Amen Corner: "Black Metal é paixão mesmo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Ver Acessos

Após um gigantesco hiato longe das entrevistas, retorno a essa atividade em grande nível, entrevistando uma das mais icônicas bandas de Black Metal nacional, a paranaense Amen Corner. Aqui, o vocalista Sucoth Benoth faz uma retrospectiva de toda a carreira da banda, o que o futuro reserva para eles e, principalmente, para os fãs. Conheçam mais da história do Amen Corner, e preparem-se para o que está por vir...

Viralizou: mulher grita "deixa eu escutar Beatles" para pregadora em metrôSeparados no nascimento: James Hetfield e o Leão Valente

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente - Vamos começar lá no principio. Como foi o inicio de tudo para o Amen Corner, e, para aqueles que não conhecem a história, como chegaram ao nome da banda?

Sucoth Benoth - Salve!! Em 1992 a banda estava dando seus primeiros passos e ainda não tinha seu nome definido, eu estava na banda Curitibana Infernal desde 1987 e no início de 1992 eu fiquei sabendo que uma banda precisava de um vocalista com influências de Celtic Frost, Venom, Hellhammer, Obituary, etc. Eu liguei e marquei um encontro com eles e chegando no local encontrei o Tito e me lembrei dele pois era um grande conhecido meu devido as nossas bebedeiras de final de semana no Lino's Bar. Chegando ao local, o restante dos membros da banda eu não conhecia, eu peguei o microfone e comecei meio que encaixar o vocal em uma música que eles estavam tocando, ela viria a ser posteriormente batizada de "The Sons of Cain" eles curtiram a forma como eu cantei e encaixei o vocal na música e acabei saindo do Infernal. Posteriormente fizemos uma reunião, e cada um sugeriu um nome para a banda, eu acabei escolhendo Amen Corner e todos concordaram e assim nasceu a banda, em abril de 1992.

Vicente - E já se vão 25 anos do lançamento de "Fall, Ascension,Domination". Como foi essa gravação e todo o processo de composição do disco?

Sucoth Benoth - Eu tinha um sonho de gravar com a Cogumelo, a gravadora do Sepultura, Sarcófago, Holocausto, Mutilator e de tantas outras importantes bandas da época Bem, pegamos nosso 7"EP e enviamos para a Cogumelo. Não me lembro direito de todos os detalhes, já são quase 30 anos, mas acho que foi isso mesmo e, passado uns tempos, recebemos a notícia deles via ligação telefônica (naquela época era tudo por cartas ou telefone) expressando o desejo de fazer um contrato com a banda. Então a gente correu para fazer mais algumas músicas e entrar em estúdio, foi aí que surgiu o " Fall Ascension Domination". O processo de gravação foi rápido, nós já estávamos com quase todas as músicas prontas e bem ensaiadas, se não me engano demorou um mês para concretizar as gravações, mixagem, etc. esse álbum acabou se tornando cult e é reverenciado até hoje no Underground como uma das referências do Black Metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente - E depois surgiu o igualmente clássico "Jachol Ve Tehilá". Esse foi o disco que consolidou de vez o nome do Amen Corner no cenário. Vocês já imaginavam que o mesmo teria tanta aceitação durante o processo de gravação?

Sucoth Benoth - Com o lançamento do Jachol Ve Tehilá, que é um álbum mais trabalhado e mais polido da banda, ele tem elementos de dor e de agonia, de sentimentos mais acentuados. Eu o considero um excelente trabalho principalmente nas composições, arranjos e os solos bem elaborados, sim, junto com o "Fall Ascension Domination", o "Leviathan Destroyer", são grandes álbuns. Durante o processo de gravação, a gente, é claro, fica sempre imaginando como será a aceitação do público em geral, e eu sempre fui bem otimista e acho que o novo sempre será melhor que o antigo, esse é meu pensamento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente - O mais recente lançamento da banda foi "Christ Worldwide Corporation", em 2014. Após esse tempo, como avaliam o resultado obtido com o disco, e teriam algo que gostariam de ter feito diferente nele?

Sucoth Benoth - Eu acredito que ele ficou como esperávamos, pesado, com energia, do jeito que é o Amen Corner e sua característica musical, nossa forma de tocar. Porem com uma clara evolução natural, não ficou faltando nada, nossas ideias da época foram muito bem colocadas no álbum, tanto em sua música, como na concepção das letras, e expressando bem o que queríamos no desenho da capa e também em seu DVD, contando toda a história do lançamento do Christ Worldwide Corporation e como ele foi concebido.

Vicente - E os próximos passos da banda, podemos ter um novo álbum em breve. Quais os planos futuros do Amen Corner?

Sucoth Benoth - Nós já estamos em estúdio gravando o novo álbum, assinamos com a Mutilation Productions para o lançamento que deverá ocorrer agora em dezembro de 2018, se tudo correr como previsto. A capa também já está sendo elaborada bem como toda a arte do CD por Marcos Miller. O Título será: "Under the Whip and the Crown".

Vicente - Vocês irão tocar no Setembro Negro. Qual a expectativa para este show em particular? E das bandas que irão se apresentar no Festival, quais são as que realmente curtem?

Sucoth Benoth - Nossa expectativa é bem grande, vamos tocar no domingo; dia 30; às 16h35min. Sim tem algumas bandas que curtimos como: Razor, Coven, Enthroned, Vulcano, Taake.

Vicente - O Black Metal sempre foi um estilo de extremos, adorado por uns e odiado por outros. Como é viver esse estilo há tanto tempo, e como veem a aceitação do público e o espaço disponível para o gênero no Brasil?

Sucoth Benoth - Sim, sempre foi assim e sempre será. É por paixão mesmo, não tem outro jeito, por dinheiro, a gente sabe que não é, nem por modismo porque se não a gente não estaria na ativa até hoje. Eu acho que se vive o Black Metal, faz parte do nosso cotidiano, é pura paixão. O Público do Amen Corner é grandioso, apaixonado pela banda, nos respeitam e nós os respeitamos sempre. O espaço existe, existe apoio, zines, revistas, e pessoas envolvidas mesmo sem dinheiro, para que a chama nunca se apague!

Vicente - Em poucas palavras, o que acham das seguintes bandas:

Sarcófago - Maravilhoso e inspirador enquanto durou.
Venom - Paixão eterna, inigualável!
Cradle of Filth - Nunca gostei.
Sepultura - Poderoso nos primeiros álbuns até o Beneath the Remains e com a formação original.
Burzum - Nunca gostei. Mas respeitamos.

Vicente - Por fim, deixem um recado para os fãs da banda e para todos aqueles que querem conhecer mais sobre o Amen Corner e apostam no Metal nacional.

Sucoth Benoth - Vicente, agradecemos pela entrevista e pelo apoio. Em breve estaremos divulgando o novo álbum e queremos fazer uma ampla divulgação em shows pelo Brasil todo e no exterior também.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Amen Corner"


Heavy Metal: O homem tem que ser na vida o que prega no palco?Heavy Metal
O homem tem que ser na vida o que prega no palco?


Viralizou: mulher grita deixa eu escutar Beatles para pregadora em metrôViralizou
Mulher grita "deixa eu escutar Beatles" para pregadora em metrô

Separados no nascimento: James Hetfield e o Leão ValenteSeparados no nascimento
James Hetfield e o Leão Valente


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280