RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemOzzy Osbourne cancela tour europeia por conta de sua saúde; "Meu corpo ainda está fraco"

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem no aeroporto

imagemTodos os álbuns do Ghost, do pior para o melhor, em lista do Loudwire

imagemQuando os Titãs deixaram a empáfia roqueira de lado para entrar no sistema e conquistá-lo

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"


Drowned: estremecendo a cena metal mineira

Por Antonio Rodrigues Junior
Postado em 13 de maio de 2005

O quinteto, que vem estremecendo a cena metal mineira, coloca no mercado o CD By the Grace of Evil, visando o mercado internacional

Se opondo a todas as espécies de religião, o grupo Drowned, que vem sacudindo a cena metal extrema mineira, chega ao seu quarto lançamento, By the Grace of Evil, mostrando amadurecimento musical, mas mantendo a agressividade tradicional do conjunto. O disco é o primeiro com a formação atual, que é composta por Fernando Lima (vocal), Marcos Amorim e Kerley Ribeiro (guitarras), Rodrigo Nunes (baixo) e Beto Loureiro (bateria).

A banda, que varia seu som entre o death, o thrash e o heavy metal, surgiu para o grande público em 2001 com o lançamento de Bonegrinder e passou a ser considerada por muitos como a maior revelação mineira do estilo depois do Sepultura e Sarcófago. Depois vieram os bem sucedidos EP Back from Hell (2002) e Butchery Age (2003). Com By the Grace of Evil, o quinteto pretende atingir novos patamares, além de se lançar internacionalmente.

"É um disco com mais dinâmica que os anteriores", conta Marcos Amorim. "É mais pesado, menos rápido e mais bem composto. Considerando apenas a parte técnica, sem dúvida é nosso melhor CD. Não há um rótulo específico e, sem dúvida, metal é a melhor expressão. Não nos mantemos presos a nada e somos assim desde os nossos primórdios. Ele foi composto durante a tour do Butchery Age e algumas faixas foram feitas após a substituição do guitarrista. A gente está bem confiante quanto à aceitação por parte dos ‘bangers’."

O álbum, que traz um ótimo trabalho gráfico de Fernando e uma ilustração do artista Marcus Ravelli, também marca a entrada do guitarrista Kerley Ribeiro, após a saída de Rafael Porto em julho do ano passado. O músico foi escolhido após responder a um anúncio feito pelo conjunto. O guitarrista realizou alguns testes e foi efetivado no cargo.

"O Rafael estava conosco desde 2000 e é um cara muito tranqüilo de se lidar. O que ocorre é que precisávamos de mais, em todos os sentidos. Como ele achou que não iria ser possível, optou por sair. Kerley foi o que se saiu melhor nos testes e o tempo tem mostrado que demos muita sorte! Quando ele entrou, a banda já tinha as dez canções do By the Grace of Evil prontas, só faltavam alguns solos e poucos arranjos para fechar. Ele contribuiu dessa forma no produto final. Acho que os solos dele têm mais complexidade que os do Rafael e, nesse sentido, ele acrescentou mais técnica à segunda guitarra."

Apesar de não se tratar de um álbum conceitual, a temática principal dele é a oposição a todas as espécies de religião e "suas formas de dominação e influência na vida das pessoas". Na visão do quinteto, a maldade é uma virtude nata do ser humano e somos regidos pelas graças do mal (By the Grace of Evil).

"O Drowned sempre trabalha um tema mais forte em cada disco. Não que nos prendamos somente a ele", alega o guitarrista. "Desta vez o escolhemos, dentre vários motivos, porque achamos muito interessante a atual conjuntura e como ela se relaciona e se modifica conforme o comportamento político e religioso das nações. Nossos álbuns sempre são críticos, mesmo que muitos não consigam abstrair, a gente trabalha muito isso."

O grupo vem conquistando espaço nos últimos anos e seus CDs, sendo muito elogiados. Inclusive com várias comparações aos seus conterrâneos mais famosos. "Não esperávamos concretizar tudo isso, mas sempre trabalhamos para ir adiante. Embora falta muita coisa para o Drowned ser uma banda relevante no metal nacional, acho que já chegamos bem longe."

A ótima repercussão de seus álbuns já lhes rendeu aberturas para grandes nomes do heavy metal mundial, como o Destruction (no ano passado) e, mais recentemente, o Sodom e Nuclear Assault. Apesar de considerarem como uma boa experiência, o conjunto deixa claro que não é o mar de rosas que muitos imaginam. "Nem tudo é beleza nesse tipo de evento. Afinal, o show é dos gringos e estamos de convidados. Não é ruim, mas não é farra como todo mundo pensa! Uma banda underground rala muito e o reconhecimento nem sempre vem. Às vezes, as pessoas vêem a gente tocando e acha que estamos apenas aproveitando. Outros pensam que somos ruins porque o som não é tão bom quanto dos estrangeiros, mas é a vida! O jeito é aproveitar as coisas boas e ganhar ainda mais conhecimento sobre o universo metálico."

O resultado de tudo isso foi uma boa projeção dentro do Brasil. Porém, o Drowned e a gravadora Cogumelo pretendem dar passos maiores e começam a se empenhar também na divulgação internacional do novo petardo. Ainda não há nada de concreto, mas o grupo espera atingir novos horizontes com By the Grace of Evil.

"Estamos trabalhando forte nesse sentido a partir do novo álbum. Esperamos fechar algo ainda neste CD. O mercado externo é vital para uma banda como a nossa. O mercado nacional não comporta e nem dá suporte para viver de música. Então ganhar novos continentes é muito importante para nós. Estamos batalhando para licenças e também tours lá fora. Estamos realmente empenhados nisso e vamos abraçar a causa com muita obstinação."

[an error occurred while processing this directive]


Comando Rock

Moonspell: O Rock Pesado da Terra de Cabral

Tihuana: a dedicação supera as dificuldades

Comando Rock: O Projeto Brazuca de Billy "Biohazard" Graziadei

Comando Rock: Pitty, a gata selvagem do rock nacional

Calibre 12: Punk, atitude e resistência

Los Toskos: a caminho do segundo CD

Comando Rock: Baixista do HammerFall a Serviço da Solidariedade

Anthrax: novamente no Topo do Thrash Metal

Comando Rock: Demorou mais de 30 anos, mas as mutações voltaram

Andralls: Expandindo o trauma e quase sendo presos na Europa

Comando Rock: Torture Squad comenta 15 anos de estrada e novo álbum

After Forever: vivendo entre o Céu e o Inferno

Al Atkins: lidando com os demônios do passado

Maldita: buscando o paraíso perdido

Type O Negative: retorno recheado de problemas, drogas, prisões...

Hangar: condenado à complexidade do sucesso

Funeral For A Friend: desenterrando emoções

Whitesnake: o retorno da boa e malvada serpente

Grave Digger: Liberdade musical e "Morte" no palco

Ocultan: divisor de águas no Black Metal brasileiro

Matanza: mestres na arte do insulto, agora ao-vivo

O Rappa: de volta pela sétima vez

Lauren Harris: Filha De Peixe...

Scars on Broadway: sem cicatrizes ou traumas

Motorhead: uma ditadura Rock And Roll

Gloria: trabalho em que o peso vai de encontro à melodia

Kiko Loureiro: uma explosão sonora cheia de misturas

Todas as matérias sobre "Comando Rock"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Death Metal: 5 álbuns nacionais que não se pode deixar de escutar

Lista: dez grandes bandas de heavy metal que surgiram no Brasil - Parte 1


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Antonio Rodrigues Junior

Colaborador sem descrição cadastrada.
Mais matérias de Antonio Rodrigues Junior.