On The Road: Mais gigantes do Soul Jazz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar Correções  

Não é por nada não, mas este ano foi uma canseira. Muito trabalho, muito vai pra lá vem pra cá e agora começa este Senegal portátil de todos os anos aqui no Rio de Janeiro. A meteorologia já vaticinou: "Se segura malandro, que o bafo será total". Por estes dias estava me abanando enquanto mandava um coco pra dentro. No carro rolava uma seleção do melhor jazz latino na figura de Machito e sua orquestra. Enquanto os timbales e as maracas ajudavam o coco a descer fui lembrando de várias coisas que me fizeram sentir em Havana.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Meu primeiro disco, ganho quando tinha uns treze anos, foi o "Santana 3" que até hoje ouço com entusiasmo. Aquela mistura de salsa caribenha e psicodelismo hippie é simplesmente insuperável, está na medida certa do desregramento do corpo e da mente. Lembra sexo, dias ensolarados e muito entusiasmo. Talvez Santana seja o guitarrista que ouvi com mais freqüência em todos estes anos. Não é necessariamente o meu preferido, mas com certeza foi dos que acompanhei com mais atenção. Desde a fase mais percursiva e latina inicial, passando pela viagem mística de "Borboletta" e "Welcome" quando virou Devadip, o disco com John Mclaughlin, o retorno aos bongôs em "Amigos" e por aí afora, sempre com uma técnica pra lá de impecável e uma sonoridade muito característica.

Três amores básicos me mantém ligado em Cuba (umbigo caribenho): Sua música sensacional, sua literatura e os charutos. Para um país relativamente pequeno e politicamente isolado, a quantidade de escritores geniais per capita é infinitamente superior a nossa, por exemplo. Lezama Lima, Severo Sardui e principalmente Cabrera Infante, pra não citar tantos outros sempre foram companhias de leitura constantes junto com o inseparável Partagas N.1 quando o caixa permitia. Perdi algumas oportunidades de conhecer em loco tudo isto, mas um dia ainda vou fazê-lo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não me esqueço quando há algum tempo houve um festival Cubano em Niterói, onde pertinho de casa se podia sentir um Hemingway com a remontagem do Floridita, com a vantagem da vista para o Corcovado. Quando soube do fato me mandei pra lá com um amigo comuna cheio de más intenções. Pra combinar, fazia um calor caribenho e imediatamente comecei a tomar mojitos (uma caipirinha de rum pretensamente fraquinha e refrescante) em quantidades industriais como se fosse limonada suíça. Depois do terceiro descobri que tinha uma mulata a esta altura sensacional que enrolava charutos na hora. Levantei cheio de desembaraço e encomendei um robusto torpedo que fez encher de pavor meu amigo comuna que não suportava o aroma dos puros. Tratei logo de acalmá-lo: "que nada! Ela vai apertar, mas não vou acender agora" disse logo e voltei com o trabuco apagado pra mesa pra companhia dos mojitos e de um chatíssimo papo apologético castrista cheio de gráficos e estatísticas antiembargo. Resolvi pedir algo pra comer e descobri que a empregada lá de casa deve ter ascendência cubana, pois a comida era o mesmo horror. O prato com o caliente nome de "mouros y cristianos" era um arroz com feijão ressecado com um boi ralado brabo por cima. Meu amigo se atracou com o rancho elogiando a simplicidade da proposta. Deixei a brabeza de lado e fui ao que interessa pedindo mais um mojito e acendendo finalmente o maravilhoso charutão. Quando levantei pra ir ao banheiro senti o estrago que o refresquinho tinha feito, parecia que estava subindo a Sierra Maestra com Fidel Castro e Guevara. Uma coisa impressionante. O que me salvou é que começou a tocar umas coisas bacanas que dividiram minha atenção com o charuto e me afastaram dos perigos da limonada cubana.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eram uns cds do Arturo Sandoval que junto com Paquito de Rivera são duas estrelas absolutas no mundo do Jazz que se encontram no exílio. Acabei chegando muito mais tarde do que devia, e a dor de cabeça no dia seguinte foi digna de uma invasão na Baía dos Porcos, mas nunca mais me esqueci e me deu uma vontade danada de dar um pulinho por lá.

Continuando o papo da coluna passada das origens do Acid Jazz, podemos sem forçar barra nenhuma afirmar que o Jazz latino dos anos 50 e 60 foram junto com o Soul Jazz a outra vertente de influência de toda esta rapaziada que adora samplear e botar um molho em cima. Desde que Dizzy Gillespie resolveu dar uma conferida na coisa, que o Jazz latino literalmente estourou no norte, muitas vezes com alguns pontos de contato com o nosso Samba via Bossa Nova. Santana também bebeu muito nestas fontes e se entupiu não só de Tito Puente como ouvia sem parar muito Cal Tjader e Willie Bobo. Abaixo uma palinha do que eu mais ando ouvindo nesta praia ensolarada:


CAL TJADER (1925/1982) - Supremo papa do Jazz latino, o vibrafonista Cal Tjader tocou com George Shearing e Dave Brubeck até inventar o "modern mambo", por sua banda passaram todos os percursionistas importantes do gênero. Teve uma influência enorme no San Francisco sound do verão do amor em 67. Santana ouvia sem parar seus discos em casa (sua mãe adorava) e isto foi decisivo em toda sua formação e no desenho do que viria a se tornar seu som. Pra quem não conhece podemos descrever como um Jazz suave altamente suingado, cheio de balanço, maravilhosamente bem tocado. Lembra a "Marca da Maldade" de Orson Welles e seu maravilhoso plano seqüência, festas beatniks, carros conversíveis e muita estrada pra andar. Você começa ouvindo e não dá muita coisa, mas quando presta atenção nos detalhes começa a grande viagem. Seu disco com o pianista Eddie Palmieri é imperdível.


WILLIE BOBO - Nascido William Correa em 1934, ganhou o apelido de Bobo da pianista Mary Lou Williams. Trabalhou com todas as feras latinas (Tjader, Tito Puente, Machito Perez Prado). Misturou como ninguém Jazz, R&B e música latina. Fera absoluta de todos os batuques, fazia o gênero rei da marra e tanto Santana quanto Mandrill e Earth Wind & Fire devem muito a ele. Formou bandas fantásticas em que o jovem Chick Corea costumava tocar.

Adorava música brasileira, principalmente Bossa Nova e Jorge Ben. Ouvir Willie Bobo e ficar parado é simplesmente impossível, o senso de ritmo e balanço que o cara tinha era algo contagiante. Reconheci linhas inteiras de batuque que pensava serem originais nos primeiros discos do Santana. Coke Escovedo e Armando Peraza estavam muito próximos dele. Ouvir seus discos na praia é a coisa mais próxima de um Prozac que pode existir, não há depressão que resista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


TITO PUENTE - Se B.B.King é o rei do blues, Puente era "El Rey" da salsa até o ano passado, quando foi tocar suas maracás no além. Tocava piano, congas, bongos sax e vibrafone sempre de maneira espetacular, ou seja, um tremendo showman. Autor dos sucessos do mais uma vez citado Santana: "Oye Como Va" e "Para Los Rumberos". Puente era uma instituição latina, talvez seu artista mais emblemático. Sempre acompanhado de uma tremenda orquestra, às vezes descambava pra farofa - mas nada que o bom humor não consertasse.


Outros músicos marcantes no clima: Mongo Santamaria, que também teve um sucesso espetacular na época, Ray Barreto e uma boa fase de Dizzy Gillespie que esteve envolvido um bom tempo com estes molhos latinos.

Uma coisa que sempre muito me intrigou foi a pouca importância que o Rock Brasileiro sempre deu a nossa imensa riqueza musical. Com a honrosa exceção dos Novos Baianos e suas conseqüências (A Cor Do Som, Pepeu, Moraes etc...) que se utilizavam de toda esta linguagem, muito pouco se aproveitou de todo este manancial pra botar suingue na mistura. Não ficamos nada a dever a toda esta galera hispânica e o estrondoso sucesso que o nosso Samba jazz dos anos 60 têm feito ao ser reeditado na Europa mostra que há muito espaço e talento para serem garimpados.

publicidade

Mas isto é outro papo pra ser levado uma outra hora. Parece que vou conseguir finalmente uns dias de férias bestando no sol da Bahia. A mala já está cheia de cds de Jazz latino, um livro do Cabrera Infante e muita disposição pra observar onde o vento faz a curva e o intervalo exato quando a banda para e eu grito "urgh!!!!"

Um bom Natal pra todo mundo!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da históriaOn The Road
Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.On The Road
Jim Morrison, uma ode a L.A.

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Num muro dos anos 70On The Road
Num muro dos anos 70

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Joni Mitchell e Charlie MingusOn The Road
Joni Mitchell e Charlie Mingus

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Velhas NovidadesOn The Road
Velhas Novidades

On The Road: Mahavishnu Orchestra e a YogaOn The Road
Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Colecionadores de discos e de calcinhasColecionadores de discos e de calcinhas

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Roadrunner: os álbuns mais desprezados de todos os temposRoadrunner
Os álbuns mais desprezados de todos os tempos

Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336 CliIL Cli336 WhiFin Cli336