Quem lembra dos Supergrupos?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Os supergrupos sempre foram uma instituição roqueira (das menos estáveis, é verdade); volta e meia um enjoava da cara do outro na banda e saía pra juntar com os que haviam enjoado de outro lado. Querem exemplos? Blind Faith, Emerson Lake & Palmer, Asia, Crosby Stills Nash & Young, e por aí vai. Alguns foram sublimes, outros equivocados e muitos fruto da mais pura picaretagem. Lembrei de dois, de nome pequeno e não muito conhecidos por estes dias. Um sublime (801) e outro bastante equivocado (GTR) em dois álbuns ao vivo que fizeram história.

5000 acessosPearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste5000 acessosRatos de Porão: O elogio de João Gordo aos garotos do Restart

O Roxy Music no início dos anos 70 era uma das bandas mais cult e idolatradas pela crítica. Fazendo um som que mesclava a afetação do Glam reinante e as viajações do prog rock, era um núcleo de criatividade, de onde saíram inúmeras tendências. Seus quatro primeiros discos são geniais e os dois primeiros trazem a presença de uma das figuras mais alucinadas da história do rock: Brian Eno, que fazia o design sonoro do grupo à base de muito overdub e tratamento de instrumentos. Sua saída da banda foi uma sucessão de ataques de pelanca, e as trocas de farpas pela imprensa com o líder Brian Ferry foram antológicas.


Em 1976 o guitarrista Phil Manzanera já havia gravado um disco com o auxílio de Eno (o imperdível Diamond Head) que então tinha uma já sólida carreira solo (três discos e uma colaboração com Robert Fripp, que incluía a maior porralouquice gravada em todos os tempos, chamada "Nopussyfooting") e em umas férias do trabalho com o Roxy, resolveu formar uma banda pra durante a parada poder divulgar seu disco solo e tocar ao ar livre em alguns lugares na França, juntamente com Lloyd Watson (slide e vocal) antigo colaborador do Roxy, que na ocasião tocava com Colin Hodgkinson do Back Door, Francis Monkman (teclados) ex-Curved Air, Bill Mac Cormik (baixo) de sua antiga banda Quiet Sun e Matching Mole e um baterista novinho de estúdio que depois daria muito que falar chamado Simon Phillips. Nada muito pretensioso, apenas uma excursão mostrando seu trabalho solo, algumas coisas antigas e nada mais.


O problema (ou a solução) foi quando resolveu chamar Eno pra entrar no projeto. Já nos ensaios o barraco era geral. Eno não só incluiu algumas músicas suas como resolveu estimular à força a mudança de todos os arranjos e a improvisação. De uma simples turnê promocional a coisa estava tomando rumo bem mais ambiciosos. Era rock, mas o molho era muito diferente.

Devido a problemas com as datas na França (alguns Hell Angels arrumaram inúmeras confusões por lá e os concertos foram proibidos) resolveram não deixar a peteca cair e participaram do Festival de Reading, sendo considerados a melhor coisa que tocou por lá naquele ano. A crítica caiu aos pés da banda e saíram reviews embasbacados em todos os veículos especializados


Na histórica data de 3 de setembro de 1976, uma unidade móvel gravou o que muitos consideram um dos discos mais interessantes da história do rock ("801 Live"- EG Records). Fui um feliz e entusiasmado comprador da bolacha (que ouvi até furar) no ano seguinte, quando saiu por aqui. Assim que apareceu em CD garanti o meu (que escuto agora, é claro!) e estou atrás de uma versão com duas faixas bônus.


A coisa começa quente com uma lisergia auditiva cheia de efeitos de Eno na viajante lágrima do disco de Phil Manzanera, que emenda direto com um fascinante solo de baixo de MacCornick abrindo um surpreendente cover dos Beatles: "Tomorrows never Knows", onde o slide de Watson arrebenta, acompanhado de perto por Manzanera com a guitarra toda mexida pelas engenhocas de Eno. Daí quem não conhece fica abobalhado e dá pra sentir o que vem pela frente. "East of Asteroid" é outra música de Manzanera, seguida de "Rongwrong" (Quiet Sun), "Sombre Reptiles" (Eno), "Baby's on Fire" (Eno), "Diamond Head" (Manzanera), "Miss Shapiro" (Manzanera), uma estonteante versão do clássico dos Kinks "You really got me" e "Third uncle" de Eno, que fecha a tampa.

Conheço todas estas músicas em suas versões originais e o que sempre me fascinou foi o frescor das interpretações muitas vezes superiores que as primeiras. O que todo mundo está tocando é outra conversa. O trabalho de baixo do Mac Cornick é muito, muito bom, e todos estavam tocando o fino. Como começou a coisa acabou e cada um foi pro seu lado. O 801 foi um supergrupo de um disco só que ficou na memória de todo mundo que curtia boa música na época. No ano seguinte Manzanera tentou reeditar (sem Eno) a aventura em um feitio mais pop junto com Kevin Godley e Lol Creme que haviam saído do 10CC. Ainda não escutei, mas dizem que não chega nem aos pés do anterior. Este concerto de 76 é daqueles dias em que tudo dá certo e, portanto é melhor não repetir.

Se o que não tinha muito pra dar certo como o 801 deu nisso, imaginem a expectativa que se formou quando dois dos maiores expoentes da guitarra progressiva setentista: Steve Howe (ex-Yes) e Steve Hackett (ex-Gênesis) se juntaram com a intenção de formar uma "guitar band" pra emparelhar com as guitarras gêmeas de um Allman Brothers ou um Wishbone Ash. Todo mundo ficou de boca aberta esperando o petisco, mas eis que o que parecia uma cascata de camarão não chegava nem a sardinha.


Os 80's foram o calvário do progressivo e muita gente tentou dar um verniz mais pop a seus malabarismos, quase sempre com resultados duvidosos. O GTR não escapou disso e o indefectível rock de arena típico com cantor berrando no meio do lamê e riffs pegajosos, dos corinhos e da cama de teclados era uma constante. 1986 foi o ano que apareceram e sumiram sem deixar saudades e em 19 de julho foi gravado um show para o "King Biscuit Flower Hour", que saiu em CD em 2000.

Entre as músicas do único disco original do mesmo ano estão alguns clássicos do Yes ("Roundabout") e Genesis ("I know what I like") assassinados pelo vocalista (Max Bacon), que num cabelinho 'boi lambeu' se atormenta num timbre exasperante. É claro que qualquer coisa que tenha Hackett & Howe não pode ser totalmente ruim e apesar de todo o glacê e farofa podemos reconhecer um momento de gênio aqui, outro acolá e uns solinhos inspirados, mas aí volta o cantor e a maionese desanda. É infinitamente inferior aos resultados solo de ambos posteriormente.

Mas afinal o que foi que aconteceu? Acredito que a vontade de se inserir no mercado em um momento hostil foi o problema e os egos andaram batendo. O próprio Hackett tem um trabalho pop ("Cured") que é bem interessante e passa longe desta mesmice que às vezes lembra o horror de Foreigner, Journey e Reo Speedwagon. Mantendo o clima gastronômico: as guitarras maravilhosas dos dois são uma cobertura de chocolate suíço para um bolo de padaria.


Mudando totalmente de clima e assunto, não poderia deixar de comentar:

A maré não está pra peixe. Eu tinha acabado de ler o interessante livro de memórias de um herói do abismo chamado Chet Baker, onde está relatada uma vida inteira de devoção às drogas com o previsível fim, quando leio em primeiríssima mão, em um site de notícias, sobre a morte da Cássia Eller. Fiquei abobalhado por uns bons minutos juntando um monte de cacos. Mais um cordeiro que deu mole, mais um morto sem sepultura pra virar mártir da rebeldia controlada e vender um monte de disco. Uma lástima!

Se juntarmos todos os roqueiros, jazzistas, poetas, pintores, cineastas em geral mortos em circunstâncias semelhantes, não haveria cemitério que coubesse. A trilha do excesso é o único caminho pra quem resolve se exibir à margem e tentar outros mundos. O perigo é que o ego incha e se como queria William Blake leva além, costuma cobrar um preço que a maioria não tem como pagar. Subir neste pedestal deve ser brabo, uma enorme idolatria calhorda de quem vive por procuração e clama: "Eles morreram por mim".

Tem nada não. Depois vem o filme, o disco, o DVD e especiais de TV aonde um monte de gente vai se emocionar sem risco de pagar a conta, somente o mico. Todo mundo "horrorizado" mas sabendo de cor quantos ácidos tomava Hendrix, quantos Speed Ball derrubaram Chet Baker e que Charlie Parker parecia ter mais vinte anos quando morreu. O moralismo hipócrita se delicia com os detalhes sórdidos e todos lembram de uma maluquice beleza do finado. Estrada cheia de curva é fácil de derrapar e tudo que é demais costuma matar seja uísque, cocaína ou um reles quindim.

Apesar de não ser o tipo de musica do meu dia a dia, era inegável o enorme talento de Cássia Eller. Simpatizava muito com sua pegada roqueira e quase cheguei a conhecê-la pessoalmente através de uma amiga em comum. Estava numa tremenda ascensão que agora fica interrompida - vamos aguardar os detalhes do acontecido no programa do Ratinho.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

On The Road

3524 acessosJimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes3774 acessosJohn Paul Jones & Zooma1270 acessosOn The Road2539 acessosAndy Warhol & Velvet Underground461 acessosJoe Jackson - Heaven & Hell4045 acessosJim Morrison - Ode a LA5000 acessosJerry Garcia - O Anti-Super-Star2150 acessosThe 70's - E um pouco sobre Gregg Allman5000 acessosAllman Brothers Band - ainda The 70s1737 acessosThe 80's - e um pouco sobre Ian Curtis902 acessosJorge Mautner2319 acessosTommy Bolin: sua morte prematura foi uma perda incalculável2668 acessosChuva de Guitarras1200 acessosJohn Mayall e o restaurante Indonésio1581 acessosUma noite das Arábias5000 acessosGlam Rock: A vanguarda era ditada com muito cílio postiço2755 acessosPapo Lynyrd671 acessosMemória do Futuro1026 acessosFour de Ases4141 acessosPancadão Hendrixniano3950 acessosNum muro dos anos 702711 acessosSteely Dan - Pop Perfeito1379 acessosOs quatro CDs do Apocalipse1862 acessosJoni Mitchell & Charlie Mingus5000 acessosGigantes do Soul Jazz1211 acessosMais gigantes do Soul Jazz2564 acessosMick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita2151 acessosColin Hodgkinson, biscoito fino no baixo4177 acessosAlguns atalhos para muitas viagens3048 acessosJohn Paul Jones - herói do Olimpo3813 acessosThe Shadows, a sombra de Hank Marvin1569 acessosColdplay e a franja do Fernando2439 acessosFunky Friends1054 acessosElogio do Ócio973 acessosConfissões Paulistas1308 acessosVelhas Novidades2980 acessosMahavishnu Orchestra e a Yoga2114 acessosAir - Moon Safari3864 acessosColecionadores de discos e de calcinhas4717 acessosHell's Angels, Punks, Verve2724 acessosPara onde vão Robert Fripp e os amestradores de focas?5000 acessosRimbaud e Morrison: A grande maioria passa pela vida imersa na multidão2260 acessosDr. John5000 acessosMais do Mesmo1156 acessosJorge Mautner e as Memórias do Filho do KAOS1569 acessosSoulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky5000 acessosRolling Stones - "Exile On Main Street"3991 acessosOn The Road - Menos é Mais5000 acessosOs 1001 discos para se ouvir antes de morrer2801 acessosJeff Beck: Economia e bom gosto, eis a conseqüência3269 acessosOn The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk1974 acessosOn The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras5000 acessosOn The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"509 acessosOn The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ567 acessosOn The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy1405 acessosOn The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"0 acessosTodas as matérias sobre "Roxy Music"0 acessosTodas as matérias sobre "Gtr"

Pearl JamPearl Jam
Banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste

Ratos de PorãoRatos de Porão
O elogio de João Gordo aos garotos do Restart

BehemothBehemoth
Nergal mitando em foto no Aeroporto de Guarulhos

5000 acessosAndreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"5000 acessosRaul Seixas: Em carta psicografada, o alerta sobre a Sociedade Alternativa e as drogas?5000 acessosVinícius Neves: O apresentador do Stay Heavy mostra sua coleção5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada5000 acessosX-Factor Brasil 2016: cantora arrebenta com "Highway To Hell" do AC/DC!5000 acessosTankard: "Crystal é uma cerveja tão ruim quanto a Heineken"

Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online