Soundgarden: Análise vocal de Chris Cornell

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Danilo F. Nascimento
Enviar correções  |  Ver Acessos

Christopher John Boyle, mais conhecido como Chris Cornell, foi um músico norte-americano, nascido dia 20 de julho de 1964, em Seattle (Washington), que integrou as bandas Soundgarden, Temple of the Dog e Audioslave.

Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoIron Maiden: "se as bandas de metal mandassem no mundo..."

Seu primeiro contato com o mundo da música deu-se em 1973, quando, aos nove anos de idade, encontrou uma coleção de discos dos Beatles no porão de seu vizinho.

Cornell frequentou a escola cristã Christ the King Catholic, onde se apresentou pela primeira vez, cantando a canção "One Tin Soldier", conhecida canção anti-guerra dos anos 60.

Em meados de sua adolescência, Cornell ganhou o seu primeiro instrumento musical, um piano. Mas por incrível que pareça, o piano não era um dos instrumentos preferidos de Cornell. O músico era fascinado pela bateria, tanto que na Jones Street Band, sua primeira banda de rock n' roll, ele ocupava o posto de baterista.

No início dos anos 80, Cornell passou a integrar a banda The Shemps, que se apresentava em pequenos clubes de Seattle.

Em 1984, junto com o guitarrista Kim Thayil e o baixista Hiro Yamamoto, Cornell formou a banda Soundgarden. Cornell tocava bateria e cantava, mas logo após Scott Sundquist assumir a bateria (tendo sido ocupada definitivamente depois por Matt Cameron), Cornell passa a se dedicar exclusivamente ao vocal.

Em 1990, Andrew Wood, amigo de Cornell, conhecido por integrar a banda Mother Love Bone, morre de overdose, e em homenagem ao amigo, Cornell cria o super grupo Temple Of The Dog.

Nesta época, Cornell passou a ter aulas de canto com o maestro David P. Kyle, conhecido por ter trabalhado com músicos como Layne Staley, Geoff Tate, Ann Wilson e Don Dokken.

O maestro Kyle, como é conhecido, fora considerado pela indústria do entretenimento como um dos melhores instrutores vocais de cantores contemporâneos do mundo.

O método de Kyle, consistia em expandir o alcance vocal para múltiplos registros. Este método é chamado de "Bridging & Connecting".

O maestro também estava interessado em eliminar as barreiras psicológicas que impedem a liberdade de expressão dos cantores, por meio de técnicas criativas de visualização e desenvolvimento de imagens auditivas saudáveis para o canto.

Embora Cornell tivesse um talento natural para cantar, foi como pupilo de Kyle que a sua técnica vocal fora para uma amplitude extraordinária. Segundo o maestro, Cornell alcançava um total de quatro oitavas.

Cornell tinha um timbre barítono, porém possui alguma gama tenor, por isso, muitos estudiosos classificam o timbre de Cornell como "baritenor".

Pedagogos vocais como Richard Miller usam o termo "baritenor" para se referir a uma categoria de voz comum entre jovens cantores cuja (alcance vocal mais confortável) tessitura se situa entre a de um barítono e de um tenor e cuja zona de passagem situa-se entre C4 e F4.

Há um "intervalo de barítonos" e um "intervalo de tenores", implicando que eles não se sobrepõem, ou pelo menos em grande parte não, e que os barítonos não podem cantar em intervalos de tempo e vice-versa.

Uma das técnicas vocais mais conhecidas de Cornell era o famoso drive, conhecido mundialmente com nomenclaturas como raspy voice, creeky voice, distorted voice, sing with gravel, grip.

O drive, como conhecemos no Brasil, é uma técnica vocal que apresenta um som distorcido que pode lembrar uma voz rouca, utilizado normalmente para dar maior agressividade na voz, ou mais ênfase em determinado som. Existem vários tipos diferentes de drive, eles vão variar de acordo com as estruturas que vibrarem.

Os estudiosos vocais costumam se referem ao drive como desvio vocal, e ao contrário do que muitos pensam, não é uma técnica exclusiva do hard rock e do heavy metal. Muitos cantores de diferentes vertentes (soul, jazz, blues, etc) utilizam esta técnica.

O assunto drive é tema de discussões no mundo todo. Os cientistas vocais mais conhecidos e peritos na utilização desta técnica são Enrico Di Lorenzo, Per Ake Lindestad, Daniel Zangger Borch, Cathrine Sadolin, Julian McGlashan, Melissa Cross, Jamie Vendera, Mark Baxter e Brian "Hacksaw" Williams.

Mas e a máxima que diz utilizar drive danifica as pregas vocais? Bem, se utilizado incorretamente, o drive pode sim danificar as cordas vocais. O drive é uma distorção, e existem maneiras de utilizar essa distorção sem prejudicar a voz.

Fisiologicamente, essa distorção é causada pela adição de mecanismos que vão trabalhar acima das pregas vocais, como as pregas vestibulares, pregas ariepiglóticas, a epiglote, cartilagens cuneiformes, palato, ou mesmo por uma vibração aperiódica (em ritmo irregular proposital) das pregas vocais.

A pressão de ar pode ser maior dependendo do tipo de distorção criado, mas não pode ser exagerada.

Na figura: as pregas vocais (vocal fold) com o músculo vocal, ou TA (vocalis muscle), as pregas vetibulares logo acima (vestibular fold) e a epiglote lá no alto (epiglottis).

Falando especificamente de Chris Cornell, ele fazia o drive "creeky voice" com maestria, tanto Soundgarden como no Audioslave, banda que formaria anos mais tarde.

Além do drive "creeky voice", Cornell era conhecido por utilizar de maneira assustadoramente incrível a sua voz de cabeça. A voz de cabeça ressoa para cima do nariz até as cavidades do rosto (cavidades maxilares ou frontais) e é uma voz aguda, fina e mais suave. É usada para as notas médio-agudas e agudas.

Em entrevista concedida na Flórida há alguns anos atrás, Cornell afirmou que perdeu parte de seu alcance vocal no decorrer dos anos.

Cornell afirmou: "Com o passar do tempo, tenho menos alcance vocal do que tinha outrora. Também tenho menos habilidade para sair e entrar em diferentes registros".

Cornell continua: "Por outro lado tenho uma maior capacidade em me conectar emocionalmente com as músicas que canto. A voz humana não é uma trombeta. Não é um piano. Está sempre mudando, e um cantor tem que seguir o fluxo.

E Cornell está correto. A voz humana passa por mudanças a medida em que envelhece. As peculiaridades na voz de cada pessoa são determinadas por muitos fatores diferentes. A laringe e as cordas vocais vibram de acordo com a constituição do indivíduo, fazendo com que cada voz seja diferente uma da outra. Outra variável que também influencia nas características da voz é a idade. Mas, por que isso acontece?

De acordo com os cientistas, o primeiro grito de um bebê tem uma tonalidade média entre 450 e 500 Hz, ou seja, é muito aguda. Mais tarde, aos 7 anos de idade, a frequência da voz se reduz de forma diferente para meninos e meninas. As garotas ficam com 295 Hz e os meninos com 268 Hz, em média.

Ao alcançar a puberdade, a testosterona faz com que muitas mudanças ocorram no corpo dos garotos, inclusive na voz. A massa muscular aumenta, as cartilagens da laringe crescem, suas paredes ficam mais grossas e as cordas vocais se alargam, fazendo com que a voz dos meninos fique mais grave. O tom de voz diminui aproximadamente uma oitava. Nas garotas, a ação do estrógeno nas cordas vocais também causa alterações na voz.

Com o passar dos anos essas transformações vão se regredindo. A voz das mulheres torna-se mais grave. Nos homens, ocorre a diminuição da testosterona e a voz volta a se afinar. Além dessas mudanças, ocorre também a perda de elasticidade e das fibras de colágeno.

A voz é um som produzido pela vibração do ar que é retirado dos pulmões pelo diafragma e que passa pelas cordas vocais sofrendo alterações influenciadas pela boca, lábios e língua.

Como as demais partes do corpo, a voz também envelhece. Este envelhecimento é provocado pela ação natural do desenvolvimento do organismo onde há o engrossamento das cordas vocais, a redução de movimentos das articulações, alterações hormonais e emocionais, maus hábitos, calcificação das cartilagens, atrofia da musculatura laríngea e a perda da capacidade pulmonar.

O período de melhor desempenho vocal está entre os 25 e os 40 anos de idade, mas pode haver exceções quando se possui boa saúde física e psicológica, além de fatores genéticos, sociais, ambientais e raciais.

Característica vocais:

Timbre: Barítono
Alcance vocal: C♯2-A5

Notas baixas

D3 ("Angel on Fire", "Applebite", "Black Cat", "Blind Dogs", "Blood on the Valley Floor", "Blow Up the Outside World", "Bones of Birds", "By Crooked Steps", "Can't Change Me", "Circling", "Disappearing Act", "Enemy", "Flower", "Fresh Tendrils", "Full on Kevin's Mom", "Helter Skelter" live in Del Mar 1996, "Holy Water", "Kristi", "Let Me Drown", "Light My Way", "Like a Stone", "Like Suicide", "Live to Rise", "Lost Cause", "Misery Chain", "Mission", "Nearly Forgot My Broken Heart", "Never Far Away", "No Such Thing", "No Wrong, No Right", "Nowhere But You", "Out of Exile", "Outshined", "Overfloater", "Power Trip", "Revelations", "Rhinosaur", "Room a Thousand Years Wide", "Rowing", "Rusty Cage", "Shape of Things to Come", "Show Me", "Show Me How to Live", "Slaves & Bulldozers", "Spoonman", "Stray Cat Blues", "Thank You" live, "The Last Remaining Light", "Two Drink Minimum", "Uncovered", "Until We Fall", "Waiting For the Sun" live, "Wooden Jesus", "You Know My Name")

C♯3 ("Blow Up the Outside World", "Do Me Wrong", "Doesn't Remind Me" live in St. Paul 2011, "Flutter Girl", "Heavy is the Head", "Let Me Drown" demo, "Let Your Eyes Wander", "Misery Chain", "Nearly Forgot My Broken Heart" live, "Other Side of Town", "Scream", "The Keeper", "Toy Box", "You Never Knew My Mind")

C3 ("4th of July", "All I Have to Do is Dream", "Blood on the Valley Floor", "Burden in My Hand", "Call Me a Dog", "Flutter Girl" home recording demo, "Halfway There" & "Halfway There" demo, "Head Down", "Kyle Petty, Son of Richard", "Like Suicide", "Lost Cause", "Mailman", "Missing", "Never Named", "Never the Machine Forever", "Pretty Noose", "Promise", "Searching With My Good Eye Closed" live 1994, "Spoonman", "Steel Rain", "Take Me Alive", "Why Do You Follow Me?")

B2 ("Be Yourself", "Big Dumb Sex", "Blow Up the Outside World", "Climbing Up the Walls", "Holy Water", "Hypnotize", "Incessant Mace", "Island of Summer", "Karaoke", "Long Gone Day" live in Seattle 2015, "Other Side of Town", "Rusty Cage", "Shadow on the Sun", "She Likes Surprises", "Swallow My Pride", "'Til the Sun Comes Back Around", "Toy Box", "Ugly Truth", "Wrong Side", "You Know My Name", "Your Time Has Come")

B♭2 ("Blood on the Valley Floor", "Burden in My Hand", "Eyelid's Mouth", "Missing", "Pillow of Your Bones", "Take Me Alive")

A2 ("Beyond the Wheel", "Blow Up the Outside World", "Everybody's Got Something to Hide Except Me and My Monkey", "Fresh Deadly Roses", "Full on Kevin's Mom", "Hands All Over", "Heretic" Deep Six version, "Kingdom of Come", "Lies", "Light On" live in Orlando 2012, "Long Gone Day" live in Seattle 2015, "Overfloater", "Rowing", "Searching With My Good Eye Closed" live in Paris 1994, "Shape of Things to Come", "Sleep Now in the Fire" live, "Storm", "Toy Box", "Uncovered", "We Got the Whip", "Your Time Has Come")

G♯2 ("All Your Lies", "Climbing Up the Walls", "Halfway There" demo, "Our Time in the Universe" remix, "Unholy War" demo, "Wrong Side")

G2 ("4th of July", "Beyond the Wheel", "Burden in My Hand", "Call Me a Dog" intro improv live in London 2012, "Circle of Power", "Halfway There" demo, "Head Injury", "She Likes Surprises", "Why Do You Follow Me?")

F♯2 ("An Unkind", "Big Dumb Sex", "Other Side of Town", "Rusty Cage")

F2 ("Lost Cause")

E2 ("Storm")

D2 ("Beyond the Wheel", "Entering")

Notas altas

A5 ("Birth Ritual" demo, "Face Pollution", "Full on Kevin's Mom", "H.I.V. Baby")

G♯5 ("Cold Bitch", "Heretic", "Jesus Christ Pose")

G5 ("Communication Breakdown" live, "Face Pollution", "Fopp" live 1988, "Heretic", "I Awake" live, "New Damage", "Power Trip", "Reach Down", "Say Hello 2 Heaven", "Smokestack Lightning", "Slaves & Bulldozers/Jesus is Just Alright" live in Seattle 1992)

F♯5 ("Communication Breakdown" live, "Earache My Eye" live in Los Angeles 1989, "Everybody's Got Something to Hide Except Me and My Monkey", "Four Walled World", "Holy Water", "Let Me Drown", "Nothing to Say", "Outshined" live in Del Mar 1996, "Searching With My Good Eye Closed", "Touch Me")

F5 ("Beyond the Wheel", "Birth Ritual", "Black Rain", "Cold Bitch", "Fopp", "Gun", "Hands All Over" live in Paris 1992, "Heretic", "Jesus Christ Pose", "New Damage", "Outshined", "Room a Thousand Years Wide", "She Likes Surprises", "Slaves & Bulldozers", "Spoonman", "Thank You (Falettinme Be Mice Elf Agin)")

E5 ("665", "As Hope and Promise Fade" live, "Call Me a Dog", "Come Together", "Communication Breakdown" live, "Entering", "Full on Kevin's Mom", "Heretic", "Hunger Strike", "Hunted Down", "Immigrant Song" live, "Incessant Mace", "Little Joe", "Loud Love", "Mind Riot", "Mission", "Reach Down", "Say Hello 2 Heaven", "She's a Politician", "Somewhere", "Stolen Prayer", "Tears to Forget", "Tighter & Tighter", "Times of Trouble", "Train Kept A-Rollin'" live in St. Louis 1992, "Whole Lotta Love", "Wooden Jesus")

E♭5 ("4th of July", "Beyond the Wheel", "Cold Bitch", "Flutter Girl" home recording demo, "Hey Baby (New Rising Sun)", "I Awake", "Lies", Live improv in Melbourne 2012, "Right Turn", "Rusty Cage" live on Sirius XM Town Hall 2013, "Sleep Now in the Fire" live, "Whole Lotta Love")

D5 ("#1 Zero", "4th of July", "A Satisfied Mind" live in Allentown 2011, "Been Away Too Long", "Billie Jean", "Birth Ritual", "Black Hole Sun" & "Black Hole Sun" live in Seattle 12/17/1996, "Black Rain", "Broken City", "By Crooked Steps", "Can't Change Me" live 2011, "Doesn't Remind Me" live in St. Paul 2011, "Drawing Flies", "Face Pollution", "Fell on Black Days", "Fopp", "Four Walled World", "Fresh Tendrils", "Full On (Reprise)", "Ground Zero" live in Chicago 2011, "Hands All Over", "Head Injury", "H.I.V. Baby", "Holy Water", "Incessant Mace", "Jesus Christ Pose", "Let Me Drown", "Light My Way" demo, "Like Suicide", "Limo Wreck", "Live to Rise", "Mission", "Murderer of Blue Skies", "Never Far Away", "New Damage", "No Wrong, No Right", "Nothing to Say", "Outshined", "Overfloater", "Pretty Noose", "Promise", "Pushin' Forward Back", "Reach Down", "Room a Thousand Years Wide", "Rowing", "Say Hello 2 Heaven", "Searching With My Good Eye Closed", "She's a Politician", "Slaves & Bulldozers", "Sleep Now in the Fire" live, "Spoonman", "Stay With Me Baby", "Storm", "Sub Pop Rock City", "Sunshower", "Superunknown", "Thank You (Falettinme Be Mice Elf Agin)", "The Day I Tried to Live", "The Keeper", "Times of Trouble", "Toy Box", "What You Are", "Whole Lotta Love", "Wooden Jesus", "You Know My Name" live)

C♯5 ("4th of July", "Big Dumb Sex", "Blow Up the Outside World", "Can You See Me?", "Climbing Up the Walls", "Disappearing One", "Do Me Wrong", "Doesn't Remind Me" live, "Everybody's Got Something to Hide Except Me and My Monkey", "Exploder", "Eyelid's Mouth", "Follow My Way", "Hand of God", "He Didn't", "Heavy is the Head", "Heretic", "Immigrant Song" live, "Karaoke", "Limo Wreck", "No Attention", "Ordinary Girl", "Other Side of Town", "Part of Me", "Set It Off", "Stolen Prayer", "Super Stupid", "Swallow My Pride", "Sweet Revenge", "Today", "Ugly Truth", "Wave Goodbye", "You Never Knew My Mind")

C5 ("A Thousand Days Before", "All Night Thing", "Arms Around Your Love", "As Hope and Promise Fade" live, "Big Bottom" live in Los Angeles 1989, "Blood on the Valley Floor", "Broken City", "Burden in My Hand" live on MTV Live N' Loud 1996, "By Crooked Steps", "Call Me a Dog", "Dead Wishes", "Finally Forever", "Flower", "Flutter Girl" home recording demo, "Fresh Deadly Roses", "Full on Kevin's Mom", "Halfway There", "Hands All Over", "Heaven's Dead", "Hey Baby (New Rising Sun)", "Homicidal Suicidal", "I Am the Highway" live in Toronto 2011, "I Awake", "Imagine" live in Milwaukee 2011, "Immigrant Song" live, "Incessant Mace", "Jewel of the Summertime", "Killing Birds", "Kristi", "Kyle Petty, Son of Richard", "Let Me Drown", "Light My Way", "Light On" live in Orlando 2012, "Like Suicide", Live improv in Melbourne 2012, "Long Gone" Rock version, "Long Gone Day" live in Seattle 2015, "Mailman", "Nazi Driver", "Never Far Away", "Never Named", "Never the Machine Forever", "New Damage", "No Such Thing", "No Wrong, No Right", "Nothing Compares 2 U", "Only These Words", "Ordinary Girl", "Outshined", "Overfloater", "Pillow of Your Bones", "Poison Eye", "Pretty Noose", "Rhinosaur", "Roads We Choose", "Room a Thousand Years Wide", "Rowing", "Safe and Sound", "Scar on the Sky" & "Scar on the Sky" live in Glenside PA 2011, "Seasons", "Shape of Things to Come", "She Likes Surprises", "She'll Never Be Your Man", "Slaves & Bulldozers", "Somedays", "Spoonman", "Steel Rain", "Stray Cat Blues", "Superunknown", "Taree", "Thank You (Falettinme Be Mice Elf Agin)", "The Promise" live on The Tonight Show with Jimmy Fallon 2017, "Time", "Ty Cobb", "Unholy War" demo, "Until We Fall", "Watch Out", "We Got the Whip", "When I'm Down", "Wide Awake", "Worried Moon")

B4 ("#1 Zero", "An Unkind", "Be Yourself", "Been Away Too Long", "Bend in the Road", "Big Bottom" live in Los Angeles 1989, "Billie Jean", "Black Saturday", "Bleed Together", "Blow Up the Outside World", "Bring 'Em Back Alive", "Circling", "Climbing Up the Walls", "Cochise", "Come Together", "Crawling" live 2008, "Dandelion", "Dead Wishes", "Do Me Wrong", "Doesn't Remind Me", "Drown Me Slowly", "Dusty", "Entering", "Fell on Black Days", "Flutter Girl", "Follow My Way", "Four Walled World", "Full On (Reprise)", "Gasoline", "Get on the Snake", "Ghosts", "Give", "Ground Zero" & "Ground Zero" live in Chicago 2011, "Gun", "Heaven's Dead", "Higher Truth", "Holy Water", "Hunger Strike", "Hunted Down", "Hypnotize", "Incessant Mace", "Island of Summer", "Karaoke", "Light On" live in Orlando 2012, "Like Suicide", "Little Joe", "Live to Rise", "Loud Love", "Mind Riot", "Mission", "Moonchild", "Murderer of Blue Skies", "My Wave", "No Attention", "No Such Thing", "Non-State Actor", "One and the Same", "Original Fire", "Other Side of Town", "Our Time in the Universe", "Part of Me", "Power Trip", "Pushin' Forward Back", "Reach Down", "Revelations", "Rusty Cage", "Say Hello 2 Heaven", "Scream", "Searching With My Good Eye Closed", "Shape of Things to Come", "Shadow on the Sun", "She's a Politician", "Show Me", "Show Me How to Live", "Smokestack Lightning", "Sound of a Gun", "Somewhere", "Stay With Me Baby", "Steel Rain", "Stop Me", "Sunshower", "Super Stupid", "Superunknown", "Swallow My Pride", "Sweet Revenge", "Techno Ted" live, "Thank You" live, "The Curse", "The Day I Tried to Live", "The Last Remaining Light", "The Worm", "Tighter & Tighter", "Times of Trouble", "Today", "Touch Me", "Toy Box", "Ty Cobb", "Ugly Truth", "Unholy War", "Uncovered", "Wave Goodbye", "What You Are", "Whole Lotta Love", "Wooden Jesus", "Worse Dreams", "You Know My Name", "Your Savior", "Zero Chance")

B♭4 ("Before We Disappear", "Black Hole Sun", "Blood on the Valley Floor", "Bones of Birds", "Broken City", "Burden in My Hand", "Can't Change Me", "Disappearing Act", "Disappearing One", "Do Me Wrong", "Enemy", "Eyelid's Mouth", "Flutter Girl", "Ground Zero", "Halfway There", "He Didn't", "Head Down", "Head Injury", "Heavy is the Head", "Higher Truth", "I Awake", "Killing Birds", "Lies", "Like a Stone", "Limo Wreck", Live improv in Melbourne 2012, "Mailman", "Mission", "Moth", "Never Far Away", "Never Named", "Never the Machine Forever", "New Damage", "Nothing Compares 2 U", "Only These Words", "Ordinary Girl", "Pillow of Your Bones", "Promise", "Rhinosaur", "Roads We Choose", "Safe and Sound", "She Likes Surprises", "Somedays", "Steel Rain", "Sweet Euphoria", "Thank You (Falettinme Be Mice Elf Agin)", "The Promise", "Time", "Two Drink Minimum", "Until We Fall", "Waiting For the Sun" live, "When I'm Down", "You Never Knew My Mind")

O Legado de Chris Cornell:

Chris Cornell venceu dois Grammy Awards por Black Hole Sun (Melhor performance de Hard Rock) e Spoonman (Melhor performance de Heavy Metal), ambos recebidos em 1995.

Em 2007 lançou o single "You Know My Name", música tema do filme 007 - Cassino Royale, tornando-se o primeiro cantor americano a gravar a música-tema de um filme da série 007.

Em 2013, Cornell compôs a canção "Misery Chain" para a trilha sonora do filme 12 Years a Slave, onde fez um dueto com a cantora Joy Williams.

O site The Telegraph elegeu Cornell como o melhor vocalista de sua geração. Já o site Pitchfork elegeu as melhores performances da carreira de Chris Cornell. São elas:

"Beyond the Wheel" - Soundgarden (1988)

"Hunger Strike" - Temple of the Dog (1991)

"Slaves and Bulldozers" - Soundgarden (1991)

"Birth Ritual" - Soundgarden (1992)

"The Day I Tried To Live" - Soundgarden (1994)

"Burden In My Hand" - Soundgarden (1996)

"Cochise" - Audioslave (2002)

"Shadow on the Sun" - Audioslave (2002)

Fontes:

goo.gl/aM8ZL7
goo.gl/1U1YwF


Análise Vocal

Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Axl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Freddie Mercury: Características vocais do cantorFreddie Mercury
Características vocais do cantor

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven TylerAerosmith
Curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Ronnie James Dio: Analisando a sua poderosa vozRonnie James Dio
Analisando a sua poderosa voz

Bruce Dickinson: curiosidades sobre a voz por trás do Iron MaidenBruce Dickinson
Curiosidades sobre a voz por trás do Iron Maiden

Deep Purple: Análise técnica da voz de Ian GillanDeep Purple
Análise técnica da voz de Ian Gillan

Guns N' Roses: Análise vocal de Axl RoseGuns N' Roses
Análise vocal de Axl Rose

Led Zeppelin: Análise vocal de Robert PlantLed Zeppelin
Análise vocal de Robert Plant

Whitesnake: Análise vocal de David CoverdaleWhitesnake
Análise vocal de David Coverdale

Judas Priest: Análise vocal de Rob HalfordJudas Priest
Análise vocal de Rob Halford

Kiss: Análise vocal de Paul StanleyKiss
Análise vocal de Paul Stanley

Alice In Chains: Análise vocal de Layne StaleyAlice In Chains
Análise vocal de Layne Staley

Helloween: Análise vocal de Michael KiskeHelloween
Análise vocal de Michael Kiske

Glenn Hughes: Análise vocal do cantorGlenn Hughes
Análise vocal do cantor

Metallica: Análise vocal de James HetfieldMetallica
Análise vocal de James Hetfield

Skid Row: Análise vocal de Sebastian BachSkid Row
Análise vocal de Sebastian Bach

Black Sabbath: Análise vocal de Ozzy OsbourneBlack Sabbath
Análise vocal de Ozzy Osbourne

AC/DC: Análise vocal de Bon ScottAC/DC
Análise vocal de Bon Scott

Dream Theater: Análise vocal de James LaBrieDream Theater
Análise vocal de James LaBrie

Scorpions: Análise vocal de Klaus MeineScorpions
Análise vocal de Klaus Meine

Pantera: Análise vocal de Phil AnselmoPantera
Análise vocal de Phil Anselmo

Rush: Análise vocal de Geddy LeeRush
Análise vocal de Geddy Lee

Megadeth: Análise vocal de Dave MustaineMegadeth
Análise vocal de Dave Mustaine

Bon Jovi: Análise vocal de Jon BongioviBon Jovi
Análise vocal de Jon Bongiovi

Angra: Análise vocal de Fabio LioneAngra
Análise vocal de Fabio Lione

Faith No More: análise vocal de Mike Patton

The Cult: Análise vocal de Ian Astbury

Stone Temple Pilots e Velvet Revolver: Análise vocal de Scott Weiland

Van Halen: Análise vocal de Sammy HagarVan Halen
Análise vocal de Sammy Hagar

Alter Bridge: Análise vocal de Myles KennedyAlter Bridge
Análise vocal de Myles Kennedy

Todas as matérias sobre "Análise Vocal"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Análise Vocal"Todas as matérias sobre "Soundgarden"Todas as matérias sobre "Chris Cornell"


Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Iron Maiden: se as bandas de metal mandassem no mundo...Iron Maiden
"se as bandas de metal mandassem no mundo..."

Piadas sobre músicosPiadas sobre músicos

Astros mortos: como estariam alguns se ainda estivessem vivos?Astros mortos
Como estariam alguns se ainda estivessem vivos?

Nirvana: Kurt Cobain era meio pau no cu, diz produtorNirvana
"Kurt Cobain era meio pau no cu", diz produtor

O Exorcista: a relação de músicas do Purple e Ozzy com o filmeO Exorcista
A relação de músicas do Purple e Ozzy com o filme

Ortografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?Ortografia
Como deveriam realmente se chamar as bandas?


Sobre Danilo F. Nascimento

Administrador por casualidade. Músico por instinto. Escritor por devaneio. Fascinado por música, literatura e cinema. Seu primeiro contato com o mundo do rock data de meados dos anos 90, uma época de transição entre o analógico e o digital, e, principalmente, uma época onde a MTV ainda era aprazível e relevante. Idolatra e cultua o legado instituído pela maior banda de todos os tempos, o Queen.

Mais matérias de Danilo F. Nascimento no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336