Matérias de Marcondes Pereira

Marcondes Pereira, paulista, poeta, escritor e tradutor em início de carreira. Gosta de escutar e estudar todos os sub-estilos de Heavy Metal, também faz algumas palestras para difundir o fascinante universo do Metal e tem fascínio pelos discos conceituais.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Seções com matérias de Marcondes Pereira

Notícias: 2018 Resenhas de CDs e DVDs

Notícias de 2018

Lyria: Letras tratam de problemas sociais atuais Marching Out: Hard/Heavy vigoroso do Japão Lyria: assista participação no programa de rádio RockMotor Lyria: Aline Happ fala sobre o passado e o presente

Resenhas de CDs e DVDs

Suidakra: Um ótimo trabalho acústico em Cimbric Yearns Suidakra: Realms Of Odoric é sombrio e cinematográfico Suidakra: Signs For The Fallen é um álbum à Gothenburg Sound Ashes You Leave: Boa música, justamente por não cair em excessos Suidakra: Command To Charge inova sem negar o passado Vision Divine: Power Metal não precisa ser inovador para ser bom Secret Sphere: Agradável e sucinto de ponta a ponta Beseech: álbum de estreia é Gothic/Doom impecável Beseech: Souls Highway é um álbum fincado entre o Pop e o Gothic Beseech: sem forçar melancolia em My Darkness, Darkness Beseech: um pouco mais agressivo e mais variado com Sunless Days Beseech: Drama é um trabalho acessível, porém não dispensável Black Emotions: Um álbum naturalmente catártico Airged L'amh: Ode To Salvation é uma autêntica ode ao Metal épico Airged L'amh: Crueza e ares épicos melhorados em The Silver Arm Airged L'amh: Hibrido de Power e Folk com espírito oitentista Macbeth: Superangelic Hate Bringers é básico, porém emocional Macbeth: Hiato justificado pelas excelentes músicas Macbeth: Som atualizado e cativante Macbeth: Romantic Tragedy's Crescendo é pomposo e agradável Draconian: a qualidade de sempre em The Burning Halo X Japan: Equilíbrio entre inovação e personalidade em Jealousy X-Japan: Erudito, inventivo e vigoroso em Blue Blood Dacronian: banda faz um bom uso dos clichês do estilo Penumbra: Retorno vigoroso e criativo In The Woods: Cease The Day é feroz e cheio de facetas Penumbra: Estreia eficiente e catártica In The Woods: Strange In Stereo é música soturna e peculiar In The Woods: OMNIO é irrotulável e deleitável Pure: Som modernizado e extremo X-Japan: Em 1993, o maior épico da história do Metal Japonês Arkan: Peso, lentidão e intensidade Arkan: Conceitual e mais vivo do que nunca Elvenking: O manifesto pagão continua Skyclad: Recordar para se reinventar Arkan: Mais melancólico, menos poderoso, em 2014 Eternity's End: Espetáculo técnico e feroz Sunburst: Power/ Prog diretamente da Grécia Arkan: Folk e Melodic Death Metal em sinergia Eumeria: progressivo sem esquecer o peso Elvenking: De volta aos dias fantásticos Fates Warning: A Pleasant Shade Of Gray é singular e essencial Ne Obliviscaris: Singularidade e grandeza Skyclad: Experimental e igualmente ótimo Ne Obliviscaris: Coerência e versatilidade em Urn Skyclad: diamante heterogêneo e lírico Dragonland: Espetáculo sinfônico e metálico Dragonland: Tímidas mudanças instrumentais Elvenking: Um trabalho relaxante e mais pessoal Elvenking: Mesmos elementos com outra roupagem Gloryhammer: A força dos clichês. Skyclad: Excelência melódica em The Answer Machine? To/Die/For: Mistura de sintetizadores e peso To/Die/For: Estreia brilhante em "All Eternity" To/Die/For: Cvlt é o álbum mais simples da discografia To/Die/For: Sutilezas engenhosas em Samsara To/Die/For: Mais pesado, mais tristonho To/Die/For: Um álbum coeso e deleitável Skyclad: Surpreendente do ínicio ao fim Skyclad: Um álbum experimental e cativante Elvenking: A volta às raízes da sonoridade Power/Folk Metal em Era