Em 12/01/1969: Led Zeppelin lança seu disco de estreia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 


Pode parecer óbvio, mas o seminal álbum de estreia do LED ZEPPELIN, que chegou às lojas do Reino Unido no dia 12 de Janeiro de 1969, exatos 45 anos atrás, é um disco cheio de inovações, muito mais do que o ‘I’ atribuído popularmente a seu título hoje em dia pode adiantar.
4249 acessosBlend Guitar: os dez álbuns de Rock mais vendidos nos EUA5000 acessosHeavy Metal: os vinte melhores álbuns da década de 80

Ele pode não ter a estatura histórica de ‘Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band’ [e nada no rock tem tampouco], mas o petardo introdutório do Zep é o protótipo, e, portanto, ‘primeiro’ verdadeiro álbum de hard rock. Ele também poderia ser alcunhado como o primeiro disco pós anos 70, esteticamente falando, e é certamente um dos primeiros álbuns divisores de águas na música lançados depois da obra-prima ‘Technicolor’ dos Beatles que mudou, basicamente, tudo.

E pensar que, menos de seis meses antes, o guitarrista e líder do Led, JIMMY PAGE, ainda estava pensando no que fazer em relação aos esfacelados Yardbirds, e sua carreira como um todo. A fissura daquela outra grande banda, contudo, já vinha sendo anunciada fazia bastante tempo, e tornara-se oficial em agosto de 1968, quando Page ficou com apenas os direitos legais sobre o nome Yardbirds e a responsabilidade de recrutar novos músicos capazes de cumprir alguns shows já agendados na Escandinávia. A sequência de eventos que se seguiu rapidamente a isso ainda desafia a realidade.

Atente para a linha do tempo: em setembro, Page, o vocalista ROBERT PLANT, o baixista e tecladista JOHN PAUL JONES e o baterista JOHN BONHAM, encararam a turnê escandinava anunciados como ‘New Yardbirds’, ao mesmo tempo em que testavam material novo ao vivo e avaliavam sua química conjunta no palco. Em outubro, o grupo ainda sem nome estava ocupado gravando essas músicas novas nos Olympic Studios de Londres pela pechincha de 1782 libras, pacote fechado. Em novembro, e com a ajuda do contundente empresário PETER GRANT, o já batizado Led Zeppelin assinou um contrato histórico com a gravadora Atlantic Records, garantindo controle nunca antes visto sobre o direcionamento de sua carreira. Em dezembro, veio o Natal, e já em janeiro de 1969, ‘Led Zeppelin’ – o álbum – foi lançado em toda a Europa.

Redundante dizer que muito do apelo único do disco – tanto na época como agora – emana das inacreditavelmente voláteis condições sob as quais ele foi criado. Ele é permeado pela fonte da energia crua e espontânea que jorra de suas nove combustíveis faixas, e que determinou que ‘Led Zeppelin’ tornaria-se a medida de referência pela qual todos os futuros álbuns de rock seriam comparados. Não obstante, graças à liberdade criativa sem igual que Page exigira da Atlantic antes de rubricar seu nome com seus colegas de banda, aquelas mesmas nove faixas já revelavam uma banda disposta a adaptar música de todo tipo para seus objetivos de altos decibéis, e basta repassá-las em sequência para se dar conta disso.

Façamos isso. Há o trovão bruto de hard rock bruto [‘Good Times, Bad Times’], rock neofolk de temática sensível [‘Babe I’m Gonna Leave You’], blues do Delta luxurioso [‘You Shook Me’], rock artístico alucinógeno [‘Dazed and Confused’], desejos de vingança [‘Your Time Is Gonna Come’], folk irlandês instrumental percussivo [‘Black Mountain Side’], metal pós-garagem euforicamente pesado [‘Communication Breakdown’], e mais blues, tanto do tipo condensado [‘I Can’t Quit You Baby’] como do tipo tão primordial que quase se antecede ao embrião do rock, sob um paradigma poderoso e moderno [‘How Many More Times’].

Claramente, o modo como tudo isso abrangeu a alvorada de uma era do hard rock não deixa muito difícil conceber como tanta diversidade acabaria por se esgotar com o passar do tempo, assim como explica o fato de tão poucas bandas terem chegado perto de desafiar as incríveis versatilidade e facilidade do Led Zeppelin para misturar gêneros e transitar por vertentes da música do jeito que eles bem entendessem. Talvez tais acólitos, assim como a falta de talento conjunto e individual como o dos quatro membros da banda seja a causa de tantos tentarem, e nenhum conseguir.

Em qualquer caso, do ponto de vista prático, o sucesso sem precedentes de vendas de ‘Led Zeppelin’ [que chegou ao Top 10 do Reino Unido e dos EUA, onde fora lançado dois meses depois], provou ser um marco, como a história confirmaria depois. Em um único golpe, o álbum calou a boca dos críticos e revelou o enorme mercado existente para a música moderna, abrindo a porta para incontáveis bandas – desde o BLACK SABBATH até o DEEP PURPLE – para que essas acreditassem em sua viabilidade comercial e ajustassem seus amplificadores no máximo. Uma vez que tais barreiras cederam, o rock nunca mais seria o mesmo, mas alguém teve que ser o primeiro a fazê-lo, e esse alguém foi o Led Zeppelin, com o clássico que aniversaria hoje.

Texto original por Eduardo Rivadavia

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 12 de janeiro de 2015
Post de 12 de janeiro de 2017

Blend GuitarBlend Guitar
Os dez álbuns de Rock mais vendidos nos EUA

54 acessosEm 08/11/1971: Led Zeppelin lança o seu clássico quarto álbum1317 acessosJohn Frusciante: Carta manuscrita para Jimmy Page colocada à venda1665 acessosRobert Plant: ouça "Bones of Saints", do álbum "Carry Fire"700 acessosLed Zeppelin: em vídeo, análise vocal de Robert Plant787 acessosYardbirds: álbum de 1968 produzido por Jimmy Page sai em novembro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Led Zeppelin"

GibsonGibson
Nomes de cinco bandas antes da fama

The VoiceThe Voice
Cantora manda ver "Black Dog" na edição italiana

Rolling StoneRolling Stone
Leitores elegem Plant o melhor vocalista

0 acessosTodas as matérias da seção Fatos Importantes0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"

Heavy MetalHeavy Metal
Os vinte melhores álbuns da década de 80

PoisonPoison
Bret Michaels passa o cambão na mãe da Hannah Montana?

Temperatura MáximaTemperatura Máxima
As atrizes pornôs que incendiaram o cenário Rock

5000 acessosBandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco5000 acessosNinguém é perfeito: os filhos "bastardos" de pais famosos5000 acessosSebastian Bach: descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo4874 acessosAerosmith: conheça mais sobre a lei Steven Tyler5000 acessosOzzy Osbourne: a última conversa com Lemmy Kilmister5000 acessosRock e Metal: dez vocalistas cujas vozes nunca envelheceram

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online