On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Estava eu em Paris com uns amigos que moravam lá na ocasião e depois de acumular uma pilha de garrafas de champagne vazias abertas exibicionistamente no estilo 'sabre' entre as inevitáveis gargalhadas e a conseqüente manguaça foi lançada a idéia, não me lembro mais por quem: E se fossemos agora derrubar essa última garrafa no túmulo de Jim Morrison?

Sexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / MetalIron Maiden: pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os aplausos foram generalizados e quando os casacos já estavam sendo colocados para rumar para o Pere Lachaise nos juntando à malucada no interminável plantão local, me deu um misto de senso prático com cagaço de pular muro de cemitério e convenci a todos que melhor que isso seria comprar mais e continuar bebendo em sua homenagem. A idéia foi aceita com entusiasmo e eu fiquei com uma ressaca maior e com o arrependimento de não ter prestado esta homenagem a um dos maiores mitos do rock de todos os tempos.

Sempre tive aquele famoso recalque do "tenho que fazer tudo até os 27". Orson Welles acabou Cidadão Kane com 26, Jimi, Janis e Jim Morrison morreram com exatos vinte e sete anos depois de mudar tanta coisa - eu já estava com trinta e nem muro de cemitério francês eu tinha coragem de pular. Uma coisa muito frustrante foi o dia seguinte. Ainda bem que o champagne era "nacional" o que amenizou o sofrimento.

James Douglas Morrison nasceu em 8 de dezembro de 1943. Se a lenda procede tem 57 anos e deve morar em Saquarema disfarçado de pescador, vizinho de Serguei, pois tem gente que afirma que assim como Elvis e ao contrário de Paul McCartney, Morrison não morreu e prova isto com um monte de dados como o fato de ninguém ter visto seu corpo, umas confusões no atestado de óbito e mais uma meia dúzia de teorias da conspiração ideais para animar conversa de sábado chuvoso junto com a teoria da terra oca e a brincadeira do copo.

Independente de tudo isso, possivelmente Jim Morrison foi o maior poeta do rock. Extremamente culto e preparado, mesclava em suas leituras tanto a literatura beat em quase sua totalidade (Kerouac, Ginsberg etc) com clássicos como Plutarco e James Joyce, entremeados de muito Nietzsche, Huxley, Mallarmé e ainda tinha como brincadeira preferida ficar com os olhos vendados em seu quarto com as paredes forradas de estantes abarrotadas, enquanto um amigo escolhia um livro e lia um trecho que invariavelmente era adivinhado.

Fez cinema (foi colega de turma de Francis Ford Coppola) e se preparava para ser uma espécie de Rimbaud beatnik quando conheceu Ray Manzarek e o rock bateu a sua porta. O resto é história exaustivamente contada e mitificada, seja em inúmeros livros ou no filme do alucinado mais careta de todos os tempos: Oliver Stone.

Em meio a discos históricos e definitivos (acho Strange Days uma obra prima) foi queimando todos seus cartuchos no excesso de drogas e intensidade e após o ápice de uma carreira de mais altos do que baixos, resolveu dar uma parada estratégica e cuidar de sua poesia na gravação de American Prayer onde declamava seus belos poemas entremeados por uns climas feitos bela banda. Eu tinha esse bolachão em vinil e ouvia sem parar enquanto lia seus dois livros: The Lords e The New Creatures.

A temporada de Jim Morrison em Paris foi um pé na jaca generalizado, tem um livro de um amigo dele que conviveu na época que diz que o café da manhã era uma garrafa de Chivas e que lá pelo almoço não estava mais falando lé com creuza. Observando esta rotina dá pra imaginar que não dava para durar muito mesmo. A tormenta interior natural dos grandes criadores mais a idolatria do Star sistem levaram embora este poeta genial, que nasceu neste tempo em que a mídia precisa de mártires da intensidade pra oferecer em holocausto aos cordeiros produtivos .


Quando Brian Jones apareceu boiando em sua piscina em 69 isto abalou muito Jim Morrison que fez este poema que era distribuído nos shows do The Doors e que eu coloco pra vocês aqui em tradução portuguesa de Manuel João Gomes:

Ode a LA
Com o Pensamento no Falecido Brian Jones

Habito numa cidade
Fui escolhido pra fazer o
Príncipe da Dinamarca

Pobre Ofélia

Todos os espectros que ele nunca viu
Boiando rumo ao destino
Numa vela de Ferro

Volta atrás, bravo guerreiro.
Dá o mergulho
Noutro canal

Piscina acabada de untar com manteiga
Onde fica Marrakesh
Sob as cataratas
A borrasca tumultuosa
Onde os selvagens sucumbiram
Ao cair da noite
Monstros do ritmo

Abandonaste o teu
Nada
Pra ires lutar com o
Silencio

Espero que tenhas saído
Sorrindo
Como uma criança
E penetrado no sereno espólio
Dum sonho

O homem Anjo
Que dá luta as serpentes
Por amor só das palmas
E dos dedos

Mandou finalmente
Comparecer esta boa Alma
Ofélia
Voga ensopada em sedas

Sonho de cloro
Doida asfixiada
Testemunha

O trampolim, o mergulho
A piscina

Eras um combatente
Adamascada, amilscarada musa

Eras o empanado sol
Para a noite televisiva

Sapos com chifres
Atirador contra alvo amarelo

Vê onde isso acabou por levar-te

Ao paraíso da carne
Entre canibais e judeus

O jardineiro foi dar
Com o rígido corpo boiando

Feliz adormecido
Que matéria esverdeada é essa
De que és feito

Abram covas na pele da deusa
Cheirará
Enquanto for levado
Através dos umbrais
Da musica

Nenhuma possibilidade
Réquiem por um duro
Aquele sorriso
Aquele olhar porcino
De sátiro
Levantou-se e pulou
Enterrou-se no barro

Jim Morrison


Tem quase trinta anos que Jim Morrison morreu, isto já faz muito tempo. Ideal pra vender camiseta, relançar uns discos e pra eu abrir um champagne e lembrar que daqui a pouco vai fazer dez anos que fiquei com medo de pular o muro daquele cemitério em Paris.


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da históriaOn The Road
Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Num muro dos anos 70On The Road
Num muro dos anos 70

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Joni Mitchell e Charlie MingusOn The Road
Joni Mitchell e Charlie Mingus

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Mais gigantes do Soul JazzOn The Road
Mais gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Velhas NovidadesOn The Road
Velhas Novidades

On The Road: Mahavishnu Orchestra e a YogaOn The Road
Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Colecionadores de discos e de calcinhasColecionadores de discos e de calcinhas

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "On The Road"Todas as matérias sobre "Doors"Todas as matérias sobre "Jim Morrison"


Sexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / MetalSexo e Satã
As mensagens subliminares em capas de Rock / Metal

Iron Maiden: pastor evangélico tem 172 tatuagens da bandaIron Maiden
Pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

adGoo336