Ocultan: divisor de águas no Black Metal brasileiro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcio Baraldi
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Ocultan é, de longe, a banda de black metal mais organizada e produtiva do Brasil e da América Latina. Administrada com extremo profissionalismo pelo casal Count Imperium (bateria) e Lady of Blood (guitarra), o grupo cresce a cada ano tal qual uma empresa bem gerida.

Censura: 53 nomes que você não pode dizer em uma rádioRafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio

Um dos segredos desse sucesso é, sem dúvida, a multi-talentosa e determinada Lady, que além de guitarrista e principal compositora do Ocultan, também é a responsável pelas roupas e visual espetacular do grupo, pelas capas de quase todos os discos e ainda atua como uma rígida diretora de arte do conjunto.

Aliás, a palavra "arte" cai como uma luva para o conjunto, que tem nada menos que três artistas gráficos em sua formação: além da chefona Lady, o vocalista Legacy e o recém-admitido baixista Hellcaller, que vieram dividir com a patroa a arte dos discos e do site (www.ocultan.com).

Se você é daqueles que tem uma imagem negativa sobre as bandas black está na hora de rever seus (pré)conceitos. Nesta entrevista exclusiva a Comando Rock, o baterista e fundador do Ocultan, Count Imperium, chuta para longe o estigma de carrancudo do black metal, mostra ótimo humor e prova mais uma vez porque o Ocultan é um verdadeiro divisor de águas no black nacional e, porque não dizer, mundial! De quebra fala do novo disco "Regnum Infernalis" e do lançamento do tão esperado primeiro DVD, aliás o primeiríssimo de uma banda black no Brasil! Apaguem as luzes e acendam as velas do pentagrama que as vozes ocultas vão se manifestar!

Comando Rock: O Ocultan vai completar 15 anos no ano que vem. Vão fazer algo bacana para comemorar a data?

Count Imperium: Seria muito bom realizar um show comemorativo bem no ano que a banda estará completando 15 anos! Só que antes temos outras prioridades, como a gravação do nosso primeiro DVD que deverá ser durante a apresentação que faremos este mês em Belo Horizonte. Após finalizarmos as gravações, divulgaremos a data de seu lançamento, pois queremos disponibilizar este material para o público ainda este ano. O que posso adiantar é que queremos produzir um DVD de nível internacional. Além de dar tudo de nós, vamos trabalhar com muita calma para podermos obter um grande resultado final.

Comando Rock: O Ocultan é a banda de black metal mais organizada e prolífica do Brasil.Você acredita que esta organização se deve ao fato de você e a Lady of Blood serem casados e, portanto, administrarem a banda juntos como uma empresa familiar?

Count Imperium: Esse fator pode ajudar um pouco sim, pois sempre que podemos procuramos conversar no dia-a-dia sobre assuntos relacionados ao Ocultan e desses diálogos sempre acabam surgindo novas idéias que futuramente são compartilhadas com os outros integrantes.

Comando Rock: Como dividem as tarefas na banda? Sei que você cuida da gravadora (Pazuzu Records) e o vocalista Legacy cuida do site da banda. E os demais?

Count Imperium: Além de cuidar da distribuição e divulgação de nossos materiais, também componho a maioria de nossas letras. O Legacy cuida dos e-mails, é o webmaster do site e contribui no desenvolvimento das artes e ilustrações que fazem parte de nossos materiais. A Lady of Blood até então era a pessoa responsável por cuidar do design gráfico de nossos materiais de divulgação e do site. Após a entrada do novo baixista Magnus Hellcaller, a Lady passou a dividir as tarefas com ele já que o Magnus também tem um grande talento como designer gráfico.

Comando Rock: O novo disco Regnum Infernalis é, de longe, o melhor disco do Ocultan. Vocês estão satisfeitos com o resultado? Se sentem no auge da maturidade musical e pessoal?

Count Imperium: Realmente o Regnum acabou tendo um excelente resultado final tanto em sua parte musical quanto gráfica! Não tenho dúvidas em afirmar que atravessamos o melhor momento de nossa carreira. Hoje em dia enxergamos as coisas de forma bem diferente do que há oito ou nove anos. Achamos muito importante evoluir a cada disco lançado. Não pensamos como a maioria das bandas que atinge um limite e depois se acomoda. Por mais que as coisas estejam indo bem não podemos nos acomodar. Sempre estaremos em busca de novos horizontes.

Comando Rock: Muitas bandas, depois de 15 anos de estrada, perdem o pique e caem de qualidade. Com vocês está sendo o contrário: estão gravando discos cada vez melhores. Qual o segredo para estarem com o pique todo depois de tantos anos?

Count Imperium: O principal segredo é fazer o que você realmente gosta! Um fato que acontece com algumas bandas é que, com o passar do tempo, seus integrantes passam a mudar seu gosto musical e a conseqüência disso é uma mistura de estilos que não se combinam. Ou então os integrantes continuam mantendo o estilo mesmo sem gostar mais do que fazem. Com isso a banda começa a lançar um disco pior que o outro.

Comando Rock: Pessoalmente achei muito boa a entrada do Legacy no vocal. Além de cantar muito bem, o visual dele a la "Alice Cooper from Hell" deu um outro nível teatral para o Ocultan. A banda estava com carecas demais, não acha (risos)?

Count Imperium: O Legacy se encaixou perfeitamente com a atual proposta musical do Ocultan. Além de possuir um poderoso vocal, ele também se preocupa muito com seu visual. Acho isso muito importante, ainda mais se tratando de uma banda de black metal. Realmente a era dos carecas no Ocultan está acabando... Agora eu sou o único (risos)!

Comando Rock: A maioria dos grupos de black metal nacional importa o modelo estrangeiro e fica repetindo aquele blá-blá-blá surrado sobre satanás, que é criação da Igreja européia. Vocês tiveram a sacada de misturar religião afro-brasileira no seu som. Acredita que isso deu um grande diferencial entre vocês e os demais?

Count Imperium: Sem Dúvida! Acho que dentro do cenário black metal temos ótimas bandas, mas que em sua maioria acabam se prendendo muito a esses conceitos de que para se tocar black metal a banda tem de falar sobre satã em suas letras. Particularmente acho isso uma falta de cultura, pois hoje em dia temos muitas fontes de pesquisas. Já está mais do que claro que essa conversa de satã ou satanás não passa de uma criação da Igreja católica, pois ela precisava de algo para amedrontar a humanidade e foi aí que vieram com essa conversa furada de satanás. Esse conceito sobre demônios foi uma criação do próprio cristianismo, com o único intuito de rebaixar os deuses de outras culturas e colocar Jeová como sendo o deus superior.

Comando Rock: Outro grande diferencial do Ocultan é a Lady of Blood na guitarra. Há raríssimas mulheres no black mundial e a Lady é uma pioneira total. As pessoas comentam muito sobre a presença dela na banda?

Count Imperium: Acho que hoje em dia até temos várias mulheres tocando black metal. Mas, pelo que tenho notado, são poucas as que possuem talento para se tomar destaque dentro do estilo. A Lady é uma das poucas! Realmente ela tem um enorme destaque, não só por ser uma mulher, mas também por possuir um enorme talento musical.

Comando Rock: Vocês não acham que com esses dois diferenciais o Ocultan podia ser visto no Exterior como uma banda "original" e "exótica", a exemplo do que ocorreu com o Sepultura, e se tornar um dos maiores grupos do estilo no mundo? Sem falsa modéstia, não acham que são melhores que muita banda gringa?

Count Imperium: Realmente lá fora não somos ainda uma banda tão conhecida como somos aqui no Brasil. Foi após o lançamento do "Profanation", nosso penúltimo álbum, que começamos a pensar mais alto, tanto que este disco foi licenciado por um selo da América do Norte. Agora, com o "Regnum", fechamos com um selo europeu (o Warfront, da Áustria) que fará a distribuição por toda a Europa. Estamos indo com calma, pois as pessoas não tem idéia de como é difícil conquistar novos continentes, principalmente quando se trata de uma banda brasileira como é o nosso caso. Quanto a achar que somos melhores que muitas bandas gringas, isso de fato é verdade! Só que não tem motivo para desmerecer o trabalho dos outros. Acho que cada um tem o que merece!

Comando Rock: A molecada acha que os "black metals" nunca dão risada e vivem rogando pragas o dia inteiro. Para provar que isso não é verdade, conte um "causo" engraçado que ocorreu com vocês nestes 15 anos. Algo que hoje vocês lembram e dão risadas.

Count Imperium: Acho que todo ser humano tem o direto de escolher o que acha o melhor para si. Jamais me prenderei a conceitos ridículos que são impostos por moleques que se acham os ultra-radicais. Com o decorrer dos anos tivemos vários momentos engraçados, sendo que um que mais marcou foi durante uma viagem que fizemos para a cidade de Campo do Meio, em Minas Gerais. Fomos e voltamos rindo durante a viagem toda, pois o motorista da van era um cara muito estranho. Ele tinha rugas por toda sua cabeça e fazia ruídos muito estranhos com a boca (risos). Não prestou! Logo que vimos aquilo colocamos um apelido nele de "Pelanca". Não sei dizer de onde saiu tanta besteira e piadas que fizemos durante a viagem. Teve gente que até passou mal de tanto dar risadas. Quando chegamos da viagem, estávamos todos com dores no abdômen (risos).

Comando Rock: Como é a relação de vocês com a Quimbanda? Quais são os princípios básicos dessa religião?

Count Imperium: Para ser sincero, esse é o tipo de pergunta que já nem gosto mais de responder! Sei que há muitas pessoas que gostariam de conhecer mais sobre o assunto, só que isto pode vir a me trazer problemas com a Justiça, pois há pessoas que fazem de tudo para tentar prejudicar nosso trabalho e vida pessoal. Fazer o quê? Infelizmente há pessoas que acabam levando as coisas para outro lado e sempre estão tentando destruir as crenças que se opõem ao cristianismo. O que tenho a dizer é que estou procurando me aprofundar cada vez mais no assunto. Hoje em dia pensamos bem diferente de anos atrás. Antes sempre colocávamos nossos sentimentos acima de tudo, só que as coisas não são bem assim. Além do sentimento também é necessário o conhecimento! É assim que agimos hoje em dia. Sempre que posso procuro me aprofundar em fatos históricos. Essa sim é a fonte do verdadeiro conhecimento!

Comando Rock: Afinal, você acredita em Deus? Você acha que com o tempo a ciência provará a existência de uma inteligência suprema que criou o universo (que chamamos de Deus) e a partir de então as religiões, que já causaram tantos problemas para a humanidade, se tornarão obsoletas?

Count Imperium: Acreditar no deus do cristianismo (risos)? Isso é para pessoas que não possuem o mínimo de cultura. Basta se aprofundar na história que veremos que o cristianismo nada mais é que uma cópia de antigas religiões que tiveram seus povos massacrados e exterminados pela Igreja que também roubou seus conceitos. Muitos ignorantes não sabem que as alianças que usam em seus dedos, assim como os cultos e cerimônias de casamento, foram furtadas dos antigos povos pagãos que também realizavam cultos que eram direcionados a deuses pagãos. Assim como a história, a ciência vem fazendo a sua parte. Já está mais do que provado como o mundo se formou.

Comando Rock: O black e o death metal geralmente têm um discurso muito pessimista em suas letras. Mas e vocês na vida real? Acreditam num mundo melhor? Como acha que será o futuro do planeta? Aliás,vocês tem filhos?

Count Imperium: Não tenho filhos! Ainda bem (risos)! Não vejo outro futuro para esse mundo que não seja o caos! Nós mesmos estamos destruindo o que construímos. A verdade é que o ser humano não tem o mínimo de respeito pela natureza e por si próprio. As pessoas não pensam no futuro, só querem saber de viver o atual momento e dane-se o resto.

Comando Rock: O Legacy é ilustrador e designer, a Lady of Blood também é designer e estilista. Você acha que ter membros com talento para várias artes, além da música, ajudou o Ocultan a se consolidar e se tornar mais auto-suficiente?

Count Imperium: Com certeza. A Lady of Blood é estilista e proprietária da Extreme Art (www.extremeart.com.br) onde cria e produz roupas e acessórios roqueiros e góticos. Ela também trabalha para a Lady Snake (famosa grife roqueira) onde se encarrega das vendas on-line e manutenção do site da loja. Claro que essa versatilidade toda acaba contribuindo muito no resultado final dos trabalhos da banda.

Comando Rock: Como você encara a revolução da MP3? Ela prejudica ou ajuda uma banda independente como o Ocultan? Como você acha que será o mercado musical daqui pra frente?

Count Imperium: A MP3 ajuda e prejudica ao mesmo tempo! Ajuda na parte de divulgação e prejudica na parte das vendagens, principalmente de bandas e gravadoras menores que precisam atingir um limite mínimo de cópias vendidas. No caso do Ocultan não somos uma banda grande, mas somos um dos poucos grupos aqui no Brasil que possui um público fiel ao nosso trabalho e que sempre compra nossos materiais. Não vejo um futuro para o mercado musical, principalmente para os artistas e gravadoras aqui do Brasil. Pois, pelo que tenho notado, as gravadoras que estão mais voltadas para a música extrema estão limitando o número de bandas em seu cast e reduzindo a prensagem de seus materiais.

Comando Rock: Na sua opinião, porque o brasileiro paga R$300 para ver uma banda gringa e não paga R$10 para ver uma nacional independente? Como mudar essa situação?

Count Imperium: Isso realmente é um fato lamentável! O brasileiro sempre foi "paga-pau" dos gringos! Por mais que seja extorquido, o público acaba comparecendo a esses shows . Particularmente acho que as coisas deveriam voltar como eram antigamente, quando era muito difícil ter bandas gringas por aqui. Há cerca de dez ou 15 anos os conjuntos brasileiros tinham maior reconhecimento e a maioria dos shows era realizado para grandes públicos. Hoje em dia dá vergonha! A maioria dos shows com bandas nacionais não passa de 150 ou 200 pagantes, sendo que antigamente qualquer show tinha o triplo disso.

Comando Rock: Deixe um recado ou desabafo final.

Count Imperium: Gostaria de agradecer a Comando Rock pelo apoio ao nosso trabalho e a todas aquelas pessoas que ainda apóiam o metal nacional! Um forte abraço.


Comando Rock

Moonspell: O Rock Pesado da Terra de CabralMoonspell
O Rock Pesado da Terra de Cabral

Comando Rock: Tihuana: a dedicação supera as dificuldadesComando Rock
Tihuana: a dedicação supera as dificuldades

Comando Rock: O Projeto Brazuca de Billy Biohazard GraziadeiComando Rock
O Projeto Brazuca de Billy "Biohazard" Graziadei

Comando Rock: Pitty, a gata selvagem do rock nacionalComando Rock
Pitty, a gata selvagem do rock nacional

Comando Rock: Calibre 12: Punk, atitude e resistênciaComando Rock
Calibre 12: Punk, atitude e resistência

Comando Rock: Los Toskos: a caminho do segundo CDComando Rock
Los Toskos: a caminho do segundo CD

Comando Rock: Baixista do HammerFall a Serviço da SolidariedadeComando Rock
Baixista do HammerFall a Serviço da Solidariedade

Comando Rock: Claustrofobia: Thrash Metal Claustrofóbico e FulminanteComando Rock
Claustrofobia: Thrash Metal Claustrofóbico e Fulminante

Comando Rock: Drowned: estremecendo a cena metal mineiraComando Rock
Drowned: estremecendo a cena metal mineira

Comando Rock: Anthrax: novamente no Topo do Thrash MetalComando Rock
Anthrax: novamente no Topo do Thrash Metal

Comando Rock: Demorou mais de 30 anos, mas as mutações voltaramComando Rock
Demorou mais de 30 anos, mas as mutações voltaram

Andralls: Expandindo o trauma e quase sendo presos na EuropaAndralls
Expandindo o trauma e quase sendo presos na Europa

Comando Rock: Torture Squad comenta 15 anos de estrada e novo álbumComando Rock
Torture Squad comenta 15 anos de estrada e novo álbum

After Forever: vivendo entre o Céu e o InfernoAfter Forever
Vivendo entre o Céu e o Inferno

Al Atkins: lidando com os demônios do passadoAl Atkins
Lidando com os demônios do passado

Maldita: buscando o paraíso perdidoMaldita
Buscando o paraíso perdido

Type O Negative: retorno recheado de problemas, drogas, prisões...Type O Negative
Retorno recheado de problemas, drogas, prisões...

Hangar: condenado à complexidade do sucessoHangar
Condenado à complexidade do sucesso

Funeral For A Friend: desenterrando emoçõesFuneral For A Friend
Desenterrando emoções

Whitesnake: o retorno da boa e malvada serpenteWhitesnake
O retorno da boa e malvada serpente

Grave Digger: Liberdade musical e Morte no palcoGrave Digger
Liberdade musical e "Morte" no palco

Matanza: mestres na arte do insulto, agora ao-vivoMatanza
Mestres na arte do insulto, agora ao-vivo

O Rappa: de volta pela sétima vezO Rappa
De volta pela sétima vez

Lauren Harris: Filha De Peixe...Lauren Harris
Filha De Peixe...

Scars on Broadway: sem cicatrizes ou traumasScars on Broadway
Sem cicatrizes ou traumas

Motorhead: uma ditadura Rock And RollMotorhead
Uma ditadura Rock And Roll

Gloria: trabalho em que o peso vai de encontro à melodiaGloria
Trabalho em que o peso vai de encontro à melodia

Kiko Loureiro: uma explosão sonora cheia de misturasKiko Loureiro
Uma explosão sonora cheia de misturas

Todas as matérias sobre "Comando Rock"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Comando Rock"Todas as matérias sobre "Ocultan"


Censura: 53 nomes que você não pode dizer em uma rádioCensura
53 nomes que você não pode dizer em uma rádio

Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioRafael Serrante
Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?

Corey Taylor: sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro PeschCorey Taylor
Sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch

Separados no nascimento: Paul Stanley e Sidney MagalSeparados no nascimento
Paul Stanley e Sidney Magal

Max e Iggor Cavalera: conheça o ônibus de turnê dos irmãosMax e Iggor Cavalera
Conheça o ônibus de turnê dos irmãos

Ultimate Classic Rock: os 40 maiores discos dos anos setentaUltimate Classic Rock
Os 40 maiores discos dos anos setenta


Sobre Marcio Baraldi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336