John Mayall e o restaurante Indonésio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Comentários  | 


Nascido no longínquo ano de 1933, John Mayall assim como Alexis Korner, podem ser considerados os avôs do blues-rock inglês. Se Luciano Huck tem uma fazenda de bundas escondida em algum lugar do país, Mayall com certeza tem uma de guitarristas perto de Londres. É só sacar o time que já passou por seu antológico grupo (Bluesbreakers) para ver se tenho ou não razão: Eric Clapton, Peter Green, Mick Taylor, Coco Montoya e muitos outros colocaram seus instrumentos a serviço deste grande talento, que soube como poucos, unir as raízes do blues ao tempero do Jazz, em meio a muito rock'n'roll.
5000 acessosEm 28/12/2009: Morre Jimmy "The Rev" Sullivan, do Avenged Sevenfold5000 acessosRoadrunner: os álbuns mais desprezados de todos os tempos

Sempre ouvi falar muito em John Mayall, principalmente aquela história do disco perfeito, com Clapton, que havia largado os Yardbirds (onde era Deus) para encarar sua devoção pelo blues. Assim que encontrei, comprei este clássico, e para ser sincero, estava mais interessado no Clapton do que no resto. Tempos depois, me caiu nas mãos uma coletânea dupla da fase mais Jazz (1969/1974) e aí a coisa complicou muito. Virei fanático de carteirinha e tinha os discos: Jazz blues Fusion, Memories, Turning point e outros na minha cabeceira ouvindo dia e noite aquela perfeita fusão de climas, onde sempre havia uma gaitinha maravilhosa (Mayall), um naipe de sopros desconcertante e um guitarrista absurdo, sem falar no vocal característico do homem.

Os discos de várias fases foram se acumulando ao longo dos anos (Mayall gravou muito) e cada um que saía eu comprava logo.

Um belo dia tenho a notícia de que o Free Jazz traria ao Rio de Janeiro John Mayall e seus Bluesbreakers, com o estupendo Coco Montoya pilotando as guitarras, na excursão de seu disco Chicago Line. E para piorar a situação, tocariam no mesmo dia que o seminal John Lee Hoocker (O Nelson Cavaquinho de lá). Nem preciso dizer que quando abriu a bilheteria eu estava me estapeando com outro maluco para ver quem comprava o melhor ingresso.

Os tabefes valeram a pena e o show foi uma das melhores coisas que já assisti. Fizeram uma Jam com o próprio John Lee Hooker simplesmente inesquecível e Coco Montoya estava com a "macaca", só faltando fazer chover dentro do antigo Hotel Nacional. Saí de alma lavada, ensaboada e enxagüada. Até hoje lembro dos duelos de harmônica e guitarra e dos climas de Mayall nos teclados.

Muitas foram as lendas do pós-show. Teve gente que viu o homem, que fazia a linha bicho grilo ancestral, dando um rolê de madrugada pelo Baixo Leblon tomando algumas. Saiu uma história no Jornal que ele havia pedido todo o cachê em grana viva depois do show. Após a entrega da pacoteira de notas o maluco beleza tirou o sapato, e guardou a dinheirama no bolso, embrulhada na meia, para horror e espanto da produtora. Se foi verdade eu não sei, mas que saiu no jornal saiu.

Alguns anos depois assisti um outro concerto (Morro da Urca - Rio) da excursão do disco Spinning Coin com Buddy Whittington no lugar de Montoya, foi legal, mas bem inferior ao anterior.O que valeu é que quase peguei o bondinho de descida junto com o ídolo. Tentei procurar a meia para ver se caía um qualquer, mas o cara estava de sandália. Será que levou o cano?


Destas histórias com John Mayall, tem uma que é puro anticlímax e uma tremenda pagação de mico. Estava eu e minha mulher Paula dando umas voltas em Amsterdã olhando aqueles bares que servem de tudo em muita quantidade (o holandês tem três paixões na vida: o futebol, as tulipas e o cânhamo, se é que vocês me entendem) e eis que num boteco transadíssimo vejo aquela plaquinha com foto: "Hoje tem John Mayall". Quase tive um piripaque e Paula segurou a síndrome de macaca de auditório que fiquei dando na porta do bar, sugerindo que fôssemos ver mais uns quatrocentos e cinqüenta Mondrians, uns oitocentos Van Goghs e depois fôssemos jantar num pitoresco restaurante Indonésio antes de encarar o blues de frente.

Quando chegamos no Indonésio, a precariedade de meu inglês fez o garçom china pau entender que eu queria o prato super completíssimo e vieram montoeiras de potinhos de cerâmica com umas coisinhas apimentadas dentro. Pedi logo umas Heineken geladas pra rebater e caí dentro dos potinhos sem nenhum cuidado e auto estima (como sempre). Paula olhou de longe, comeu uns dois biscoitinhos, bebericou uma água e parou, comentando o Mondrian da tarde, enquanto pra fazer jus aos meus suados dólares desperdiçados eu comia de tudo um muito. Até que no meio daquilo tudo, dei de frente com um potinho mínimo, com uma carne escura dentro. Antes que ela pudesse iniciar o "não faz isso com você" eu mandei bala e senti o repuxo...

Parecia que eu estava sorvendo o chumbo derretido que habita o rio do inferno de Dante. Nem as milhares de Heineken que tomei deram jeito. O ar começou a faltar e pedi a conta, sem voz, todo vermelho, cheio de placas no pescoço. O China pau trouxe com uma irritante expressão de ironia e saí de lá a beira de um ataque de nervos ou de uma cama de hospital. Resumo da Ópera: que John Mayall que nada. Passei a noite gemendo e suando na cama do hotel.


Para ilustrar o mico histórico estou mandando uma foto de alguns momentos antes de acharmos o bar onde iria ver John Mayall de pertinho tocando. Não é por nada não, mas tem varias noites que tenho pesadelos com a cara daquele garçom Indonésio, rindo com a conta estendida para mim. A trilha sonora, John Mayall é claro (pelo menos isto).

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

On The Road

3539 acessosJimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes3778 acessosJohn Paul Jones & Zooma1271 acessosOn The Road2540 acessosAndy Warhol & Velvet Underground463 acessosJoe Jackson - Heaven & Hell4046 acessosJim Morrison - Ode a LA5000 acessosJerry Garcia - O Anti-Super-Star2151 acessosThe 70's - E um pouco sobre Gregg Allman5000 acessosAllman Brothers Band - ainda The 70s1740 acessosThe 80's - e um pouco sobre Ian Curtis903 acessosJorge Mautner2322 acessosTommy Bolin: sua morte prematura foi uma perda incalculável2670 acessosChuva de Guitarras1582 acessosUma noite das Arábias5000 acessosGlam Rock: A vanguarda era ditada com muito cílio postiço2760 acessosPapo Lynyrd671 acessosMemória do Futuro1028 acessosFour de Ases4148 acessosPancadão Hendrixniano3953 acessosNum muro dos anos 702720 acessosSteely Dan - Pop Perfeito1381 acessosOs quatro CDs do Apocalipse1865 acessosJoni Mitchell & Charlie Mingus5000 acessosGigantes do Soul Jazz1211 acessosMais gigantes do Soul Jazz1159 acessosQuem lembra dos Supergrupos?2566 acessosMick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita2154 acessosColin Hodgkinson, biscoito fino no baixo4182 acessosAlguns atalhos para muitas viagens3054 acessosJohn Paul Jones - herói do Olimpo3822 acessosThe Shadows, a sombra de Hank Marvin1571 acessosColdplay e a franja do Fernando2439 acessosFunky Friends1055 acessosElogio do Ócio973 acessosConfissões Paulistas1308 acessosVelhas Novidades2984 acessosMahavishnu Orchestra e a Yoga2116 acessosAir - Moon Safari3870 acessosColecionadores de discos e de calcinhas4718 acessosHell's Angels, Punks, Verve2724 acessosPara onde vão Robert Fripp e os amestradores de focas?5000 acessosRimbaud e Morrison: A grande maioria passa pela vida imersa na multidão2261 acessosDr. John5000 acessosMais do Mesmo1158 acessosJorge Mautner e as Memórias do Filho do KAOS1569 acessosSoulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky5000 acessosRolling Stones - "Exile On Main Street"3991 acessosOn The Road - Menos é Mais5000 acessosOs 1001 discos para se ouvir antes de morrer2803 acessosJeff Beck: Economia e bom gosto, eis a conseqüência3269 acessosOn The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk1977 acessosOn The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras5000 acessosOn The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"510 acessosOn The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ569 acessosOn The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy1409 acessosOn The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"0 acessosTodas as matérias sobre "John Mayall"

Em 28/12/2009Em 28/12/2009
Morre o baterista Jimmy "The Rev" Sullivan

RoadrunnerRoadrunner
Os álbuns mais desprezados de todos os tempos

SemelhançasSemelhanças
Sou só eu, ou ele parece a Fernanda Lima?

5000 acessosSlash: "Sweet Child" é a coisa mais gay que alguém poderia compor5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosPink Floyd - Perguntas e Respostas5000 acessosMetallica, Guns, Slipknot, Kiss: tombos, erros e fatos engraçados5000 acessosTwisted Sister: Dee Snider chama Vince Neil de assassino4976 acessosAC/DC: "Eu sou o cara e vou voltar pra banda", diz Phil Rudd

Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online