre qual será o próximo passo, então há muitas peças sendo movidas no tabuleiro, por assim dizer. Então, estamos levando isso dia a dia e descobrindo qual será o plano.

Lotsofmuzik: Eu posso imaginar as dores de cabeça que você terá ao tentar fazer o material funcionar em um palco, certo?

M.R .: Seria difícil de fazer, porque eu gostaria de ter uma orquestra ao vivo, mesmo que seja pequena, porque muito dessa obra é a orquestra. Eu odiaria ter quatro caras tocando junto com um gravador. Eu prefiro ter mais seres humanos no palco. Mas então entramos na questão do dinheiro e outros aspectos, então é impossível dizer agora. Muito disso depende do próximo movimento do Symphony X. Quer dizer, eu acabei de fazer esse disco, nem saiu ainda! [risos] Então, vamos levar a coisa um passo de cada vez.

Lotsofmuzik: Você é considerado um dos principais guitarristas da nossa geração - até que ponto você se importa ou ouve esses elogios e com quem você se compara atualmente?

M.R .: Eu não procuro elogios, estou apenas fazendo meu trabalho! Eu sou um cara que gosta de escrever e tocar, e tentar ser criativo e desafiar a mim mesmo quando estou escrevendo ou tocando. Eu sou provavelmente meu crítico mais duro. Quando estou acompanhando, tocando ou até mesmo escrevendo - estou sempre me perguntando "como posso melhorar ao máximo". Eu sou muito duro comigo mesmo o tempo todo. Mas você tem que ser, ou então as coisas que você escreve ou toca só vão parecer cansadas e não empolgantes. Eu ainda me empolgo por escrever - graças a Deus! [risos]

Lotsofmuzik: O que me fascina no seu estilo é o quão pesado você soa quando está tocando riffs, e o quão claro você soa fazendo solos. Qual é o seu segredo para conseguir isso, especialmente ao vivo?

M.R .: Eu não sei, apenas toco! [risos] Eu realmente não sei. Se estou configurando meu amplificador ou o que for, é só encontrar esse equilíbrio. Com a guitarra base eu posso forcar a barra um pouco, torná-la pesada, mas nos solos eu meio que posso me mover de forma mais fluida e as notas vão surgindo. Então não, cara, nenhum truque maluco, e mesmo nos ritmos, como eu disse, talvez tocando um pouco mais forte para conseguir um pouco mais daquele som agressivo e nos solos uma abordagem diferente. Nenhum truque de mágica, cara! [risos]

Lotsofmuzik: Você acha que a sua carreira é exatamente o que você imaginou quando começou ou não? E você consideraria tocar outros estilos de música?

M.R .: Cara, essa é uma boa pergunta. Quando eu era jovem, eu só queria estar em uma banda e tocar música e certamente estou fazendo isso agora. O que eu não imaginava, aliás o que nenhum de nós sabia é que toda a indústria da música seria virada de cabeça para baixo. Financeiramente agora pra muitos caras que eu conheço e pra mim também, é realmente difícil ser músico agora e ganhar dinheiro e viver disso. É apenas um momento diferente. Então, sobre esse aspecto, eu não tinha a menor ideia de que aconteceria! [risos].

Lotsofmuzik: Eu não acho que alguém tenha esperado ou notado isso para ser honesto. É uma mudança completa na indústria da música, de 10 ou 15 anos atrás, certo?

M.R .: Nos últimos dez anos, eu diria que é quando eu realmente notei isso. E o mais difícil é que eu não vejo muitas bandas novas de metal, como o grande exército de bandas de metal que... quando o Symphony x estava começando, toda vez que você olhava havia uma nova banda. E foi um momento emocionante. Mas muitas crianças agora gostam de seus telefones e de seus videogames e gostam de música eletrônica e DJs, e todo mundo quer ser DJ. E as lojas de instrumentos estão com problemas financeiros porque essas crianças não estão comprando instrumentos musicais. Isso é assustador. Mas eu entendo porque seria muito difícil, com o jeito que os negócios agora são para as bandas começarem do zero e realmente passarem pela maneira normal que era anos atrás, quando todas as bandas estavam fazendo esse tipo de coisa. Agora é bem diferente.

Lotsofmuzik: E com o Symphony X, esses dias vocês são de certa forma embaixadores do lado mais tradicional do prog metal - quais bandas novas de prog metal você ouve?

M.R .: Nos últimos dois anos, não consigo pensar em muitas bandas novas que tenha escutado. Juro por Deus. Quer dizer, eu não consigo me lembrar, e eu nem sei o que nós consideramos prog hoje em dia - há tantos sub-gêneros disso! Então é difícil de responder. Mesmo se você me perguntasse qualquer nova banda que eu tenha ouvido no último ano ou dois de outros estilos, não sei se posso citar alguma. Estou falando sério. Quero dizer, há alguns por aí, mas você sabe, estava conversando com um amigo sobre isso ontem: o Slayer está se despedindo, o Sabbath e o Rush acabaram, e eventualmente todo mundo vai começar a fechar as portas, e então onde está o próximo Slayer? Onde está o próximo Rush, sabe? Eu realmente não vejo todas as novas gerações de crianças carregando a tocha para o que quer que seja, para metal e prog ou o que quer que seja. Parece um momento diferente, você sabe, as coisas mudaram um pouco. Um pouco assustador.

Lotsofmuzik: Sou fã de longa data e vi o Symphony X no Rio em 2016. Os fãs sempre se perguntam se/quando sera lançado um DVD ao vivo do Symphony X!

M.R: Eu não faco ideia cara. Quero dizer, é algo que sempre falamos e isso nunca se materializou. E então todo o ano passado foi realmente um momento difícil para a banda porque Russel [Allen, vocalista] disse que queria passar um pouco de tempo com sua banda Adrenaline Mob, e tentar fazer com que ela decolasse um pouco. E quanto a isso, tudo bem. E então nosso baixista [Mike] Lepond fez um disco solo. Eu decidi fazer meu disco e então essa terrível tragédia aconteceu com aqueles caras e o acidente [o Adrenaline Mob teve um acidente com o ônibus da turnê em que o tour manager e o baixista David Z faleceram]. E eu não posso nem imaginar o que todos eles passaram. Eu conversei com Russ algumas semanas atrás e quando você passa por algo tão horrível, isso coloca a sua vida em perspectiva, talvez mude um pouco suas prioridades, certo? Então nós estávamos conversando, eu disse: "Cara, eu te entendo". Você passou por muita coisa, então tire um tempo para você e resolva isso. Apenas decida o que você está pensando e depois nos diga o que vamos fazer. Então agora estamos indo com calma e eu estou meio que dando a ele algum espaço para resolver as coisas. Mas nada em definitivo. Em algum momento nós vamos nos reagrupar e voltar com tudo.

Lotsofmuzik: E bom ouvir isso! E você já ouviu os outros álbuns de seus colegas de banda no Symphony X? Silent Assassins, Adrenaline Mob, álbuns solo do Pinella etc.?

M.R .: Sim cara, eu ouço tudo deles! Quando Russ terminou seu último álbum, ele mostrou um pouco para mim. E a banda do Lepond, nós fizemos muitas gravações no meu estúdio - eu ajudei bastante fazendo isso. Então sim, eu ouvi, e ouvi muito! [risos] E tudo bem. Todo mundo tem suas coisas diferentes, Lepond gosta de metal old school e o Pinella, você sabe, ele gosta das coisas de teclado, obviamente, e eu ouço um pouco de Yes. E você pode adivinhar do que eu gosto - riffs de metal, coisas de Stravinsky e John Williams. Todo mundo no Symphony X tem seus interesses particulares, apenas tentando ser criativo. Mas sim, como eu disse, em algum momento, vamos nos reagrupar. Eu acabei de falar com Lepond anteontem, ele me ligou. Então estamos todos conversando e eles sabem que acabei de terminar este novo álbum também. Então eles me deram um pouco de tempo só para fazer o que eu preciso fazer. Então, é uma coisa saudável, depois de tantos anos juntos o tempo todo, todo mundo só fez uma pequena pausa para fazer outras coisas que eles sempre quiseram fazer. Então isso é totalmente normal.

Lotsofmuzik: Você consideraria algum outro tipo de veículo para transmitir seu conhecimento - talvez lições por Skype ou mais clínicas?

M.R .: Sim. Eu preferiria tentar colocar tudo o que sei em algum tipo de série "master class" ou algo assim. Algumas poderiam ser sobre teoria e algumas poderiam ser sobre guitarras, palhetada ou batida e poderia ser sobre como pensar em construir um solo ou um riff ou compor uma música, levando em conta harmonia e teoria. Seria legal fazer isso. Levaria um tempo absurdo para juntar tudo, mas é uma daquelas coisas que eu sempre penso. Eu estou sempre pensando sobre essas coisas e, novamente, há um problema de tempo e eu finalmente tive tempo de fazer esse álbum solo e em algum momento, você sabe, com o Symphony X nós estaremos progredindo novamente. Com o Symphony X eu passei tanto tempo escrevendo e fizemos todas as gravações aqui na minha casa, então é um trabalho em tempo integral todo dia. Mas sim, eu considero qualquer coisa.

Lotsofmuzik: Muito obrigado pelo seu tempo e sucesso no novo lançamento! Espero ver você de volta à estrada em algum momento, seja com o Symphony X ou promovendo seu álbum solo!

M.R .: Sim, em algum momento, seja com o Symphony X, ou com o novo álbum, isso vai acontecer.

Lotsofmuzik: Eu estou cruzando os dedos. Tudo de bom, cara!

M.R .: Sim, bom conversar com você, cara, se cuide!

"War of the World's Part I", do Michael Romeo, sai dia 27 de Julho pela via Music Theories Recordings / Mascot Label Group. O tracklist e os músicos de sua banda estão listados abaixo:

Tracklist:
01. Introduction
02. Fear Of The Unknown
03. Black
04. F*cking Robots
05. Djinn
06. Believe
07. Difference
08. War Machine
09. Oblivion
10. Constellations

Músicos:
Michael Romeo - Guitarras
Rick Castellano - Vocais
John "JD" DeServio - Baixo
John Macaluso - Bateria

Confira a entrevista original aqui:
https://lotsofmuzic.weebly.com/home/i-wanted-the-orchestral-...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Michael Romeo"Todas as matérias sobre "Symphony X"


Metal Sinfônico: dez álbuns essenciais do gêneroMetal Sinfônico
Dez álbuns essenciais do gênero

Dragonforce: Herman Li elege seus cinco riffs favoritosDragonforce
Herman Li elege seus cinco riffs favoritos


Metallica: corrigindo a injustiça contra Jason NewstedMetallica
Corrigindo a injustiça contra Jason Newsted

Pearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desistePearl Jam
Banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste


Sobre Rodrigo Altaf

Mineiro nascido em 1974, esse engenheiro civil que vive e trabalha no Canadá começou a ouvir heavy metal aos dez anos, após acompanhar o Rock in Rio I pela televisão. Após vários anos sem colaborar pro Whiplash.Net, está em busca de todos os shows possíveis em Toronto. Entre suas influências estão Iron Maiden, Van Halen, Rush, AC/DC e Dream Theater.

Mais matérias de Rodrigo Altaf no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280