Four de Ases

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Os anos 60 foram pródigos em um tipo de personagem que está cada vez mais raro. Com um teclado na mão e uma orquestra inteira na cabeça, eram chamados de "supersession mans", ou seja, produziam, tocavam e muitas vezes concebiam toda a proposta musical de muita gente boa daquela época. Naquele clima de "bater o córner e correr pra cabecear" esses caras fizeram de tudo um pouco em quase sempre brilhantes carreiras solo. Existiram outros, mas vamos falar por aqui de um four de ases que é bem representativo. Com vocês: Dr.John, Leon Russell, Billy Preston e Al Kooper.

5000 acessosÁlbuns: os vinte piores discos de todos os tempos5000 acessosVitão Bonesso: A imensa coleção do apresentador do Backstage


DR JOHN - Nascido Malcolm John Rebennack em 1941, no caldeirão cultural de New Orleans; ainda adolescente gravou com gente como Fats Domino e Professor Long Hair, e mais tarde com Sam Cooke e Sonny & Cher. Seu primeiro álbum solo (Gris - 1968) trazia uma interessante mistura de cantos "creole", Jazz de New Orleans e psicodelismo. O de 71 (Sun, Moon & Herbs) conta com o auxílio luxuoso de Clapton e Jagger. No meio de tudo isso deu uma pirada e assumiu o personagem encosto DR John que promoveu o encontro do rock com o voodoo.

Dizer que gosto de Dr. John é pouco, me lembro ainda hoje a primeira vez que vi (ouvi) a peça, no filme despedida do The Band, o "Last Waltz", onde ele aparece e detona num pianinho biriteiro no clássico "Such a Night", simplesmente inesquecível. Daí em diante comprei uma montoeira de discos e adorei todos eles. Essa mistura de Jazz com música tradicional de New Orleans e rock'n'roll é muito estimulante. Não assisti o show do Free Jazz, mas um amigo me contou que foi ótimo e que o sujeito é estranhíssimo, cheio de patuás, caveirinhas e outros badulaques macumbeiros.

Pra quem não conhece, recomendo: "Gumbo", "Back to New Orleans" e "In a Sentimental Mood", que são meus preferidos, mas tem outros ótimos também. Se ficar com medo, é só cantar pra subir que o clima desanuvia. Salve Dr.João. Axé Baba'.


LEON RUSSEL - Talvez de todos os quatro este seja meu preferido. Sou fã de carteirinha de tudo que Leon Russell fez nos anos 70. Depois disso o caldo desandou e hoje parece um fantasma grisalho de si mesmo fazendo uns disquinhos fracos distribuídos precariamente pelos EUA. Mas nem sempre foi assim. Entre 68 e 73, nove entre dez estrelas do rock'n'roll utilizavam seu enorme talento de compositor, arranjador e produtor.

Nasceu também em 41 em Lawton Oklahoma e se criou na Goiânia de lá, Tulsa, se entupindo de Country Music até 58 quando passou a acompanhar ninguém menos que Jerry Lee Lewis, que influenciou seu piano de forma marcante pra todo sempre. Outra lenda viva dos estúdios, Phil Spector, o utilizou em várias gravações. É seu o piano de "Mr Tambourine Man" do The Byrds.

Depois disso os históricos encontros com Delaney & Bonnie, Marc Benno e as parcerias com Joe Coker (Mad Dog & Englishman), Clapton e mais uma montoeira de gente. São clássicas suas participações no "Concerto em Bangladesh" e da alucinada excursão com Joe Coker. Seu primeiro álbum solo é uma obra prima instantânea e traz standarts como "Song for You" e "Delta Lady" e as participações de Clapton, Steve Winwood e George Harrison.

Leon Russell escreveu muitos dos grandes hits dos anos 70 e foi um enorme sucesso na voz de outros interpretes: "Song For You" (Ray Charles), "This Masquarede" (George Benson, Carpenters), "Hummingbird" (B.B.King).

Ainda hoje é um enorme prazer escutar estes álbuns de Leon Russell, o que faço sempre que posso. Sua figura parecendo um urtigão hippie com cabelão e barba branca e cartola é um dos ícones da época.

Assisti o homem aqui no Rio em 88 com Edgar Winter e foi simplesmente genial. Apesar de estar estranhíssimo - não mexia um milímetro a cabeça (?) e usava uma hilária calça de tergal com uma camisa daquelas de turista havaiano, tocou e cantou muito dos seus sucessos me levando aos céus.
Não tem errada. Quer agradar num fim de noite? É só colocar um Leon Russell, de leve, que tudo acontece.


BILLY PRESTON - Outra fera dos estúdios, Billy Preston também começou com um roqueiro dos primórdios quando acompanhou a "santa" Ricardinho (Little Richard) e os geniais soulmans Sam Cooke e Ray Charles. Tocou com os Beatles (Let it Be), George Harrison e mais uma multidão de gente.

Sua pegada no piano e no hammond são inconfundíveis e sensacionais. Também tocou no histórico concerto de Bangladesh. Algumas de suas composições são clássicos da época como "You Are So Beatiful". Tocou também com os Stones, ou seja, o homem estava em todas.

Tenho alguns discos de Billy Preston que são ótimos. Tem um clima soul refrescante que permanece apesar de tanto tempo. Vale a pena dar uma conferida.


AL KOOPER - Esse é uma espécie de "Forrest Gump do Rock", esteve em todas as paradas. Se pegarmos qualquer foto importante da época e formos olhar lá no fundo certamente tem Al Kooper aparecendo. Foi o tecladista dos primeiros álbuns elétricos de Dylan, líder do Blues Project, inventor do Blood Sweat & Tears, produtor de Lynyrd Skynyrd e The Tubes e de mais um monte de gente, além de ter gravado dois álbuns clássicos com Mike Bloomfield (Supersession e Live Adventures). Tocou com os Stones (Let it Bleed) e Hendrix (Eletric Ladyland) e acumulou milhares de histórias pra contar (adoraria ouvir).

Adoro também seu trabalho solo (muito pouco conhecido por aqui, é uma dificuldade achar um disco pra comprar) com músicas brilhantes e arranjos primorosos de um dos grandes desconhecidos do rock. Seu site é muito interessante, cheio de casos e fotos da época onde sempre se fica no clima "onde está Wally (Al)?" No meio dos astros. Pra quem não conhece fica a recomendação da audição urgente.

Pois é, tirando o Dr.John que está sempre lançando novidade, este time anda meio parado e esquecido. Transbordaram criatividade nos anos 70 e agora muita gente nem sabe quem foram. Vale a pena dar uma conferida no que andou fazendo esta turma na época. Os relançamentos em cd estão aí pra facilitar a empreitada. E cá entre nós, não há quem possa com um four de ases não é mesmo?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

On The Road

3524 acessosJimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes3774 acessosJohn Paul Jones & Zooma1270 acessosOn The Road2539 acessosAndy Warhol & Velvet Underground461 acessosJoe Jackson - Heaven & Hell4045 acessosJim Morrison - Ode a LA5000 acessosJerry Garcia - O Anti-Super-Star2150 acessosThe 70's - E um pouco sobre Gregg Allman5000 acessosAllman Brothers Band - ainda The 70s1737 acessosThe 80's - e um pouco sobre Ian Curtis902 acessosJorge Mautner2319 acessosTommy Bolin: sua morte prematura foi uma perda incalculável2668 acessosChuva de Guitarras1200 acessosJohn Mayall e o restaurante Indonésio1581 acessosUma noite das Arábias5000 acessosGlam Rock: A vanguarda era ditada com muito cílio postiço2755 acessosPapo Lynyrd671 acessosMemória do Futuro4141 acessosPancadão Hendrixniano3950 acessosNum muro dos anos 702711 acessosSteely Dan - Pop Perfeito1379 acessosOs quatro CDs do Apocalipse1862 acessosJoni Mitchell & Charlie Mingus5000 acessosGigantes do Soul Jazz1211 acessosMais gigantes do Soul Jazz1156 acessosQuem lembra dos Supergrupos?2564 acessosMick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita2151 acessosColin Hodgkinson, biscoito fino no baixo4177 acessosAlguns atalhos para muitas viagens3048 acessosJohn Paul Jones - herói do Olimpo3813 acessosThe Shadows, a sombra de Hank Marvin1569 acessosColdplay e a franja do Fernando2439 acessosFunky Friends1054 acessosElogio do Ócio973 acessosConfissões Paulistas1308 acessosVelhas Novidades2980 acessosMahavishnu Orchestra e a Yoga2114 acessosAir - Moon Safari3864 acessosColecionadores de discos e de calcinhas4717 acessosHell's Angels, Punks, Verve2724 acessosPara onde vão Robert Fripp e os amestradores de focas?5000 acessosRimbaud e Morrison: A grande maioria passa pela vida imersa na multidão2260 acessosDr. John5000 acessosMais do Mesmo1156 acessosJorge Mautner e as Memórias do Filho do KAOS1569 acessosSoulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky5000 acessosRolling Stones - "Exile On Main Street"3991 acessosOn The Road - Menos é Mais5000 acessosOs 1001 discos para se ouvir antes de morrer2801 acessosJeff Beck: Economia e bom gosto, eis a conseqüência3269 acessosOn The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk1974 acessosOn The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras5000 acessosOn The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"509 acessosOn The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ567 acessosOn The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy1405 acessosOn The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"

ÁlbunsÁlbuns
Os vinte piores discos de todos os tempos

Collectors RoomCollectors Room
A imensa coleção do apresentador Vitão Bonesso

Papai TruezãoPapai Truezão
Astros do Heavy Metal em fotos com seus filhos

5000 acessosUncut Magazine: fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink Floyd5000 acessosFãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada um5000 acessosPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros5000 acessosSolos: Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal4252 acessosIron Maiden: uma versão de "The Trooper" peidando com as mãos5000 acessosBlack Label Society: Zakk explica programa de um passo

Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online