André Rodrigues Guedes: Coleção focada em Mercyful Fate e King Diamond

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 









Esta matéria foi publicada muitos anos atrás, está datada, e a coleção mostrada hoje deve ser bem diferente. Mas a matéria continua sendo uma curiosa cobertura sobre uma invejável coleção, e por isso a destacamos.

Esta edição da Collector´s Room é dedicada a dois dos artistas mais apreciados pelos headbangers brasileiros: Mercyful Fate e King Diamond. Fomos conversar com André Guedes, fã e dono de uma coleção respeitável dos dois grupos. Veja como foi o nosso papo.

Vamos lá então, André. Antes de começar eu gostaria que você se apresentasse aos leitores do Whiplash!.

Bom, meu nome é André Rodrigues Guedes, tenho 19 anos, cursava Engenharia Elétrica porém abandonei o curso, e estou novamente na batalha por uma vaga em uma universidade federal. Nas horas vagas pratico esportes (principalmente skate), jogo vídeo game e escuto música, que é uma das coisas que mais gosto de fazer. E, é claro, algo relacionado ao Mercyful Fate e King Diamond, como ler comentários de show ou biografias.

Como você conheceu o Mercyful Fate e quando começou a colecionar material do grupo?

Nem eu lembro ao certo, só sei que comecei a escutar através de um amigo por volta de 2001. Lembro que ele tinha um CD do “Time” e do “9”, ambos do Mercyful Fate, e eu gostei tanto do “9” que alguns dias depois copiei o CD para mim (dei esta cópia para uma amiga logo depois). Mas teve um dia em que encontrei o “Melissa” em uma loja de CDs, comprei sem escutar, e quando cheguei em casa fiquei até arrepiado, pois era a melhor coisa que havia escutado até então!!!

Fiquei empolgado e fui comprando CDs do Mercy e do King não com o intuito de fazer uma coleção, mas sim de conhecer cada vez mais o trabalho de ambos, e fui percebendo que nenhuma banda me fascinava tanto quando o Mercyful Fate e o King Diamond. Então comecei a ler sobre a história deles, até o momento em que entrei no site oficial (www.covenworldwide.org) e vi as fotos da discografia dos dois. Fiquei louco para conhecer aquele material que ainda não havia escutado e fui correndo atrás de mais coisa, até que um dia me dei conta do tanto de material que possuía, daí já era um caminho sem volta, tinha dado início a uma coleção à qual me dedico bastante.

Comecei mesmo a colecionar há uns dois anos, faço o possível para conseguir coisas novas. O problema é que sou um estudante e não trabalho, mas me viro para conseguir o que eu quero.

Você curte simplesmente as músicas do King Diamond ou gosta também da pessoa por trás do artista?

Eu sou fã mesmo, de King Diamond ao Kim B. Petersen, por ser um cara extremamente inteligente, esclarecido, que faz as coisas que ele realmente tem vontade, nada para agradar os outros. Gosto das idéias dele, nosso modo de pensar é parecido. A filosofia dele é interessante, e o mais legal: todo o feeling que ele passa através das músicas eu consigo sentir. Essa sintonia me agrada muito.

Curiosidade básica: quantos álbuns no geral você possui, e quantos do Mercyful Fate e de King Diamond?

Como disse anteriormente, não trabalho, então não dá para ter um material tão diversificado por falta de grana. No total tenho 187 CDs de metal e hard rock, sendo que 17 são do Mercy e 22 do King. Pode parecer pouco, minha coleção não é ampla como outras apresentadas aqui, mas procuro focar na qualidade, na raridade e no valor comercial dos itens que possuo.

Dou mais importância para o material em vinil, tenho 18 vinis do King Diamond e 11 do Mercy, não apenas álbuns oficiais de estúdio, mas uma grande parte das edições limitadas lançadas com apenas 150, 500, 1000 cópias no mundo todo, fora os EPs que, além de serem raros, são lançados também em quantidades pequenas.

Qual você curte mais: Mercyful Fate ou King Diamond?

Difícil, as duas são maravilhosas e diferentes. King sempre são álbuns conceituais, com o uso de sonoplastia para passar o clima das histórias, que são sempre de terror. Cada música seria um capítulo da história. Já o Mercy é mais direto, fala mais do obscuro. Gosto um pouquinho mais do Mercy, acho incrível o fato de tudo ter a tendência a se transformar em clássicos.

Além de material do Mercyful Fate e King Diamond, você coleciona ou possui materiais de outras bandas?

Sim. Quando era bem pequeno, por volta dos 12 anos, comecei a escutar música por prazer e não por influência dos outros. A primeira banda que me fascinou foi o Nirvana, algo bem fácil de se escutar no início. Fui comprando os álbuns, assim como aconteceu com o Mercy e com o King, e logo tinha uma coleção, pequena porém maravilhosa.

Depois comecei a colecionar material do Iron Maiden, uma coleção que me dedico até hoje. Ela é até bem grandinha, tenho todos os CDs de estúdio e alguns singles, mas a graça dela está nos vinis. Tenho muita coisa diversificada e rara.

Como você já citou, a sua coleção não é formada apenas por CDs. Além dos vinis, que outros materiais você possui?

Não tenho preferência por um formato específico, vou acrescentando à coleção o que for encontrando, conforme a grana disponível. Tenho CDs, LPs, VHS, DVDs, revistas, fotos e outros, mas o que eu realmente gosto é de vinil. Sou um cara extremamente saudosista, vejo um charme em coisas entigas e fora de uso.

Ultimamente tenho corrido atrás de shows, gravações amadoras mesmo. Adoro ver estes shows, mesmo com a qualidade ruim. Existem muitas curiosidades, como em um show de 1984 em que uma mulher nua em uma cruz sai correndo de vergonha, e um show da turnê do “Them” onde um cara invade o palco com uma vassoura e começa a imitar o Andy a tocar guitarra.

Você lembra qual foi o primeiro álbum que comprou, e porque?

Se eu falar o primeiro foi mesmo o “Nevermind” do Nirvana como disse anteriormente, mas de coisas mais pesadas acredito que tenha sido algum do Angra ou do Iron Maiden, talvez o “Piece Of Mind”, não tenho certeza.

O do Nirvana foi porque escutei no rádio uma música e fiquei louco, tinha que escutar novamente, e do Iron deve ter sido por inúmeros fatores, como as capas (que são fascinantes), o volume do baixo do Steve Harris e a qualidade do som em si, que é indiscutível.

E do Mercyful Fate e do King Diamond, qual o primeiro álbum?

Do Mercy foi o “Melissa”. Já do King foi o “Fatal Portrait”, álbum que demorei muito para aprender a apreciar. Ele é um disco em que o King abusa do uso de falsetes, e eu não estava tão acostumado com isso (apesar de o “Melissa” ser bastante agudo), então comparava muito com o “9”, em que a variação de vozes era grande.

Qual item você considera o mais valioso da sua coleção, o mais difícil de encontrar?

Nossa, são tantos... Talvez alguns bootlegs bem limitados, tenho um que só foram lançadas 150 cópias no mundo, outro que foram lançadas apenas 500 cópias. Os EPs em geral, como o “No Presents For Christmas” com a capa na versão americana e européia.

A primeira gravação do Mercy feita pela Rave-On Records, o famoso “Nuns Have No Fun”. O meu é o da capa com a borda preta (raro como o “Soundhouse Tapes” do Maiden).

Alguns pictures e uma caixa intitulada “Decade Of Horror” com quatro pictures, que foi lançada de forma limitada (apenas mil cópias no mundo todo).

Tento ter somente material de qualidade e raro.

Quantos álbuns em média você compra por mês?

Em CD em média quatro por mês. O CD está bem caro, compro assim que dá. Não aceito CD-R em hipótese alguma, fico sem escutar determinado álbum mas CD-R jamais.

Já em vinil uns dois por mês. Vinil é mais caro ainda, já cheguei a pagar R$260,00 em um único disco...

Todo colecionador tem as suas manias. Como você guarda e conserva a sua coleção?

Antes de tudo peço para que ninguém vá bisbilhotando as minha coisas. Guardo todos os CDs empilhados no canto de um móvel que foi feito somente para isso. Guardo tudo em ordem alfabética por bandas e depois por ordem de lançamento, dessa maneira sei exatamente o álbum que estaria faltando caso alguém tirasse algum do lugar ou algo assim. Folheio os encartes com luvas ou então passo as páginas com as unhas sem encostar nada nos dedos, pois não suporte encartes com impressões digitais ou sujeiras.

Já os discos de vinil guardo na posição vertical dentro de uma caixa que eu fiz, forrada na cor branca por ser a cor que menos absorve calor. Mantenho longe da umidade e do calor, e sempre estou limpando para evitar mofo ou traça nas capas.

André, eu queria que você fizesse um top#5 com os itens da sua coleção que você mais curte.

Top#5? Difícil, gosto de tudo mesmo, mas seria mais ou menos assim:

1 – “Nuns Have No Fun” do Mercyful Fate em vinil

2 – O vinil do “Conspiracy” com a capa coreana. Não é a capa conhecida com o rosto do King, mas sim com a logo dele na cor rosa. Parece um letreiro de bordel, lançado somente lá por algum motivo que eu desconheço.

3 – CD shaped do King Diamond. Este CD não é redondo, é no formato da cabeça do King, louco demais.

4 – “Black Masses / Black Funeral” do Mercyful Fate em vinil, bem raro.

5 – “Live In Hilversum 20/01/1984” em vinil vermelho, apenas 150 cópias no mundo.

Toda coleção tem as suas peculiaridades e itens curiosos. Neste sentido, gostaria de saber qual é o item mais estranho da sua coleção.

O mais estranho seria o item três do top#5, o CD que não é redondo, é exatamente no formato da cabeça do King. Muitos me perguntam se ele funciona, e é claro que sim, senão não teria utilidade. O perímetro dele não ultrapassa o de um CD comum, então as beiradas não colidem na parede do aparelho. Foi evidentemente cortado à laser para ter este formato, seu tamanho é reduzido, tem apenas cinco músicas, material de coleção mesmo. Não sei ao certo quantos foram feitos nem onde, o meu é da Alemanha, não sei informar se saiu em outros países.

Tem algum item que, só de alguém chegar perto, você já gela e morre de ciúmes e não venderia de jeito nenhum?

Todos. Pode até ser uma revista nacional comum, tenho ciúmes de tudo, sem exceção. Já briguei feio com o meu irmão por colocar o dedão num encarte preto de sacanagem. A marca nunca mais saiu.

Como todo colecionador, tenho certeza de que ainda falta alguma coisa, algum item que você procura e ainda não encontrou. Que item é esse?

Na verdade tenho contatos para arrumar quase tudo com certa facilidade. Não revelo as fontes para ninguém, mas uma coisa que tenho imensa vontade de ter e nunca encontrei é o “Tea” promo blood LP. Acredito que seja o item mais raro que exista.

Também tenho imensa vontade de ter (tenho o contato) o “Conspiracy” com a capa censurada, que seria lançada no lugar da que todos conhecem. Pela história que eu conheço (pode ser um pouco diferente) o King não gostou da capa e mandou queimar as que já haviam sido feitas. Sobraram apenas 300 no mundo. Pelo que me lembro isso foi na Alemanha, e existem só as capas sem os discos dentro. Vale uma fortuna...

Você tem alguma dica para quem está começando uma coleção, onde encontrar material, estas coisas?

Ah, isso eu não revelo a ninguém. Acredito no ditado “quem procura acha”. Mas tem uma comunidade que criei para colecionadores que pode ajudar um pouco.

O que você tem ouvido ultimamente, e o que destacaria para os leitores do Whiplash!?

Tenho ouvida as bandas que todos escutam, nada novo. Helloween, Blind Guardian, Iron Maiden, Grave Digger, Iced Earth, Bathory, Venom, Cradle Of Filth, essas coisas todas. Gosto de um pouco de tudo dentro do metal, menos death metal (é demais para os meus ouvidos). Tenho começado a escutar um pouco de black metal, nada de modinha ou postura, simplesmente escuto a música na minha. Algo novo? Ragnarok, essa banda de black é muito boa. Mas de coisas mais recentes destacaria o Indeathrow, grande promessa do metal mundial, vocês ainda vão escutar muito dessa banda, e também o Suhd.

Todo colecionador tem as suas listinhas. É uma curiosidade minha, mas tenho certeza de que você já fez esta lista mentalmente várias vezes: quais seriam, para você, os dez melhores álbuns de todos os tempos?

Realmente quanto estou com os meus amigos falando de música sempre aparecem perguntas sobre o melhor baterista, guitarrista, melhor álbum e outras, então é mole responder:

1 – Mercyful Fate – Melissa
2 – Mercyful Fate – Don´t Break The Oath
3 – King Diamond – Abigail
4 – King Diamond – The Puppet Master
5 – Iron Maiden – The Number Of The Beast
6 – Yngwie Malmsteen – The Seventh Sign
7 – Helloween – The Time Of The Oath
8 – Iced Earth – Alive In Athens
9 – Blind Guardian – Imaginations From The Other Side
10 – Grave Digger – Excalibur

Para fechar, tem alguma história interessante ou estranha que esta sua paixão pela obra do Mercyful Fate e de King Diamond já fez você passar?

Têm várias!!! Uma delas foi uma vez em que encontrei um item bem raro que estava à venda e eu não tinha absolutamente um real no bolso, então vendi minha bicicleta com amortecedor (que é cara) e a do meu pai também sem ele saber, as duas por R$80,00, preço de banana. Depois de uns dias precisei dela e me dei mal, tive que andar a pé. Mas foi um bom investimento apesar de ter tomado um grande prejuízo nesta história toda.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Collectors Room

5000 acessosRafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio5000 acessosRodrigo Simas: A coleção do webmaster da Dave Matthews Band5000 acessosFernando Souza Filho: O FSF, editor-chefe da Rock Brigade5000 acessosVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss5000 acessosReinaldo: um apaixonado pelos Scorpions5000 acessosAlexandre Vilella: Empresário fanático pelo Def Leppard5000 acessosRogério Mendonça: dono de uma invejável coleção do U25000 acessosAlmir Figueiredo: o brasileiro que arrematou os óculos de Ozzy5000 acessosNelson Dylara: A coleção de fotos, ingressos e autógrafos do paparazzi do rock5000 acessosVinícius Neves: O apresentador do Stay Heavy mostra sua coleção5000 acessosVitão Bonesso: A imensa coleção do apresentador do Backstage5000 acessosAirton Diniz: A coleção do editor chefe da Roadie Crew5000 acessosMad Dragzter: A coleção de CDs de thrash do guitarrista Tiago5000 acessosAquiles Priester: Posters, action figures e latinhas de coca-cola5000 acessosAlessandro Silveira: Colecionador de bootlegs do Dream Theater5000 acessosMarco Malagolli: Um dos maiores conhecedores da obra dos Beatles5000 acessosEyes Of Shiva: A coleção de Metallica do baterista Ricardo Longhi5000 acessosJohnny Z: Uma invejável coleção de heavy metal5000 acessosBento Araújo: A coleção de classic rock do editor do Poeira Zine5000 acessosMarcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden5000 acessosKid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"5000 acessosAntônio Carlos Monteiro: A coleção do "ACM" da Rock Brigade5000 acessosPerpetual Dreams: A coleção dos integrantes da banda catarinense5000 acessosGastão Moreira: A coleção do VJ, apresentador e jornalista musical5000 acessosMotley Crue: A impressionante coleção do paulista Flávio Colognesi5000 acessosMarcel Castro: De ingressos e tour-books a guitarras autografadas5000 acessosEliton Tomasi: A coleção do editor da RockHard/Valhalla5000 acessosBon Jovi: A coleção do paulista Flávio Celestino5000 acessosGota: A coleção do proprietário da Roots Records5000 acessosMarcelo Peixoto: A coleção do proprietário da Hot Music5000 acessosLuiz Calanca: A coleção do dono da Baratos Afins5000 acessosQueen: Uma das maiores coleções sobre a banda está no Brasil5000 acessosSaul Gumz: Coleção de Classic Rock no interior de Santa Catarina5000 acessosFelipe Fleury: Colecionador de ítens do Guns N' Roses5000 acessosDaniel Schierolli: Acervo dedicado à música pesada5000 acessosAdemir Vieira: Dono de uma admirável coleção do Stratovarius5000 acessosLincoln Braite: Colecionador paulistano fissurado por Kai Hansen5000 acessosLuciano Sorrentino: Colecionador de material do Kiss5000 acessosAlexandre Neves: O brasileiro com maior pontuação no eBay5000 acessosDaniel Skupien: Coleção dedicada ao Heavy Metal nacional5000 acessosStatik Majik: A coleção de vinis do baterista Luis Carlos5000 acessosMarcelo Bernardes: Paulista radicado em Santa Catarina, corintiano e colecionador5000 acessosSalvatore D'Angelo: De blues a death metal, e muitos bootlegs5000 acessosJulio Marcondes: Colecionador e apresentador do programa A História do Rock5000 acessosAndré Sikora: A coleção do presidente do fã clube do Nazareth no Brasil5000 acessosGeraldo Tavares: Fã inveterado e colecionador do Yes5000 acessosRoberto Sabbag: Colecionador do Slayer e Heavy Metal em geral5000 acessosArnaldo Jr: Colecionador de ítens relacionados ao Metallica5000 acessosMário Pacheco: Figura única, colecionador e contraculturalista5000 acessosSilmara Ferreira: Apaixonada por pop oitentista e colecionadora do Inxs5000 acessosGus Monsanto: A coleção do vocalista do Adagio5000 acessosMarco Loiacono: Talvez a maior coleção de Motorhead do Brasil5000 acessosMairon Machado: Aficionado por vinil e pelo rock clássico5000 acessosPaulo de Castro: Baixos, guitarras, calcinhas, e pinball do Kiss?5000 acessosRicardo Seelig: A coleção do criador da Collector's Room5000 acessosCollector's Room: a gigantesca coleção de Regis Tadeu1991 acessosCollector's Room: a linda coleção de Nino Lee Rocker0 acessosTodas as matérias sobre "Collectors Room"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Collectors Room"0 acessosTodas as matérias sobre "King Diamond"0 acessosTodas as matérias sobre "Mercyful Fate"

EuropeEurope
Toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose

PunkPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa

MetallicaMetallica
Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explica

5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo5000 acessosEm 03/02/1959: Buddy Holly, Ritchie Valens e Big Bopper morrem em acidente aéreo5000 acessosSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundo5000 acessosThe Big 4: como as quatro bandas elaboraram sua jam5000 acessosUruca: Os 9 mais azarados da história do Rock5000 acessosLed Zeppelin: 200 milhões nos últimos 5 anos, a coleção de discos de Page

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online