On The Road: Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Ver Acessos

"Tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranqüilo" já dizia o profeta Walter Franco em idos tempos. Ando tendo uma nostalgia danada deste tipo de clima. Depois de mais de vinte anos voltei à prática do Yoga, ando relendo D.T. Susuki, Alan Watts, Norman O Brown e pior (ou melhor) peguei todos os discos da Mahavishnu pra passar a limpo. Isso tem cura? Talvez isso seja a cura. O perigo é alguém me pegar atracado com uma cuia de arroz integral, botando banchá na orelha e falando com planta. Se pegarem isso, podem me internar que o bicho grilo passou do ponto.

Morte: confira 15 das melhores músicas sobre o temaMustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando tinha quinze anos sonhava em ser Johnny Winter ou algo parecido. Para a pessoa estar "do meu lado no mundo" tinha que ter o cabelo no mínimo passando dos ombros e o meu há muito já estava no meio das costas. O umbigo do universo era uma guitarra elétrica. As leituras, um tanto raras, quando muito eram a Revista Rock e uns trecos sobre pirâmides, Lobsang Rampa etc... Com este caldo de cultura, um dia na casa de um amigo vi na TV um guitarrista de cabelo curtinho ("reco" como dizíamos) que tocava uma guitarra de dois braços e solava alucinadamente numa rapidez e precisão que nunca tinha escutado. Quando soube que o nome do cara era John Mc Laughlin fiquei tentando pronunciar um bom tempo até entender que aquele sujeito do lado com cara de beato hindu era seu guru Sri Chimnoy e que sua vida era devotada às praticas do auto conhecimento oriental. Santana também estava nessa. "Caramba! Se essa birutice fazia tocar tanta guitarra não devia ser de todo má" pensei comigo.

Em pouco tempo já tinha arrumado todos os discos da Mahavishnu Orchestra e os ouvia num volume totalmente ensurdecedor, uma experiência mística que me levava ao nirvana absoluto e minha família ao mais terrível purgatório.

No ano seguinte (1978) houve o Festival de Jazz de São Paulo e eu num ataque ensandecido descobri que o próprio John Mc Laughlin vinha tocar por aqui. Uma providencial tia paulistana foi avisada, uma mãe semi-enfartada se conformou, um amigo maluco ficou disponível e quando a caravana do delírio ia partir rumo a Katmandu, uma terrível prova de química botou água pra dentro do barco. Assisti pela TV, no volume habitual, e não me esqueço de uma jam session no final que juntou um assustado John Mc Laughlin com um ensandecido Hermeto Paschoal, que a bordo de um mini moog evocava de Coltrane a Luis Gonzaga com cinco mil idéias por minuto. Esse festival me chamou a atenção pro Jazz e figuras como George Duke, Dexter Gordon, Larry Corryel & Philip Catherine, Champion Jack Dupree e muitos outros passaram a fazer parte do meu universo.

Pra quem não conhece, John Mc Laughlin nasceu em Yorkshire (Inglaterra) em 1942 e começou no circuito R&B inglês tocando inclusive com a Graham Bond Organization e a Brian Auger Trinity. Em 69, já fisgado pelo Jazz gravou seu primeiro disco solo chamado "Extrapolation", que apesar do fraco apelo comercial impressionou pelo virtuosismo do mega batera Tony Williams, que o chamou para compor seu trio chamado Lifetime junto com o maravilhoso organista Larry Young. Esta banda fez história e o álbum "Emergency" é uma tour de force, usina de virtuoses onde todo mundo espalha brasa pra todo lado. Nesta mesma época participa de dois marcos da musica do séc XX, os antológicos álbuns de Miles Davis - "In a Silent Way" e "Bitches Brew", que vão dar as diretrizes aos caminhos que seriam trilhados nos anos seguintes.

Depois de gravar mais um disco (agora com Buddy Miles) chamado "Devotion" resolve seguir o Guru Sri Chinmoy e larga as drogas, a bebida, pára de comer carne e se dedica à pratica diária do Yoga, que vai alterar profundamente o caminho que tomava sua música também.

Em 71 grava My Goal's Beyond contando com o violinista do Flock - Jerry Goodman e o baterista de Miles - Billy Cobham, que trás consigo um acento forte indiano e muito improviso. Logo após resolve seguir o conselho dos gurus (musical: Miles e espiritual: Chinmoy) e cria sua própria banda, que leva seu novo nome de batismo Mahavishnu (renascido) Orchestra e que conta com Jan Hammer nos teclados e o amigo Rick Laird no baixo. Talvez esta banda, junto com o Return to Forever, e o Weather Report, seja um dos vértices da santíssima trindade do Jazz Rock dos anos setenta.


Os dois primeiros discos - "The Inner Mounting Flame" (71) e "Birds of Fire" (72) são excelentes e fizeram a cabeça de toda uma geração com o absurdo virtuosismo dos músicos e beleza das concepções. Re-ouvi agora depois de muitos anos e se mantiveram frescos como uma flor de Lótus. O sucesso foi enorme e inaugurou a categoria de músicos de jazz com público de rock que iria grassar na época. Com isso a viagem foi grande e o preço alto. Egos inflados, um guru que se metia em tudo, um disco abandonado no meio, lançado agora com o nome de "Lost Trident Sessions" e outro ao vivo onde fica evidente o perigo de auto indulgência e exagero que estava cercando a banda. Solos intermináveis, ninguém falando com ninguém e eis que a primeira e clássica formação da Mahavishnu Orchestra foi pro espaço.


Foram várias as remontagens da banda (todas muito boas) até os anos 80 quando os discos solos (que existiram em grande quantidade todo este tempo) e o projeto de outras bandas de vários formatos e influência tomaram conta da carreira do nosso zen guitar hero.



Em 79, depois de uma fase um tanto difícil (como em toda adolescência) dei uma radicalizada geral também na minha vida. Com a certeza absoluta da descoberta das verdades do Universo (típicas dos dezessete anos) passei a fazer Yoga diariamente, parei de comer carne, cortei o cabelo e andava pra lá e pra cá com uma cara que era um misto de gafanhoto da antiga série Kung Fu da TV e foto de anúncio de molho de soja. Fiquei impossível e doutrinava meus amigos entre citações de Herman Hesse, Castañeda e uma afetação no respirar que abalava não só Bangu como Katmandú. Essa excentricidade fazia um certo sucesso e não nego que surgiam inúmeros curiosos com este caminho. Se não cheguei a ter discípulos, foi quase. Meu dia a dia incluía saudação ao sol, pranificação de água, muito OM, alimentação natureba e não posso negar, um enorme bem estar.


Nesta época eis que John Mclaughlin, agora acompanhado da One Truth Band vem tocar no Rio junto com Egberto Gismonti. Não preciso nem dizer que fui um dos primeiros a entrar na câmara de ecos do Maracanazinho junto com meu embornal cheio de chá e biscoitos de gengibre para finalmente tentar ouvir alguma coisa. Quem nunca assistiu um show no Maracanazinho não vai entender, mas desde o Gênesis (77) eu já conhecia o poder daqueles ecos. No primeiro solo faiscante do homem uma sucessão de repetições se fez ouvir e não dava pra entender rigorosamente nada. Um tanto decepcionante, mas respirei fundo (o que mais fazia então) e masquei mais um gengibre. Finalmente uma profecia se concretizava mesmo que a custa de tantos ecos.

Muita histórias hilárias ocorreram nesta época. Lembro da visita a casa de um famoso guru (até hoje por aí) com uma amiga quando apareceram umas pessoas de branco na porta entoando uns mantras com uma flor na mão, um bafo danado de almíscar e muito Ravi Shankar no som. Fiquei bastante desconfiado, pois todo mundo parecia mais chapado que qualquer coisa e sorriam pra tudo e todos. Lembrei logo de um amigo que havia pirado e virado Hare Khrisna que tinha o mesmo olhar. Uma mulher mais velha, alta descalça e toda de branco falou: "o mestre vem aí" e todos passaram a fazer uns ruidinhos estranhos que me deixaram mais grilado ainda. E aí aparece o iluminado. Uma figura mediana com uns cinqüenta e poucos anos com um saiote indiano e uma túnica. Imediatamente deu uma longa sacada nos peitos da minha amiga que pululavam no decote e nos convidou a sentar.

Eu já estava meio irado com o fauno travestido de Avatar quando este começou um longo discurso contando sua última viagem à Índia onde havia ido para revolucionar o estudo do Yoga. Aí pegou... Como é que pode? Que mané revolucionar o quê? Seria o mesmo que um cara das ilhas Fiji vir pra cá ensinar futebol para a garotada. E por aí foi com o ambiente ficando um tanto tântrico pro meu gosto. Resolvi saltar fora antes que ficasse difícil o negócio.



Os anos foram passando e fui me distanciando paulatinamente destas ortodoxias. Se me apaixonei pelo Budismo posteriormente foi muito mais um encontro filosófico com uma doutrina que propõe a extinção do ego do que alguma cantilena prática. Fiquei muito longe de tudo isso e eis que num terrível ataque de stress generalizado resolvi simplificar uma série de coisas e me propus voltar a fazer Yoga e tentar levar de leve. A experiência foi muito fascinante, pois parecia que estava de volta numa estrada abandonada cheia de buracos, placas caídas, mas com uma paisagem deslumbrante. Alguns meses depois recebi coincidentemente de presente de meus dois amigos Cecil Galvão e José do Carmo, dois monges roqueiros de boa cepa e antiga extração, cópias dos discos da Mahavishnu e do antológico show paulista de 78.

Pois agora me encontro tentando pavimentar o velho caminho, com muito mais experiência, tijolinho por tijolinho ouvindo a velha Mahavishnu.

Não existe nenhum ponto de chegada, a meta é o próprio caminho.


Certa tarde de outono, o mestre Ikyyu vagueava pelos campos, levando consigo uma flauta de bambu. Um eremita, ao vê-lo, perguntou-lhe:

_ Quem és tu?

_ Sou um peregrino que segue para onde sopra o vento.

Tencionando pô-lo em apuros, o eremita perguntou:

_ E quando o vento não sopra?

_ Então sopro eu - respondeu Ikyyu começando a soprar na sua flauta.


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da históriaOn The Road
Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.On The Road
Jim Morrison, uma ode a L.A.

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Num muro dos anos 70On The Road
Num muro dos anos 70

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Joni Mitchell e Charlie MingusOn The Road
Joni Mitchell e Charlie Mingus

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Mais gigantes do Soul JazzOn The Road
Mais gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Velhas NovidadesOn The Road
Velhas Novidades

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Colecionadores de discos e de calcinhasColecionadores de discos e de calcinhas

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "On The Road"Todas as matérias sobre "Mahavishnu Orchestra"


Morte: confira 15 das melhores músicas sobre o temaMorte
Confira 15 das melhores músicas sobre o tema

Mustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?Mustaine
Por que ele perdeu seu emprego no Metallica?


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

adGoo336