Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemJimmy Page conta como convenceu Robert Plant a formar o Led Zeppelin

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava

imagemDavid Ellefson diz que baterista do Exodus fez Slayer tocar mais rápido

imagemKing Diamond fala sobre retorno do Mercyful Fate; "Isso não é uma reunião"


Dream Theater 2022

Iron Maiden: Outra página brilhante de sua inconfundível história

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Por David Soares da Costa Oliveira
Em 02/12/15

Antes mesmo de começarmos a tratar das faixas do novo album, "The Book Of Souls", uma a uma, vale registra um importante detalhe: o IRON MAIDEN é realmente uma banda fantástica! Uma banda que consegue criar novidades para o ouvinte dentro de um campo musical onde muitos dizem possuir poucas alternativas em termos de criatividade.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A banda não teme de maneira alguma aderir aos elementos de rock progressivo setentista em seus arranjos. E nada mais justo, já que bandas como Jethro Tull, Yes, Fleetwood Mac, para citar apenas algumas, são seus artistas favoritos desde que, estes hoje coroas, eram adolescentes começando na música.

Aqueles que ainda pensam que o IRON MAIDEN é uma banda limitada tecnicamente, como se fora uma espécie de Ramones do Heavy Metal, por favor, coloquem as barbas de molho... essa ladainha não cola. Temos aqui excelentes músicos e que ao longo de suas carreiras já desenvolveram trabalhos paralelos e/ou pré-Maiden que demonstram suas versatilidades e competências como músicos na acepção da palavra.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Enfim, amigos. Estamos frente à uma obra de altíssimo respeito e totalmente digna da ímpar história escrita pelo IRON MAIDEN em todos os seus anos de carreira que remontam desde à, hoje cult, demo "The SoundHouse Tapes", lançada em 1979 como o primeiro registro da banda capitaneada de forma brilhante pelo senhor Stephen Percy Harris. Na humilde opinião deste que vos escreve e que acompanha a banda em seus lançamentos e shows desde 1991, este novo registro da Donzela de Ferro é o seu melhor desde o incrível, porém subestimado, "No Prayer For The Dying", de 1990.

O álbum coleciona e apresenta de imediato dois clássicos instantâneos para a eternidade do Maiden ("If Eternity Should Fail" e "The Book Of Souls"), uma faixa épica para entrar no catálogo cult da história da banda ("The Empire Of The Clouds"), faixas que remetem o ouvinte ao clássico Maiden dos anos 80 ("Speed Of Light" e "Death Or Glory"), além de outras que trazem certa surpresa aos fãs por seus arranjos e melodias que fogem do que todos esperam e pregam, arbitrariamente até, como o que deveria ser a fórmula correta e imutável para a banda (além da já citada "Empire Of The Clouds" temos ainda sob essa classificação "Tears Of A Clown" e "The Man Of Sorrows"). Ou seja, com tudo isso o que mais querer de um disco?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A verdade é que se este "The Book Of Souls" fosse o último álbum de estúdio da história do IRON MAIDEN seria um final em grande estilo e com chave de ouro! O Maiden mostra que sua receita é tentar não se tornar uma caricatura de si próprio e fazer o que gosta sem seguir tendências. Essa estrada tem percalços? Claro! Vide seu fraco último trabalho, por exemplo. Mas esses coroas aqui demonstraram que têm personalidade e estilo para envelhecerem com qualidade, respeito e dignidade...

IF ETERNITY SHOULD FAIL – já estamos acostumados com as introduções das músicas do Iron Maiden. Mas no caso desta, o excesso, e consequentemente seu descarte, não são uma característica.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A intro prepara o ouvinte para o que vem a seguir, tomado por uma bela atmosfera de suspense na dose certa. O riff que se segue de guitarras dobradas é marcante e a voz de Dickinson se mostra em grande forma por meio de uma harmonia inteligente e grande interpretação. O refrão é o melhor do disco e será sim cantado nas arenas mundo afora. O baixo de Harris galopa como é de sua característica. A condução de Nicko, como de costume, é perfeita. O cara é um metrônomo ambulante!

Uma virada tribal de bateria é seguida por solos precisos, bem acabados e nos lugares certos! E o baixo de Harris se desenvolve em belo fraseado! O próprio dedilhado inserido no final onde Necrópole se apresenta como vindo dos mortos e dizendo que a eternidade nada mais é que, para si, um curto espaço de tempo, cabe com perfeição na canção! A faixa é um clássico instantâneo do grande Maiden! Excepcional abertura!

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

SPEED OF LIGHT – música rápida e direta. Há críticos para o primeiro single do disco. Não é um primor! Mas a faixa será bem recebida ao vivo e cabe como abertura de shows também. Refrão grudento!

A banda já fez coisas melhores deste estilo? Claro! Mas a faixa não faz feio e convence muito mais do que outras coisas que ouvimos deles nos últimos anos. Querendo ou não, aqui você vê elementos do Maiden clássico!

THE GREAT UNKNOWN – a faixa começa com uma introdução que provavelmente poderia ter sido deixada de lado. A voz de Dickinson encontra- se brilhante e novamente com uma grande harmonia! O trabalho instrumental é direto e pesado. O refrão aqui não é tão cativante, mas é compensado pelo baixo de Steve Harris e, principalmente, pelo trabalho das guitarras com seus duetos e solos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

THE RED AND THE BLACK – a faixa começa e se encerra com uma introdução de baixo, ao meu ver, completamente desnecessária. Ao que parece, um baixo acústico.

A banda entra e mostra riffs e dobras de guitarra no estilo do que muito foi feito no Álbum "Dance Of Death" (2003). O primeiro campo harmônico onde Dickinson desfila com sua voz remete à "Rime Of The Ancient Mariner". A Música também apresenta um coro a exemplo de "Heaven Can Wait". A faixa vai crescendo conforme seus minutos passam. O trabalho instrumental é melhor do que nas partes cantadas e Nicko muda o andamento da música algumas vezes transitando de colcheia à semicolcheia com exatidão e inteligência! Os duetos e solos de guitarra são o que de melhor há na faixa. Belíssimo trabalho do trio Murray/Smith/Gers, diga-se.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

WHEN THE RIVER RUNS DEEP – a faixa começa promissora! Mostrando um belo trabalho de guitarra e Dickinson mostrando um fraseado de voz interessante. O instrumental remete à "Man On The Edge", trabalhando no mesmo campo harmônico, porém, o refrão não acompanha com o mesmo sucesso o que foi ouvido até então. A música vai decaindo ao longo de seus 5m33, sendo assim a que menos agradou a este que vos escreve, no conjunto da obra.

THE BOOK OF SOULS – a faixa título é um oásis! Propositalmente ou não, demonstra grande influência da Era Dio no Black Sabbath em seu riff. Teclados preenchem o som com muito bom gosto enquanto Dickinson desfila seu talento vocal e de interpretação! O refrão é maravilhoso! Emocional! Demonstrando um quê de "Chemical Wedding", faixa que Bruce lançou em 1999 em seu disco solo homônimo. Será grande sucesso durante a turnê!

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Aos 5m48 a faixa toma velocidade e demonstra belos solos e uma cozinha que Harris e McBrain fazem como poucos e que deixa o som da banda tão característico! Aqui os fãs também irão se deleitar com as guitarras gêmeas do Maiden alternando com os vocais de Dickinson. A faixa é maravilhosa e vale cada audição!

DEATH OR GLORY – aqui o Maiden faz o seu velho e clássico heavy metal novamente! Faixa rápida, pesada! Com uma introdução que surpreende! Uma bela harmonia de voz, principalmente na ponte para o refrão, o que faz qualquer um querer cantar! Refrão simples, mas marcante! Aqui o ouvinte consegue enxergar o Maiden clássico!

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

SHADOWS OF THE VALLEY – a música começa parecidíssima com "Wasted Years", mas logo o ouvinte esquece a faixa de 1986 para se remontar às coisas mais novas que a banda lançou em álbuns como "Brave New World" e "Dance Of Death". Boa faixa, mas fica aquém do que a maioria do disco mostra de bom.

TEARS OF A CLOWN – faixa feita em homenagem à Robin Williams. Aqui sim a banda retoma o excelente caminho do disco novamente!

As inteligentes modulações na parte instrumental chamam atenção da forma que são feitas e mostram que o Maiden não tem qualquer temor do que vão achar deles por flertarem tão de perto com elementos de rock progressivo setentista.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O baixo de Harris pulsa firme como já fora em "Stranger In A Strange Land"! O refrão diferente chama atenção! Mais uma bela e interessante faixa deste "Book Of Souls"!

THE MAN OF SORROWS – o Maiden nunca foi de baladas... nem de longe é um ponto forte da banda. Porém, Dickinson sabe como construir uma linha de voz e isso funciona muito bem aqui. Logo o ouvinte descobre que a faixa é bem mais que uma balada. A inserção de teclados mais uma vez faz bem. A faixa tem uma característica soturna e melódica de muito bom gosto e apresenta um belo refrão! A faixa passa no teste!

EMPIRE OF THE CLOUDS – a faixa mais longa da carreira da banda (18m02) começa com belas linhas de piano feitas por Dickinson e arranjos de violinos de rara beleza. Quem ouve não diz que é Maiden mesmo quando o vocalista começar a cantar, parecendo mais estar executando uma peça solo. Nicko apresenta uma batida marcial que acaba por compor bem a trilha sonora juntamente com a entrada do baixo inconfundível e de grande bom gosto de Steve Harris e as guitarras que vão aos poucos ganhando espaço. A faixa é bem introspectiva e necessita de várias audições aos desavisados e xiitas.

Por volta dos 7 minutos, a mesma ganha uma marcação quebrada para introduzir um riff de guitarra demasiadamente repetitivo que vem acompanhado de uma condução cadenciada que depois acelera e dá um toque de elementos celta à faixa para em seguida acompanharmos solos de guitarras, óbvio, sempre de bom gosto. Creio que efetivamente os excessos do Maiden nesse disco se encontram aqui, mesmo assim a música não perde sua beleza por essa tentativa de preciosismo...

A faixa volta a crescer, se tornando interessante e mostrando seu melhor momento a partir dos 12m35 por meio de surpreendentes variações de andamento, instrumental e vocal, seguida de um momento dramático de Dickinson ao piano para preparar assim o ouvinte para seu final extremamente emotivo e épico!

De qualquer modo a faixa apresenta um Maiden diferente, que no conjunto da obra ainda não havia sido visto, pelo menos não aos ouvidos deste que vos escreve. E isso é bom porque mostra uma banda que tenta se reinventar sem querer forçar a barra. Goste ou não, ache estranha ou não, a faixa é bem orgânica. E se fosse feita por outros vocalistas por aí que costumam sentar ao piano em seus shows, seria muitíssimo elogiada!

"The Book Of Souls" alcança o ápice desta formação da banda. E tem, basicamente, nas figuras de Adrian Smith e Bruce Dickinson, seus grandes mentores! A dupla realmente é brilhante! Sejam criando juntos, sozinhos ou com a cooperação de Steve Harris. Creio eu que o caminho para o sucesso deste surpreendente disco (principalmente considerando a qualidade dos dois últimos em termos de composição) passa pelas mãos da dupla citada.

Up The Irons!


Outras resenhas de Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book Of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Resenha - Book of Souls - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Bruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

Rock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

Paul Di'Anno recebe ajuda de Derek Riggs para angariar fundos

Iron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

Ingressos para o Wacken 2023 se esgotam em tempo recorde

"Babá de Artista" do Rock in Rio diz que Iron Maiden não dá trabalho e são "gentleman"

Iron Maiden, Nervosa e Megadeth estarão na edição de 2023 do Wacken Open Air

Max Cavalera diz que deseja trabalhar com Bruce Dickinson e outros dois ícones do metal

Toalhas, massagistas, rosas, as exigências do Guns N' Roses para o Rock in Rio

Dez músicas que o Iron Maiden nunca tocou ao vivo - Parte II

Como Dave Murray mudou a vida de Zoltan Bathory, guitarrista do Five Finger Death Punch

Dez músicas que o Iron Maiden nunca tocou ao vivo - Parte I

Thunder relembra shows no Brasil abrindo para o Iron Maiden em 1992

Dez músicas gravadas por bandas de rock e metal que não têm refrão, em lista do Loudwire

Bruce Dickinson surpreende ao apontar seu disco preferido do Iron Maiden

Iron Maiden: Assista jam de Nita Strauss e Thomas Zwijsen com clássicos da Donzela

Avenged Sevenfold: eles vão ocupar o lugar do Metallica e do Maiden?

Iron Maiden: e se Blaze Bayley tivesse ficado para mais um disco?

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?