A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

O relato de todos estes eventos ajudam a nos trazer ao estado de espirito da época. As belas músicas que cercam o período não podem nos fazer esquecer como foi árduo sobreviver em certos países no ano de 1968. Na América do Sul, sabemos da problemática realidade política ocorrida no Chile e no Brasil, onde neste último, até dezembro, o AI-5 nasceria como que um atestado de óbito dado aos direitos constitucionais do povo. Não alheio ao que está ocorrendo no primeiro mundo, Mick Jagger está em Londres falando sobre os tempos e o significado destes eventos, que para ele, são todos interligados com a insatisfação dos jovens de verem suas vidas dependerem de gente velha com leis antiquadas que não correspondem às realidades do mundo moderno.

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVDRockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmes

1968

Entrevistas inflamatórias são sinceras demonstrações de que Jagger reconhece e quer agarrar o momento, altamente favorável a mudanças radicais na sociedade. Seu rancor pela forma como virou alvo e acabou na cadeia o fez parar para pensar seriamente sobre os defeitos da sociedade capitalista. Jagger comentou filosoficamente, "Me parece que a maioria das pessoas acredita sem compreender. Os Mandamentos falam 'Não Mataras', e meio mundo está treinando para o aniquilamento da outra metade. Eu não aceitaria ser obrigado a vestir um uniforme e viajar até Aden para matar um monte de gente que nem conheço e a quem nada tenho contra. Guerra brota de políticos loucos por poder. Políticos?! Que peso morto são."

Longe dos jornais, junto aos mais chegados, seu discurso é ainda mais radical. Fala de anarquismo e o direito supremo de toda pessoa poder andar livremente sem que outro tenha poder de coibir. "Não deveria haver propriedade privada! Porque não jogamos ácido na represa de água potável da cidade?" "A lei está velha demais para poder cuidar de casos individuais."

O Preço da Liberdade de Expressão em '68

Olhando para a historia recente da década de sessenta, não há como negar que 1968 foi o auge da insurreição dos jovens contra o sistema, como também a resposta de violenta retaliação deste sistema sobre sua população jovem.


Em Nova York, 150 terminam feridos e 700 presos quando a policia dispersa alunos da Universidade de Columbia protestando. Na mesma semana em Chicago, protestos acabam em guerra quando 8 mil pessoas marcham contra a participação americana na Guerra de Vietnã e a policia intervém.

No dia 8 de maio, estudantes manifestando em Paris causam graves distúrbios que acabam por se transformar em uma greve geral em todo o país. Dez milhões de trabalhadores em greve e dez mil batalhas contra a polícia. Na Tchecoslováquia, manifestações juvenis em Praga demostram que nem na cortina de ferro consegue-se calar a força e presença impertinente do jovem. Nasce o Movimento de Reforma Primavera de Praga. Evidentemente que o rebuliço acabaria esmagado em agosto com a União Soviética deslocando seu exército e tomando a capital, deixando Praga momentaneamente em estado de sítio. Em junho, na California, após tomar um passo importante para a corrida presidencial, Robert F. Kennedy é assassinado praticamente em frente as câmaras de televisão, assistido pelo país de costa a costa.

Jagger Engajado

Foi como se o momento fosse tão propício que até mesmo o destino estaria a favor de Mick Jagger deixar em segundo plano o mundo artístico para se tornar membro da sociedade política. Assim, aparentemente do nada surge Tom Driberg, membro do Parlamento pelo Partido dos Trabalhadores, buscando em Jagger apoio e engajamento. Driberg tem o respeito do músico por ser uma das pessoas que assinaram a petição junto com os Beatles, a favor da liberação da maconha, um risco para sua carreira política considerável, até mesmo pelos padrões de hoje em dia. Driberg fez o contato e foi trazido à residência de Jagger através de Allan Ginsberg. Mick e principalmente Marianne, que vem de uma família socialista, estão encantados com a possibilidade de Michael Philip Jagger ser eleito para tomar uma cadeira no Parlamento Inglês. Driberg pinta um quadro favorável de suas obrigações. Jagger poderia continuar como artista, sem precisar participar do dia-a-dia do Parlamento, sendo apenas uma figura de representação da população jovem.


Conversas sérias foram feitas entre os dois, Jagger vendo a oportunidade como uma forma de alcançar uma maior respeitabilidade pela sociedade. Ele se posiciona como sendo um anarquista no real senso político da palavra. Driberg concorda que os tempos são propícios para mudanças e tenta lhe convencer que, com as constantes manifestações populares acontecendo, o Partido dos Trabalhadores seria sua melhor opção partidária. O PT inglês é a casa mais propensa a levar adiante algo que chegue mais perto de um socialismo, o que Drieberg acredita ser mais sã e realisticamente possível do que anarquismo puro.

No fundo Jagger tem consciência que, na prática, ele serviria apenas para atrair votos para o Partido dos Trabalhadores, de adolescentes que chegaram recentemente na idade de votar. Uma idéia que em si não era totalmente ruim uma vez que Mick concordava com várias diretrizes do partido. Mas ao perguntar a Keith o que achava da idéia de Jagger tentar se eleger para uma cadeira no Parlamento Inglês, este rebateria como sendo a idéia mais idiota que ele já ouviu em toda a vida. Mick olha para o chão, pensa um pouquinho e conclui, "Você tem razão."

Embora Mick desistira da idéia de concorrer ao Parlamento, suas convicções políticas continuavam. Quando houve em Londres uma manifestação contra a Guerra do Vietnã em frente à embaixada Americana, Jagger discretamente entrou no meio do povo e participou da demonstração. Cantou slogans de protesto e se sentiu parte de um momento histórico. Porém seus devaneios ativistas duraram pouco, pois logo que foi identificado, começou a juntar gente pedindo inicialmente autógrafos, seguidos por jornalistas perguntando sobre o próximo disco e assuntos totalmente alheios à razão pela qual todos estavam ali. Percebendo que sua presença se tornou uma distração do propósito político real daquele agrupamento de pessoas, Jagger preferiu se retirar. Foi possivelmente neste dia que Mick Jagger percebeu que a fama o excluía da revolução, pois ele se tornara rico e célebre demais para representar o trabalhador e homem comum. Conclui amargamente que ele era apenas uma distração e não um líder. Todas suas convicções de que as manifestações na Europa e na America seriam interligadas de alguma forma, são agora questionadas em sua mente. Ao chegar em sua luxuosa residência, passa a escrever a letra de "Street Fighting Man".

Olympic Studios


Mick havia contratado o produtor americano Jimmy Miller que estava já morando e trabalhando na Inglaterra. Impressionou Mick o seu trabalho com bandas como o Spencer Davis Group, Spooky Tooth e Traffic. Keith havia alugado o apartamento de Robert Frazer e se mudado com Anita para Londres. Redlands, durante os três meses de gravações, voltou a ser apenas uma casa de campo.

Morando agora mais perto de Mick, os dois estão sempre juntos e trabalhando no novo álbum. Keith também começa a ensinar Mick a tocar o violão. Com a determinação de dar tudo de si para este próximo disco, e concluindo que o excesso de ácido no ano anterior havia tirado os dois do prumo musical correto, concordam em ficar praticamente caretas durante estes meses de gravação.

Jagger havia ligado para Bill e Brian falando em como este novo disco é primordial para a carreira do grupo e que todos devem trazer material para ser trabalhado. Com um postura nova, as gravações iniciais transcorrem com uma certa euforia, porém dentro de poucas semanas acabariam encontrando problemas reincidentes. O maior deles é o que passou a ser chamado de "esquema de loja fechada", que a dupla Jagger-Richard imprime nas sessões, sempre ensaiando material deles primeiro e nunca sobrando tempo para Bill e Brian. Wyman se queixa que nas raras oportunidades que aceitam trabalhar em uma canção dele, se a canção não se cristalizar rapidamente, abandonam sem cerimonias e passam para uma deles. Esta sim pode levar semanas até ficar pronta, que toda boa vontade é esperada de todos. Bill fica furioso mas se cala, segundo ele, em prol de se manter um ambiente de criação no estúdio. Este é particularmente o caso quando certo dia, enquanto ele aguardava a chegada dos demais membros para um ensaio, começou a brincar no piano e tirou um riff bem empolgante. Charlie e Brian chegaram e também ficaram tirando e brincando com o tema. Com a chegada de Mick e Keith todos gostaram e guardaram o tema para trabalharem em futura data.


Na semana seguinte, quando Mick trouxe uma de suas músicas, era claramente em cima da base criado por Bill na semana anterior. A canção seria o primeiro compacto da banda em 1968, o sucesso mundial, "Jumpin' Jack Flash". Como em Ruby Tuesday, os créditos excluem qualquer participação de outro se não Jagger e Richard.

A banda contratou Michael Lindsay-Hogg para dirigir um clipe da canção como também de seu lado B, "Child of the Moon".

Investindo no Cinema

Com o projeto do filme "Only Lovers Left Alive" definitivamente arquivado, após a saída de Andrew Oldham, Mick orientou o escritório a buscar outros projetos. Todo grande cantor tem em seu currículo uma participação no cinema. De Frank Sinatra passando por Elvis Presley seguido mais recentemente por John Lennon em sua estreia no filme "How I Won The War". Mick então queria encontrar algo que pudesse promovê-lo e a banda. Vários foram os projetos que surgiram.

Entre um dos primeiros, ainda em 1967, foi a idéia de uma adaptação para o livro "A Laranja Mecânica". Depois veio uma idéia que contou com financiamento prévio dos Rolling Stones, muito embora nem todos os membros estivessem a par. Pagou-se a Christopher Gibbs e Nigel Gordon a escreverem um roteiro baseado no romance "Gawain and the Green Knight". Foi contratada a produtora Shaki Films da India e mais Sandy Lieberson para dirigir o épico centrado na idade média. Chegaram a iniciar as filmagens com cenas sendo rodadas em diversas cidades na India, porém o projeto depois foi abandonado e engavetado.

Outro projeto nasceu em uma conversa entre Keith, Anita e Anthony Foutz, sobre um filme de ficção cientifica. De nome "Maxigasm", a obra seria um típico filme "viajandão", como muitos que apareceram na época. Teria a participação dos Rolling Stones mais Anita Pallenberg e Marianne Faithfull. A historia rolaria em meio a OVNI's e o povo dos céus. A produção seria de Carlo Ponti e filmagens seriam realizados no norte Africano. Novamente nada veio a acontecer. Em maio, chegou às mãos de Jagger o roteiro e convite para o filme "The Performance". O projeto era uma visão de Donald Cammell, amigo de Jagger e teria o auxílio do diretor novato Nicholas Roeg que havia lançado recentemente o filme "Walkabout" que mereceu várias criticas favoráveis. Desta vez, um acordo seria estabelecido e filmagens estavam programadas para o outono.

O Escritório


Em uma reunião realizada entre todos da banda e o pessoal do escritório, foi decidido que a situação financeira da banda não poderia continuar como estava. Em constante expectativa de Allen Klein liberar as verbas que pertencem à banda, tudo funciona de forma travado. Em comum acordo, contratam Berger Oliver para fazer auditoria sobre os livros de Klein, concernindo os montantes de março de 1966 até o presente. Por coincidência ou não, menos de um mês depois, cheques começavam a chegar nas contas dos músicos, referentes a ganhos das excursões de 1966 e 1967.

Satisfeitos, elegem Berger Oliver como o novo advogado da banda e tiram mini férias, cada um seguindo para um canto. Mick e Marianne vão para Dublin com Christopher Gibbs. O casal passaria a freqüentar a Irlanda com uma certa regularidade, passando o fim-de-semana como hóspedes de Desmond Guinness em Leixlip Castle. Brian e Linda Keith seguem para Espanha, enquanto Keith e Anita foram para Roma e Bill e Astrid viajam para West County, dentro do Reino Unido. Só Charlie ficou em casa com Shirley e Seraphina, sua filha recém nascida.

Personalidades de Mick e Keith

O casal Mick e Marianne novamente estão distantes em suas relações, e quanto mais Mick se entregava ao trabalho com Keith e os Stones, mais Marianne sentia-se como que uma peça de decoração da casa. O casal não tinha por hábito discutir assuntos ligados ao sentimentos. Extremamente inglês, Mick Jagger tem como característica ignorar os problemas até que eles mesmo se resolvam. Assim, dentro da solidão de Marianne, havia sempre lugar para cocaína. Quando extremamente agitada graças ao pó, para acalmar, ingeria barbitúricos. Marianne volta a ter uma relação amorosa com sua velha amiga Saida. Ela também estava se apaixonando por Anita. Seu charme e força, além de sua incrível beleza sempre fizeram de Anita o centro das atenções. Mick também gostava de flertar com ela, embora tudo não passava de brincadeira. Ao mostrar uma gravação de "Stray Cat Blues", Anita surpreende ao dizer que a versão está uma merda, criticando com detalhes a má qualidade da mixagem. Rapidamente Mick volta para remixar tudo, deixando flagrante sua insegurança.

Keith por outro lado não precisava de ninguém. Extremamente apaixonado por Anita, só ela poderia fazê-lo balançar. Embora não fosse óbvio para ninguém, Keith temia muito perdê-la e acabar como Brian. Afora Anita e Mick, Keith não era amigo de ninguém. Ele usa as pessoas de acordo com a conveniência. Convidou um amigo fornecedor para pernoitar em sua casa, que acabou aparecendo tarde da noite com seu cão Doberman. O animal, colocado para dormir na garagem, estranha o local, e passa a noite uivando alto, incomodando todos. A solução encontrada por Keith foi de dar dois Mandrax para o animal que, com o tranqüilizante, calaria e deixaria todos dormirem. Dez minutos depois, o bicho estava cambaleando, tropeçando nas próprias pernas. Enquanto riam do estado do animal, este acabou saindo da garagem indo vagar no quintal e caindo no fosso. O dono foi obrigado a entrar nas águas putrefatas do açude que era infestado de ratos, para poder salvar seu animal dopado se afogando. Keith só ria da cena.

Festas em Redlands


Keith compra uma moto cross para andar e conhecer com Anita todo o terreno de Redlands e arredores. O casal recebe convidados e dão uma série de festinhas nos fins-de-semana, geralmente nos sábados. Durante uma destas festas na casa, foram convidados os atores do Teatro Vivo de Julian Berg, famoso grupo teatral da qual Anita fez parte no inicio de sua carreira. Joe Monk, um gigantesco ator negro, pede permissão para dar uma volta de moto e Keith sugere que ele leve seu Labrador e tente caçar um faisão durante o passeio. Ele entregou-lhe então um rifle e cinco cartuchos como munição.

A figura daquele negão com um rifle às costas, de moto com um cão atrás, zunindo no horizonte foi motivo de comentários respeitosos entre os convidados. Logo se ouvia o primeiro tiro, a poucos quilômetros de distância. Não demoraria muito e se ouviria os quatro tiros restantes, Keith pensando alto comenta, "Acabou seu lote de munição". Foi quando passaram a ouvir outra sucessão de tiros vindo do mesmo local. Anita de olhos arregalados exclama preocupada, "Tomara que não tenham matado o rapaz!"

Logo mais, um carro de patrulha pararia em frente da casa fazendo perguntas. Os vizinhos haviam chamado a policia informando que deram tiros de avisos para um homem, que fora visto caçando. O guarda informa que o rapaz foi descrito estando acompanhado por um cachorro reconhecido pelos vizinhos como sendo parecido com o de Keith. Negando conhecer tal pessoa, mesmo sob óbvia suspeita do guarda, Keith se livra do tira. Horas passaram e todos os convidados se foram antes de Joe finalmente reaparecer. Ele conta que havia caído da moto quando fugia dos tiros, porém trouxe com ele três faisões abatidos. Todos rindo depois do susto, Keith chamou um taxi e Joe voltou para Londres no breu da noite.

Keith passaria a ter problemas constantes com seus vizinhos depois deste incidente. Aos poucos, seus três cães desapareceriam pelas terras. Keith, emputecido, compra um Deerhound que ganha o nome de Syph, como que em syphilis, uma vez que o cão lhe parecia doente de tão feio. Porém como os demais, este também desapareceu sem deixar vestígios.

Stones Ao Vivo '68

Na semana seguinte todos estavam de volta em Londres e as gravações recomeçariam. Entre atividades paralelas, foi concordado que os Stones permitiriam a Jean-Luc Godad filmá-los durante a gravação do álbum. Antes, porém, os Rolling Stones haviam vencido na votação do jornal New Musical Express na categoria de Best R&B Group (Melhor Grupo de Rhythm & Blues).

Convidados apenas a irem receber um troféu, a banda se oferece para tocar gratuitamente no local, proposta imediatamente aceita. Assim, no dia 12 de Maio, no Empire Pool de Wembley, em uma noite programada para apresentar Status Quo, the Move, Lulu, Cliff Richards & the Shadows, the Herd e vários outros, o Mestre de Cerimonia, ocasionalmente menciona que haverá ainda uma grande surpresa. Quando as cortinas abriram para os Rolling Stones, foi pandemônio no teatro, como em alguns anos atrás. Apresentam o recente "Jumpin' Jack Flash", seguido de "Satisfaction", ainda grande hino da banda. No final, Mick jogou seus sapatos para o povo como souvenir e depois nas coxias, todos da banda se congratulam por estarem ainda causando euforia para seu público.

Sessões de Beggar's Banquet

Keith ao Piano
Keith ao Piano

O nome do novo trabalho já estava escolhido, idéia de Mick Jagger olhando para seu castelo recém comprado, em estado adiantado de decomposição, precisando urgentemente de obras. Após a banda e suas esposas irem todos juntos para o cinema assistir o filme "2001 - Uma Odisséia no Espaço", retomam as gravações do álbum. Trabalham então em canções como "Still A Fool" de Muddy Waters, "No Expectations", "Silver Blanket", e "Downtown Suzie". Está última, é uma das duas músicas do Bill Wyman que chegaram a ser trazidos para o estúdio, "Suzie" sendo o único que chegou a ser trabalhado realmente pela a banda.

O ambiente nas sessões em relação a Brian não era dos melhores. Se Mick e Keith se abstém de exageros para manterem a cabeça focalizada e concentrada, assim podendo render o melhor possível no disco, por outro lado Brian era para o duo, uma fonte de irritação. Estão cansados de terem que ficar paparicando o guitarrista para que ele trabalhe. Começam a convidar amigos para assistir os ensaios como Dave Mason e Eric Clapton, o que serve como pressão extra contra Brian. Diante da constante pressão em casa por causa da polícia, e no trabalho pela falta de reconhecimento, Brian desaba. Desconta sua frustração em Linda Keith e ela logo deixa a residência, depois de ser hospitalizada. No estúdio, quando tenta gravar, Mick e Keith sacaneiam, mandando Miller gravar Brian em uma fita mono, à parte do trabalho da banda, ou sequer gravar, só fingir, ambos rindo de Brian enquanto o guitarrista tenta colocar uma cítara em uma música que ele insiste precisar do instrumento mesmo que ninguém mais concorde.

Imprestável


Já pro final das sessões, nem está mais tocando nada, totalmente sem condições. Deita no chão e chora como uma criança repreendida, em cenas tão patéticas quanto lamentáveis. Tony Sanchez conta como encontrou Brian chorando no chão do estúdio, enrolado feito cachorro dormindo, escondido debaixo de sua guitarra em uma poça de lágrimas. "Vá embora e me deixe em paz!" choraminga desolado. Depois, enquanto Sanchez o levanta e o leva de volta pra casa, Brian continua em lamúria "Eles não querem nem saber. Canções compostas por Jagger-Richard, é só o que lhes interessam. Querem toda glória, toda fama, todo o dinheiro pelo direitos das canções. É só Eric Clapton isto, Dave Mason aquilo. Eu criei a banda! A porra da banda é minha!"

Em momentos menos intoxicados, ele continuaria sua ladainha de lamentos e distribuições de culpas. Com John Lennon, certa noite no Ad Lib Club, ele é enfático em suas queixas. "Eles falam comigo como se eu fosse um leproso. Eu enfrentei e questionei Jagger, e sabe o que ele me disse? Que eu era um pé no saco e nem era um músico bom o suficiente para estar numa banda do porte dos Rolling Stones. Porra! A idéia foi toda minha e jamais teriam chegado aonde chegaram sem mim. Agora querem me tirar tudo!" Lennon com sua costumeira sutileza e diplomacia retruca na mesma moeda. "Deixa de merda Brian, você mesmo é que se colocou na sua situação e não o Jagger. Neste negocio você tem que ser forte e se você não se cuida, não espere que alguém vá cuidar por você. Se os Stones não te querem mais, manda eles irem se foder. Você é uma grande estrela. Monta outra banda e prove que você é um homem e não uma menina." Brian concordou e mesmo dias depois fazia comentários mostrando que passara a contemplar seriamente deixar os Stones. Mas lhe faltava coragem.

Brian e a Policia

Brian está sendo constantemente incomodado pelo Sgt. Pilchard a ponto do sargento passar a trazer consigo as drogas que seriam plantadas na casa caso Brian não pagasse dinheiro. A cada aparição do policial corrupto, Brian morria em £1.500, fora a tensão emocional. No dia 21 de maio, Leslie Perrin recebe um aviso de um amigo jornalista, que a polícia iria fazer uma blitz na casa de Brian. Telefona desesperadamente para avisar Brian, que havia tomado uma pílula para dormir na noite anterior, receitado pelo seu médico, e não acordava. Depois de muita insistência, um sonado Brian atende e diz claramente "Deixa vir, eu não tenho nada em casa já faz muito tempo."


Irritado com a probabilidade de abrir a porta para a polícia poder extorqui-lo, quando a lei finalmente bate à sua porta, Brian ignora. Sem conseguir fazer barulho suficiente para que alguém atenda a porta, um dos oficiais, Detetive Brian Liddell, entra por uma janela e abre a porta da casa para a entrada dos demais. Encontram Brian escondido atrás da cama com o telefone tentando ligar para seu advogado. "Estamos com um mandato desta vez", alguém teria dito. Brian não responde diretamente nenhuma das perguntas feitas a ele. Ele devolve as perguntas com queixas. "Porque vocês sempre escolhem a mim?"

Após uma busca completa pela casa encontram uma bola de lã em uma gaveta e dentro uma pedra de haxixe. Ao apresentar o flagrante para Brian ele fica branco e começa a choramingar irritado. "Oh não! Agora não! Justamente agora que a banda está começando a se reerguer." Levado para a delegacia, ele pagou £1.000 e teria que se apresentar dia 11 de junho para ouvir oficialmente sua acusação. A noticia já havia se espalhada e Brian para sair da delegacia, teve que fugir da imprensa pelo fundos.

Outras Faixas

Entre convidados substituindo a versatilidade de Brian Jones em certas faixas estão Nicky Hopkins no piano e Rocky Dijon na percussão nas faixas Child Of The Moon, Silver Blanket (mais tarde rebatizada de Salt Of The Earth) e Sympathy For The Devil. Sympathy teria em sua versão final, as participações nos backing vocals de Nicky Hopkins, Rocky Dijon, Anita Pallenberg e Marianne Faithfull. O produtor Jimmy Miller aproveitou para fazer backing vocals nas faixas Jumping Jack Flash e Child Of The Moon, auxiliando nas percussões de Street Fighting Man. Também nesta faixa, que antes de ganhar seu título final, passou um período chamada de Pay Your Dues, estão Jim King e Roger Chapman nos backing vocals.

Na instrumentação temos os talentos de Nicky Hopkins ao piano, Dave Mason no shehani e Rick Gretch no violino elétrico. Gretch no violino, Mason no bandolim e Dijon nas congas, também tocam juntos em Factory Girl, enquanto Hopkins e Mason unem forças em Dear Doctor.

Entre os temas de Jagger e Richards que chegaram a ser gravados nestas sessões, porém não chegaram a ser trabalhados estão Thief For The Blues, Power Cut, Too Far To Walk, Blood Red Wine, Family, Lady, e Hamburger To Go (depois rebatisado de Stuck Out Alone), como também uma versão embrionária para o que seria depois conhecido por Sister Morphine.

O Mestre e a Margarida

Mesmo se sentindo em segundo plano na vida de Mick, é Marianne quem mais influência Jagger neste álbum, desta vez oferecendo-lhe um livro para ler. O livro o deixa extremamente empolgado. Trata-se de "The Master And Margarita", de Mikhail Bulgakov, um romance que fala em Satã visitando Moscou nos anos 30 para ver os efeitos da revolução russa.

Satã então transforma a polícia em tolos, os poetas em ignorantes e faz os ateus acreditarem em Deus. Santos são transformados em pecadores e Deus é o Diabo. O romance é uma vasta alegoria sobre a luta entre os poderes do mal e os poderes da luz. O mal está no poder até que os herdeiros da verdade tomam o poder de volta, mas logo começam a imitar aqueles a quem venceram, tornando-se então o mal. Assim o ciclo continua por toda a história humana. Mick terminou de ler o livro e imediatamente passou a escrever a canção. "Please allow me to introduce myself", a primeira linha da canção de Jagger é uma frase retirada do livro. A canção passou a se chamar "The Devil Is My Name" mais tarde mudado para "Sympathy For The Devil".

Um Mais Um


Em inicio de junho, a equipe de Godard visita o Olympic Studios pela primeira vez. Lá passarão a semana pegando a banda iniciando os trabalhos com "Sympathy For The Devil". Sem premeditar, o diretor registra todas as suas transformações criativas, iniciando como um tema folk até passar para sua forma definitiva que é um samba de inglês. A influência é evidentemente do contato que Jagger teve com candomblé no inicio do ano em sua temporada de férias na Bahia.

A equipe de Godard termina suas filmagens de forma abrupta, causada por um incidente ocorrido no dia 10. As luzes dos holofotes acabaram por causar um incêndio no teto do estúdio. Todos saíram correndo menos Jimmy Miller e Bill Wyman que correram para o cofre para salvar os rolos de fita master com todo o álbum gravado. Logo em seguida chegaram o corpo de bombeiros inundando tudo com água. As fitas estavam salvas mas o equipamento, instrumentos e etc, tiveram que passar por uma manutenção. Goddard se deu por satisfeito com o que tinha filmado e o filme sairia com o nome de "One Plus One".

Brian em JouJouka

Brian em Tangier
Brian em Tangier

Brian não participou do evento no inicio. Um dia antes do inicio das filmagens ele e Suki Potier viajam para Tangier na companhia de Tom Keylock. Lá, Brian reencontra com Biron Gysin que o leva novamente através das montanhas Atlas para ouvir os flautistas de Pan tocado pelos mestres de JouJouka. Brian está cada vez mais comovido por esta música e decide se organizar para gravá-los em futura data. Durante sua estada, Suki Poiter tem uma overdose e é hospitalizada. Dentro de alguns dias, ela se recuperaria. Os dois voltam a tempo das primeiras sessões de fotos para a capa, como também, poder ser filmado pela equipe de Goddard.

Primeira Sessão de Fotos

Por volta do dia 8 de junho, o grupo tirou parte da manhã para tirar uma serie de fotos que seriam usadas na capa. Alugaram uma série de roupas da era medieval das alfaiatarias Berman e Nathan, como também roupa e material para o jogo de cricket. Alugaram uma casa em Hampstead, cuja sala foi decorada com artefatos medievais, além de uma mesa posta com comida e frutas. Lá, foram tirado uma série de fotos, todas dentro do tema, o Banquete dos Mendigos (Beggar's Banquet). Depois trocando de roupa, passam a tirar fotos em um pasto onde a grama estava muito alta.

Mixagens A Tempo

Foi decidido então por Jagger, que o disco seria lançado no dia de seu vigésimo quinto aniversário. Para isto, precisavam mixá-lo o quanto antes, Mick e Marianne, Keith e Anita e Jimmy Miller viajando para Los Angeles, a cidade com mais estúdios de gravações por metro quadrado no mundo. Lá estando, pulam de estúdio em estúdio mixando durante todo tempo disponível.

Mais tarde, Charlie acompanhado de Shirley, chegaria também para colaborar com as mixagens. Ainda em L.A., dois incidentes relevantes. Primeiro, dirigindo pelo subúrbio, encontram um coral negro cantando na rua. Jagger manda parar o carro e contrata o coral para adicionar peso ao final de "Salt of the Earth".

Sessão Para Marianne

O outro concerne a arte da capa. Antes porém, Mick aproveita para gravar duas canções pensando em um trabalho fora dos Stones. Acontece que a Marianne andava entediada, se sentindo esquecida enquanto Mick se entregava às gravações do álbum. Passou a reclamar com ele que sua carreira ficara esquecida e que está extinta desde '67, quando lançou um compacto e sequer excursionou para promovê-lo. Mick, sempre apoiando com sinceridade, marca hora de estúdio e acerta com Jack Nitzche para fazer os arranjos do material. Foi escolhida uma canção dentro do estilo dela chamado "Something Better", composição da famosa dupla de sucesso Gerry Goffin e Barry Mann.

Acontece que Marianne, em um momento de rara inspiração, faz o que nunca soube ou se interessou em fazer antes. Escreveu uma letra durante o mês de tédio, onde se sentia parte da mobília da casa, de função meramente ornamentaria. O nome da canção? Sister Morphine.

Em retrospecto ela conta que tudo veio em um estado de quase sonho. A canção foi toda escrita de uma só vez. A história fantasiosa seria de um homem que sofrera um terrível acidente de carro, estando agora no hospital em dor, implorando à enfermeira por uma injeção de morfina. Até os Stones virem a gravá-la, o personagem já seria ela mesma. Gostando da canção, ao mesmo tempo assustada por ela, Marianne custou para ter coragem para mostrá-la aos amigos, Jagger incluido.

Quando ela viu que Mick Jagger estava levando-a a sério e já havia feito os preparativos para a gravação de seu futuro compacto, ela mostra-lhe a canção. Jagger fica extremamente impressionando com a letra. Assustado também. Sabia que Marianne tinha um problema para controlar seu vício de cocaína mas agora está temeroso para onde ela possa ir com sua vida.

Marianne sugere que o tema que Jagger vive tocando no violão a cada chance que tem, composto ano passado na Itália nos jardins da mansão dos pais de Stash, e que aparentemente ainda não tinha letra designada para ela, poderia ser perfeita para Sister Morphine. Jagger concorda com sua observação e assim, quando em Los Angeles, aproveitam para gravar as duas canções.

Mick Jagger assume o papel de produtor da sessão e participa da banda tocando o violão. Os demais músicos incluem o próprio Jack Nitzche no piano, Ry Cooder na guitarra, Bill Wyman e Charlie Watts respectivamente no baixo e bateria. A prioridade era para Something Better que, ao final do dia, estava com voz e mixada. Sister Morphine continuava um instrumental com Marianne apenas tendo feito a voz guia. Outra gravação de voz seria marcada em futura data, provavelmente em Londres.

A Arte da Capa

Vindo de uma idéia de Anita, encontram um banheiro público, munidos de canetas e o fotógrafo Barry Feinstein, passam a grafitá-lo, adicionando ao que já existia. A chamada "foto da privada" que só viria a ver a luz do dia na era do CD, tem entre mensagens nas paredes, canos e etc., frases como "Lyndon loves Mao", "John loves Yoko", "Bob Dylans Dream", "God rolls his own", "I sit broken-hearted" e "Tony, where are you?".

Tony é Tony Sanchez, que dedicava os últimos meses a preparar seu novo clube noturno 'The Vesuvio" e por conseguinte, não estava arrumando pó para ninguém. Sanchez havia combinado com Mick e Keith, que a festa de lançamento do álbum, somada à festa de aniversário de Mick, seria realizada no Vesúvio, que por sua vez, seria também sua noite de estreia.

Festa no Vesúvio


O lugar fora decorado no melhor estilo Marroquino, com a área delimitada por doze cubículos, cada um contendo um enorme tapete com grandes travesseiros espalhados e uma mesinha com narguilé ao centro. As paredes eram desenhadas por um conhecido de Robert Frazer, pago em haxixe. Fotos dos Stones, tirados por Michael Cooper em Marrocos, foram aumentadas para quase tamanho real e espalhados pelas paredes. Havia um pequeno dirigível de prata inflado com hélio flutuando pela casa.

Um por um foram chegando os convidados da noite, que puderam ouvir em primeira mão o novo álbum, em uma prensagem feita às pressas para a ocasião, trazido em mãos pelo próprio Mick Jagger. Para a festa, puderam também saborear um ponche com Methedrine e um bolo de haxixe. Haxixe também foi fumado nos narguiles, assim como cocaína cheirada nas mesinhas.

Paul McCartney quando chegou, passou para o DJ um compacto recém preparado pelos Beatles e que também ainda era inédito. Era o primeiro a sair com seu selo novo, Apple. A turma que até então curtira em demasia as faixas de Beggar's Banquet, considerado por todos como sendo o melhor dos Stones até então, passou a ouvir o crescente de Hey Jude, seguido pela voz gutural de Lennon em Revolution. Jagger embora não falara nada, irritara-se um pouco com a reação do público, todos encantados e movidos pelo trabalho dos Beatles. Seu ciúme, embora sobre controle, está presente.

Depois de algumas horas, John Lennon com os olhos esbugalhados, totalmente chapado, solicita que se providencie um táxi para ele e Yoko Ono, porém a equipe da casa, desobedecendo ordens expressas, comera do bolo e bebera do ponche. Assim sendo, quando o porteiro e depois um dos garçons saíram para a rua buscar um taxi, acabavam não voltando mais, no mínimo flutuando pelas ruas de Londres até o efeito passar. Até mesmo dentro da casa, conforme iam se despedindo alguns convidados, foi-se notando o sumiço de vários dos empregados da casa. Logo, o próprio Sanchez teve que mesclar de barman e porteiro.

Quando os convidados se foram, e só restaram Mick, Marianne e Robert Frazer (que já servira sua sentença de seis meses), além de Tony, dono da casa. Frazer tira do bolo seu presente especial para Mick. Um pequeno invólucro com opium puro. O oleo é imediatamente colocado no narguilé e cada um tem sua vez para inalar. Contemplam a fumaça de sabor acre em seus pulmões com sorrisos e a mente leve. Marianne aproveitou a festa para contar a todos a grande novidade. Ela está gravida e o casal estava feliz com a noticia da chegada de uma criança.

Decca Diz Não

A intenção de lançar o álbum o quanto antes foi imediatamente brecada pela gravadora Decca uma vez vista a proposta da capa. Uma foto de uma privada é considerada de extremo mau gosto, para não dizer anti-comercial. Uma agressão para o público. Jagger defendendo o projeto diz que só a metade superior da privada está visível e é em um banheiro público que se vê mesmo textos rabiscados na parede. A concepção da foto é totalmente artística e em nada agressiva. Ele complementa, "a Decca lançou o disco de Tom Jones com uma foto de uma bomba H explodindo. Eu considero aquilo agressivo e de mau gosto." O impasse continuou e o disco continuou o resto do ano aguardando a queda de braço.


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

Rolling Stones: em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da bandaRolling Stones
Em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da banda

Top 10 Guitarristas: matéria empolgada no Jornal da GloboTop 10 Guitarristas
Matéria empolgada no Jornal da Globo

Keith Richards: fogo na mansão Playboy em festa com drogasKeith Richards
Fogo na mansão Playboy em festa com drogas

Rolling Stones: Em São Paulo, parece que o público assiste o show pelo celularRolling Stones
"Em São Paulo, parece que o público assiste o show pelo celular"


Rockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmesRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes

WatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os temposWatchMojo
Os 10 guitarristas mais subestimados de todos os tempos

Influências: Folk Metal e Música CeltaInfluências
Folk Metal e Música Celta

Death On Two Legs: a declaração de ódio de Freddie MercuryDeath On Two Legs
A declaração de ódio de Freddie Mercury

Slash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl RoseSlash
Chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose

Queen: Adam Lambert participa do filme Bohemian RhapsodyQueen
Adam Lambert participa do filme "Bohemian Rhapsody"

Thrash Metal: versões rápidas e pesadas de clássicos infantisThrash Metal
Versões rápidas e pesadas de clássicos infantis


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.