Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Comentários  | 


O ano era 1976 e o sujeito da loja de disco perto de minha casa não agüentava mais comigo. Era um tal de "Chegou? Já saiu? Guarda um pra mim?" de enlouquecer o pobre coitado. O motivo de tanta sofreguidão era o lançamento do disco novo do Led Zeppelin, que ia se chamar Presence e era o primeiro com material totalmente novo em muito tempo (Physical Grafitti, meu preferido, era cheio de material antigo).

5000 acessosUlrich: "Não sou um baterista particularmente talentoso"5000 acessosBruce Dickinson: "O Iron Maiden é melhor que o Metallica"

Até que um dia, meio pra se ver livre de mim, o cara me chamou e entregou aquele vinil lacrado que tinha uma estranha foto na capa (um monólito preto) e umas outras mais estranhas ainda por dentro, cheias de figuras dos anos 50. Fiquei meio decepcionado com a embalagem, mas fui correndo pra casa detonar a bolacha no volume mais alto possível (tinha 14 anos) e quando Robert Plant começou a berrar em "Achilles last stand" eu me senti no umbigo do mundo, berrei junto e cá entre nós, me senti o próprio.

No ano seguinte saiu o filme (The song remains the same) assistido com devoção religiosa e várias pessoas diferentes. Sabia cada cacoete, cada solo, cada desmunhecada do Plant, uma coisa só comparável com fã de Emilinha Borba ou Cauby Peixoto.

Também acabou por aí, o que veio depois não vale a pena. Considero estes discos clássicos absolutos do rock e "Stairway to heaven" tão bela que resistiu ao massacre das mãos inábeis que tocavam violinhas em acampamento, quando o mala da turma sempre a puxava, entre "espanhola" e "melevamô"... naquela de hoje vou comer alguém.

Quando perguntado, Keith Moon, que não era nada bobo disse: "O que é pesado e voa? Um Zeppelin de chumbo, ora bolas". Sábias palavras do batera, sábias palavras.


Astros de primeira grandeza, cada um tinha sua esquisitice típica. Robert Plant era fazendeiro, John Bonhan bebia profissionalmente (foram 40 as derradeiras vodkas), John Paul Jones era tarado e Jimmy Page cultuava um bruxo inglês barra pesada chamado Aleister Crowley (1875/1947) que misturava magia negra, satanismo, drogas pesadas numa seita cheia de loucos que o seguiam pra cima e pra baixo. Para quem não sabe: Raul Seixas e Paulo Coelho também foram discípulos aplicados dos ensinamentos do mago. Os lemas da Sociedade Alternativa de Raulzito foram copiados do que Crowley escreveu com tinta vermelha (40 dias 40 noites) nos penhascos de Kingston : "Faz o que desejas, será a lei inteira".

Aleister Crowley comia sem parar por dias até explodir e depois jejuava indefinidamente. Fazia sexo mágico (uma espécie de orgia bravíssima) cheio de apetrechos, drogas e animais. Gostava de botar um bode para transar com uma de suas inúmeras amantes e ficava assistindo, invocando o "coisa ruim" ao mesmo tempo.

Pois era nisso que Jimmy Page era chegado, nestes ocultismos bravos, gastando uma grana preta numa fundação de divulgação das idéias do mago que existe até hoje. Eu hein? Afasta Zé Pelintra...

Não sei se foi urucubaca do bruxo, excesso de excessos, ou seja, lá o que for. Só sei que quando assisti aos tapes dos shows da dupla Page e Plant fiquei assustado com que vi e ouvi. Plant perdeu a voz definitivamente, só vai na boa, fica só nos graves e quando se aventura nas alturas que habitava, como em "Going to Califórnia" é no mínimo constrangedor. Quem se lembra do que o homem fazia chora. Jimmy Page idem, não toca nem perto do que tocava e segundo o relato de alguns amigos presentes ao show, babava terrivelmente. Uma baba grossa que escorria pelo peito enquanto solava.

Fiquei meio traumatizado com tudo isso e confesso que não ouvi estes discos novos dos dois. Vi uns clips aqui e acolá, inclusive Kashmir (ah Kashmir...) e não me pareceu tão ruim assim, mas aquela imagem de Robert Plant desafinando e Page babando não consigo esquecer.


Eu estava de bobeira em casa, totalmente distraído, lendo um jornalzinho, derretendo um gelo no uisquinho e com a tv ligada sem prestar a mínima atenção, quando num relance ouvi uma guitarra pesada que destoou da tecladeira new wave que estava rolando. Larguei o jornal e me perguntando o que era aquilo vi um sujeitinho magricela (cabeludo de costeletão) numa pose e atitude que pareciam saídos de 1974, com uma galera atrás no mesmo estilo. Uma mistura de Faces com Mott the Hopple e Led Zeppelin e um som retrô totalmente datado, mas muito bem feito. No clip seguinte, no mesmo estilo, já tinha largado de vez o jornal, botado mais uísque no meu gelo e já sabia que se tratava de uma banda nova chamada The Black Crowes e que o lambisgóia magricela se chamava Chris Robinson e que o outro cabeludo era seu irmão Rich.

Lá pelo terceiro clip eu já estava sorrindo de satisfação, quando adentrou no recinto minha mulher e uma amiga que vendo a cena logo pegaram no pé: "Coisa de época! Dinossauro!" Respondi indignado: "É Dinossauro, mas está vivo e fresco, parece antigo, mas foi feito agora. Respeito é bom e eu gosto".


Black Crowes
Black Crowes

O ano é 2001 e eu saí da loja com o cd sem muito entusiasmo. Comprei porque estava no saldão e pensei comigo que ia ser engraçado ouvir os Crowes com Jimmy Page tocando os clássicos do Led. Caramba, que cambada de dinos estes caras e lembrei da pose do magrelo no microfone e fiquei curioso se ele ia segurar mesmo a peteca. Entrei no carro rumo a mais um compromisso/roubada distante e conforme comecei a rodar pus a bolachinha prateada no cd Player. Levei uma pancada no pé do ouvido quando ouvi o inicio de "Celebration day". Cacetada, pensei é o Led. Page tocando bonito e o Robinson, sem ser Plant, mas doido pra ser, não fazendo feio de jeito nenhum. Quando "Custard Pie" estava no meio eu já cantava junto e em "Lemon Song" já estava me sentindo o próprio. Parece que os caras passaram a vida tocando estas músicas e tinham como sonho dourado faze-lo desta maneira. Não é por nada não. Não é Led Zeppelin, mas está vivo e fresco, parece antigo, mas foi feito agora. Respeito é bom e eles merecem.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

On The Road

3788 acessosJohn Paul Jones & Zooma1271 acessosOn The Road2547 acessosAndy Warhol & Velvet Underground465 acessosJoe Jackson - Heaven & Hell4056 acessosJim Morrison - Ode a LA5000 acessosJerry Garcia - O Anti-Super-Star2156 acessosThe 70's - E um pouco sobre Gregg Allman5000 acessosAllman Brothers Band - ainda The 70s1741 acessosThe 80's - e um pouco sobre Ian Curtis905 acessosJorge Mautner2342 acessosTommy Bolin: sua morte prematura foi uma perda incalculável2670 acessosChuva de Guitarras1208 acessosJohn Mayall e o restaurante Indonésio1590 acessosUma noite das Arábias5000 acessosGlam Rock: A vanguarda era ditada com muito cílio postiço2763 acessosPapo Lynyrd673 acessosMemória do Futuro1036 acessosFour de Ases4151 acessosPancadão Hendrixniano3958 acessosNum muro dos anos 702768 acessosSteely Dan - Pop Perfeito1383 acessosOs quatro CDs do Apocalipse1876 acessosJoni Mitchell & Charlie Mingus5000 acessosGigantes do Soul Jazz1212 acessosMais gigantes do Soul Jazz1165 acessosQuem lembra dos Supergrupos?2573 acessosMick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita2165 acessosColin Hodgkinson, biscoito fino no baixo4185 acessosAlguns atalhos para muitas viagens3065 acessosJohn Paul Jones - herói do Olimpo3845 acessosThe Shadows, a sombra de Hank Marvin1572 acessosColdplay e a franja do Fernando2444 acessosFunky Friends1060 acessosElogio do Ócio979 acessosConfissões Paulistas1312 acessosVelhas Novidades2991 acessosMahavishnu Orchestra e a Yoga2126 acessosAir - Moon Safari3885 acessosColecionadores de discos e de calcinhas4719 acessosHell's Angels, Punks, Verve2733 acessosPara onde vão Robert Fripp e os amestradores de focas?5000 acessosRimbaud e Morrison: A grande maioria passa pela vida imersa na multidão2264 acessosDr. John5000 acessosMais do Mesmo1168 acessosJorge Mautner e as Memórias do Filho do KAOS1570 acessosSoulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky5000 acessosRolling Stones - "Exile On Main Street"3992 acessosOn The Road - Menos é Mais5000 acessosOs 1001 discos para se ouvir antes de morrer2805 acessosJeff Beck: Economia e bom gosto, eis a conseqüência3270 acessosOn The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk1978 acessosOn The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras5000 acessosOn The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"510 acessosOn The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ570 acessosOn The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy1429 acessosOn The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Crowes"


MetallicaMetallica
Lars Ulrich: "Eu não sou um baterista talentoso!"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"O Iron Maiden é melhor que o Metallica"

Eric ClaptonEric Clapton
Saiba mais sobre a doença que o acometeu

5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal5000 acessosGibson: os 10 melhores guitarristas de Metal da história5000 acessosQuentin Tarantino: o Top 5 do rock n' roll na carreira dele5000 acessosSleaze Roxx: site elege os 10 melhores álbuns de 20105000 acessosTom Morello: "Não existe Rage Against The Machine"5000 acessosLars Ulrich: O rock pesado não se ajuda faz duas décadas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online