Angra: Análise vocal de Fabio Lione

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Danilo F. Nascimento
Enviar correções  |  Comentários  | 

Conhecido mundialmente por liderar o Rhapsody of Fire, o vocalista italiano Fabio Lione, fora apresentado ao grande público brasileiro por intermédio de sua mais nova empreitada, a de vocalista do Angra.

5000 acessosUltimate Guitar: os 100 melhores solos de guitarra5000 acessosEm cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

Lione nasceu em 09 de outubro de 1973, na cidade de Pisa (ITA). Curiosamente, a música não despertou a atenção de Lione em sua infância. Com exceção das canções que tocavam nas rádios mais populares da Itália, a música, de fato, não fazia parte da espinha dorsal de Lione. Na época, a sua maior paixão eram os animais.

Seu primeiro contato com o hard rock/heavy metal deu-se em 1987, aos 14 anos, quando adquiriu o disco "The Final Countdown", do grupo sueco Europe. Este foi o álbum responsável por "explodir" a mente de Lione, tendo sido peça fundamental para trazê-lo ao mundo do rock.

Lione ficou tão encantado com o álbum que passará a cantar "The Final Countdown", repetidamente, emulando a voz de Joey Tempest, e foi aí que os seus colegas de escola descobriram o seu talento. Na época, Lione não tocava qualquer instrumento, nem sabia ler partituras, sua forma natural e convincente de cantar era um mistério até pra ele mesmo.

A partir de então passou a ter aulas de canto, com um professor que era um velho amigo de sua família. O professor era um idoso boa praça, dotado de um timbre barítono bem peculiar, e tinha convicção de que Lione era talentoso e de que seu timbre natural lembrava o de Freddie Mercury. E foi tentando cantar as canções do Queen, que Lione teve acesso ao espetacular catalogo das bandas que constituíam o rock inglês.

Após contato com o heavy metal e o rock inglês, Lione passou a interessar-se por ópera, tendo passado semanas e semanas tentando cantar "Una furtiva lacrima" de Luciano Pavarotti.

Era absolutamente simples perceber que a vida de Lione tinha mudado, e que a música tinha uma parcela importante nesta mudança. Mas a atual paixão de Lione pelo heavy metal, teve o seu momento chave em 1990, quando assistiu o festival Monsters Of Rock. Naquele instante, Lione descobriu o que queria fazer para o resto da vida.

Formou a sua primeira banda em 1990, aos 17 anos. O grupo era "retrô", e o repertório era constituído de canções dos anos 50 e 60, de Little Richards à Elvis Presley.

O grupo não durou muito tempo, pois o foco de Lione era outro, o heavy metal. Aos 18 anos desenvolveu uma paixão incontrolável pelas bandas Queensryche, Fates Warning, Skid Row e Crimson Glory. Estas bandas foram a inspiração para que Lione formasse a sua primeira banda de heavy metal, propriamente dita.

Em 1993, aos 20 anos de idade, Lione passou a integrar o grupo de metal progressivo, Athena. Na época, o vocalista gravou uma fita demo com a banda, e esta fora a sua primeira experiência em uma banda de heavy metal.

Dois anos depois, Lione deixou a banda e passou a integrar o grupo The Labyrinth, com quem teve um longo e benéfico período.

Mas como todos sabem, o período mais importante da carreira de Lione, deu-se quando passou a integrar o Rhapsody of Fire, desde então, Lione cresceu de forma estupenda como vocalista, tendo participado de inúmeros outros projetos relevantes.

No início, a entrada de Fabio Lione no Angra, gerou desconfiança nos fãs mais fervorosos da banda, entretanto, após o lançamento do disco "Secret Garden", os últimos fãs que torceram o nariz, renderam-se ao talento do cantor italiano que, tecnicamente, é superior a qualquer outro vocalista que o Angra já tenha tido, incluindo o espetacular André Matos. Evidentemente que o autor que vos escreve não está levando em conta o seu gosto pessoal, já que prefiro o Andre Matos, mas, tecnicamente, não há dúvidas, Lione não é apenas superior, como é mais versátil.

Embora tenha características distintas em relação à Andre Matos e Edu Falaschi, o que impede a execução de alguns clássicos do álbum "Angels Cry" (álbum claramente moldado para a voz de Andre Matos), por exemplo, Lione demonstra um senso técnico impressionante todas as vezes em que executa uma canção que encontra-se dentro de sua tessitura original.

Após conhecermos um pouco mais sobre a longeva carreira de Fabio Lione, chegou o momento de elucidar vossos leitores quanto às técnicas vocais utilizadas pelo vocalista.

Em entrevista ao portal Geocities, Lione relembra o início de suas aulas de canto:

"Eu iniciei com um professor idoso. Ele era barítono e me ensinou muitas coisas. Dizia que embora eu gostasse de metal, a minha voz era perfeitamente adaptável para o canto de ópera. Ele me ensinou inúmeras técnicas de respiração, e desde então tenho tentado me aprimorar. Eu espero que as pessoas entendam que quando eu canto, eu coloco mais feeling do que tecnica na interpretação."

Características vocais de Fabio Lione:

Timbre: Tenor
Alcance vocal: E♭2-C♯6

O tenor é a voz masculina mais aguda, reproduzida sem o auxílio de falsete, dentro de seu registro modal. Geralmente, a tessítura de um tenor em um canto coral, por exemplo, varia entre C3 e A4. E uma performance solo, o cantor tenor pode chegar a incríveis C5. Em casos extremos, o cantor pode transitar entre B♭2 e F5.

Fabio Lione pode ser enquadrado na categoria "Tenor leggero", entretanto, existem inúmeras outras categorias de tenores. Dentre elas podemos citar:

Haute-contre
É um tipo raro de voz alta, predominante no francês barroco e ópera clássica até a última parte do século XVIII. Sua natureza tem sido o assunto de muito debate, e o fato de que, historicamente, os escritores ingleses traduziram o termo como "contratenor", não é particularmente útil, uma vez que o significado deste último termo também tem sido objeto de considerável controvérsia musical; ambos os termos são, em última análise derivados do contratenor latino. Atualmente são geralmente aceitos os cantores que têm a voz a qual os cientistas terminaram de "modal", usando voz mista e voz de cabeça para suas notas mais altas. Sua tessitura usada mais comum é do C3 para o D5, considerando que os franceses do século XVIII cantavam com um tom abaixo do que o de hoje.

Tenor lírico-ligeiro
É um pouco mais encorpado que o ligeiro puro, e também tem facilidade pra agudos e volaturas,5 com a regular tessitura de C3 para D5.

Tenor lírico
Uma voz graciosa e quente, com um timbre brilhante e cheio, que é forte, mas não pesado e pode ser ouvido através de uma orquestra. Tem um alcance de cerca B2 ou C3 para o C ou D5. Existem muitos tons vocais para o grupo de tenor lírico, e o repertório deve ser escolhido de acordo com o peso, cor e capacidade vocais.

Tenor spinto
Brilhosa e alta como um lírico, mas com maior peso vocal, permitindo que a voz seja "empurrada" para ápices dramáticos com menos tensão do que as vozes líricas. Tem também um timbre mais escuro do que um tenor lírico, sem ter uma cor vocal tão escura como alguns (não todos) tenores dramáticos. O equivalente alemão dessa faixa é o Jugendlicher Heldentenor, que abrange muitos papéis dramáticos, bem como alguns papéis de Wagner, como Lohengrin e Stolzing. Os Jugendlicher Heldentenores tendem a ser jovens heldentenores ou verdadeiros spintos, dando-lhes um escuro tom de tenor dramático. Muitas vezes líricos e spintos interpretam papéis do outro, ou vice-versa. São usados a profundidade e o metal na voz de alguns tenores líricos velhos para o papel de um spinto, ou essas são empurradas para atingirem notas mais claras de tenores líricos. São, parcialmente compensados no registro grave, podendo iniciar sua tessitura num B♭2 e ir até o C5.

Tenor dramático
"Tenore di forza" ou "robusto"; uma voz com clarim emotivo, tocante e muito poderosa, com som heroico, tem um alcance aproximado do B2 até o B♭4, com alguns capazes de emitir até um C5. Muitos de sucesso têm historicamente evitado o cobiçado desempenho na 5ª oitava. Sua gama mais baixa tende a se estender para a tessitura de barítono ou, atingindo até mesmo um G♯2. Alguns têm uma cor tonal rica e escura, (como Enrico Caruso), enquanto outros (como Francesco Tamagno ) possuem um timbre de aço brilhante.

Heldentenor
Uma voz rica, escura, forte e dramática. Como o próprio nome indica, o heldentenor (em PT: tenor heroico) é uma facha vocal apresentada na ópera alemã, no período do romantismo. É o equivalente alemão do tenor dramático, porém com uma qualidade mais forte no registro grave, comparada ao barítono; o típico protagonista de Wagner. A pedra angular do repertório do heldentenor é, sem dúvida, o Siegfried de Wagner, um papel extremamente difícil, exigindo uma ampla faixa vocal e grande potência, além de uma enorme resistência e capacidade de atuar. Muitas vezes, o heldentenor é um barítono que fez a transição para esta facha ou tenores que foram confundidos com barítonos. Portanto, essa voz pode ou não ter facilidade até os limites de um tenor. O repertório, no entanto, raramente exige notas altas.

Mozart Tenor
Nas óperas de Mozart, o elemento mais importante é a abordagem instrumental do som vocal que implica: emissões perfeita e esbelta de som, entonação, legato, dicção e fraseado, a capacidade de lidar com as exigências dinâmicas da pontuação, a beleza do timbre, linha segura de cantar através de um apoio perfeito e controle absoluto da respiração, inteligência musical, a disciplina do corpo, elegância, nobreza, agilidade e, principalmente, a capacidade dramática de se expressar dentro das estreitas fronteiras impostas pelo estilo de escrita de Mozart. É uma tradição alemã que remonta ao final da década de 1920, quando esses tenores começaram a fazer uso da técnica de Caruso (um tenor que raramente cantava Mozart) para alcançar e melhorar a dinâmica necessária e expressividade dramática.

Como dito anteriormente, acredito que Lione enquadra-se na categoria de "Tenor leggero". Este tipo de tenor também é conhecido como "Tenore di Grazia", e é uma espécie de equivalente masculino para uma coloratura lírica. É leve, ágil e capaz de executar passagens difíceis de fioritura. O típico possui uma gama que vai desde cerca de D ou E♭3 para E♭5, com alguns sendo capazes de cantar até F5 ou superior ainda em voz plena. Em alguns casos, seu registro de peito pode se estender para abaixo de C3, podendo atingir até mesmo um A2. Vozes deste tipo são utilizadas com freqüência nas óperas de Rossini, Donizetti , Bellini e na música barroca.

Pela forma e desenvoltura com que Fabio Lione canta, acredita-se que o mesmo tenha sido submetido à aulas de técnica vocal, oriunda do método italiano Vaccai.

O método Vaccai originou-se de Nicola Vaccai, um compositor italiano e renomado professor de canto do século 19.

Seu método permanece até hoje como um dos mais importantes na concepção e elaboração de aulas de canto, sendo, inclusive, utilizado por professores brasileiros. O autor que vos escreve também fora submetido à este método em uma escola de música brasileira.

E porque o método Vaccai é um dos mais utilizados em todo mundo para lecionar aulas de canto? Simples. Porque este método tem uma progressão no nível de técnica gradual e de fácil acompanhamento,a proposta metodológica é excelente, pois os exercícios tem linhas melódicas leves e simples, então o estudante não estará trabalhando somente técnica vocal pura, mas já terá a oportunidade de estudar algo de interpretação.

O início para Fabio Lione e qualquer outro vocalista que tenha passado por este método, dá-se da seguinte forma:

A escala

• Respiração sem problemas, visto que tinham pausas de semínimas no final de cada frase.
• Fraseio objetivo, com movimento em graus conjuntos seguindo em direção a tônica.
• Ritmo simples, composto de mínimas e semínimas.
• O vocalize é em P, sendo na última frase uma variação da dinâmica para F, mas deve-se observar a intenção de "crescendo" nas frases..
• A sustentação do som sem problema, tessitura mediana.
• Intervalos em graus conjuntos.
• A maior dificuldade técnica são os acidentes no percurso do vocalize, não sendo de grande dificuldade.

Salto de terças

• Respiração deve ser rápida, no fim de cada frase onde há no texto uma vírgula e na pauta uma pausa.
• Fraseio um pouco mais difícil pois os saltos “atrapalham” o legato.
• Compasso composto com ritmo simples: semínimas e colcheias.
• O cantor deve tomar cuidado para não atacar os saltos, para não deixar a música saltitante.
• A tessitura é de uma oitava, sem exigir muito da extensão do cantor.
• Como diz o nome da lição, os saltos são de terças.
• A maior dificuldade técnica é acertar os saltos e deixar o exercício legato.
• A letra do vocalize pode ser uma dificuldade em trechos como o trecho em verde.

Saltos de quinta

• Este exercício exige um pouco mais de respiração e apoio para o salto ser afinado e para o estudante não desperdiçar todo ar no salto.
• O cantor deve estar mais atento para o fraseio.
• Ritmo simples: mínimas, semínimas e colcheias.
• O cantor deve tomar cuidado para não atacar os saltos, para não deixar a música saltitante e para não deixar o andamento do exercício morrer.
• A tessitura é de uma oitava, sem exigir muito da extensão do cantor.
• O foco da lição são os saltos de quinta, mas há também graus conjuntos.
• A maior dificuldade técnica é acertar o apoio para os saltos.

Mas é claro que o método Vaccai aborda inúmeros outros conceitos, que vão de respiração diafragmática até aumento da projeção vocal.

Tanto a tessitura quanto a extensão vocal de Fabio Lione, são privilegiadas. Mas muitas pessoas confundem tessitura com extensão, mas são dois conceitos completamente distintos.

Tessitura é o tamanho da voz, o conjunto de notas que um cantor consegue articular sem esforço de modo a que o timbre saia com a qualidade necessária. A tessitura tem, portanto, uma abrangência menor que a extensão. Sendo assim, a extensão representa todas as notas fisicamente realizáveis, enquanto a tessitura apresenta as notas mais frequentemente utilizáveis.

Vejamos agora algumas das inúmeras técnicas desenvolvidas por Fabio Lione ao longo dos anos:

Os termos e conceitos abaixo são cortesia de Ariel Coelho.
http://www.arielcoelho.com.br/principal

Impostação: Característica fundamental para o tipo de música que Fabio Lione canta. A impostação de Lione e inúmeros outros cantores é oriunda da ampliação das ondas de freqüência por meio dos ressonadores superiores, realizada pela elevação e sustentação do palato mole.

Belting pleno: Dupla adução com preponderância de TA (Músculo Tireoaritenoídeo - músculo intríseco da laringe), com selamento glótico pleno.

Máscara de voz: Neste recurso, as notas mais altas parecem encontrar compatibilidade (vibrar sistematicamente) no rosto, nariz e cabeça. Frontal e esfenoidal. Quanto menor estas caixas de som e quanto mais projetada ela estiver, maior a facilidade de atingir notas mais altas.

Belting com ar - Aduções simples e duplas, com nível mediano de selamento glótico.

Half Belting - Adução dupla com preponderância de CT (Músculo Cricotireóideo - músculo intríseco da laringe).

Vibratos laríngeos: É produzido pela correta colocação da laringe, que oscilará somente com a pressão exata de ar que por ela passar, com a laringe em estado de relaxamento. Somente com o decorrer da prática o estudante perceberá a intensidade correta para o desenvolvimento do efeito de tremolo de voz.

Voz mista: Dupla adução com sinergia de TA (Músculo Tireoaritenoídeo - músculo intrínseco da laringe) e CT (Músculo Cricotireóideo - músculo intríseco da laringe), com selamento glótico pleno.

Drive de epiglote: Embora não o utilize com tanta frequência, Lione faz uso em algumas canções espalhadas por toda sua carreira, e este drive é de natureza estrutural, produzido pelo abaixamento parcial da cartilagem epiglote em direção ao ádito da laringe, realizado pelo músculo ariepiglótico.

Baseado em sua experiência e em seu gosto pessoal, Lione analisou alguns outros grandes vocalistas em entrevista concedida à alguns fãs no site de sua ex banda, a EXAWATT.

Confira:

Fã: Fábio qual é a sua opinião a respeito dos 10 mais famosos vocalistas do heavy metal e suas técnicas? Como: Bruce Dickinson (IRON MAIDEN), Timo Kotipelto (STRATOVARIUS), Geoff Tate (QUEENSRYCHE), André Matos (atual SYMFONIA), Michael Kiske (AVANTASIA, KISKE/SOMERVILLE, ex-HELLOWEEN), Eric Adams (MANOWAR), Rob Halford (HALFORD, ex-JUDAS PRIEST), Ralf Scheepers (PRIMAL FEAR, ex-GAMMA RAY) e KING DIAMOND.

Fabio Lione: Esses 10 vocalistas são realmente bons, mas e Sebastian Bach? David Coverdale? Midnight (falecido vocalista do CRISMON GLORY)? Ray Alder (FATES WARNING)? LaBrie (DREAM THEATER)? Em minha opinião estes 5 estão no top 10 de todos os tempos! Em todo caso, vamos lá...

BRUCE DICKINSON
“Ele é um grande vocalista e um grande cara! Muito poderoso...seu alcance vocal é notável, e ele é o verdadeiro frontman! Gosto bastante dele por conta de seu modo agressivo, pois ele canta, geralmente, com a voz “verdadeira” (quase nunca em ‘falsetto’) e isto é ótimo!”

TIMO KOTIPELTO
“Ele realmente é um profissional. Ótimo frontman, ótimo alcance (notas muito altas com ‘head voice’ e ‘falsetto’). Uma pessoa muito legal e gosta de bodka! Então... ótimo! Hehe”

RONNIE JAMES DIO
“Um ‘animal! No bom sentindo… ele é ótimo, ótima voz (e sempre canta com a voz verdadeira!). Poderoso e energético. Ele tem um ótimo ‘toque’ em músicas lentas, e em minha opinião isto é a particularidade que um grande vocalista deve ter!“

GEOFF TATE
“O “MAESTRO”… um dos melhores de todos os tempos! Sua voz é única, grande alcance (tons baixos, médios e altos), realmente poderoso, realmente expressivo, em minha opinião seu estilo é variado e completo... provavelmente meu cantor favorito! (e ele fuma um bocado! hehe) junto com Mercury (QUEEN) eu posso usar a palavra ‘magnético’”.

ANDRÉ MATOS
“Ele é um vocalista realmente particular, expressivo (ótimo ‘head voice’ e ‘falsetto’), ótimo frontman, cara legal, um dos melhores dos novos vocalistas, com certeza! Ele gosta de Mercury (QUEEN) então ele está ‘certo’!”

MICHAEL KISKE
“Uma ‘lenda’! Ele é excelente, ótimo tipo de voz, poderoso (provavelmente a melhor head-falsetto!). Ótima voz também nas músicas lentas e refinada (claro, ele é como Geoff , então..)”

ERIC ADAMS
“A ‘história’. Ele e realmente bom, em músicas lentas sua voz é absolutamente impressionante (às vezes ele parece um ator), e nas músicas pesadas ele é realmente poderoso, seu modo de gritar é ótimo, ele é também um grande frontman e ele tem o charme...”

ROB HALFORD
Ótimo frontman, realmente ótimo alcance (ótimos agudos) característico, expressivo (também em músicas lentas). A voz do heavy metal!

RALF SCHEEPERS
“Outro ótimo vocalista, realmente poderoso, ótimo frontman (ele ‘ama’ o JUDAS PRIEST e você pode ouvir isto, mas ele é pessoal em seu estilo, ele deveria cantar no JUDAS, mas tenho que dizer que eu também gosto de Owens) ótimos agudos e ótimo cara.”

KING DIAMOND
“Um vocalista realmente particular, ele canta quase tudo em ‘falsetto’, mas ele é ótimo, pois tem seu próprio estilo, característico, este é um tipo de vocalista que é realmente único, ótimo frontman.”

E já que Lione analisou a performance de alguns vocalistas, chegou a hora de analisarmos algumas de suas melhores performances, fragmentando-as em suas notas mais altas e as mais baixas.

Confira (The Range Place):

Notas altas significativas

C♯6 ("Acid Rain" live Belo Horizonte 2014)

A5 ("Here We Die")

G♯5 ("Emerald Sword" live Wacken 2012, "La Vita Fugge", "The Mystic Prophecy of the Demon Knight")

G5 ("Carry On" live)

F♯5 ("A Touch of Evil", "Aeons of Raging Darkness", "Warrior of Ice")

F5 ("Wings of Destination" live)

E5 ("La Vita Fugge", "Power of Thy Sword", "Reign of Terror", "When Demons Awake")

E♭5 ("Away From You", "I Belong to the Stars", "Forever Young", "Land of Immortals", "New Eden", "Out of A Distant Night", "Storm of Emotions", "The Perfect Machine")

D5 ("Black Hearted Soul", "Crystal Moonlight", "Flames of Revenge", "Holy Thunderforce", "Il Canto del Vento", "Mortal Sin", "Perfect Symmetry", "Raging Starfire", "The Frozen Tears of Angels", "The Mystic Prophecy of the Demon Knight", "Upper Levels", "When Demons Awake")

C♯5 ("A Touch of Evil", "Beyond the Sun and Far Away", "Danza di Fuoco e Ghiaccio", "Gargoyles, Angels of Darkness", "Mermaids From Their Moons", "Of Light and Darkness", "Raging Starfire", "Riding in the Winds of Eternity", "Sea of Fate", "Still Alive", "Storm of Emotions", "The Ark", "The Fallen Feather", "The House of the Angels", "The Magic of the Wizard's Dream", "The Perfect Machine", "Watching in Silence", "Wisdom of the Kings")

C5 ("Black Hearted Soul", "Custode Di Pace", "Gargoyles, Angels of Darkness", "I Belong to the Stars", "Land of Immortals", "Legendary Tales", "Mortal Sin", "Newborn Me", "No Limits", "Perfect Symmetry", "Sea of Fate", "Symphony of Enchanted Lands", "The Dream Maker", "The House of the Angels", "The Mystic Prophecy of the Demon Knight", "Upper Levels", "Wisdom of the Kings", "Emerald Sword")

B4 ("A Fading Angel's Life", "Aeons of Raging Darkness", "Angel of Light", "Apocalypse Coming", "Crystal Moonlight", "Danza di Fuoco e Ghiaccio", "Destination Set to Nowhere", "Gargoyles, Angels of Darkness", "Heroes of the Waterfalls' Kingdom", "Letter to My Child Never Born", "Life Has No Meaning", "Lost in Cold Dreams", "Of Light and Darkness", "Power of the Dragonflame", "Raging Starfire", "Reign of Terror", "Reign of Terror", "The Ark", "The Frozen Tears of Angels", "The Mystic Prophecy of the Demon Knight", "The Myth of the Holy Sword", "Upper Levels", "When Demons Awake")

B♭4 ("Black Hearted Soul", "Destination Set to Nowhere", "Forest of Unicorns", "Letter to My Child Never Born", "Message to Home", "Taste of a Goodbye", "Tears of a Dying Angel", "The Ark", "The Magic of the Wizard's Dream", "Tornado")

Notas baixas significativas

C3 ("Destination Set to Nowhere")

B2 ("Angel of Light", "Apocalypse Coming", "Away From You", "Danza di Fuoco e Ghiaccio", "Heroes of the Waterfalls' Kingdom", "La Vita Fugge", "Lost in Cold Dreams", "Lost Words of Forgiveness")

B♭2 ("Beyond the Sun and Far Away", "Destination Set to Nowhere", "Gentle Change" live, "Il Canto del Vento", "Message to Home", "Newborn Me", Storm of Emotions", "The Ark", "The Haunting (Somewhere in Time)" live, "The House of the Angels", "The Magic of the Wizard's Dream")

A2 ("A Sailorman's Hymn" live, "Storm of Emotions")

G♯2 ("'Heroes of the Waterfalls' Kingdom", "Life Has No Meaning", "Taste of a Goodbye", "The Dream Maker", "Voices from the Past")

G2 ("Power of Thy Sword")

F♯2 ("Abandoned" live Toronto 2011, "Away From You", "Il Canto del Vento", "The Perfect Machine")

F2 ("Message to Home")

E2 ("Black Hearted Soul", "The Fallen Feather")

E♭2 ("Message to Home", "The Fallen Feather")

No início de sua jornada no Angra, Lione fora criticado por fãs mais exaltados, mas aos poucos, conquistou boa parte do público da banda, em parte por sua técnica primorosa, e em outra parte, por seu carisma.

Lione já fora muito questionado sobre como é cantar canções de Andre Matos e Edu Flaschi, e o mesmo demonstrou respeito por ambos, além de um prévio conhecimento técnico para analisar as nuances dos dos vocalistas.

No vídeo abaixo é possível aferir Lione abordando este tema por algumas vezes. Confira:

Encerra-se aqui mais um capítulo da minha coluna sobre análises vocais. Deixe o seu comentário como elogios, críticas e sugestões para futuras análises.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Análise Vocal

5000 acessosAxl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?5000 acessosFreddie Mercury: Características vocais do cantor5000 acessosAerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler5000 acessosRonnie James Dio: Analisando a sua poderosa voz5000 acessosBruce Dickinson: curiosidades sobre a voz por trás do Iron Maiden5000 acessosDeep Purple: Análise técnica da voz de Ian Gillan5000 acessosGuns N' Roses: Análise vocal de Axl Rose5000 acessosLed Zeppelin: Análise vocal de Robert Plant5000 acessosWhitesnake: Análise vocal de David Coverdale5000 acessosJudas Priest: Análise vocal de Rob Halford5000 acessosKiss: Análise vocal de Paul Stanley5000 acessosAlice In Chains: Análise vocal de Layne Staley5000 acessosHelloween: Análise vocal de Michael Kiske5000 acessosGlenn Hughes: Análise vocal do cantor5000 acessosMetallica: Análise vocal de James Hetfield5000 acessosSkid Row: Análise vocal de Sebastian Bach5000 acessosBlack Sabbath: Análise vocal de Ozzy Osbourne5000 acessosAC/DC: Análise vocal de Bon Scott5000 acessosDream Theater: Análise vocal de James LaBrie5000 acessosScorpions: Análise vocal de Klaus Meine5000 acessosPantera: Análise vocal de Phil Anselmo5000 acessosRush: Análise vocal de Geddy Lee5000 acessosMegadeth: Análise vocal de Dave Mustaine5000 acessosBon Jovi: Análise vocal de Jon Bongiovi5000 acessosFaith No More: análise vocal de Mike Patton4776 acessosThe Cult: Análise vocal de Ian Astbury2970 acessosStone Temple Pilots e Velvet Revolver: Análise vocal de Scott Weiland3006 acessosVan Halen: Análise vocal de Sammy Hagar5000 acessosAlter Bridge: Análise vocal de Myles Kennedy0 acessosTodas as matérias sobre "Análise Vocal"

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Análise Vocal"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"0 acessosTodas as matérias sobre "Rhapsody"


Ultimate GuitarUltimate Guitar
Site elege os 100 melhores solos de guitarra

Em canaEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Ronnie James Dio e Maria Bethania

5000 acessosMotorhead: Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"5000 acessosImmortal: fotos de Horgh se divertindo no Brasil5000 acessosAngra: Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no Carnaval5000 acessosRock, Revolução e Satanismo5000 acessosGuitarra: os dez piores solos já realizados3457 acessosKiss: a relação de Gene Simmons com o Van Halen

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de maio de 2015


Sobre Danilo F. Nascimento

Administrador por casualidade. Músico por instinto. Escritor por devaneio. Fascinado por música, literatura e cinema. Seu primeiro contato com o mundo do rock data de meados dos anos 90, uma época de transição entre o analógico e o digital, e, principalmente, uma época onde a MTV ainda era aprazível e relevante. Idolatra e cultua o legado instituído pela maior banda de todos os tempos, o Queen.

Mais matérias de Danilo F. Nascimento no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online