On The Road: Velhas Novidades

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar Correções  

Hoje, fazendo uma hora numa loja de cds, tive uma alegria inesperada ao olhar displicentemente as prateleiras e ver ali saltando tal qual flor de cacto no deserto o último disco do Steely Dan. Já sabia que estava para sair, mas a surpresa foi grande. Entre olhar, comprar e começar a ouvir não deve ter levado mais de dez minutos. Ao escutar o primeiro groove beliscado na guitarra de Walter Becker abri um sorriso enorme, coloquei o carro em movimento e pensei: "se melhorar estraga!"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pois não é que eu tinha tido a mesma surpresa uma semana atrás ao ouvir o último lançamento da veteraníssima Allman Brothers Band, outra obsessão de muitos anos que havia mais de uma década que não lançava nenhum material de estúdio novo e que agora vinha com um petardo faiscante digno das melhores coisas feitas ainda na fase inicial. Veio-me até aquele clima de que o tempo pode passar, mas o que é bom permanece.

publicidade

Olha que não ando este otimismo todo não, muito pelo contrário, estou uma flor da obsessão, vejo tudo pelo lado negativo e o terrível pessimismo do filósofo romeno Emil Cioran anda parecendo Poliana perto dos meus papos.

Outro dia na rua do meu trabalho tinha um camelô vendendo apenas dois produtos apregoados aos berros no calçadão: veneno de rato e gilete. Fiquei estupefato, mas o que é isso? Esse homem devia estar preso por incitamento ao radicalismo contra o sem sentido da vida. Além do quê tinha um aspecto sombrio de Igor de filme de Drácula e oferecia seus produtos com um olhar de cumplicidade com o desespero alheio. Um perigo! Passei batido, já que a coisa não chega a tanto e está mais para exagero do que fim de mundo mesmo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


O que tem o Steely Dan a ver com esta lenga lenga existencialista? Tudo, pois ouvir um disco da dupla antes de qualquer coisa é um espanta baixo astral, um convite ao prazer e uma eterna dúvida se o que era perfeito pode se manter ao longo do tempo.


Esta é a grande cobrança e questão. Ao ouvirmos um trabalho novo de Becker & Fagen, invariavelmente vamos comparar com as obras primas anteriores e é aí que mora o perigo, pois pode nos tirar a paciência para descobrir algumas pepitas ocultas no estranhamento que as novas músicas podem ocasionar. Uma levada interessante nos ancestrais Fender Rodhes de Fagen ou um solo beliscado na guitarra de Becker muitas vezes só serão percebidos lá pela terceira escutada, de preferência roncando nos fones. A cobrança pela perfeição é desesperante, quase sempre paralisa, congela no excesso de sal, vira estátua de si mesmo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando saiu o disco anterior (2000) chamado "Two Against Nature", a babação foi generalizada. Nunca ganharam tantos prêmios (o Grammy inclusive) e os fãs estavam extasiados com o retorno da banda aos estúdios depois de vinte anos sem gravar nada novo. Isto pode ser conferido no excelente DVD da excursão de lançamento do trabalho. Mas conheço uma série de pessoas que odiaram o disco após uma única escutada. De tanto tempo ouvindo os velhos hits não admitiam trair suas preferências com as novidades. Mais do mesmo este era o lema.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Qual a novidade que traz o novo "Everything must go"? Aparentemente nenhuma, muito pelo contrário, estão lá as guitarras beliscantes, as quebradas soft funk, as perguntas e respostas do coro nos refrões, os sopros bem arranjados pontuando os riffs "ganchudos" ou seja, tudo aquilo com que estamos acostumados, belas melodias etc.

Um "rodrigueano idiota da objetividade" diria: Pois então? É mais do mesmo confere? Sim e não responderia. Pois o disco cresce a cada audição e se alguma previsibilidade na forma se faz presente, ao mesmo tempo se percebe a eterna busca no polimento dos arranjos, nos vocais bem colocados e nos faíscantes solos de guitarra (marca registrada do grupo).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um eterno perigo que sempre rondou a banda foi a identificação por ouvidos mais apressados com um padrão smooth jazz FM ideal para ilustrar propaganda de Xampu, Leite desnatado, animar festinha de advogados emergentes ou publicitários de blazer e barba de três dias.

Esta busca obsessiva do groove perfeito leva também a algumas encruzilhadas e muitas vezes parece que vamos ouvir a mesma saída para alguns impasses, mas como uma centelha, aparece a solução em uma variação ou mesmo num esparramado solo de guitarra ou sintetizador. Ou seja, o que aparentemente parece simples e banal é fruto de uma visão bem sofisticada.

Afinal tenho que responder: O disco é bom? É muito bom. Está a altura dos clássicos como "Royal Scam" ou "Pretzel Logic"? Acredito que não, mas isto não me tirou o prazer de conferir um excelente duelo de solos em "Green Book", as letras sarcásticas e cínicas, o bom gosto no uso de alguns elementos anacrônicos, a altíssima precisão na execução, fiquei satisfeito com o resultado final. Entretanto, acredito que numa perspectiva histórica este não ficará entre os grandes discos do Steely Dan.



Já no disco dos Allman a coisa é um pouco, ou muito diferente. Os caras simplesmente depois de quase quarenta anos de atividade gravaram um de seus melhores trabalhos. Parece que a saída de Dickey Betts, que andava rasgando dinheiro, cuspindo em santo e cantando a sogra, fez um bem danado à música deles. Sem a sombra do caipira marrento (Betts), Greg Allman esqueceu que se seus cabelos não são mais o ó, a voz continua a mesma, só que curtida em trinta anos de barris de carvalho. Warren Haynes (será heresia?) não faz feio nem à memória do sempre saudoso Duanne Allman - antes que comecem a dizer "interna, interna o esclerosado!" eu desafio e recomendo: ouçam e me digam se Derek Trucks não está tocando o fino também, se o velho Hammond de Gregg não esqueceu de vez as facilidades pops e se um som que cultua o passado no formato não aponta para o futuro por sua extrema qualidade?


O nome do disco é "Hittin' the Note" e tem tudo aquilo que havia de melhor na velha Allman Brothers Band dos anos 70. Desde o bluesão irado e rasgado ("Desdemona" e "Heart of Stone"), a linda balada country ("Old before my time") onde slides deslizantes passeiam entre a voz de mormaço de Mr Allman; guitarradas vigorosas ("Who to believe"), uma maravilhosa versão de "Maydell" (Haynes) antes gravada por John Mayall e a eterna busca de repetir a climática "In Memory of Elizabeth Read" que desta vez chegou perto na instrumental "Illness", uma peça jazzy de doze minutos onde todo mundo mostra o que sabe e Haynes emula um Duanne imemorial gemendo seu slide pra cima e para baixo, com o Hammond pontuando as quebradas.

Dezoito entre dez críticas a este disco dizem ser o melhor desde "Brothers and Sisters" gravado em 73 e por aqui não vai se contestar isso. Apesar de gostar muito do "Shades of Two worlds" de 91, não há termo de comparação. Este sim estará entre os melhores de todos os discos da Allman Brothers Band.


Eu que acompanho as duas bandas há mais de vinte anos fico feliz de ver tanto vigor onde poderiam existir apenas turnês caça-níquel. Os caras estão em forma e se o senso comum pede sempre mais do mesmo, porque não? Se esse mesmo se renova ao manter a maestria, ao invés de querer inventar a roda uma vez por ano e acabar rodando quadrado, esta turma resolveu percorrer velhas estradas sem deixar de perceber o encanto de algumas novidades que tornam tudo diferente. O duelo de slides acústicos ao som das botas em "Old friends" do disco dos Allman e a primeira entrada do coro em "The Last Mall" do Steely Dan faz esquecer de vez o vendedor de veneno e gilete. Dá uma vontade danada de desligar o celular e botar o carro pra rodar em estrada vazia. Sem rumo e com uma só certeza, se melhorar estraga!

publicidade


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da históriaOn The Road
Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.On The Road
Jim Morrison, uma ode a L.A.

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Num muro dos anos 70On The Road
Num muro dos anos 70

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Joni Mitchell e Charlie MingusOn The Road
Joni Mitchell e Charlie Mingus

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Mais gigantes do Soul JazzOn The Road
Mais gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Mahavishnu Orchestra e a YogaOn The Road
Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Colecionadores de discos e de calcinhasColecionadores de discos e de calcinhas

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Separados no nascimento: Robert Plant e Patrícia PillarSeparados no nascimento
Robert Plant e Patrícia Pillar

Separados no nascimento: Eddie e Seu MadrugaSeparados no nascimento
Eddie e Seu Madruga


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Cli336 WhiFin Cli336 Cli336 Cli336 Cli336 CliHo WhiFin