Dragonland: Espetáculo sinfônico e metálico

Resenha - Under The Grey Banner - Dragonland

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcondes Pereira
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Há dois comentários prévios sobre "Under The Grey Banner" (2011). Primeiro, a sofisticação progressiva de "Astronomy" (2006) continua, o que resulta em uma sequência de riffs de guitarra inspirados, teclados discretos e eficientes, linhas de bateria poderosas, versáteis e vocais muito mais focados no feeling do que em qualquer outra coisa.

Crianças: veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outrasHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

Segundo, o uso das orquestrações está muito mais sinestésico do que em qualquer outro álbum da saga fantasiosa da banda, "Dragonland Chronicles", o que proporciona às músicas, nuances orquestrais indispensáveis. Em outras palavras, cada orquestração parece intimamente ligada a cada momento da história.

A performance da banda demonstra extremo bom gosto ao longo da terceira parte da aventura que envolve guerreiros, elfos, deuses e guerras. A oscilação entre pompa e agressividade já é possível de se perceber na intro do álbum "Ilmarion" , cuja duração passa voando, tamanha é a coerência dos seus arranjos.

Peso e velocidade são trabalhados de maneira tão densa, que muitas vezes o Dragonland soa feroz de maneira incomum dentro da sua discografia. O que é possível de constatar em músicas como " Dûrnir's Forge" e The Trials of Mount Farnor", mas claro que há espaço para momentos mais melodiosos e teatrais, eles são oriundos das faixas "Lady of Goldenwood" cheia de delicadeza rítmica e ricas melodias de violino, que oferecem algumas das passagens mais relaxantes do álbum, além da curtinha "Throne of Bones" cheia de carga interpretativa e tensão.

"Under The Grey Banner" acerta em cheio ao fazer um álbum conceitual sinfônico soar fantástico, dramático e grandioso sem parecer uma cópia dos seus antecessores. Os méritos passam também pelas performances excelentes dos guitarristas Olof Mörck e Nicklas Magnusson, do baterista Jesse Lindskög, do vocalista Jonas Heidgert, e dos músicos convidados Fred, Andy Sovelström, Elize Ryd e Jake E ( Os três últimos, membros do Amaranthe, do qual somente Andy Sovelström saiu da banda ), além da produção cristalina. Todos estes aspectos somados tornam esta trilha sonora extraordinária e metálica o bastante, para quem é fã de histórias sobre heróis e seus feitos monumentais.

Dragonland - Under The Grey Banner
2011/ AFM Records

Faixas:
01. Ilmarion.
02. Shadow of the Mithril Mountains.
03. The Tempest.
04. A Thousand Towers White.
05. Fire and Brimstone.
06. The Black Mare.
07. Lady of Goldenwood.
08. Dûrnir's Forge.
09. The Trials of Mount Farnor.
10. Throne of Bones.
11. Under the Grey Banner.
12. Ivory Shores.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dragon Land"


Crianças: veja como cresceram as de Crianças
Veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

Hall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollHall Of Fame
500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

Gosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy MetalGosto duvidoso
As piores capas da história do Rock e Heavy Metal

Mascotes de bandas: GigWise elege os 14 mais famososJoey Ramone: em 1989 falando de Metallica, AC/DC e GN'RMusas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidadeMike Portnoy: "Bateria não é trabalho para fracotes"

Sobre Marcondes Pereira

Marcondes Pereira, paulista, poeta, escritor e tradutor em início de carreira. Gosta de escutar e estudar todos os sub-estilos de Heavy Metal, também faz algumas palestras para difundir o fascinante universo do Metal e tem fascínio pelos discos conceituais.

Mais matérias de Marcondes Pereira no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336