Van Halen: Análise vocal de Sammy Hagar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Danilo F. Nascimento, Fonte: VHFC
Enviar correções  |  Ver Acessos

Samuel Roy Hagar nasceu em 13 de outubro de 1947, na pequena cidade de Salinas (Califórnia). Popularmente conhecido como Sammy Hagar, o vocalista alcançou o estrelato nos anos 80, quando esteve à frente das bandas Montrose e Van Halen.

Meet & Greet: Como os roqueiros de verdade se comportamGuns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas

Filho de um pugilista e uma dona de casa, Sammy Hagar era o caçula de quatro filhos. Por influência de seu pai, o jovem decidiu tentar seguir a carreira de pugilista quando ainda era um adolescente, porém, seus esforços foram frustrados, já que para o técnico da academia de boxe de Fontana (Los Angeles), Hagar não tinha o talento necessário para a profissão.

Disposto a encontrar uma nova ocupação, Hagar aprendeu a tocar guitarra aos 18 anos de idade. No final dos anos 60, começou a cantar, tendo passado pelas bandas Skinny, The Fabulous Catillas, Justice Brothers e Dust Cloud.

As principais influências musicais de Hagar eram os Beatles, os Rolling Stones, o Jeff Beck Group, o David Bowie e, principalmente, o Cream.

No início de 1973, Edgar Winter, um amigo de Hagar, indicou o jovem para o posto de vocalista do Montrose, banda até então liderada pelo guitarrista Ronnie Montrose.

Em outubro do mesmo ano, a banda lançou seu álbum autointitulado pela Warner Bros Records.

Um ano depois, a banda lançou 'Paper Mon', seu segundo disco, também pelo selo Warner Bros Records. O álbum atingiu 65º posição nas paradas norte-americanas e a banda começou a ganhar notoriedade.

'Era um quarteto energético, que acertou onde muitas bandas erraram. Suas canções eram acessíveis', escreveu Barry Taylor na Billboard.

Em virtude de uma guerra de egos com o guitarrista Ronnie Montrose, Hagar foi demitido em 1975. A banda nunca mais atingiria a mesma posição de outrora nas paradas.

'Eu estava criativamente limitado nessa banda', disse Hagar, para Evan Hosie da revista Rolling Stone.

Em 1976, Sammy Hagar deu início a uma bem-sucedida carreira solo. Detalhe que Church e Camarssi, respectivamente baixista e baterista original do Montrose, se juntaram a Hagar para a gravação do disco 'Nine on the Ten Scale', lançado pela Capitol Records.

A banda solo de Hagar começou a abrir shows para gigantes como o Boston e o Kiss. Em 1978, Hagar ganhou o Prêmio de 'Músico do Ano' em San Francisco, Califórnia.

Em 1985, Hagar é convidado para assumir o posto de vocalista do Van Halen, e o resto da história, todos nós já conhecemos.

A voz de Sammy Hagar é um caso à parte. Em entrevista concedida a David Wild da Rolling Stone, Eddie Van Halen disse: 'A partir do primeiro segundo percebi que musicalmente com Sammy tudo era possível. Coisas que eu tinha em mim que eu queria expressar, ele é capaz de cantar qualquer coisa'.

O talento de Hagar fora amplificado a partir do momento em que começou a ter aulas de canto com Ron Anderson, consagrado professor de tecnica vocal norte-americano.

Entre os alunos de Ron Anderson estão Axl Rose, Adam Levine, Myles Kennedy, Alicia Keys, Chris Cornell, Anthony Kiedis e Matt Shadows.

Entre as técnicas vocais desenvolvidas e aprimoradas por Sammy Hagar, é possível citar:

- Belting Pleno: Voz mista com predominância de musculatura tireoaritenóidea e selamento glótico pleno, resultando, acusticamente, em notas agudas e encorpadas.

- Voz mista: Dupla adução com sinergia do músculo tireoaritenoídeo (músculo intrínseco da laringe) e do músculo cricotireóideo, com selamento glótico pleno.

- Half Belting: Voz mista com predominância de músculos cricotireóideos, resultando, acusticamente, em notas agudas e encorpadas, comparadas à típica voz de cabeça.

- Drive Creaky Voice: Efeitos de voz estridente e rasgada, porém, de forma clara, sem apresentar rouquidão ou características próprias de quem tenciona exageradamente a garganta.

- Drive de epiglote: O drive de epiglote é um drive de natureza estrutural que é produzido pelo abaixamento parcial da cartilagem epiglote em direção ao adito da laringe, realizado pelo músculo ariepiglótico.

- Speaking voice: Técnica de variação, com isolamento de registros.

- Articulação: Administração minuciosa da musculatura facial e língua.

- Yodel de finalização: Transição de adução dupla para adução simples do músculo cricotireóideo.

Os conceitos e termos acima são de cortesia do treinador vocal Ariel Coelho:
http://arielcoelho.com.br/

Além disto, é possível destacar a precisão de Hagar na utilização de sua voz de peito (notas baixas, que requerem grande caixa de ressonância. Por esta razão, as notas são desenvolvidas em uma queda grave, com a junção de registro vibratório e do tórax).

E é claro que não podemos deixar de mencionar o recurso de máscara de voz utilizado por Hagar. Nesta técnica, as notas mais altas parecem encontrar compatibilidade (vibrar sistematicamente) no rosto, nariz e cabeça. Frontal e esfenoidal. Quanto menor estas caixas de som e quanto mais projetada ela estiver, maior a facilidade de atingir notas mais altas.

Outra técnica usualmente utilizada por Hagar é o belting, que é uma técnica baseada em uma posição de laringe ligeiramente para cima, com ampla abertura vocal, som muito alveolar, ao contrário do velofaríngea de tessitura perto de falsete, mas soando natural. O resultado é um timbre agudo e claro.

A impostação de Hagar também é digna de destaque, nela ocorre uma ampliação das ondas de freqüência por meio dos ressonadores superiores, realizada pela elevação e sustentação do palato mole com auxílio da abertura das narinas.

Características vocais de Sammy Hagar:

Timbre: Tenor
Alcance: D2-C♯6

A classificação vocal (timbre) de uma pessoa é concebida através de testes vocais realizados com profissionais capacitados, sendo que estes testes conferem a tessitura da pessoa, ou seja, o 'tamanho' da voz - número de notas (altura) que a pessoa consegue atingir, do mais grave ao mais agudo.

Vale a pena frisar que isto é genético, herdamos dos nossos pais, pois a 'cor' da voz depende do tamanho de nossas pregas vocais, ou músculos vocais, como preferirem.

A voz masculina altera-se algumas vezes ao longo da vida, sendo que a última vez ocorre entre os 35 e 50 anos, variando de caso a caso. É um evento fisiológico, entretanto, os traços permanecem os mesmos.

Porém, é importante ressaltar que a voz de Sammy Hagar está praticamente intacta nos dias de hoje, o que pode ser conferido em suas apresentações ao vivo.

Notas altas significativas (The Range Place):

C♯6 ('Turnin' Left')

C6 ('Turnin' Left')

B5 ('Black and Blue', 'Poundcake', 'Judgement Day')

B♭5 ('Get Up', 'Turnin' Left')

A5 ('Black and Blue', 'Oh Yeah', 'Free Money', 'Get Up')

G♯5 ('5150', 'A.F.U.', 'Cabo Wabo', 'Source of Infection', 'Summer Nights')

G5 ('Panama' live, 'Source of Infection', 'The Revival', 'Winner Takes it All', 'When the Hammer Falls', 'Feels So Good', 'Sweet Hitchhiker')

F♯5 ('Down the Drain', 'It's About Time', 'Judgement Day', 'Feelin'', 'Won't Get Fooled Again' live at 5150 studio 1993)

F5 ('Poundcake', 'Source of Infection')

E5 ('Amsterdam', 'Cabo Wabo', 'Don't Tell Me (What Love Can Do)', 'Dreams', 'Let Sally Drive', 'Man on a Mission', 'Rock and Roll' Live Without a Net 1987, 'Runaround', 'Voa', 'When It's Love')

E♭5 ('Runaround', '5150')

D5 ('Dreams', 'I Can't Drive 55', 'Piece of My Heart', 'Mine All Mine', 'Poundcake', 'Eagles Fly', 'Feels So Good', 'Right Now')

C♯5 ('Voa', 'Rise of the Animal', 'Can't Stop Lovin' You')

C5 ('Right Now', 'Why Can't This Be Love', 'Mine All Mine', 'Love Walks In', 'Feels So Good', 'Rock and Roll' live)

Notas baixas significativas (The Range Place):

D3 ('Mine All Mine')

C3 ('Right on Right', 'Right Now' live 1997)

B2 ('It's About Time', 'In the Room')

A2 ('I Love this Bar')

G2 ('Voa')

F♯2 ('Runaround')

D2 ('Sailin'')

Comente: Conhece o disco do Montrose?


Análise Vocal

Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Axl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Freddie Mercury: Características vocais do cantorFreddie Mercury
Características vocais do cantor

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven TylerAerosmith
Curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Ronnie James Dio: Analisando a sua poderosa vozRonnie James Dio
Analisando a sua poderosa voz

Bruce Dickinson: curiosidades sobre a voz por trás do Iron MaidenBruce Dickinson
Curiosidades sobre a voz por trás do Iron Maiden

Deep Purple: Análise técnica da voz de Ian GillanDeep Purple
Análise técnica da voz de Ian Gillan

Guns N' Roses: Análise vocal de Axl RoseGuns N' Roses
Análise vocal de Axl Rose

Led Zeppelin: Análise vocal de Robert PlantLed Zeppelin
Análise vocal de Robert Plant

Whitesnake: Análise vocal de David CoverdaleWhitesnake
Análise vocal de David Coverdale

Judas Priest: Análise vocal de Rob HalfordJudas Priest
Análise vocal de Rob Halford

Kiss: Análise vocal de Paul StanleyKiss
Análise vocal de Paul Stanley

Alice In Chains: Análise vocal de Layne StaleyAlice In Chains
Análise vocal de Layne Staley

Helloween: Análise vocal de Michael KiskeHelloween
Análise vocal de Michael Kiske

Glenn Hughes: Análise vocal do cantorGlenn Hughes
Análise vocal do cantor

Metallica: Análise vocal de James HetfieldMetallica
Análise vocal de James Hetfield

Skid Row: Análise vocal de Sebastian BachSkid Row
Análise vocal de Sebastian Bach

Black Sabbath: Análise vocal de Ozzy OsbourneBlack Sabbath
Análise vocal de Ozzy Osbourne

AC/DC: Análise vocal de Bon ScottAC/DC
Análise vocal de Bon Scott

Dream Theater: Análise vocal de James LaBrieDream Theater
Análise vocal de James LaBrie

Scorpions: Análise vocal de Klaus MeineScorpions
Análise vocal de Klaus Meine

Pantera: Análise vocal de Phil AnselmoPantera
Análise vocal de Phil Anselmo

Rush: Análise vocal de Geddy LeeRush
Análise vocal de Geddy Lee

Megadeth: Análise vocal de Dave MustaineMegadeth
Análise vocal de Dave Mustaine

Bon Jovi: Análise vocal de Jon BongioviBon Jovi
Análise vocal de Jon Bongiovi

Angra: Análise vocal de Fabio LioneAngra
Análise vocal de Fabio Lione

Faith No More: análise vocal de Mike Patton

The Cult: Análise vocal de Ian Astbury

Stone Temple Pilots e Velvet Revolver: Análise vocal de Scott Weiland

Alter Bridge: Análise vocal de Myles KennedyAlter Bridge
Análise vocal de Myles Kennedy

Soundgarden: Análise vocal de Chris CornellSoundgarden
Análise vocal de Chris Cornell

Todas as matérias sobre "Análise Vocal"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Análise Vocal"Todas as matérias sobre "Van Halen"Todas as matérias sobre "Montrose"Todas as matérias sobre "Sammy Hagar"


Meet & Greet: Como os roqueiros de verdade se comportamMeet & Greet
Como os roqueiros de verdade se comportam

Guns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpasGuns N' Roses
Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas

Guitar World: melhores solos de guitarra de todos os temposGuitar World
Melhores solos de guitarra de todos os tempos

Ghost: uma foto assustadora dos bastidores do Rock In RioGhost
Uma foto assustadora dos bastidores do Rock In Rio

Vocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rockVocalistas
Belíssimos timbres de alguns cantores de rock

Slayer: banda sugere como fãs devem enfrentar fundamentalistasSlayer
Banda sugere como fãs devem enfrentar fundamentalistas

Plágio?: 6 músicas do Deep Purple com excesso de influênciasPlágio?
6 músicas do Deep Purple com "excesso de influências"


Sobre Danilo F. Nascimento

Administrador por casualidade. Músico por instinto. Escritor por devaneio. Fascinado por música, literatura e cinema. Seu primeiro contato com o mundo do rock data de meados dos anos 90, uma época de transição entre o analógico e o digital, e, principalmente, uma época onde a MTV ainda era aprazível e relevante. Idolatra e cultua o legado instituído pela maior banda de todos os tempos, o Queen.

Mais matérias de Danilo F. Nascimento no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336