Anos 80: canções nacionais com nomes de garotas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Comentários  | 

Do LP de estreia (1984) do Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens, Alice (Não me Escreva Aquela Carta de Amor) tinha Paula Toller cantando sob perspectiva masculina, visto que o letrista principal era Leoni.

1551 acessosPipocando Música: 10 bandas que abusaram dos palavrões5000 acessosAC/DC: os últimos dias do vocalista Bon Scott

Na década de 80, dançávamos e nos emocionávamos com canções sobre o holocausto nuclear. Em 83, o Rádio Táxi estourou com Eva, versão do italiano Umberto Tozzi, sobre um casal que foge numa astronave, da Terra devastada. (Quem lembra que sacaneávamos a letra, cantando “minha pequena égua”?)

Sílvia (1984), de Vincius Cantuária, é homenagem à filha de Chico Buarque de Holanda.

Em 86, os baianos do Camisa de Vênus lançaram Viva, registro de um show em Santos (SP). O álbum também continha uma canção chamada Sílvia, mas, dessa feita o tom era bem diferente do da canção de Vinícius Cantuária! Claro que a canção não foi feita para a filha de Chico.

Em 85, o Ultraje a Rigor vendeu que nem pão quente e tocou à exaustão. Uma das faixas de Nós Vamos Invadir Sua Praia é Zoraide, sobre um cara que não quer namorar, pois quer variedade.

Que eu saiba a banda Grafite só teve um sucesso, versão da dupla italiana Ricchi e Poveri. Mama Maria (83) é sobre uma mãe que não deixa a filha sair sozinha com o namorado. Para os filhos atuais jogarem na cara dos pais quando reclamarem que “hoje só tem porcaria”. Mas, que é divertido, ah isso é!

Ainda em sua fase New Wave, os Titãs colocaram Dona Nenê em seu álbum Televisão (1985). É sobre uma senhora que desaparece num peg-pag (houve época em que supermercado era chamado assim, jovens! Mas nos anos 80 já falávamos supermercado).

Em 86, o Capital Inicial estreou com LP homônimo, que traz Fátima, letra de Renato Russo sobre os segredos da Nossa Senhora de Fátima.

Em 1985, Léo Jaime lançou Solange, versão de So Lonely, do Police. A mulher do título era a chefona da Censura Federal, responsável por trucidar trabalhos artísticos.

Em 89, os Inimigos do Rei fizeram sucesso com a gracinha sem graça Adelaide. Anos 80 no fim e no fundo do poço.

Fausto Fawcett é fascinado por loiras, daí seu sobrenome artístico, em homenagem à ex-pantera Farrah Fawcett. Em 87, sua Kátia Flávia, Godiva do Irajá que rouba carros de polícia, entrou para trilha de novela global e tocou no país todo. Funk, rap, pop e a palavra “calcinha” contribuíram para o sucesso.

Em 1981, a Gang 90 & as Absurdetes chacinaram Christine, da
Siouxsie and The Banshees.

Também de 81 e bem melhor é a História de Lili Braun, letra de Chico Buarque sobre uma cantora de cabaré que se casa e tem que abandonar a vida na ribalta.

Em 1984, anos antes de virar sinônimo de canção natalina torturante, Simone duetou com Chico Buarque, em Iolanda (Iólandaaa). Teve muita gente que gostou, pois a canção tocou bastante.

Em 87, os gaúchos do Nenhum de Nós estouraram nacionalmente com Camila, Camila, sobre uma adolescente agredida (pelo menos é o que acho...).

Em 84, Débora Bloch ganhou alguns prêmios como melhor atriz pelo filme Bete Balanço, sobre uma mineira que vai para o Rio tentar ser pop star. A canção-título era do Barão Vermelho.

Uma tia Josefina, louca, mas muito legal era a homenageada de uma canção do Balão Mágico (1984), grupo-armação que se entupiu de sucesso por uns três anos, graças ao carisma de Simony e Cia. Todo mundo gravou com eles, do Dominó a Djavan, o que quer dizer muito, em vários sentidos!

Em 1983, quando alguém ficava nervosinho não era incomum ouvir um “calma, Betty, calma!”, graças ao sucesso Betty Frígida, da Blitz, banda que imperou nas rádios e TVs na primeira metade da década.

Nem Sansão Nem Dalila foi título de um filme de Oscarito na década de 50 e em 86 deu nome a um rockão meio carnavalesco do Hanoi Hanoi (Duran Duran, Talk Talk...), em seu álbum de estreia.

Os anos 80 no Brasil gostavam do nome Beth. No primeiro LP, o Camisa de Vênus mostrou sua verve punk com Bete Morreu, sobre uma garota estuprada e morta.

Lembra de mais alguma?

Comente: Lembra de alguma outra faixa dos anos 80 com nomes de mulher no título?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

1551 acessosPipocando Música: 10 bandas que abusaram dos palavrões0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ultraje A Rigor"

BRockBRock
Os 10 melhores álbuns dos anos 80

RogerRoger
"Qualquer esquerda, não só a brasileira, é uma merda falida"

Carma pagoCarma pago
Batera do Replicantes conta como foi abrir para o Ultraje

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Camisa De Venus"0 acessosTodas as matérias sobre "Ultraje A Rigor"0 acessosTodas as matérias sobre "Titãs"0 acessosTodas as matérias sobre "Capital Inicial"0 acessosTodas as matérias sobre "Nenhum De Nós"0 acessosTodas as matérias sobre "Blitz"


AC/DCAC/DC
Os últimos dias do vocalista Bon Scott

VocalistasVocalistas
Algumas das grandes vozes do rock

Hard RockHard Rock
As bandas do gênero que ficaram para trás

5000 acessosRede Globo: em 1985, explicando o que são os metaleiros5000 acessosAerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler5000 acessosRegis Tadeu: "Lemmy era tão poderoso que seu corpo não teve coragem de contrariá-lo"2733 acessosEduardo e Mônica: porque não teriam dado certo, segundo a ciência5000 acessosNirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain5000 acessosVICE Brasil: existem metaleiros na Favela da Maré, Rio de Janeiro

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de novembro de 2017


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online