On The Road: Joni Mitchell e Charlie Mingus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Do que andei ouvindo esta semana, uma coisa me marcou profundamente: o álbum de 1980 de Joni Mitchell chamado "Shadows & Light" que reúne os concertos de sua fase mais jazzy com uma banda de colocar os cabelos em pé. Lembrei logo do disco gravado com Charlie Mingus, que tanto ouvi na época, quando a musa dentuça letrou algumas das maiores pérolas deste gênio, que estava no fim da viagem e acompanhou tudo numa cadeira de rodas. Nestes tempos bicudos e insalubres me veio à lembrança a sentença: "God must be a Boogie Man!"

Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterRenato Russo: a história do maior nome do rock nacional

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tudo começou quando meu amigo e "enfant terrible" Fernandinho Andrade me chegou com uma expressão apocalíptica e diagnosticou: "Este fim de mundo está te fazendo mal, você precisa ouvir as mulheres, você precisa ouvir as mulheres", repetiu com o olhar beatífico, como se fosse um personagem de Nelson Rodrigues. Isto dito, me entregou, quase tremendo, um bálsamo para moribundo: dois cds da Joni Mitchell, não sem antes relatar detalhes mínimos das lendárias coxas que a musa do folk jazz dos 60 possuía então. Fiquei um tanto perplexo com a performance e olhei os títulos: uma coletânea bastante abrangente (hits) e o álbum duplo ao vivo chamado "Shadows & Light". Após deixar meu amigo embebido no auge dos hormônios descritivos, onde cada caso com cada Crosby, Still, Nash & Young foi relatado com os detalhes picantes e picarescos que lhe são peculiares, ainda o ouvi na esquina enquanto me afastava: "Presta atenção na banda! Está à altura das coxas". Diante disto, parei na rua mesmo e abri o cd como se fosse a última edição da Playboy e estava lá: Pat Metheny (guitarra) Lyle Mays (teclados) Michael Brecker (sax), Jaco Pastorious (baixo) e Don Alias (bateria) - realmente uma indecência de boa esta banda...

Nunca fui um fã muito entusiasmado de folk bitter sweet, coisas como James Taylor, Carole King etc... Sempre tiveram meu respeito, mas uma certa distância do meu toca disco. Lembrava-me de Joni Mitchell cantando "Coyote" e fazendo dueto com Neil Young no filme despedida do The Band e era só até me cair na mão no início dos anos 80 o famoso disco feito em parceria com Charlie Mingus, onde Pastorius como de costume só faltava fazer chover em suas surpreendentes linhas de baixo.

Quando este disco foi gravado, Mingus estava paralisado em uma cadeira de rodas e aparece em várias gravações de diálogos entremeando seus clássicos e algumas músicas originais, além de Pastorious, Wayne Shorter e Herbie Hancock dando suporte. A versão de sua homenagem a Lester Young, "Goodbye Pork Pie Hat", ganhou uma bela letra e um solo de baixo inesquecível.



Charlie Mingus (1922/1979) foi um dos maiores gênios musicais de seu tempo. Sua música transcendeu o Jazz. Sua maneira de compor, bastante peculiar, muitas vezes constava de estímulos ao improviso onde cada componente de sua banda participava com um trecho que era substituído por outro com o controle à distancia, mas preciso, de mestre Mingus. Quem ouvir "Mingus Ah Um" (1959), "Pithecanthropus Erectus" (1956) ou o fantástico "Tijuana Moods" (1957) vai entender na hora o que estou falando.

Doidão notório, era um glutão, biriteiro e alucinado de todas as drogas possíveis. Sua autobiografia chamada "Beneath the Under Dog" é de leitura obrigatória pra todo mundo que tenha ouvidos e coração abertos. Têm de tudo um pouco, exploração de mulheres (cafetinagem brava), lembranças dos amigos, opiniões importantes e sensíveis sobre musica - uma geléia geral, assim como é a vida mesmo.


Passei muitos anos ouvindo quase que diariamente o álbum duplo "Tijuana Moods" gravado numa balada forte em Tijuana (México) onde no meio de mulheres caras, Tequila e Marijuana baratas (não necessariamente nesta ordem) ele perpetrou uma verdadeira obra prima. O mais interessante é que os dois discos possuem as mesmas músicas em versões diferentes, onde não tem nem pior nem melhor, só ouro puro, e fica claro seu método investigativo de composição. Quando morreu, teve suas cinzas jogadas no rio Ganges na Índia por seus amigos. Uma justa homenagem a este iogue do excesso.



Pois então, com este clima e estas lembranças, coloquei o cd da Joni Mitchell prá tocar. Para início de conversa, com uma banda desta era impossível ser ruim não é? Não tem ninguém mais ou menos, só monstro sagrado e os caras correspondem à expectativa. O que Pat Metheny, Lyle Mays, Michael Brecker, Don Alias e principalmente Jaco Pastorious fazem é uma coisa muito séria. Joni Mitchell com esse suporte mantém o clima em alta voltagem com lugar para muitos solos em composições muito inspiradas.

Segue o que tem dentro:

Disco 1
1- Introduction
2- In France they Kiss on Main Street
3- Edith and the Kingpin
4- Coyote
5- Goodbye Pork Pie Hat
6- The Dry Cleaner from Des Moines
7- Amelia
8- Pat's solo
9- Hejira

Disco 2
1- Black Crow
2- Don's Solo
3- Dream land
4- Free Man in Paris
5- Band Introduction
6- Fury sings the Blues
7- Why do fools fall in love
8- Shadows & Light
9- God must be a boogie Man
10-Woodstock


Roberta Joan Anderson (1943) nasceu no Canadá e só começou a usar o nome que a tornou mundialmente famosa quando fez dupla com seu primeiro marido (Chuck Mitchell) e se tornou a sensação do meio folk cabeça nova iorquino para onde foi depois de seu divórcio. Musa absoluta da Woodstock generation, freqüentou os corações e mentes de ídolos da época como Crosby Stills Nash & Young e Bob Dylan (que gravou seu hit "Big Yellow Táxi"). Manteve o tom introspectivo de grande talento até meados dos anos 70 quando começou seu flerte com o Jazz que durou até este disco que estamos comentando.

Poetiza e pintora de talento (desenhou algumas capas famosas) Joni Mitchell em sua fase posterior não me agrada tanto. Mas este ao vivo com certeza está entre aqueles de ouvir sempre.


Parece que o meu amigo conseguiu o que queria. Esta dobradinha Mitchell e Mingus é pra acabar com qualquer fundamentalismo dogmático. Se os baixos de Charlie e Jaco se foram há algum tempo, nos deixaram o fervor de sua música marcando o tempo no compasso de seus gênios. Afinal, como já foi dito por eles e por aqui: "God must be a Boggie Man!"


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da históriaOn The Road
Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.On The Road
Jim Morrison, uma ode a L.A.

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Num muro dos anos 70On The Road
Num muro dos anos 70

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Mais gigantes do Soul JazzOn The Road
Mais gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Velhas NovidadesOn The Road
Velhas Novidades

On The Road: Mahavishnu Orchestra e a YogaOn The Road
Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Colecionadores de discos e de calcinhasColecionadores de discos e de calcinhas

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "On The Road"Todas as matérias sobre "Joni Mitchell"Todas as matérias sobre "Charlie Mingus"Todas as matérias sobre "Jaco Pastorius"


Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterManowar
O dia em que a banda arregou pro Twisted Sister

Renato Russo: a história do maior nome do rock nacionalRenato Russo
A história do maior nome do rock nacional


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

adGoo336