Rock em Análise: alguns grandes covers e seus originais 2

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Cavalcanti, Fonte: Rock em Análise
Enviar correções  |  Ver Acessos

No mundo da música, covers podem ser encontrados em álbuns dos mais diversos artistas. Infelizmente, o ouvinte mais "leigo" pode cair facilmente na armadilha de apreciar a genialidade de determinada música sem perceber que a mesma se trata de... um cover!

Fotos de Infância: Skid RowAnos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceu

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Citarei aqui alguns covers que chamaram atenção - tanto do público quanto da crítica - pela sua boa execução, criatividade ou refinamento em sua produção. O que está valendo aqui são aquelas versões que trouxeram algo de realmente "novo" e autoral, de modo que se torna difícil - ou impossível - considerar tais músicas como sendo exclusivas dos artistas originais.

Vamos lá!

Baker Street (Foo Fighters, 1998). Versão original: Gerry Rafferty, 1978.

O Foo Fighters lançou ótimos covers como 'lados-b' ao longo da carreira, mas destaco aqui a releitura do famoso hit "Baker Street" (mais um da série "eu já ouvi essa em algum lugar"), em uma versão bastante "hard", que te deixará com o riff principal da música na cabeça por horas e horas...

You Really Got Me (Van Halen, 1978). Versão original: The Kinks, 1964.

Este incrível cover da igualmente incrível canção do The Kinks é uma prova perfeita de que o bom e velho rock 'n' roll pode se reinventar até em uma situação na qual a diferença entre duas versões de uma música se encontre apenas na dose de peso aplicada na segunda. E bote peso nisso!

This Flight Tonight (Nazareth, 1973). Versão original: Joni Mitchell, 1971.

Não, eu não vou abordar aqui o famosíssimo cover feito pelo próprio Nazareth para a chata "Love Hurts" (The Everly Brothers). Prefro citar "This Flight Tonight", uma bela canção folk da cantora Joni Mitchell, que ganhou um arranjo "cavalgado" de hard rock na versão feita pelo Nazareth. E cá entre nós, a Joni Mitchell pode ser um nome forte do folk rock, mas essa versão do Nazareth é bem mais bacana, não?

Mrs. Robinson (The Lemonheads, 1992). Versão original: Simon & Garfunkel, 1968.

Ainda na onda do "folk rock" que se transformou em rock 'n' roll, temos o "radiante" (sem viadagem) cover feito pelo Lemonheads para este clássico do Simon & Garfunkel. Impossível escutar esse inspirado cover sem bater palmas, e sem desfazer um inevitável sorriso estampado no rosto ao longo da música. Comprove!

What a Wonderful World (Joey Ramone, 2002). Versão original: Louis Armstrong, 1968.

A "versão punk" feita por Joey Ramone para "What a Wonderful World" acabou ganhando contornos comoventes, pelo fato de ter sido lançada pouco tempo após a sua morte. De toda forma, o cover é bem criativo, e combinou bem com o lado mais sensível desse ícone do rock.

Umbrella (Manic Street Preachers, 2008). Versão original: Rihanna, 2007.

Sim, estou falando mesmo de "Umbrella", aquele famoso hit "chiclete" da Rihanna! E sim, o Manic Street Preachers provou que é possível transformar uma música irritante em um delicioso rock, com um inesperado tempero pós-grunge em seus novos arranjos. Vale a pena dar uma conferida!

Agora, como diria o Guns N' Roses no encarte do seu álbum de covers "The Spaghetti Incident": faça um favor a você mesmo e procure as versões originais!

Veja abaixo a 1ª parte de "Grandes Covers".

Rock em Análise: alguns grandes covers e seus originais 1


Grandes Covers e Seus Originais

Rock em Análise: alguns grandes covers e seus originais 1

Rock em Análise: alguns grandes covers e seus originais 3

Todas as matérias sobre "Grandes Covers e Seus Originais"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Grandes Covers e Seus Originais"


Fotos de Infância: Skid RowFotos de Infância
Skid Row

Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuAnos 80
Bandas nacionais que o tempo esqueceu


Sobre Fábio Cavalcanti

Baiano, sempre morou em Salvador. Trabalha na área de Informática e ¨brinca¨ na bateria em momentos vagos, sem maiores pretensões. Além disso, procura conhecer novas - e antigas - bandas dos mais variados subgêneros do rock. Por fim, luta para divulgar, sempre que possível, o pouco conhecido cenário rocker da tão sofrida ¨Terra do Axé¨.

Mais matérias de Fábio Cavalcanti no Whiplash.Net.

Goo336x280