Colecionadores de discos e de calcinhas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Texto abaixo foi escrito há alguns anos. Na época eu escrevia a coluna "Notas do underground" no finado site Rocknet que era uma tentativa de reviver a Radio Fluminense (A Maldita) via Internet. Vivíamos o apogeu da expectativa de que o mundo seria "on line" e que as pessoas iam fazer tudo na frente de um computador.Alguns anos e muitas empresas ponto com quebradas depois resolvi requentar este acepipe. Espero que, com as devidas discrepâncias o prazo de validade não esteja muito vencido.

Rock Brasileiro: uma lista das 10 maiores bandasMetal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21

Desde então muita coisa mudou (pero no mucho): Hoje já possuo todos os discos tanto do Back door quanto do Colin Hodgkinson, o Sparks já não me causa tanto espanto e descobri que a quantidade de tarados é muito maior que eu imaginava. Freqüento uma serie de listas de discussão tanto sobre Rock quanto Jazz o que me proporcionou conhecer pessoas fantásticas e gerar um grupo selecionadíssimo que conversa Via e-mail diariamente há alguns bons anos e se abastece reciprocamente com tudo que possamos imaginar.

Posso dizer que hoje é muito difícil não encontrar algo que deseje escutar basta teclar uma mensagem e rapidamente me vem pelo correio uma copia do obscuro objeto do desejo junto a inúmeros mimos variados.

Com o desenvolvimento das Bandas Largas, compartilhamentos de Arquivos etc... o céu é apenas o limite para estes alucinados que acumulam coisas que possivelmente nem seus netos terão tempo de ouvir. Fiz uma conta básica outro dia e cheguei a conclusão que se colocar para escutar tudo o que tenho em casa seguido vinte quatro horas por dia sem repetir uma musica ia levar dois meses pra terminar a empreitada. Exagero? Que nada... Isso é brincadeira de criança perto de gente que eu conheço que dificilmente teria tempo de escutar um cd mais de duas vezes tal a quantidade de coisas que recebe diariamente. Sem mais delonga, segue o texto:


Não existe diferença entre colecionadores de discos ou de calcinhas

A distância entre um colecionador de discos e um tarado colecionador de calcinhas é muito menor do que possamos imaginar. Nos dois casos o que importa é o objeto, o fetiche, ficando o contemplado, tanto a mulher quanto à música, em segundíssimo plano, só interessando a aquisição de uma nova presa que será venerada por alguns minutos até instigar a eterna sede para o próximo alvo. Parece maldição de filme de vampiro; o sujeito na verdade vive insatisfeito e macambúzio porque não é proprietário de todos os discos (ou calcinhas) do mundo. Uma verdadeira maldição. Não existe diferença entre colecionar discos de rock, estampilhas de Eucalol, selos ou revistas pornográficas.

Se o ato de colecionar passa a ser mais importante que o usufruto daquele objeto, o perigo de se tornar um devasso do acúmulo é iminente. Eu já passei perto disto (não, caros amigos, não eram calcinhas que eu colecionava) e consegui escapar através de uma auto imposta quarentena regeneradora que me levou a desprezar a compulsão por aquele disco de progressivo sueco, aquele pirata da infância do Johnny Winter e outras bizarrices que tinham graça porque ninguém tinha ou conhecia e me davam um orgulho desmedido em apresentar a patuléia ignara como se fossem pérolas atiradas.

No meio de tudo isto eu tinha um disco piratão em que tocavam o já citado Winter com Hendrix e Jim Morrison (cantando numa Água total) que era tenebrosamente tocado e gravado, mas que eu insistia em tocar pra todo e qualquer visitante como se fosse mulher barbada de Circo de Cavalinhos. Todo mundo fazia "oh!" E eu me enchia de orgulho.

Os debates e as disputas com meus pares eram acirradíssimos. Falávamos muito mais de discos raros do que da Música propriamente dita e certa vez fui terrivelmente desafiado dentro de minha casa quando um filhote de vampiro destes afirmou conhecer todos aqueles grupos finlandeses, russos, tchecos e argentinos dos anos 60 que eu lhe mostrava como se fossem troféus de Honra ao Mérito do Lions Clube. Mas percebendo ser impossível que ele conhecesse tais petiscos raros, inventei descaradamente um grupo imaginário inglês com discografia pirata e tudo mais e quando percebi que havia mordido a isca o desmascarei sem dó nem piedade. Foi constrangedor ver o embusteiro se retirar com o rabo entre as pernas enquanto eu sapateava em seu orgulho com um sorriso beatífico e alucinado. Uma coisa impressionante.

Quando percebi o rumo obsessivo que as coisas estavam tomando resolvi dar um tempo e fazer a promessa de ouvir um disco de cada vez, dar preferência aos clássicos e esquecer as pirotecnias raras. Podem acreditar, isto me fez um bem enorme, mas de vez em quando tenho lá minha recaída e fico procurando um disco loucamente até conseguir, custe o que custar.

Foi assim com um grupo que eu adoro, mas bem pouco conhecido por aqui. Trata-se dos Sparks, maravilhoso grupo de Glam Rock dos 70 que é uma dificuldade para conseguir qualquer coisa mesmo em importadoras (só encomendando) e que tenho ouvido direto desde a recente aquisição. Formado em 1971 pelos irmãos Rom & Russel Mael, o Sparks tinha uma sonoridade que tinha ecos de vaudeville, umas guitarras à la TRex e umas vocalizações hilárias que ensandeciam as platéias. O visual era alopradérrimo.

Enquanto um fazia a linha "andrógino flamboyant", o outro tocava de farda com um bigodito nazista e o couro comia em discos como Kimono My House, Propaganda e Indiscret. Imperdíveis para quem gosta de Marc Bolan, Bowie, Roxy Music e outras coisas semelhantes. Coloquem para ouvir Propaganda e At Home, At Work, At Play e depois me contem.

Outra raridade histórica que tenho procurado obsessivamente sem sucesso é uma banda também setentista chamada Back Door, uma espécie de Morphine pré-histórica. Eram também um trio de baixo, sax e bateria, só que tocavam um blues jazz rock de primeiríssima e tinham no baixo do genial Colin Hodgkinson, que solava como guitarrista, sua principal atração.

Ando obcecado pelo tema e quem puder ajudar agradeço. Mas em todo caso, devo confessar: estou quase curado e já consigo passar por uma loja de CDs sem entrar, simulando uma indiferença próxima do tarado na porta do show room da Du Loren.


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da históriaOn The Road
Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.On The Road
Jim Morrison, uma ode a L.A.

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Num muro dos anos 70On The Road
Num muro dos anos 70

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Joni Mitchell e Charlie MingusOn The Road
Joni Mitchell e Charlie Mingus

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Mais gigantes do Soul JazzOn The Road
Mais gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Velhas NovidadesOn The Road
Velhas Novidades

On The Road: Mahavishnu Orchestra e a YogaOn The Road
Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "On The Road"


Rock Brasileiro: uma lista das 10 maiores bandasRock Brasileiro
Uma lista das 10 maiores bandas

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.