Derek Sherinian: "Não sou um grande fã de rock progressivo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar Correções  

Em 18 de setembro, Derek Sherinian, tecladista do supergrupo SONS OF APOLLO, lançou seu mais recente álbum, "The Phoenix". O álbum, com 8 canções que, mais uma vez, demonstram mais uma vez o talento do músico que já foi chamado de "Calígula dos Teclados" por ALICE COOPER e que também já teve uma importante passagem pelo DREAM THEATER. "The Phoenix" traz, além de Derek, um time estrelado de parcerias: Kiko Loureiro, nosso guitarrista no MEGADETH, ZAKK WYLDE, JOE BONAMASSA, os colegas de SONS OF APOLLO, RON "BUMBLEFOOT" THAL e BILLY SHEEHAN, além do baterista Simon Phillips, único músico presente em todas as canções além do próprio Derek. Abrindo um parêntesis, ou melhor, aspas, para comentar o que este último, já havia antes comentado sobre a parceria com Derek. "Temos uma química de composição maravilhosa, sempre tivemos, e foi uma alegria trabalhar nestas novas canções. Eu sinto que ele traz o melhor de mim em termos de compor, tocar e produzir. A parceria simplesmente funciona", tinha dito o baterista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um pouco antes do lançamento de "The Phoenix", conversamos com ele sobre o momento atual (com pandemia e shows cancelados ou adiados no mundo inteiro, inclusive um com o SONS OF APOLLO em São Paulo em abril), sobre o time de estrelas (em especial, obviamente, sobre o convite ao brasileiro Kiko Loureiro), sobre o prazer de tocar e se expressar através do teclado ("Há um certo sentimento, uma aceleração no meu peito não dá pra conseguir através de nenhuma outra coisa e eu amo isso"), sobre a Armênia (o "-ian" em Sherinian lembrou os sobrenomes do pessoal do SYSTEM OF A DOWN? Pois é. É um sufixo comum em sobrenomes de origem armena), um pouco sobre o DREAM THEATER e sobre a cena atual do Rock Progressivo e Prog Rock. Aí veio a surpresa: "Não sou um grande fã de rock progressivo. E sei que parece estranho vir de mim com base nas bandas com as quais toquei no passado, mas não me considero um músico de rock progressivo. Eu me considero um músico de rock". Confira tudo isto e muito mais no bate-papo que vem logo a seguir.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Este texto foi publicado originalmente no Headbangers Brasil.

Headbangers Brasil: Recentemente, vi novamente a capa de "Falling Into Infinity", do DREAM THEATER. E essa seria a capa apropriada para o tempo em que vivemos agora, tempos pandêmicos. Então, o que você diz sobre isso? Como você tem se mantido seguro? Como você tem feito.

Derek Sherinian: Tenho tentado me manter saudável e ocupado neste período. Quero dizer, seria bom se pudéssemos sair em turnê, mas como não podemos, acho que é importante continuar compondo e ensaiando o máximo possível.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

HB: Bom. E pessoas como você, um virtuoso no teclado, ou um virtuoso no violão, por exemplo, sempre se divertem ao tocar. Gostaria que você falasse sobre o prazer de tocar, o prazer de se expressar através de sua música e compartilhar suas emoções através do teclado.

DS: Para mim, o teclado me faz capaz de expressar tudo. E é importante. O processo de composição, de escrita, todo o processo de criação é importante para a expressão. Adoro tocar ao vivo, adoro sair e subir no palco, ter meu lugar, meu momento e ter todos os olhos em mim. Há um certo sentimento, uma aceleração no meu peito não dá para conseguir através de nenhuma outra coisa e eu amo isso.

HB: E, ok, e vamos falar sobre o álbum agora. "The Phoenix", o que você gostaria de dizer, como você o descreveria?

DS: Acho que "The Phoenix" é a mistura perfeita de hard rock, rock progressivo, jazz, fusion e blues. E eu acho que Simon Phillips e eu fizemos a mistura perfeita desses estilos em "The Phoenix" e eu acho que temos os melhores músicos do mundo neste álbum. E eu acho que qualquer um que é um verdadeiro fã de música vai amar "The Phoenix".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

HB: Isso é bom. E sobre os outros músicos nele, Simon tocando bateria e outras pessoas tocando guitarra e baixo. Como você escolhe? Como você escolhe todo mundo? Como você os contata? Por exemplo, vamos dizer, eu sei sobre Kiko Loureiro, que é do Brasil como eu, como você teve a ideia de convidá-lo para "Pesadelo"? Como acha que ele era mais adequado para aquela música em particular? Foi apenas um exemplo em particular. Eu poderia ter mencionado Zakk Wylde, também. Como você os escolhe?

DS: Bem, eu sei como, por exemplo… Eu sabia que Kiko e eu iríamos escrever juntos e então aquela música. E ficou do jeito que ficou como resultado de nossa colaboração. Mas uma música como Clouds of Ganymede tem Steve Vai tocando nela. Eu não tinha certeza se Vai ia tocar nela, mas eu sabia que gostaria de alguém como Vai, porque seria a pessoa perfeita. Sou como um diretor de cinema, um agente de elenco nestes filmes de Hollywood. Eu sei exatamente quais atores eu quero, ou quais músicos eu quero para músicas específicas. É muito óbvio para mim, muito claro e óbvio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

HB: Ok, e eu também percebi que você tem todos os membros do SONS OF APOLO, exceto Soto e Portnoy. Há alguma razão para isso?

DS: Não. Não temos Portnoy porque já temos Simon. E não temos músicas para Jeff Scott Soto cantar.

HB: Ok. E antes de receber o álbum, eu estava ouvindo "Planet X". Você se considera um fã de ficção científica?

DS: Eu amo ficção científica. Eu amo o espaço sideral. Eu amo qualquer coisa a ver com os planetas e o espaço sideral. Eu acho que, visualmente, ou sonoramente, a música de "Planet X" se distingue em comparação com outras músicas e eu pensei que "Planet X" era o nome perfeito para esse som porque esse é o planeta desconhecido. Está tão longe que nem sabemos o que é ainda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

HB: Como você seleciona, como você escolhe os nomes das músicas? Por exemplo, você acabou de me falar sobre o "Planeta X". De onde vem "Empyrean Sky" ou "Clouds of Ganymede"?

DS: Bem, realmente é muito difícil. Normalmente é a última… Muitas vezes é a última coisa a fazer é dar nome a essas músicas. Como se dá nome a uma música instrumental? Não há letras. Então, tudo que você pode fazer é tentar receber uma vibração da música ou ver se há certas palavras que saem, então você vai com só com isso. E então, sim, é sempre muito difícil nomear músicas instrumentais porque não há letras. Tem a ver com o que você quer dizer.

HB: Você gosta mais de se expressar apenas com a música ou acha que seria melhor às vezes ter algumas letras?

DS: Isso depende. Quero dizer, depende da música. Depende do tipo de registro que você está tentando fazer.

HB: OKEY. E Sons of Apollo é uma banda progressiva. É também uma banda de heavy metal. Você tocou com o Dream Theater, que também é uma banda de prog metal. Você já tocou para tantas bandas com aquele sotaque Prog, mas também com aquele sotaque Metal. E hoje, o que vemos, conhecemos muito do Prog através de bandas como Camel que vieram dos anos 70. Algumas delas ainda estão por aí, e outros não. Há as bandas italianas de prog rock também, mas hoje não podemos encontrar nenhuma banda de Rock Progressivo que não seja também uma banda de metal progressivo. Você concorda comigo? Existe alguma banda que você possa dizer: "Isso é progressivo, mas não é metal". Temos KATATONIA. Temos muitas bandas hoje que são progressivas e também de metal, mas não temos muitas apenas progressivas.

DS: Eu tenho que ser realmente honesto, eu realmente não sei muito sobre essas bandas progressivas que estão por aí agora. Não sou um grande fã de rock progressivo. E sei que parece estranho vir de mim com base nas bandas com as quais toquei no passado, mas não me considero um músico de rock progressivo. Eu me considero um músico de rock. Então tenho muitas influências de coisas diferentes, mas para mim, no meu coração e na mente, sou um músico de rock.

HB: Então, vamos falar sobre suas influências. Quem são eles?

DS: Comecei com bandas de rock como VAN HALEN. OZZY OSBOURNE, LED ZEPPELIN, AEROSMITH, mas ao mesmo tempo, naquela época, eu também gostava de jazz fusion como AL DI MEOLA, JEFF BACK, ALLAN HOLDSWORTH. Eu queria sempre ter um som que tivesse o poder e arrogância do rock and roll, mas o virtuosismo como de AL DI MEOLA e ALLAN HOLDSWORTH e essas outras bandas, e também ter a sensação e alma de um músico como JEFF BECK. Todos esses elementos são muito importantes. E eu acho que em um monte dessas novas bandas progressivas que ouvimos hoje, eles não têm nenhum dos elementos rock and roll em seu som. Eles não cresceram ouvindo LED ZEPPELIN, ou AEROSMITH, ou VAN HALEN, e, ou o blues. E está faltando muito dessa arrogância legal, cheia de alma, corajosa, auto confiante. E para mim, essa é uma parte muito importante da música. E assim, eu sinto falta de ouvir isso na maioria das bandas progressivas de hoje. A SONS OF APOLO tem isso.

HB: Sim, tem. Sobre a SONS OF APOLO. Teríamos um show no Brasil… Teríamos um show no Brasil. Acho que seria em meados de abril ou maio, e eu ia vê-los ao vivo. E infelizmente, ninguém sabia o que aconteceria. Então, quais são seus planos para SONS OF APOLO? O que podemos esperar do próximo álbum da SONS OF APOLLO? Você tem alguma notícia sobre quando você estará realmente voltando para o Brasil?

DS: Sim, nós temos. Acho que há algumas datas em espera em 2021. Não sei exatamente quando, mas estamos tentando fazer acontecer. E temos algumas datas europeias marcadas em maio. E acho que vamos para a América do Sul antes de irmos para a Europa. Então, vamos esperar que tudo volte ao normal para que possamos voltar ao jogo e voltar a jogar para as pessoas.

HB: Ok, ok sobre algum novo álbum. Você tem algum trabalho em andamento?

DS: Sempre escrevo todos os dias, quer escreva para o SONS OF APOLLO ou para meus discos solo. Estou constantemente fazendo material.

HB: Ok, ok. Já que falamos sobre o show no Brasil, vamos falar um pouco sobre KIKO LOUREIRO. Como você o chamou para o álbum?

DS: Kiko é um cara incrível. Conheço Kiko há 20 anos e ele foi recentemente meu vizinho aqui em Burbank. Ele se mudou para a Finlândia com sua esposa, mas ele foi meu vizinho aqui por uns cinco anos. E sempre tive muito respeito pelo Kiko. Acho que ele é um grande músico. Ele é um homem de negócios muito inteligente e nós realmente nos divertimos muito compondo. E nós temos um vídeo que vai sair lá pelo próximo mês, onde você vai poder ver os bastidores onde estávamos trabalhando. Nós realmente tivemos um grande momento e eu acho que Kiko soa incrível no meu disco e qualquer um que é um fã do Kiko deve realmente gostar do "The Phoenix". Aqui ele toca em "Pesadelo". Ele toca violão no meio da música e é incrível. Sim

HB: Sim. É realmente. Além disso, você já ouviu o álbum do Kiko? Ele também lançou um álbum nos últimos dias.

DS: Sei, eu sei que ele tem um novo disco solo. Ainda não ouvi, mas espero que tudo saia muito bem para ele.

HB: Ok, e outras bandas brasileiras. O que mais você sabe sobre outras bandas brasileiras?

DS: Eu sei que o SEPULTURA é do Brasil, certo? Quem mais? Eu sei que Angra era do Brasil.

HB: Sim.

DS: Meu amigo Andre Matos, do Shaman. Descanse em paz, Andre. Eu toquei no "Ritual". [Nota: é de Sherinian o solo de teclado na canção "Over Your Head".

HB: E vamos falar sobre a Armênia. Você é americano, mas você é de descendência armênia, como os caras do SYSTEM OF A DOWN… O que acha que podemos ver algo da Armênia e sua música na sua música?

DS: Eu não sei. Quero dizer, não é que eu não cresci ouvindo muita música armênia. E assim, quero dizer, eu ouvi e eu fiz algumas músicas. Trabalhei com alguns artistas armênios e é muito legal. Eu não sei. Eu gosto da música. Eu acho que é fantástico. Mas eu não me vejo fazendo um disco armênio inteiro. Talvez um dia, eu vou.

HB: Ok, você visitou a Armênia? Alguma vez?

DS: Já estive lá muitas vezes. É lindo. É um país muito bonito, pessoas bonitas.

HB: Essa é uma pergunta de um amigo meu chamado Paulo Márcio. Ele gostaria de saber se você tem algum plano para lançar um dia um álbum com ênfase na música clássica.

DS: Não há planos para isso. Talvez um dia.

HB: OKEY. Gostaria de falar um pouco sobre Buddy Miles? O que acha dele?

DS: Foi com Buddy Miles o meu primeiro trabalho profissional. Buddy Miles, para quem não sabe era o baterista da Jimi Hendrix Band of Gypsys, baterista e vocalista incrível e seu maior sucesso foi "Them Changes". E eu queria fazer uma cover dessa música. E eu sabia que Joe Bonamassa ia tocar no meu disco, então decidimos fazer a cover para homenagear o amigo. E Simon também era um grande fã de Buddy Miles também. Então, todos nós tivemos muita alegria fazendo essa música e eu acho que ficou ótimo. Gravamos um vídeo para isso. E isso vai sair ao mesmo tempo que o single. O vídeo está todo capturado e vai ser realmente fantástico para as pessoas o verem.

HB: Ok, e podemos falar um pouco sobre o Dream Theater?

DS: Sim

HB: Ok, como você vê Dream Theater hoje, os álbuns mais recentes?

DS: Eu realmente, eu não ouvi nada desde que eu saí da banda. Estou sendo honesto, juro por Deus. Eu vou dizer, porém, que a experiência do Dream Theater foi muito boa para mim, porque foi a primeira vez que eu entendi que estava tudo bem em tocar bem o seu instrumento. E eles me mostraram a possibilidade de basear sua carreira em sua música. Tocando você pode ter uma carreira muito agradável, então eu realmente aprecio o que eu aprendi durante esse tempo. E foi um trampolim perfeito para eu começar o resto da minha carreira e continuar a tocar com os maiores músicos do mundo. E meu disco solo é assim. Eu olho para todas as pessoas que tocaram em meus discos solo… Alan Holdsworth, Al di Meola, John Sykes, Slash, e podemos continuar indo para baixo da lista. Steve Lukather, Simon Phillips e Vai. E é, eu estou realmente simplesmente construindo um legado aqui e em cada disco que eu faço, eu tentei aprofundar o legado e realmente deixar um grande corpo de trabalho e música. Então, acho que estou muito orgulhoso da estreia de "The Phoenix", e estou realmente ansioso para ouvir a resposta dos meus fãs brasileiros. Então, muito obrigado por me receber hoje.

Finalizando a entrevista, Derek foi muito gentil em confirmar os nomes de cada um dos convidados especiais de "The Phoenix". Você confere a track list completa abaixo, com cada um dos convidados de cada canção. Derek Sherinian (teclados), obviamente, e Simon Philips (bateria) estiveram em todas as canções.

The Phoenix (05:24)
Zakk Wylde – Guitar
Billy Sheehan – Bass
Armen Ra – Theremin

Empyrean Sky (03:56)
Ron ‘Bumblefoot’ Thal – Guitar
Jimmy Johnson – Bass

Clouds of Ganymede (06:02)
Steve Vai – Guitar
Tony Franklin – Bass

Dragonfly (03:46)
Ernest Tibbs – Bass

Temple of Helios (06:01)
Armen Ra – Theremin
Ron ‘Bumblefoot’ Thal – Guitar
Jimmy Johnson – Bass

Them Changes (05:28) – de Buddy Miles’
Ernest Tibbs – Bass
Joe Bonamassa – Vocals, Guitar

Octopus Pedigree (05:04)
Ron ‘Bumblefoot’ Thal – Guitar
Jimmy Johnson – Bass

Pesadelo (06:55)
Armen Ra – Theremin
Tony Franklin – Bass
Kiko Loureiro – Guitar

Nota: Confira abaixo as informações sobre as novas datas da turnê do Sons of Apollo no Brasil, que aconteceria no mês de outubro deste ano. A turnê foi adiada para o mês de abril de 2021, devido à pandemia de COVID-19, e passará por São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires e Santiago. Os ingressos adquiridos para os shows seguem válidos e não será necessário nenhum tipo de troca.

09 de abril de 2021 – São Paulo @Tom Brasil
11 de abril de 2021 – Rio de Janeiro @Circo Voador
13 de abril de 2021 – Buenos Aires @Teatro Flores
15 de abril de 2021 – Santiago @Blondie

A turnê é uma realização Top Link Music.

Nota 2: Confira também a nossa resenha de "The Phoenix", o novo álbum de Derek Sherinian, por Paulo Márcio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Scorpions: a história por trás da música Wind of ChangeScorpions
A história por trás da música "Wind of Change"

Cristina Scabbia: cantora fala sobre ser uma das garotas mais quentes do MetalCristina Scabbia
Cantora fala sobre ser uma das "garotas mais quentes do Metal"


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Goo336 Goo336 Cli336 GooAdHor Goo336 Cli336 Goo336 Goo336