Discos e Histórias: Iron Maiden e o épico The Book of Souls

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Décimo sexto-álbum do Iron Maiden.

Lançado dia 4 de setembro de 2015.

Gravado entre setembro e dezembro de 2014 no Guillaume Tell Studios, em Paris, mesmo local onde a banda gravou o "Brave New World" (2000).

Produção mais uma vez da dupla Kevin Shirley e Steve Harris, que assinou a produção de todos os discos da banda desde que ela se transformou em um sexteto, a partir de "Brave New World".

Paul Di'Anno: o registro de uma incrível performance ao vivoKing Diamond: ele é satanista, e não meramente marqueteiro

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum já estava pronto e gravado quando Bruce Dickinson foi diagnosticado com um câncer na garganta.

Por esse motivo, o lançamento e a turnê de promoção foram adiados por tempo indeterminado, até que o vocalista se recuperasse.

Esse tempo acabou sendo de nove meses, com o disco chegando às lojas em setembro de 2015.

É o primeiro álbum duplo de estúdio da banda.

E o disco mais longo da carreira do Iron Maiden, com 92 minutos de duração.

Contém a música mais longa da carreira da banda, a épica "Empire of the Clouds", com mais de 18 minutos, superando "Rime of the Ancient Mariner", que tem 13:45.

Marca o maior intervalo entre um álbum do Maiden e outro, pois seu antecessor, "The Final Frontier", saiu em agosto de 2010.

É o primeiro álbum de estúdio do Maiden a usar o logotipo original da banda desde "The X Factor" (1995).

Essa logo já havia retornado nos ao vivos "Maiden England '88" (2013) e "Flight 666" (2009), que trazem setlists dos anos 1980, e na coletânea "Somewhere Back in Time" (2008).

Primeiro álbum da banda pela sua nova gravadora, a Parlophone. Todos os anteriores saíram pela EMI, que teve a banda sob contrato por mais de trinta anos.

Não é um álbum conceitual, porém várias letras abordam temas como alma e mortalidade, e a capa traz um tema inspirado na civilização maia.

A capa foi criada por Mark Wilkinson, que já havia trabalhado com a banda nas capas de "Live at Donington" (1993, na versão remaster de 1998) e "Best of the B Sides" (2002), e nas capas dos singles de" The Wicker Man" e "Out of the Silent Planet", ambos do álbum "Brave New World".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Segundo Steve Harris, a arte da capa está ligada à faixa título, que, como já mencionado, fala sobre a civilização maia.

Para dar ainda mais autenticidade à obra, a banda contratou o estudioso Simon Martin, especialista na cultura maia, que traduziu os títulos das músicas para hieróglifos maias e supervisionou toda a arte do álbum.

A banda adotou uma abordagem mais espontânea no estúdio. Antes da gravação passaram semanas ensaiando, e quando finalmente foram para o estúdio finalizaram várias músicas lá mesmo, chegando até mesmo a compor algumas dentro do estúdio e gravarem logo em seguida, com as ideias ainda frescas. A ideia era aumentar a espontaneidade e a sensação de "ao vivo" no estúdio.

"Shadows of the Valley", "Death or Glory", "Speed of Light" e" If Eternity Should Fail" foram as primeiras a serem compostas para o álbum.

"If Eternity Should Fail" é uma composição de Bruce Dickinson e iria entrar em um futuro álbum solo do vocalista, que não lança nada inédito desde "Tyranny of Souls" (2005), mas acabou vindo pra cá.

"Speed of Light" e "Death or Glory" marcam as primeiras colaborações entre Bruce Dickinson e Adrian Smith, sem a presença de Steve Harris, desde que ambos voltaram ao Maiden em fevereiro de 1999. Vale lembrar que a dupla é autora de clássicos como "2 Minutes to Midnight", "Flight of Icarus" e "Moonchild".

É um trabalho que tem a participação de toda a banda na composição, ao contrário dos dois anteriores, onde Steve Harris monopolizou as ideias.

"Empire of the Clouds" foi composta totalmente por Bruce ao piano, e na hora de gravar ele comandou a banda ao lado de Kevin Shirley, orientando para onde cada instrumentista deveria seguir.

"If Eternity Should Fail" abre o disco de maneira sensacional e tem uma letra que fala sobre um personagem fictício chamado Doutor Necrópolis, que cria uma máquina capaz de roubar as almas dos seres humanos.

"Speed of Light" fala literalmente sobre a velocidade da luz e traz em sua letra muitas citações à física. O clipe, com Eddie passando por diversas fases de um videogame, é sensacional.

"The Great Unknown" fala sobre como o mundo tem se tornado um lugar repleto de egoísmo, violência, vingança e dor e como estamos caminhando para o "grande desconhecido", que pode ser interpretado como a morte.

"The Red and the Black", liricamente, é uma espécie de continuação de "The Angel and the Gambler", do "Virtual XI" (1998), já que retoma na letra o tema das jogos de azar, principalmente os jogos de cartas. A música também tem o mesmo título de um livro do escritor francês Henri-Marie Beyle e que é uma crônica da sociedade francesa repleta de hipocrisia, traições e morte. Tanto o filme quanto o livro saíram no Brasil com o título de O Vermelho e o Negro.

"When the River Runs Deep" é uma reflexão sobre o dia em que a morte baterá na nossa porta, o que é inevitável para cada um de nós. Para alguns fãs, a letra traz trechos que mostram a banda lamentando as mortes do baterista Clive Burr e do tecladista Jon Lord, falecidos no período entre "The Final Frontier" e "The Book of Souls". Além disso, Steve perdeu um amigo próximo e um membro da família durante o período de composição do disco, intensificando o tema de luto da faixa.

"The Book of Souls" fala sobre os maias. A civilização maia foi uma das mais avançadas do seu tempo e viveu entre 2000 A.C. e os anos 1600, quando foram conquistados pelos espanhóis. Ao lado dos incas e dos astecas, formam o trio de civilizações pré-colombianas extremamente avançadas e intelectualizadas que habitaram as Américas antes do descobrimento, e sua influência é sentida até hoje em todo o continente. O Livro das Almas citado no título aparentemente não existe e é uma alusão da banda aos inúmeros escritos deixados pelos maias documentando o seu conhecimento.

"Death or Glory" fala sobre a primeira guerra mundial e os aviões triplanos, e cita o piloto alemão Manfred Von Richthofen, o famoso Barão Vermelho, na letra.

"Shadows of the Valley" traz uma letra inspirada na Bíblia, mais especificamente no trecho que fala sobre o Vale das Sombras e da Morte.

"Tears of the Clown" foi inspirada no ator Robin Williams, de Sociedade dos Poetas Mortos e outros sucessos, um dos mais conhecidos comediantes norte-americanos, morte em 2014 após cometer suicídio. A música é a melhor do álbum na opinião de Bruce Dickinson.

"The Man of Sorrows" traz um título quase idêntico a uma música presente em "Accident of Birth", álbum solo de Bruce lançada em 1997. A canção de Bruce fala sobre o mago e ocultista inglês Aleister Crowley, mas aqui estamos falando de uma música de Steve e Dave inspirada em uma das imagens mais icônicas do cristianismo, representando Jesus com as chagas da crucificação carregando o peso das transgressões da humanidade.

E "Empire of the Clouds" fecha o disco com uma letra sobre o dirigível R101. A ideia inicial nasceu de uma parceria não concretizada entre Bruce e Jon Lord, tecladista do Deep Purple, falecido em julho de 2012. O dirigível foi a maior embarcação construída pelo homem até então, tanto para o ar quanto para a terra, mas acabou caindo dia 5 de outubro de 1930 matando 48 dos 54 passageiros e tripulantes, em um dos acidentes aéreos mais famosos de todos os tempos.

"The Book of Souls" foi recebido com elogios pela crítica.

A Classic Rock Magazine deu nota 9 de 10 e disse que é difícil pensar em outra banda dessa geração que soe tão inspirada.

Kerrang e Metal Hammer deram nota máxima para o disco. A Kerrang afirmou que é um disco com uma visão extraordinária e a Metal Hammer escreveu que o álbum é uma jornada emocional gigantesca através de algumas das melhores performances da carreira da banda.

O Blabbermouth deu nota 9,5 e considerou o disco mais abrangente e confiante da banda desde "Brave New World" e um dos melhores álbuns de toda a trajetória do grupo.

O PopMatters deu nota 9 e elogiou o Maiden por retornar ao topo de uma maneira que não era vista desde 1988 com "Seventh Son of a Seventh Son".

O AllMusic deu nota 4 de 5 que ao ouvir o disco algumas vezes, ele ganha espaço na prateleira dos melhores álbuns do Iron Maiden.

A Billboard afirmou que o álbum é longo demais, porém surpreendentemente envolvente de forma geral.

A Paste deu nota 8 e disse que "The Book of Souls" é uma obra impressionante mas que às vezes acaba atolada na própria ambição da banda.

"The Book of Souls" foi eleito o álbum do ano pela Classic Rock Magazine, Loudwire e Metal Hammer e ficou com o quinto lugar na lista de melhores discos de metal de 2015 da Rolling Stone.

O disco chegou ao número 1 em 24 países.

Foi o quinto álbum do Maiden a chegar ao primeiro lugar na Inglaterra, fazendo companhia a "The Number of the Beast" (1982), "Seventh Son of a Seventh Son" (1988), "Fear of the Dark" (1992) e "The Final Frontier" (2010).

Chegou ao quarto lugar na Billboard, melhor posição da história da banda no mercado norte-americano e igualando a marca do trabalho anterior, "The Final Frontier".

Vendeu 100 mil cópias na Inglaterra e na Alemanha, e 40 mil cópias no Brasil.

Ganhou Disco de Ouro em 13 países e Disco de Platina em dois: Hungria e Brasil.

A turnê gerou o duplo ao vivo "The Book of Souls: Live Chapter", lançado em 17 de novembro de 2017. O material foi disponibilizado em áudio e vídeo, porém o vídeo não teve formato físico, apenas digital nos canais oficiais da banda.

Este é o décimo-segundo álbum ao vivo do Iron Maiden e traz duas músicas gravadas no Brasil: "Fear of the Dark" na Arena Castelão, em Fortaleza, e "Wasted Years" no HSBC Arena, no Rio de Janeiro.


Outras resenhas de Book of Souls - Iron Maiden

Iron Maiden: Outra página brilhante de sua inconfundível históriaIron Maiden
Outra página brilhante de sua inconfundível história

Iron Maiden: Reforçando o fato de ser uma das maiores da história

Iron Maiden: Essencial para todo fã do grupo inglêsIron Maiden
Essencial para todo fã do grupo inglês

Iron Maiden: Novo álbum exige várias audições para ser absorvidoIron Maiden: Respondendo aos que achavam que a banda estava morta

Iron Maiden: 92 minutos de atenção, é o que a Donzela lhe pedeIron Maiden
92 minutos de atenção, é o que a Donzela lhe pede

Iron Maiden: Sensação de alívio e satisfação ao fim da audiçãoIron Maiden
Sensação de alívio e satisfação ao fim da audição

Iron Maiden: honestidade e liberdade em "The Book Of Souls"

Iron Maiden: Grata surpresa e despedida perfeita do giganteIron Maiden
Grata surpresa e despedida perfeita do gigante

Iron Maiden: The Book Of Souls ocupa lugar entre melhores discosIron Maiden
The Book Of Souls ocupa lugar entre melhores discos

Iron Maiden: O melhor álbum desde Brave New World?Iron Maiden
O melhor álbum desde "Brave New World"?

Iron Maiden: Fãs vão amar, haters gonna hateIron Maiden
Fãs vão amar, "haters gonna hate"

Iron Maiden: The Book Of Souls é uma obra sem precedentesIron Maiden
"The Book Of Souls" é uma obra sem precedentes

Iron Maiden: Book Of Souls é superlativo, para o bem e para o malIron Maiden
Book Of Souls é superlativo, para o bem e para o mal

Iron Maiden: Leia a primeira resenha de The Book Of SoulsIron Maiden
Leia a primeira resenha de "The Book Of Souls"

Iron Maiden: o melhor álbum desde o retorno de Bruce e AdrianIron Maiden
O melhor álbum desde o retorno de Bruce e Adrian

Iron Maiden: As peculiaridades de The Book of SoulsIron Maiden: Revisitando parte da carreira em The Book Of SoulsIron Maiden: Faltam mais sabores marcantes em "The Book of Souls"



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Paul Di'Anno: o registro de uma incrível performance ao vivo

Revolver: 20 álbuns completando 20 anos em 2020Revolver
20 álbuns completando 20 anos em 2020

Bruce Dickinson: Wasting Love e Revelations a capella na FrançaBruce Dickinson
"Wasting Love" e "Revelations" a capella na França

Zé do Caixão: o que ele pensava sobre o Iron Maiden e bandas pesadas preferidasZé do Caixão
O que ele pensava sobre o Iron Maiden e bandas pesadas preferidas

Iron Maiden: o que Johnny Cash e Paul McCartney disseram ao conhecer a bandaIron Maiden
O que Johnny Cash e Paul McCartney disseram ao conhecer a banda

Iron Maiden: O estilo e a velocidade de Dave Murray (vídeo)Iron Maiden
O estilo e a velocidade de Dave Murray (vídeo)

Iron Maiden: bloco de carnaval CarnaMaiden agita a pequena cidade de ParaibunaIron Maiden
Bloco de carnaval CarnaMaiden agita a pequena cidade de Paraibuna

Raphael Mendes: brasileiro manda Flight Of Icarus como se fosse Bruce DickinsonRaphael Mendes
Brasileiro manda "Flight Of Icarus" como se fosse Bruce Dickinson

Iron Maiden: Adrian Smith não quis voltar em 1999 e achava maluquice ter três guitarrasIron Maiden
Adrian Smith não quis voltar em 1999 e achava maluquice ter três guitarras

Iron Maiden: Adrian Smith comenta loucura dos sul-americanos e cita Vasco da GamaIron Maiden
Adrian Smith comenta loucura dos sul-americanos e cita Vasco da Gama

Dennis Willcock: Eu não preciso de apoio do Iron MaidenDennis Willcock
"Eu não preciso de apoio do Iron Maiden"

Bruce Dickinson: sortudo por não sofrer os piores efeitos do câncerBruce Dickinson
"sortudo" por não sofrer os piores efeitos do câncer


King Diamond: ele é satanista, e não meramente marqueteiroKing Diamond
Ele é satanista, e não meramente marqueteiro

Fotos de Infância: SlayerFotos de Infância
Slayer


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336 adClioIL adClio336 adClioIL