Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemO dia que Ivete Sangalo arrasou cantando Slayer com João Gordo na TV aberta

imagemA hilária crítica de Roberto Frejat contra fala cheia de "pretensão" do Bon Jovi

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemO impagável apelido que Andre Matos deu a Luis Mariutti por sua pontualidade

imagemO Metallica não tem mais o que provar, muito menos algo novo para oferecer

imagemGuitarrista Brian Ray conta como é ter Paul McCartney como patrão

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemNoel Gallagher relembra o dia em que foi ao show de uma banda cover de Oasis

imagemAngra: Luis Mariutti conta sobre atritos entre Andre Matos e Rafael Bittencourt

imagemRobert Plant confessa de qual música o Led Zeppelin tirou "Gallows Pole"

imagemO hit do Blind Guardian inspirado em história que deixou banda de queixo caído

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemPaul Stanley, do Kiss, fala sobre os shows da reunião do Pantera


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Iron Maiden: Respondendo aos que achavam que a banda estava morta

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Por Luiz Felipe Lima
Postado em 02 de outubro de 2015

Nota: 8

Quando este disco foi anunciado, muita gente foi pega de surpresa. Oras, tudo indicava que The Final Frontier seria o último trabalho da banda, e a ausência de qualquer anúncio oficial nos últimos anos apenas corroborava tal ideia. Mas estamos falando do Iron Maiden, então surpresa pouca é bobagem: não só veio um disco novo, como ele é duplo!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Matéria originalmente publicada no site DELFOS
http://delfos.net.br

E eu, assim como grande parte dos fãs da banda, fiquei com os dois pés atrás com esta notícia. Como se não bastassem os álbuns anteriores terem músicas de oito, nove, e 10 minutos, The Book of Souls tem uma de fuckin' 18 minutos, e tudo indicava que este seria um disco ainda mais prog do que os últimos trabalhos da Donzela. Bem, me alivia dizer não é exatamente assim. The Book of Souls até tem seus momentos progressivos, mas brilha ao revisitar tudo o que a banda já construiu em seus trabalhos anteriores.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

WAITING IN LINE FOR THE ENDING OF TIME

O que mais me surpreendeu em The Book of Souls foi ser um álbum menos focado em experimentalismo. Ainda que ele conte com músicas longas, todas apresentam elementos recorrentes na discografia da banda, como cavalgadas, riffs e dobras de guitarra com o estilo já eternizado pelo Maiden. Isso faz com que a audição flua de maneira muito melhor do que em álbuns como A Matter Of Life And Death, que, apesar de bons, soavam completamente diferente do que tornou a Donzela tão querida.

Quanto aos pontos fracos, eu destaco principalmente a performance de Bruce Dickinson. Apesar de afinado como sempre, as linhas vocais em The Book of Souls estão pouco inspiradas, fazendo com que as músicas percam muito de seu apelo. Em boa parte do álbum, as melodias de Dickinson basicamente repetem o que a base ou uma outra guitarra já está fazendo, deixando tudo muito burocrático. Assim, ainda que algumas músicas se destaquem, poucas criam a mesma empolgação que (para ficar apenas em músicas recentes) The Wicker Man ou El Dorado.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

THE SEARCH FOR TRUTH, THE BOOK OF SOULS

O disco começa com uma das melhores do álbum, If Eternity Should Fail. Não só a introdução recitada já lembra a do disco Seventh Son of a Seventh Son, como o resto todo mantém o clima denso daquele álbum. Em seguida vem Speed of Light, que é bastante direta e bebe da fonte de músicas como Running Free, Another Life e Sanctuary. Ressalto aqui o quanto o clipe da música – uma homenagem aos videogames - está sensacional, apesar de eu saber que, a essa altura, você já o viu.

A terceira faixa é The Great Unknown, que, ainda que seja pesada e bem estruturada, possui uma linha vocal extremamente repetitiva, o que acaba tornando a audição maçante. Felizmente, as coisas melhoram com The Red And The Black, cujas dobras de guitarra e vocal durante os versos lembram de cara a música Dance of Death. Ela também conta com os já clássicos coros da banda e com uma seção instrumental entre os nove e 13 minutos simplesmente sensacional, que figura entre os melhores momentos do disco.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

When The River Runs Deep começa com um riff bastante parecido com o de Moonchild, mas, com solos e refrão exóticos, desemboca em algo mais próximo do disco Brave New World. Em seguida vem a faixa-título, que é bastante tensa e soturna, e que surpreende pelo trecho cavalgado no meio que vai fazer a alegria dos fãs do Powerslave. Dada a estrutura consistente e um dos poucos momentos em que Bruce se sobressai, essa foi para mim a melhor de todo o trabalho, e fecha o primeiro disco com louvor.

TOMORROW COMES, TOMORROW GOES, BUT THE CLOWN REMAINS THE SAME

O segundo disco é aberto com Death Or Glory, cuja abertura cavalgada já mostra que estamos falando de uma música rápida, simples e direta. O refrão, bastante direto, pode soar simplório para alguns, mas não compromete a qualidade geral. Após ela vem Shadows of The Valley, que começa com um riff completamente inspirado em Wasted Years e é tão direta e competente quanto a faixa anterior. O único problema, para mim, é o interlúdio que aparece ao longo da música ser repetido tantas vezes, pois ele é bastante fraco.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Dando continuidade vem Tears of a Clown, que lembra o clima de Coming Home. Ela é até bastante pesada, com riff quebrado e tudo mais, mas sinto que seria melhor se seguisse a linha "balada" de Infinite Dreams e da já citada Coming Home. O disco se segue com The Man Of Sorrows, que muda tantas vezes - e de maneira tão brusca - que acaba tornando-a inconsistente. Isso, somado ao refrão esquecível, acaba tornando-a a pior do disco. Isso sem falar que o próprio Bruce Dickinson tem uma canção com o mesmo nome.

E, finalmente, chegamos à tão falada música de 18 minutos Empire Of The Clouds.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

THE FURY YET TO COME...

Empire Of The Clouds é uma composição curiosa. Ainda que 18 minutos pareçam muito tempo, a verdade é que ela é tão bela que você não sente o tempo passar. Porém, eu entendo que ela se beneficiaria se não tivesse um instrumental tão prolixo. Ela funciona tão bem na maior parte do tempo que simplesmente não precisa das muitas variações presentes - variações que, se fossem tiradas, deixariam a música melhor e com uns dois ou três minutos a menos.

Por fim, destaco que essa é a música em que Bruce está melhor. A sua performance excelente acaba contrastando com o desempenho regular/bom das outras faixas, e é curioso ver como o Mr. Air Raid Siren teve uma performance tão boa e outras tão fracas no mesmo disco. É nessa faixa que vemos Dickinson mostrando que ainda tem muita lenha para queimar e que sabe como entregar músicas belíssimas. Só sinto pena por saber que provavelmente a banda nunca tocará essa faixa ao vivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

HUMANITY WON'T SAVE US AT THE SPEED OF LIGHT

O saldo final do disco é muito bom. A qualidade das músicas, de maneira geral, é excelente, e mostra que a banda ainda pode render ótimos frutos. Se ele fosse menor e contasse com uma performance mais empolgante de Bruce, com certeza figuraria no Top 5 de discos do Maiden com Dickinson, mas ainda assim se mantém como o melhor trabalho da banda desde Brave New World. Um belo disco, que merece ser ouvido.


Outras resenhas de Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A grande diferença entre shows do Iron Maiden e Smith/Kotzen, segundo Julia Lage

Steve Harris maromba? O interesse do baixista do Iron Maiden por nutrição e suplementos

Cinco músicos que nunca voltarão para as bandas que os consagraram

O motivo pelo qual Steve Harris escolheu Within Temptation para abrir shows do Iron Maiden

Bandas de heavy metal que lançaram discos em cinco décadas diferentes

Por que Steve Harris e Bruce Dickinson se dão bem, segundo tour manager

O rockstar dos anos 1970 que Bruce Dickinson convidou para show do Iron Maiden e tietou

Heavy Metal: um guia para começar a ouvir o estilo

Nickelbeck: Chad Kroeger diz que maconha na platéia melhora os shows da banda

Iron Maiden com descontos de 25%, 41% e até 72% na Semana Black Friday Amazon

Axl Rose achava os caras do Iron Maiden legais, mas não queria ser como eles

A surpreendente parte mais difícil de montar do palco do Iron Maiden

Tour manager desmente Regis Tadeu e diz que Dave Murray não quer sair

Shout At The Beast: Motley Crue usa imagem similar a do Iron Maiden em camiseta

Judas Priest: "Sad Wings of Destiny" definiu as principais características do heavy metal

Iron Maiden: o que Johnny Cash e Paul McCartney disseram ao conhecer a banda

Zé do Caixão: Hotel California e Fear Of The Dark na trilha

Músicas boas mas pouco conhecidas: a vida nem sempre é justa

Doors - Perguntas e Respostas

Iron Maiden: quanto tem de patrimônio cada um dos integrantes da banda?


Sobre Luiz Felipe Lima

Depois de ficar louco com o Ritualive do Shaman nos primórdios dos anos 2000, a sua trajetória no Metal apenas se intensificou. Fã inveterado de Pantera, aprendeu rápido que é possível achar música boa desde Death até Europe, e escreve para que cada vez mais pessoas consigam perceber que não se pode ter uma mente pequena se você quiser conhecer grandes músicas.

Mais matérias de Luiz Felipe Lima.