Guns N' Roses: Análise vocal de Axl Rose

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Danilo F. Nascimento
Enviar correções  |  Ver Acessos

No artigo anterior - Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz? - fora analisada as mudanças (e seus respectivos motivos) e variações ocorridas na voz de Axl Rose no decorrer dos anos.

Heavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasAvenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéia

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Veja a matéria no link abaixo:

Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Axl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Em contrapartida, este presente artigo, destina-se a analisar a sua performance técnica, ao longos dos anos, priorizando elencar algumas de suas melhores performances, no que tange à notas alcançadas, bem como peculiaridades, no que concerne a forma como ele lidou com sua voz nos últimos anos.

William Bruce Rose Jr. (nome por parte de pai), também conhecido como William Bruce Bailey (nome por parte do padrasto), ou apenas como W. Axl Rose, começou a cantar aos 5 anos de idade, no coral de uma igreja pentecostal de Lafayette, Indiana (EUA).


Neste período, Rose aprendeu a tocar piano, também na igreja pentecostal em que frequentava, e a habilidade com o piano facilitava o seu desempenho vocal - mesmo que até então não tivesse auxílio de um professor canto - pois ao tocar um instrumento, o cantor desenvolve o senso de percepção e o ouvido, que corrobora para que ele tenha mais facilidade em distinguir tons e notas.

Aos 17 anos, Rose rumou para Los Angeles em busca de oportunidades no mundo da música. Inicialmente, participou da banda de glam punk, Rapidfire, sendo que nesta época, sua maneira de cantar era diferente do que ele viria a apresentar no futuro. Rose cantava utilizando, apenas, a sua voz de peito (voz grave e acentuada que pode ser conferida em Mr. Brownstone, Bad Obssession e It's So Easy).

Casualmente, Rose utilizava drive e falsetes, e em uma destas utilizações casuais de drive e falsete, ele gravou os vocais de uma canção chamada "Ready To Rumble", que pode ser conferida abaixo:

Após a dissolução do Rapidfire, Rose começou a cantar nas bandas L.A. Guns e Hollywood Rose, sempre priorizando a sua voz de peito, pois tinha mais confiança e, consequentemente, mais facilidade em utilizá-la, por suas experiências cantando em corais, por intermédio dela (voz de peito).

Entretanto, em um determinado período de 1984, Izzy, que até então era parceiro de Rose na Hollywood Rose, o viu cantando "Hair Of The Dog" do Nazareth, utilizando falsetes e drive. Izzy ficou impressionado, e pediu para que Axl, a partir de então, cantasse sempre assim.

Em 1986, após a assinatura do contrato para o lançamento de um disco, a Geffen Records contratou uma profissional de canto/fonoaudióloga para auxiliar Rose.

A profissional era, nada mais, nada menos, que Elizabeth Sabine, renomada professora de canto norte-americana, conhecida por ter ministrado aulas para cantores como Miljenko Matijevic (Steelheart) e Michael Sweet (Stryper).

Após a gravação do Appetite For Destruction, Axl passou a deixar as aulas de lado, e não não havia qualquer motivo aparente, alegado, para isto.

Sabine chegou a excursionar com a equipe do Guns na turnê dos Illusions. Esta equipe trazia, além de Sabine, cabeleireiros, maquiadores, músicos adicionais, produtores, roadies, etc. Mas, segundo consta, ele dedicava a maior parte do seu tempo para conversar sobre vidas passadas com a "vidente", também membro da equipe na tour Illusions, Yoda.

Durante a tour dos Illusions, Axl utilizava drive e falsete em demasia, e de maneira incorreta, utilizando-os por intermédio da garganta, e não do palato mole como deveria ser.

A maior influência de Rose, no que tange o canto com drive, era Dan McCafferty, entretanto, Axl não tinha a técnica que Dan tinha, consequentemente, cantava de forma incorreta.

Inúmeros shows do Guns N' Roses foram cancelados, em virtude problemas nas cordas vocais do Axl. Era um sinal de que os respectivos abusos iriam lhe trazer problemas no futuro.

Para citar apenas alguns períodos com shows cancelados:

☞ Maio e junho de 1988 - Quase no final da turnê, Axl teve problemas com suas cordas vocais, fazendo com que a banda cancelasse alguns shows. Para não cancelar todos os shows desta turnê, a banda se apresentou, em algumas oportunidades, com Izzy e Duff nos vocais, além de realizar longas jam sessions com a banda L.A. Guns.

☞ Julho de 1988 - A turnê do Japão foi cancelada para Axl recuperar a voz, ele continuava com problemas na garganta.

☞ 08 de agosto de 1992 - Show desastroso no Olympic Stadium em Montreal, Canadá. James Hetfield do Metallica foi queimado seriamente no braço por um efeito pirotécnico. Durante o show do Guns, Axl deixou o palco com dor de garganta e quando voltou, interrompeu um grande tumulto na platéia. Por causa da queimadura em Hetfield e o problema de Axl Rose nas cordas vocais, tiveram de adiar os shows.

É absolutamente plausível considerar que a utilização de falsete e drive, sem a técnica apropriada, causa sérios problemas às cordas vocais. Axl utilizava drive e falsete somente com a garganta, reverberando a sua voz no peito de maneira errônea, sem obedecer as zonas de passagem.

Portanto, é possível aferir que Axl não possuí total domínio, nem controle, sobre a sua tessitura e extensão vocal.

A realidade é que Axl nunca se dedicou de verdade à aulas de canto, e em virtude disto, teve problemas como refluxo faringite e nódulos nas cordas vocais, que supostamente, teriam sido corrigidos procedimentos cirúrgicos realizados no início dos anos 2000.

Estes procedimentos corroboraram para que Axl voltasse cantando diferente de sua habitual e característica forma dos anos 80 e 90. O que é absolutamente natural, pois a retirada dos nódulos, realmente, deixam a voz mais limpa, e menos propensa à se readaptar à utilização de drive, por exemplo.


Neste período, Axl começou a ter aulas de canto com o renomado professor de canto, Ron Anderson, mesmo professor de professores como Chris Cornell e Mary J. Blige.

Entretanto, por motivos desconhecidos, as aulas também não duraram muito tempo. Mas foram o suficiente para que ele adquirisse certos conhecimentos elementares para um bom desempenho vocal, principalmente no que tange a utilização do bel canto e voz de máscara (ou voz de cabeça).

Confira abaixo algumas características e performances vocais, elencadas de acordo com as notas atingidas:

Timbre - Barítono
Gama melódica - F1-B♭6
Gama total - F1-B♭7

Há algumas divergências no que tange à definição do timbre de Axl Rose. Alguns professores o classificam como tenor, e outros o classificam como barítono.

Como Axl sempre caracterizou-se por apresentar uma versatilidade vocal diferenciada, é realmente complicado cravar se ele é, de fato, tenor, ou se realmente é barítono. Ao ouvirmos a voz falada de Axl, a impressão é de que ele, realmente, é barítono, mas há algumas canções que nos fazem pensar se ele, na realidade, não é tenor.

Enfim, é uma dúvida que somente próprio Axl poderia esclarecer.

Notas altas significativas:

B♭7 ("Coma")

F7 ("Estranged")

B♭6 ("Ain't It Fun")

A6 ("The Garden")

A5 ("Welcome to the Jungle" live at MTV Video Music Awards 2006)

G♯5 ("Back in the Saddle", "Riad N' the Bedouins", "Scraped")

G5 ("Chinese Democracy", "I.R.S.", "Knockin' On Heaven's Door" live in Istanbul 2006, "Rocker" Hollywood Rose version, "Sailing" live at Wembley 2006, "Welcome to the Jungle" live in Pittsburgh 2002)

F♯5 ("Garden of Eden", "I.R.S", "It's So Easy", "Knockin' On Heaven's Door", "Nightrain", "Prostitute", "Perfect Crime", "Reckless Life" Hollywood Rose version, "Riad N' The Bedouins", "Right Next Door to Hell", "Rocker", "Shackler's Revenge", "Street of Dreams", "There Was a Time", "You're Crazy")

F5 ("Anxious Disease", "Anything Goes" Hollywood Rose demo version, "Chinese Democracy", "Human Being", "If the World", "Oh My God", "Rocket Queen", "Scraped", "Shotgun Blues", "Think About You", "You Could Be Mine")

E5 ("Anything Goes" Hollywood Rose demo version, "Better", "Catcher in the Rye", "Dead Flowers", "Get in the Ring", "I.R.S.", "Killing Time", "Madagascar", "Salt of the Earth" live in Atlantic City 1989, "Stuck Inside", "We Will Rock You" live at Freddie Mercury Tribute Show)

E♭5 ("Ain't Going Down", "Anything Goes", "Back in the Saddle", "Back Off Bitch", "Bad Apples", "Civil War", "Coma", "Dead Horse", "Don't Cry", "Don't Damn Me", "Dust N' Bones", "Hair of the Dog", "Human Being", "It's So Easy", "Locomotive", "My Michelle", "Nightrain", "One In A Million", "Patience", "Sweet Child O' Mine", "This I Love", "Welcome to the Jungle", "You're Crazy")

D5 ("Anxious Disease", "Dead Flowers", "Free Fallin'" live at MTV Video Music Awards 1989, "Get in the Ring", "If The World", "November Rain", "Prostitute", "Reckless Life", "Rocker", "Shadow of Your Love")

C♯5 ("Bad Apples", "Better", "Coma", "Estranged", "Locomotive", "(Love Is) A Bitchslap", "Nice Boys", "Out Ta Get Me", "Paradise City", "Since I Don't Have You", "Sweet Child O' Mine", "Under My Wheels", "Used to Love Her", "Yesterdays", "You Could Be Mine")

C5 ("Breakdown", "Coma", "Dead Horse", "Don't Damn Me", "I Did U No Wrong", "I Will Not Go Quietly", "Oh My God", "One In A Million", "Ready to Rumble", "Sorry", "You Could Be Mine")

B4 ("14 Years", "Don't Cry", "Estranged", "Live and Let Die", "Mr. Brownstone", "November Rain", "Paradise City")

Notas baixas significativas

B♭2 ("Buick Mackane/Big Dumb Sex", "Civil War", "Patience")

A2 ("Get in the Ring")

G♯2 ("Don't Cry (Alt. Lyrics)", "Hair of the Dog", "Locomotive", "Nightrain")

G2 ("Sorry")

F♯2 ("Bad Obsession", "Mother" live, "Paradise City", "Sweet Child O' Mine")

F2 ("Black Leather")

E2 ("Locomotive", "Perfect Crime")

E♭2 ("Double Talkin' Jive", "Mother" live, "Sweet Child O'Mine" 1999 version, "You Ain't the First")

D2 ("Garden of Eden", "Sorry" live)

C♯2 ("Bad Obsession", "Dust N' Bones", "Pretty Tied Up", "Scraped", "Shackler's Revenge")

C2 ("Ain't Going Down", "Bad Apples", "Oh My God")

B1 ("Breakdown", "Don't Cry", "November Rain")

B♭1 ("Back Off Bitch")

G♯1 ("Bad Apples", "Coma")

G1 ("So Fine")

F1 ("There Was a Time")

É absolutamente natural dizer que, hoje, Axl é um vocalista mais técnico do que no passado, entretanto, não possuí a mesma potência e visceralidade vocal de outrora, e nem faz uso de drive com tanta frequência, o que indigna grande parte dos fãs.

Talvez, o maior problema de Axl atualmente seja a falta de fôlego ao vivo. Pode parecer uma bobagem, mas o sobre-peso prejudica, consideravelmente, o apoio e sustentação da respiração diafragmática, o que tende a influenciar no desempenho vocal ao vivo.

É importante salientar que, a voz do ser humano, fisiologicamente, se modifica com o passar dos anos, tanto ao falar, quanto ao cantar, então é absolutamente natural haver variações em registros antigos e atuais de Rose.

Como já fora falado no artigo anterior, Axl poderia submeter-se ao procedimento médico "Voicelift", responsável pelo rejuvenescimento das cordas vocais de cantores como David Coverdale e Steven Tyler. Mas o procedimento em si, não faria milagre se ele não entrasse em forma para ganhar fôlego ao vivo ou retomasse as aulas como Elizabeth Sabine ou Ron Anderson.

Vocabulário dos termos técnicos utilizados no artigo:

Drive: Voz rasgada, estridente. Para utilização do drive, é necessário que o cantor já tenha bom conhecimento, no que tange à técnicas elementares de cantor, como respiração/apoio diafragmático e impostação. O drive, geralmente, é ensinado por intermédio do exercício fonoaudiólogo denominado Fry. É importante que o drive seja feito no palato mole e não na garganta.

Falsete ou falsetto: Registro vocal, por meio do qual, o cantor emite, de modo controlado (não natural, por isso "falso"), sons mais agudos que os da sua faixa de freqüência acústica natural (tessitura).

Conceitos e termos acima são de cortesia do treinador vocal Ariel Coelho. Para mais informações:
http://www.arielcoelho.com.br/analises-vocais/


Análise Vocal

Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Axl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Freddie Mercury: Características vocais do cantorFreddie Mercury
Características vocais do cantor

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven TylerAerosmith
Curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Ronnie James Dio: Analisando a sua poderosa vozRonnie James Dio
Analisando a sua poderosa voz

Bruce Dickinson: curiosidades sobre a voz por trás do Iron MaidenBruce Dickinson
Curiosidades sobre a voz por trás do Iron Maiden

Deep Purple: Análise técnica da voz de Ian GillanDeep Purple
Análise técnica da voz de Ian Gillan

Led Zeppelin: Análise vocal de Robert PlantLed Zeppelin
Análise vocal de Robert Plant

Whitesnake: Análise vocal de David CoverdaleWhitesnake
Análise vocal de David Coverdale

Judas Priest: Análise vocal de Rob HalfordJudas Priest
Análise vocal de Rob Halford

Kiss: Análise vocal de Paul StanleyKiss
Análise vocal de Paul Stanley

Alice In Chains: Análise vocal de Layne StaleyAlice In Chains
Análise vocal de Layne Staley

Helloween: Análise vocal de Michael KiskeHelloween
Análise vocal de Michael Kiske

Glenn Hughes: Análise vocal do cantorGlenn Hughes
Análise vocal do cantor

Metallica: Análise vocal de James HetfieldMetallica
Análise vocal de James Hetfield

Skid Row: Análise vocal de Sebastian BachSkid Row
Análise vocal de Sebastian Bach

Black Sabbath: Análise vocal de Ozzy OsbourneBlack Sabbath
Análise vocal de Ozzy Osbourne

AC/DC: Análise vocal de Bon ScottAC/DC
Análise vocal de Bon Scott

Dream Theater: Análise vocal de James LaBrieDream Theater
Análise vocal de James LaBrie

Scorpions: Análise vocal de Klaus MeineScorpions
Análise vocal de Klaus Meine

Pantera: Análise vocal de Phil AnselmoPantera
Análise vocal de Phil Anselmo

Rush: Análise vocal de Geddy LeeRush
Análise vocal de Geddy Lee

Megadeth: Análise vocal de Dave MustaineMegadeth
Análise vocal de Dave Mustaine

Bon Jovi: Análise vocal de Jon BongioviBon Jovi
Análise vocal de Jon Bongiovi

Angra: Análise vocal de Fabio LioneAngra
Análise vocal de Fabio Lione

Faith No More: análise vocal de Mike Patton

The Cult: Análise vocal de Ian Astbury

Stone Temple Pilots e Velvet Revolver: Análise vocal de Scott Weiland

Van Halen: Análise vocal de Sammy HagarVan Halen
Análise vocal de Sammy Hagar

Alter Bridge: Análise vocal de Myles KennedyAlter Bridge
Análise vocal de Myles Kennedy

Soundgarden: Análise vocal de Chris CornellSoundgarden
Análise vocal de Chris Cornell

Todas as matérias sobre "Análise Vocal"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Análise Vocal"Todas as matérias sobre "Guns N' Roses"Todas as matérias sobre "Axl Rose"


Heavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasHeavy Metal
O Diabo e personagens bíblicas nas capas

Avenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéiaAvenged Sevenfold
10 músicas que podem fazer você mudar de idéia


Sobre Danilo F. Nascimento

Administrador por casualidade. Músico por instinto. Escritor por devaneio. Fascinado por música, literatura e cinema. Seu primeiro contato com o mundo do rock data de meados dos anos 90, uma época de transição entre o analógico e o digital, e, principalmente, uma época onde a MTV ainda era aprazível e relevante. Idolatra e cultua o legado instituído pela maior banda de todos os tempos, o Queen.

Mais matérias de Danilo F. Nascimento no Whiplash.Net.

adGoo336