John Paul Jones - herói do Olimpo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Há algum tempo andei escrevendo por aqui sobre o maravilhoso primeiro disco solo de John Paul Jones, que se chamava "Zooma". Pois não é que esta semana me caiu na mão o segundo, lançado ano passado chamado "Thunderthief", que consegue a façanha de ser melhor que o anterior. Ao contrário de Page e Plant, que continuam sua descida ladeira abaixo, parece que o mais obscuro dos quatro cavalheiros continua cada vez mais criativo e olhando pro futuro. Dinossauro que nada. O som de Jones é um passo a frente e imprevisível.

5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal5000 acessosGibson: os 10 melhores guitarristas de Metal da história

Lançado pelo mesmo selo do King Crimson (Discipline Global Mobile) em 2001, "Thunderthief" é um tour de fource onde John Paul Jones demonstra seu talento de multinstrumentista tocando e cantando (bem) de tudo um pouco. Ou seja, Baixo (4, 6, 10 e 12 cordas), guitarra de forma surpreendente, mandolin, mandolin elétrico, piano, órgão, sintetizadores e uma multidão de instrumentos exóticos de corda de não fazer feio frente a uma Incredible String Band. Robert Fripp participa em uma faixa de acento bem crimsoniano com mais um ou outro convidado junto com o baterista Terl Bryant. Fora isso, o disco é solo mesmo. Jones toca quase tudo sozinho.


O som é difícil de definir.Influências progressivas setentistas e do próprio Led Zeppelin, em sua faceta mais acústica, se podem ouvir por todo o trabalho, sem que isso pareça datado ou retrô. Um caso raro entre os músicos de sua geração, que estão na maioria das vezes fazendo covers de si mesmos, em turnês caça níquel onde se tenta vender um trabalho novo quase sempre inferior aos velhos tempos para um publico que só quer saber dos hits.

Faixa a faixa rola o seguinte:
Leafy Meadows abre o disco com um baixão marcando entremeado com as guitarras de Jones e Fripp duelando de forma psicótica em verdadeiras paisagens nervosas sem que a pulsação do ritmo caia por um só segundo. Rock Progressivo na melhor acepção do termo.
The Thunderthief segue sem que se possa tomar fôlego com um surpreendente vocal filtrado e um baixo pesadão. Uma linha de piano puxa um ótimo solo de guitarra. Nunca soube que o homem tocasse guitarra tão bem. Efeitos em cascata beiram a hipnose.
Hoediddle é a terceira faixa no mesmo clima de guitarradas lancinantes, alguma cacofonia e concentração. Não tem gordura nenhuma pra tirar, é aço no osso. Um lindo solo de mandolim aparece lá pelo final.
Ice Fishing at Night é uma bela balada ao piano onde se pergunta porque nunca deixavam Jones cantar no Led. Tá certo, Plant era Plant, mas se o próprio Keith Richards canta nos Stones, podiam ter deixado uma coisa ou outra pro cara. Olha que não ia fazer feio não.
Daphne, a faixa seguinte, é Zeppelin puro apesar do moog e da tecladeira. Dá pra imaginar Page mandando o riff, Plant descabelando e Bonzo batendo, mas o couro come é no baixo e quem entra solando na guitarra é o cara, faiscando pra todo lado.
Angry Angry parece até coisa do Primus devido ao clima nervoso, andamento acelerado e pesado, baixo pancadão e um alucinante solo de guitarra de Adam Bomb. Rock pesado como chumbo, mas que faz voar.
Down to the River to Pray é uma balada folk instrumental que poderia estar num disco do Steeleye Span, Incredible String Band ou mesmo de Steve Howe.
Shibuya Bop trás de volta o clima das primeiras faixas com um leve toque oriental. Aparece um hammond todo trabalhado ao fundo de encher os ouvidos.
Freedom Song fecha a tampa com um folk que faz pensar de onde saíram muitas das idéias do Led Zeppelin III.


Não é por nada não, mas enche o coração de alegria ver um músico que podia estar vivendo na glória da aposentadoria tocando num show beneficente ou outro (e como eles existem né?), contando a dinheirama dos direitos autorais - de vez em quando tocaria "Starway to Heaven" com Page babando e Plant desmunhecando e tava tudo certo. Ao invés disto o cara se enturmou com o povo do Crimson (abriu uns shows da ultima turnê) e resolveu "roubar os trovões dos Deuses do Olimpo".

Que Thor que nada, o nome do meu herói é John Paul Jones.

Não percam este CD, tem três dias que não sai do fone! Maduro e sereno abrindo portas pro futuro simplesmente imperdível.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

On The Road

3548 acessosJimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes3788 acessosJohn Paul Jones & Zooma1271 acessosOn The Road2547 acessosAndy Warhol & Velvet Underground465 acessosJoe Jackson - Heaven & Hell4056 acessosJim Morrison - Ode a LA5000 acessosJerry Garcia - O Anti-Super-Star2156 acessosThe 70's - E um pouco sobre Gregg Allman5000 acessosAllman Brothers Band - ainda The 70s1741 acessosThe 80's - e um pouco sobre Ian Curtis905 acessosJorge Mautner2342 acessosTommy Bolin: sua morte prematura foi uma perda incalculável2670 acessosChuva de Guitarras1208 acessosJohn Mayall e o restaurante Indonésio1590 acessosUma noite das Arábias5000 acessosGlam Rock: A vanguarda era ditada com muito cílio postiço2763 acessosPapo Lynyrd673 acessosMemória do Futuro1036 acessosFour de Ases4151 acessosPancadão Hendrixniano3958 acessosNum muro dos anos 702768 acessosSteely Dan - Pop Perfeito1383 acessosOs quatro CDs do Apocalipse1876 acessosJoni Mitchell & Charlie Mingus5000 acessosGigantes do Soul Jazz1212 acessosMais gigantes do Soul Jazz1165 acessosQuem lembra dos Supergrupos?2573 acessosMick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita2165 acessosColin Hodgkinson, biscoito fino no baixo4185 acessosAlguns atalhos para muitas viagens3845 acessosThe Shadows, a sombra de Hank Marvin1572 acessosColdplay e a franja do Fernando2444 acessosFunky Friends1060 acessosElogio do Ócio979 acessosConfissões Paulistas1312 acessosVelhas Novidades2991 acessosMahavishnu Orchestra e a Yoga2126 acessosAir - Moon Safari3885 acessosColecionadores de discos e de calcinhas4719 acessosHell's Angels, Punks, Verve2733 acessosPara onde vão Robert Fripp e os amestradores de focas?5000 acessosRimbaud e Morrison: A grande maioria passa pela vida imersa na multidão2264 acessosDr. John5000 acessosMais do Mesmo1168 acessosJorge Mautner e as Memórias do Filho do KAOS1570 acessosSoulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky5000 acessosRolling Stones - "Exile On Main Street"3992 acessosOn The Road - Menos é Mais5000 acessosOs 1001 discos para se ouvir antes de morrer2805 acessosJeff Beck: Economia e bom gosto, eis a conseqüência3270 acessosOn The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk1978 acessosOn The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras5000 acessosOn The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"510 acessosOn The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ570 acessosOn The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy1429 acessosOn The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"


Contra-baixoContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

GibsonGibson
Os 10 melhores guitarristas de Heavy Metal

Quentin TarantinoQuentin Tarantino
O Top 5 do rock n' roll na carreira do diretor

5000 acessosEmo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada5000 acessosAngra: versões bizarras de músicas da banda5000 acessosMegadeth: fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo5000 acessosAlice in Chains: Jerry Cantrell, o gênio minimalista5000 acessosAerosmith: Steve Tyler errando "Crazy" em performance de rua5000 acessosSlipknot: Corey Taylor elege sua máscara favorita

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online