Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemVeja Iron Maiden tocando músicas do "Senjutsu" pela primeira vez ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemIron Maiden apresenta Eddie em versão samurai ao vivo; veja vídeo oficial

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"


Mamonas Assassinas: a história das fotos dos músicos mortos, feitas para tabloide

Por Igor Miranda
Fonte: El País
Em 02/03/21

No dia 2 de março de 1996, ocorreu o acidente de avião que tirou a vida dos músicos da banda Mamonas Assassinas. O extinto jornal "Notícias Populares", associado ao Grupo Folha e de circulação em São Paulo, foi um dos veículos responsáveis por divulgar fotos dos corpos das vítimas no local em que o avião colidiu, na Serra da Cantareira, também na capital paulista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As fotos divulgadas pelo "Notícias Populares" foram produzidas por Fernando Cavalcanti e não só circularam nas páginas impressas da época, como, também, passaram a ser divulgadas por anos na internet. Em um artigo escrito para o site El País, em 2018, o fotógrafo comentou a situação e fez uma reflexão a respeito da cobertura, que "mesclou jornalismo, entretenimento e morbidez".

Cavalcanti conta, inicialmente, que estava trabalhando para cobrir a folga na madrugada do lendário fotojornalista Zé Maria, ao lado do repórter Hélio Santos. Eles ouviram, pela frequência do rádio da polícia, sobre um acidente de avião que seria dos Mamonas Assassinas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os profissionais correram para o local da colisão, onde eram realizadas buscas, até então sem sucesso - os policiais retomariam a procura pelos corpos e destroços apenas pela manhã. "Quando amanheceu, quem chegou primeiro foi o helicóptero da Globo, e rapidamente foi costurando um acordo: exclusividade para a Globo e o helicóptero auxiliaria nas buscas. Assim, o helicóptero pousou, embarcou alguém da equipe de buscas e a polícia começou a cercar os jornalistas num canto. Então, percebi a movimentação, tirei meu colete, embrulhei a câmera numa camisa de flanela, deixei minha mochila com o repórter e me escondi no mato", contou o fotojornalista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao se "infiltrar" em meio à equipe de buscas, Fernando Cavalcanti acabou conseguindo chegar perto dos fragmentos do avião e dos corpos dos músicos dos Mamonas Assassinas. Os responsáveis pelo resgate estavam mais preocupados com o acidente em si, então, não se importaram com o fotógrafo ali.

Após a Globo ter exercido seu direito de exclusividade, os demais jornalistas foram liberados para trabalhar no local, ainda que por trás de uma corda isolando a região central do acidente. Fernando Cavalcanti seguiu produzindo as fotos e, ao fim do turno, as deixou à disposição dos editores, que publicaram todo o conteúdo, sem censura.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sucesso em vendas

Publicado na segunda-feira (o acidente ocorreu em um sábado à noite e as fotos foram produzidas no domingo), o jornal "bateu seu recorde de tiragem, imprimiu três ou quatro clichês e na terça-feira publicou um pedido de desculpas ao seus leitores por não ter conseguido suprir a demanda", de acordo com Cavalcanti.

"Dias depois do acidente, um cidadão aparece na redação com uma mão, já em estado de decomposição, embrulhada num saco plástico. Ele foi à caça de souvenirs do acidente e acabou encontrando a mão. O NP ficou tão marcado pela cobertura do acidente que ele, em vez de levar a mão para a polícia, levou para a redação do jornal. E, coitado do Rogerinho (um dos fotógrafos da equipe), ainda teve que registrar aquilo", complementou o fotojornalista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Reflexão

Por fim, em seu texto, Fernando Cavalcanti refletiu sobre os exageros cometidos naquela cobertura - e no trabalho em geral desempenhado no "Notícias Populares", jornal extinto em 2001. "Apesar do lema do jornal de ser 'nada mais que a verdade', a maior parte do conteúdo que produzíamos era entretenimento e não jornalismo. Um dia meu editor Flavio Florido me disse: 'você pode achar que isso é uma grande piada, mas não se esqueça de que o porteiro do prédio que compra o jornal tem certeza de que isso é verdade. Muito cuidado'", relembrou.

A publicação trazia "mortos, quase sempre pobres, na capa", além de "mulheres peladas e toda sorte de histórias bizarras", também podendo ser acompanhadas de denúncias. "Naquela época, a violência nas periferias da cidade corria solta, todo final de semana tínhamos uma nova chacina. Outras vezes não havia denúncia alguma e as fotos dos mortos só serviam para saciar a curiosidade mórbida dos nossos leitores e, claro, para vender mais e mais jornais", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cavalcanti se isenta da responsabilidade da divulgação das fotos - "a decisão de publicar isso ou aquilo nunca foi de nenhum fotógrafo, porque nunca nos deixaram influir na decisão do que publicar", diz -, mas aponta que "jornalismo e entretenimento são duas coisas completamente distintas, que devem ser separadas por uma grossa linha vermelha". "E que aquelas fotos que fiz do acidente dos Mamonas, ao contrário de tantas outras fotos de mortos que encerram alguma denúncia relevante, pertencem ao outro lado dessa linha", concluiu.

O artigo completo de Fernando Cavalcanti pode ser lido no site El País.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Folha criticou seu próprio jornal

Curiosamente, um texto publicado pela colunista Barbara Gancia no jornal "Folha de S. Paulo" trazia uma crítica ao "Notícias Populares" pela cobertura do acidente. Os dois veículos de comunicação pertenciam ao mesmo grupo.

"No 'Programa Livre', Valéria, a namorada do Dinho, soltou os cachorros contra a imprensa. Acusou, entre outras, as publicações como o jornal 'Notícias Populares' e a revista 'Manchete' de desumanos e antiéticos por publicarem fotos dos corpos mutilados dos rapazes. Basta que qualquer um de nós se coloque por um segundo na pele das famílias e dos amigos dos Mamonas para constatar que Valéria tem toda a razão", disse a colunista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida, porém, ela reflete que as publicações foram esgotadas, tamanha a procura do público pelo conteúdo mórbido. "Por outro lado, as edições do 'Notícias Populares' e da 'Manchete' que traziam as escabrosas fotos do acidente esgotaram em todas as bancas da cidade. Morrer dormindo ou degolado, dá na mesma. E, no fim das contas, o único resultado prático da morbidez dessa corja de ignorantes que quer a todo custo esmiuçar o acidente, é colocar crianças diante das imagens de seus ídolos despedaçados. Bom senso, limite e decoro são mesmo privilégio de poucos", afirmou.

A coluna completa de Barbara Gancia, publicada em 13 de março de 1996, pode ser lida no site da "Folha de S. Paulo".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.