A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Jagger em entrevista foi claro, "Se alguém pensou que estávamos mudando nossa imagem para nos tornamos aceitos para o público familiar, estava enganado. Só fizemos o gig por ser um show de cadeia nacional. O programa é medíocre e nos colocou no mesmo nível. Jamais voltaremos a participar deste programa." A resposta enfureceu ainda mais as pessoas. Dentro do jornal News Of The World, conta-se que se ouviu do editor algo nos moldes de "O povo já está cheio destes bastardos emperiquitados. Já está na hora deles receberem um troco! Vejamos o que podemos armar pra cima deles."

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVDMetallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupo

Keith e o seu Bentley

Embora Keith não houvesse conseguido passar em sua prova de habilitação quando tentou obter uma, ele sempre morou com ou perto de Mick ou Brian, portanto, nunca precisou de um carro realmente. Depois que os Rolling Stones quebrarem o recorde de apresentações de uma banda em um ano, repetindo o feito seguidamente em 1963 e 1964, eles diminuíram o pique e estavam reservando mais tempo para o ócio. Depois da compra da casa de Redlands, mesmo com Keith passando bastante tempo em Londres na casa de Brian ou de Mick, ter seu carro passa a ser uma necessidade.

Não seria a falta de habilitação que deixaria Keith a pé e ele começou a dirigir mesmo sem o documento. O grande empecilho era que Richards não sabia dirigir e inevitavelmente acabava sendo pego e multado por estar dirigindo sem habilitação. Seu próximo passo então seria pagar alguém para fazer a prova de habilitação em seu nome. Ensinou a pessoa a assinar o nome como se fosse o próprio Keith, e depois o mandou fazer a prova como se fosse ele. Evidentemente ninguém do Departamento de Trânsito associou este Keith Richards anônimo, que fazia a prova de direção, com o relativamente famoso guitarrista e tudo correu bem.

Keith e o seu Bentley
Keith e o seu Bentley

Uma vez com o documento, Keith comprou um lindo Bentley S3 com direção hidráulica e cambio hidramático. Estreiou o veículo seguindo pelo subúrbio de Chichester, acertando a quina da calçada a cada curva. Logo ele ganharia confiança, acelerando o carro cada vez mais e fazendo curvas desviando longe das calçadas.

O Bote

Brian e Anita entraram em outra disputa de egos e ela acabou o deixando mais uma vez. Ele então volta para a vida noturna, freqüentando os clubes, bebendo entre amigos, ou melhor, acompanhantes que adoram estar perto de algum Rolling Stone. Conhece uma sueca chamada Anne que embora charmosa, recusa seu convite para ir com ele para sua casa. Brian volta a se sentar e é aproximado por dois jornalistas, passando a dar uma entrevista exclusiva. Os dois jornalistas jogam a isca, puxando a conversa de misticismo para drogas no mundo pop atual. Brian fala sem pensar, contando que toma LSD há tempos, assim como anfetaminas para ficar acordado. Brian está tão à vontade que chega a convidar os jornalistas para irem a sua casa com mais algumas meninas e fumarem um juntos. O convite foi gentilmente recusado e os dois jornalistas se despediram.

O artigo sairia na manhã de sábado, dia 05 de fevereiro, no jornal News Of The World. A historia identificaria erroneamente que a entrevista fora com Mick Jagger e contaria que ele foi visto com haxixe, convidando garotas do local, além deles os jornalistas, para irem à sua casa para "fumar um". O artigo diria ainda que durante o curso da pequena entrevista, Mick Jagger havia tomado seis tabletes de Benzedrine. "Todo mundo usa", ele confessaria.

Mick Jagger que tem o hábito de começar seu dia lendo todos os jornais, pulou meio metro quando leu o artigo que continha uma foto sua. Ao terminar de ler o artigo, já sabia que os mongolóides o haviam confundido com Brian, o que lhe daria a oportunidade de processá-los por calúnia. Jagger, que havia agendado para aquele dia, uma aparição no programa Eamonn Andrews, um talk-show, aproveita a oportunidade para se defender. No programa, ele se mostra irritado que um jornal respeitado como News Of The World estaria escrevendo tamanha bobagem e que ele não tem outra forma para limpar o seu nome senão processar o jornal. Na segunda-feira seguinte, os advogados estão entrando com processo na justiça.

Keith e a sua Mercedes

Anita, brincando com os receios de Keith, começa a falar mal de seu Bentley, dizendo que aquilo é um carro de gente idosa. Que o veículo não possui a mesma classe que um Rolls Royce como o de Brian. Ao fazer esta comparação, Anita provoca as inseguranças de Keith, não tendo a permanência de Anita ainda como certa, tornando-o vulnerável à sua manipulação. Keith começou a conversar com alguns conhecidos e recebe a dica da existência de um Mercedes velho esquecido em um ferro velho. O carro é uma relíquia, utilizada pelos nazistas na Segunda Guerra. Anita, que tem um certo fascínio pelos nazistas, adorou a idéia de ter um carro que serviu para membros daquele partido. O veículo custou cerca de £1.700 e outros £2.500 para ajeitá-lo. Trocou-se estofado, caixa de câmbio e motor, além de uma pintura nova. Ao sair da oficina, o carro deveria estar valendo pelo menos £4.500.

Quando o carro chegou, tanto Keith quanto Anita estavam impressionados com o imponência do veículo. Sendo o carro de câmbio manual, Keith precisou novamente da ajuda de alguém para ensinar como dirigí-lo. Assim, Tony Sanchez acabou sendo convidado por Keith para ensinar como manejar um câmbio manual e estrear a máquina nova. Depois de dar algumas voltas em Chester Square, foram para o centro de Londres a toda, curtindo a reação dos pedestres, parando para olhar o longo veículo de 18pés de comprimento, e depois duplamente espantado em ver um pop star cabeludo dirigindo-o. Keith acena e segue, parando no Sands Café na Bond Street.

Depois do café, Keith levou Tony pra casa em Kilburn. A esta altura, depois de arranhar muita marcha, Keith acaba descobrindo que ele poderia arrancar em quarta e assim, basicamente dirigir o carro como seu Bentley de câmbio hidramático. Keith gostava de correr, mesmo que isto o obrigasse a furar alguns sinais vermelhos. Depois de furar dois cruzamentos, encontra no terceiro o obstáculo de um outro carro respeitando o sinal. Assim, Keith descobre que o Mercedes não freia tão facilmente como o Bentley. Com o estrondo, seu Mercedes estava acabado. Keith, que sempre andava com flagrante, deixou o problema pra Tony resolver. Pegou um taxi e sumiu. Levaria outro ano até o Mercedes ficasse pronto outra vez. Em tempo, fica claro que apesar do alto custo de certos objetos, Keith não tem uma maior relação com nenhum de seus "brinquedos". São mesmo coisas a serem usadas e dispensadas quando perdem a utilidade.

Anita Volta Pela Última Vez

Brian segue para a Espanha, passando um tempo em Barcelona. Sozinho, ele toma uma overdose de barbitúricos e álcool, uma combinação sempre perigosa que chapa o indivíduo completamente. Desta vez não havia ninguém com ele para ajudá-lo e Brian teve sorte em não ter ficado azul, acabando por morrer desacordado. Anita apavorada com esta perspectiva volta então para socorrê-lo, vigiando e garantindo que ele coma um mínimo e durma um pouco. Ele é secretamente levado para uma clinica especializada em desintoxicação na Suécia. Com a volta de Anita, Brian se acalma e resolve pela primeira vez mudar de vida. Ele para temporariamente de tomar ácido e embora continuarisse a tomar outras drogas, não o faz mais de forma tão destrutiva.

Redlands

Depois do artigo do News Of The World, não haveria mais sossego para nenhum dos três. Mick, Brian e Keith passariam a ser seguidos pela espionagem do governo de Sua Majestade, numa tentava de acabar com a suposta revolução antes dela começar. Uma van branca passa a ser vista em frente à casa dos três e tanto Keith quanto Mick estão bem conscientes do que está se passando. Um belo dia, Keith é procurado por um cara que ele havia conhecido na excursão americana do ano passado. Ele afirmaria que tinha trazido com ele um ácido novo no mercado e que queria reunir a banda e apresentar a novidade para a galera.

Seria combinado que a reunião seria realizada em Redlands. Aos olhos de Mick e Keith, o programa seria uma maneira de fugir da presença intimidadora da van branca, constantemente estacionado na frente da casa em Londres. Mick está ansioso por poder relaxar. Bill e Charlie não se interessaram pelo programa como era de se esperar. Brian precisava terminar alguns detalhes na trilha sonora que fazia para o filme A Degree of Murder, ficando de ir depois com Anita para lá.

George e Pattie Harrison
George e Pattie Harrison

Depois de uma sessão de gravação no Oympic Studios, sai uma caravana para Redlands. Estão Nicky Kramer, Tom Keylock, Mick e Marianne, Michael Cooper, Christopher Gibbs, Robert Frazer e seu servente marroquino Ali Mohammed, George e Pattie Harrison, o dono da casa Keith Richards, e o tal americano, dono da mercadoria, David Schneiderman, apelidado de o Rei dos Ácidos. Chegam e fazem uma boquinha rápida, conversando noite adentro até quase cinco da manhã, fumando enquanto ouviam um pouco de the Who na vitrola. George e Pattie depois deixam o grupo, voltando para casa do casal.

White Lightning em Redlands

Na manhã seguinte, são acordados cedo por Schneiderman, que fizera chá quente para todos. Chá quente com um tablete de um ácido chamado White Lightning, tão forte que algumas pessoas ficaram enjoadas de início. Depois foi a espera normal para o efeito bater, e quando bateu; valeu. White Lightning oferece uma viagem como LSD mas sem a sensação de perda de controle que às vezes se tem com outros ácidos. Pode-se dizer que foi a partir desta viagem que Mick e Keith realmente unificaram suas forças. Uma percepção de irmandade, ambos na mesma sintonia quanto a seus propósitos dentro da banda, solidificaria a confiança que não permitiria ninguém, nem mesmo Andrew, controlá-los mais.

O grupo resolve passear indo todos de van, com destino inicial de visitar a casa do pintor surrealista inglês Edward James. Ao chegarem lá, encontram a casa fechada, indo então para a praia curtir o barulho do mar, o vento forte e cheiro da maresia. Ao retornar, estão cansados, Marianne indo logo tomar um banho. Sem ter trazido roupas extras, se encobre com um gigantesco tapete de pele. Assim, depois do jantar, ela estaria enrolada, ao lado do Mick, junto com todos os outros, ouvindo the Who no último volume com a televisão ligada sem som enquanto incenso estava queimando.

Conversando com Schneiderman, Michael Cooper repara o quanto este sujeito entende de armas e fica intrigado. Em dado momento, enquanto o americano está distraído conversando com os outros, Michael entra no seu quarto e vasculha sua bagagem de mão, encontrando vários passaportes com nomes e nacionalidades diferentes, todos com sua fotografia. Cooper tem agora certeza que este sujeito não é apenas um vendedor de drogas mas não entende direito o que sua presença significa.

Invasão em Redlands

Por volta de umas sete da noite, já escuro, fevereiro sendo inverno inglês, podia-se ouvir um barulho vindo da entrada da casa. Ao abaixar o volume do som, identificaram o barulho como sendo alguém batendo na porta. Resolveram ignora-lo mas como quem quer que seja não desistia, Keith resolveu atender. Ao abrir a porta encontrou um esquadrão policial, com o Inspetor Chefe Gordon Dineley, falando enquanto mostrava-lhe um pedaço de papel.

Era um mandato para inspecionar a casa a procura de substâncias ilegais. Todos os convidados ainda estavam viajando em ácido no momento da batida e Keith, que respondia pela residência, tinha dificuldades em entender o que lhe era explicado. Ele via os lábios se mexendo mas sem conseguir direito concatenar o texto falado. Finalmente ele percebe o significado desta intromissão e avisa aos demais que a polícia tem com eles um papel, "uma bobagem legal" e irá vasculhar a casa. O inspetor pede que se desligue a vitrola mas Keith aceita apenas que se abaixe o som. Em seguida, Keith pega o telefone e liga para o escritório da Rolling Stones para avisar do que está acontecendo e para mandarem um advogado imediatamente para o local. Logo, os advogados Timothy Hardacre e Leslie Perrin estariam a caminho.

Os ocupantes foram logo reunidos em pares, e enquanto a policia vasculhava a casa, Michael Cooper tentava discretamente pegar sua câmara e tirar uma foto do incidente. Os policiais comuns desta época, como a sociedade em geral, eram leigos no que se refere ao assunto entorpecentes e não conheciam muito além de maconha, morfina e cocaína. Isto permitiu cenas inusitadas, como os homens achando haxixe no casaco de Mick e acreditando se tratar de terra encrostada no fundo do bolso, colocando-o de volta. Imaginem um alferes com uma expressão de nojo como quem está pensando, "cambada de hippies porcos e imundos". Os tabletes de heroína trazidas por Frazer, foram inicialmente confundidos com remédio para diabetes. Iriam revistar a mala de Schneiderman, cheia de praticamente tudo, mas porque tinha seu conteúdo cuidadosamente embrulhados em alumínio, perguntaram primeiro do que se tratava. "É filme não processado" explicou o dono da maleta. "Eu faço filmes e agradeceria se vocês não o abrissem. Estragaria um trabalho de dois anos" ele explicou calmamente. "Perfeitamente compreensível senhor" com a típica polidez inglesa e a mala voltou a ser fechada. Mesmo assim, encontraram maconha no bolso de seu casaco e levaram para ser analisada.

Michael Cooper
Michael Cooper

Marianne foi convidada a ser vistoriada por uma policial feminina. "Mas eu estou só vestindo este tapete" ela retruca deixando o dito cujo cair um pouquinho por segundos, e se cobrindo novamente, rindo dos guardas ruborizados. Keith e Mick estão às gargalhadas, ninguém aliás está levando a policia muito a sério, deixando-os extremamente irritados, desacostumados com esta apatia de respeito. Michael ou Christopher então colocam na vitrola Bob Dylan cantando Rainy Day Woman #12 & 35 enquanto o grupo assiste a policia vasculhar a casa, todos rindo da letra em contraste com a cena de teatro vivo que estão vivenciando. A letra de Dylan conclamando todos a tomarem cuidado com hipócritas que surrupiam sua liberdade em nome da lei. A palavra "stoned" em inglês significando "apedrejado" em sua forma original e "intoxicado, doidão, chapado" em gíria.

Dylan canta:

Well, they'll stone ya when you're trying to be so good,
They'll stone ya just a-like they said they would.
They'll stone ya when you're tryin' to go home.
Then they'll stone ya when you're there all alone.
But I would not feel so all alone,
Everybody must get stoned!

Well, they'll stone ya when you're walkin' 'long the street.
They'll stone ya when you're tryin' to keep your seat.
They'll stone ya when you're walkin' on the floor.
They'll stone ya when you're walkin' to the door.
But I would not feel so all alone,
Everybody must get stoned!

They'll stone ya when you're at the breakfast table.
They'll stone ya when you are young and able.
They'll stone ya when you're tryin' to make a buck.
They'll stone ya and then they'll say, "good luck."
Tell ya what, I would not feel so all alone,
Everybody must get stoned!

Well, they'll stone you and say that it's the end.
Then they'll stone you and then they'll come back again.
They'll stone you when you're riding in your car.
They'll stone you when you're playing your guitar.
Yes, but I would not feel so all alone,
Everybody must get stoned!

Well, they'll stone you when you walk all alone.
They'll stone you when you are walking home.
They'll stone you and then say you are brave.
They'll stone you when you are set down in your grave.
But I would not feel so all alone,
Everybody must get stoned!

No final da blitz, a polícia levou vários palitos de incenso, um cachimbo com restos de hemp encontrada sobre uma mesa, um cinzeiro com cinzas de maconha, uma bola de maconha prensada, quatro pílulas que Mick comprara em uma farmácia na Itália contra enjôo, oito capsulas verdes, como também um dos tabletes do remédio para diabetes de Robert Frazer. Ao sair, Keith é avisado que se os laboratórios concluírem que algo ilegal fora encontrado, ele seria processado por admitir o uso de substancias ilegais em sua residência.

Chocados com o evento que se sucedeu, a festa naturalmente acabou e as pessoas começaram a reunir suas coisas para irem embora. Pouco depois Brian liga dizendo que ele e Anita estão a caminho, sendo logicamente informado da primeira batida residencial que a polícia inglesa tenha dado, especificamente a procura de drogas classificadas de perigosas.

Conclusões

Analisando o significado de tudo o que ocorreu, os amigos concluem que foi uma cilada desde o inicio. Esta historia de um americano aparecer do nada oferecendo ácido gratuitamente só para eles, agora cheirava a armação. Mick está certo que o jornal News Of The World está envolvido na historia. Sabem que ao serem processados, irão perder uma grana por difamação, portanto o jornal arrumou uma maneira de envolver Jagger e os Stones em um escândalo ligado a entorpecentes. Com tempo, aprenderam a suspeitar de uma tríplice aliança entre o jornal News of the World, a polícia de Chichester e alguns membros do governo. De toda a batida, só encontraram evidência nas mãos dos outros, as 150 gramas de maconha no bolso de Schneiderman e os tabletes de heroína no bolso de Robert Frazer. A única coisa que encontraram com Mick foram pílulas contra enjôo, que na verdade pertenciam a Marianne, que comprara na Italia quando estavam em San Remo e Cannes de barco.

Schneiderman em dois dias já havia saído do país, desaparecendo sem vestígios, ficando somente Frazer em situação delicada com os tabletes de heroína, droga legalmente considerada perigosa, pendendo contra ele. Com a intermediação do amigo Sanchez, negocia-se com alguém que trabalha no laboratório policial, que pela soma de £7.000, se perderia ou adulteraria os resultados, concluindo que os tabletes eram de glicose ou coisa parecida. Frazer negocia com Mick e Keith que liberam a soma de £5.000 enquanto ele adiciona mais £2.000 em cima, pagos ao laboratório da policia e o assunto prometia ser esquecido. Porém, o jornal News of the World correu materia com um relato completo e detalhado sobre o incidente. Mick não tem duvidas que tem um informante nesta historia e suspeitas recaem tanto em Schneiderman como em Kramer, um dos empregados de Keith.

O artigo é genérico, dizendo apenas "Esquadrão de Entorpecentes Invade Festa de Popstar". Toda a sociedade está chocada e uma repulsa geral contra entorpecentes e pessoas que os consomem, se torna o assunto da semana. Em seguida, novas batidas policiais se sucedem em clubes, galerias e lojas freqüentados por jovens. A opinião pública, extremamente contra, deixa um ar tenso sobre músicos pop em geral. Esta tensão amplifica o clima de animosidade dentro dos Stones contra Allen Klein, quando a demora de recursos a chegar nas contas bancarias persiste.

Klein inevitavelmente manda uma remessa de dinheiro, da qual uma pequena parte serve para cobrir a despesa do suborno. Poucos dias depois, Klein está em Londres para conversar com os rapazes. Os advogados garantem que não há nada com que se preocuparem e que o incidente, mesmo que chegue a ser chamado para julgamento, não terá maiores conseqüências. Pensando em evitar maiores embates com a lei, Klein sugere que todos vão para algum lugar longe da Inglaterra. Se eles gostam tanto de fumar haxixe, que eles procurem um lugar onde isto seja legal.

Jornada Para Tangier

Com esta sugestão, Keith resolve ir para Marrocos e descansar um pouco por lá. A idéia agrada todos e planos são traçados. Keith quer ir de carro, e portanto transporta seu Bentley de avião até Paris. Da França, seguiria com Tom Keylock, seu motorista particular, para Marrocos. Mas antes de irem, Keith aguarda no George V Hotel em Paris, a chegada de Brian e Anita, mais Deborah Dixon, namorada de Donald Cammell, amigo do grupo. Mick Jagger, Robert Frazer, Christopher Gibbs e Michael Cooper vão de avião direto e aguardam os demais hospedados no El Minzah Hotel.

Marianne Faithfull, presa por obrigações com ensaios para a peça Three Sisters, fica para trás. Brian estava ainda fazendo os acabamentos na trilha sonora do filme A Degree of Murder e só viajou quando despachou o material para o diretor do filme Volker Schlondorff. Ele e Anita se encontraram com Keith e Deborah em Paris e seguiram então de carro em direção a Espanha. Pelo caminho, Brian sofre uma de suas piores crises asmáticas, assustando todos com a extrema dificuldade e esforço exigido para se respirar. Finalmente em Toulouse, ele é internado no Centre Hospitalier d'Albi, onde os médicos informam que ele precisa continuar lá em repouso por alguns dias. O grupo pernoita em um hotelzinho perto do hospital seguindo viagem em direção para Barcelona. Brian fica de encontrar com eles dentro de alguns dias.

A Saúde de Brian Desaba

Brian passou o seu vigésimo quinto aniversário no hospital sozinho. No dia seguinte ele manda um telegrama para Barcelona solicitando que Anita voltasse para Toulouse, pois ele queria que ela estivesse com ele. Ela ignorou o telegrama e para evitar outros, Keith e Anita resolvem seguir para Marbella; Deborah resolvendo voltar a Paris. No domingo, dia 05 de Março, Anita se despede de Keith e vai a Toulouse pegar Brian e levá-lo de volta a Londres para que ele possa fazer um check-up completo. Ela está preocupada com sua saúde e incerta quanto a suas emoções.

Dia 07 de março Brian Jones recebe alta do hospital em Toulouse e segue então para Londres. Lá, uma serie de testes e Raio-X são marcados. Ele e Anita almoçam com Allen Klein e em seguida é internado no West London Hospital. As constantes viagens de ácido que o grupo estavam tomando exigem do corpo uma tremenda resistência física. Mas Brian nunca teve toda esta saúde e depois da morte de Tara Browne, que ele começou a experimentar com DMT e STP, não demorou muito para seus pulmões pedirem clemência. Oficialmente ele é diagnosticado com pneumonia, mas de boca em boca, todos sabem que é estafa do organismo, cansado de processar tanta química. Seus pulmões, seu coração e seu sistema nervoso estão todos afetados e os médicos prescrevem tranqüilizantes e recomendam muito repouso.

Marianne e Anita Seqüestram Brian

Anita passa a madrugada de sexta para sábado com Marianne tomando ácido e fazendo amor. Quando descobre que Marianne tem uma semana de folga da peça, Anita tem a brilhante idéia de ir tirar Brian do hospital, e todos irem para Tangier, encontrar com os outros. Assim, na tarde de sábado, ainda sob efeito do alucinógeno, as meninas tiram Brian do hospital, seguindo para casa fazer as malas. Brian faz questão de levar uma cópia da fita com a trilha do filme A Degree of Murder, e seu gravador portátil (evidentemente de rolo, uma vez que o gravador K-7, não existia ainda no mercado). Marianne, preparou sua mala (uma bolsa) com um livro de Oscar Wilde, uma bata indiana, algumas conchas, e outras besterinhas. A ida para um lugar como Tangier, ensolarado, onde Brian pudesse descansar, se acalmar e ficar longe de encrencas, não é uma idéia de todo mal. Bastava um pouco de senso de sua parte e de seus amigos. Mas o que acontece? A primeira coisa que as meninas fazem antes de decolarem é lhe dar um ácido.


Precisariam trocar de aeroplano em Gibraltar e durante a parada Brian meteu na cabeça que queria ir até a Pedra de Gibraltar tocar sua música para os macacos que lá habitam. Pegam um taxi e ao chegarem, aproximam-se cuidadosamente, Brian preparando a fita e conversando com os primatas que ali se encontram. Eles pareciam intrigados com este trio, com Brian, Anita e Marianne se curvando respeitosamente aos macacos. Em seguida, ligam o aparelho. Ao começar a música, os macacos se assustam com os barulhos e começam a soltar grunhidos agudos, correndo em seguida para dentro da floresta. Brian, tomou a reação dos babuínos como uma recusa pessoal ao seu trabalho e começou a chorar, as meninas se entreolhando em espanto. Pegam Brian como quem cuida de um menininho e voltam para o aeroporto. Dentro de poucas horas estão novamente em pleno vôo sobre o Mar Mediterrâneo. Como o astral ficara meio pesado, Marianne teve a idéia de pegar seu livro de Oscar Wilde e botar os três para lerem, recitando com se ensaiando, Salome. Ao pousarem, até Brian já estava sorrindo novamente.

Haxixe em Tangier


Mick e Marianne andando pelo mercado vêem passar um homem com um vaso bonito. Marianne começa a segui-lo e Mick acompanha. Vão parar em uma loja praticamente vazia. A loja é uma sapataria e o homem se chama Achmed. Ele e os Stones irão fazer muitos negócios dentro dos próximos anos. Dentro da loja, são oferecidos um fumo no narguilé. A qualidade é a melhor possível e logo o casal está em um estado de quase estupor. Em tempo, os negócios com Achmed seriam em torno de sapatos. Diversas botas e sapatos, para o casal, como também Keith, Anita, Brian e outros amigos mais íntimos. Todos estes calçados seriam fornecidos com salto oco, porém recheados de haxixe. Assim, os Stones traficariam, exclusivamente para consumo próprio, haxixe de Marrocos para Inglaterra durante um período de quatro anos. Achmed passaria neste tempo de dono de uma loja modesta para dono de diversas lojas filiais, ficando extremamente rico e até se tornando uma pequena celebridade na cidade. Depois de quatro anos, ele seria preso, perderia sua fortuna e sua vida. Os Stones apenas perdem seu contato.

Occidental El Minzah-a SNR Hotel
Occidental El Minzah-a SNR Hotel

Brian estava com cara de doente, esbranquiçado e com um ar frágil. Por outro lado, Keith está forte e cheio de determinação. Seu futuro está a sua espera ou pelo menos ele parecia exalar este tipo de aura. Do meio para o final da semana, Brian chapa no haxixe ou no ácido e fica em um estado de estupor, deitado na cama sem conseguir se levantar. Anita cansada dele e de suas fragilidade o deixa lá. Ela prefere pegar sol na piscina do hotel assistindo Keith nadando à distância.

Sexo Na Cidade


Certa noite Mick e Marianne foram à noite para um clube jantar e assistir dança folclórica. Entre as dançarinas, uma em particular se destacou das demais. Marianne foi procurá-la depois do show e, acertado um preço, a dançarina, chamada Yasmin, seguiu com eles para o hotel. Lá, curtiram uma gostosa menáge a trois, onde Mick saciou suas fantasias com a convidada. Depois que fisicamente esgotado, se encostou do lado oposto da cama, rolou um baseado, e assistiu como um voyer privilegiado, Yasmin e Marianne terem relações.

Quando a historia circulou no grupo, Brian quis que Anita aceitasse uma parceira para juntos fazerem uma menáge a trois. Brian conhecia uma menina com quem já dormira em outra viagem feita à cidade e já discursava sobre seus planos de ir buscá-la. As duas podiam brincar de serem escravas sexuais, e ele, o mestre. Anita não estava em clima para nem cogitar a situação e ao informá-lo de que é mais fácil o inferno congelar, Brian explode em fúria e passa a esmurra-la seguidamente. Os insultos são mútuos e cada um passa a fazer seus próprios passeios.

Sir Cecil Baton
Sir Cecil Baton

No dia 14 de Março, Anita está conversando com William Burroughs, que também está hospedado no hotel. Mick está ocupado dando atenção para Sir Cecil Baton, que quer tirar algumas fotos suas para um trabalho futuro. Fotos na piscina e nos jardins do hotel são tiradas à tarde. No dia seguinte, outro inglês no hotel, um senhor Biron Gysin convida Brian para ir com ele para Marrakesh, cidade que, garante, irá agrada-lo. Biron fala também das montanhas de Atlas e os dois passam o dia lá.

Marrakesh

Em Marrakesh, Brian se apaixona pelos flautistas de JouJouka, gravando-os na hora. Depois voltam pelas montanhas de Atlas, onde as belezas naturais do cenário deixam Brian encantado, voltando para Tangier e para o hotel, somente a noite.

Atravessando o Atlas perto de Marrakesh
Atravessando o Atlas perto de Marrakesh

Quando lá chega, não encontra Anita, nem ninguém. Todos se foram do hotel. Brian está pasmo. Quando se dá conta do que está acontecendo, entra em profunda depressão. Sua mulher, seus amigos, todos fugiram sem ele. Sem dinheiro no bolso, pede emprestado a Biron, seguindo no dia seguinte para Paris. Lá passa dois dias na casa de Donald Cammell, que mal reconheceu o guitarrista, magricelo com cara de doente, todo roto e sujo.

O que aconteceu foi que Keith aproveitou que Brian estava fora da cidade e convenceu a Anita de fugir com ele. Ela estava cansada de apanhar de Brian e Keith já não agüentava mais vê-la apanhando. Ou ela foge com ele ou Keith Richards acabaria matando Brian Jones. Anita foi, socorrida pelo seu cavaleiro de Bentley e chofer, fugindo no deserto e acabando em Marrakesh. Muito romântico. Mick não queria estar lá quando Brian voltasse, portanto pegou Marianne e voltou para Londres. Os demais fizeram o mesmo, todos desgostosos com Brian por ter batido tanto na pobre Anita.

Reação

Brian começou a pirar de vez. A humilhação simplesmente o levou às raias da insanidade. Mas ele reagiu de forma inesperada. Ao chegar em Londres, passou a tomar aulas de guitarra. Mergulhou no instrumento tentando expandir seus conhecimentos musicais e se especializar nele. As bebedeiras e anfetaminas continuaram, mas ele diminuiu no resto.

Uma vez entregue a trilha sonora, Volke Schlondroff adorou o material e fez questão de elogia-lo para toda a imprensa. O filme logo estaria representando Alemanha no Festival de Cinema em Cannes, ainda naquele ano.

Logo Brian estaria recebendo outros roteiros e pedidos para compor trilha sonoras. Um alívio secreto passou pela cabeça dos demais membros da banda, ao contemplar a hipóteses de que este possa ser um caminho para o amigo atormentado. Se suas composições não tem lugar nos Rolling Stones, pelo menos agora, ele parece ter encontrado um caminho para canalizar sua criatividade.

A esta altura, exatas seis semanas depois do incidente em Redlands, a justiça indicia Mick Jagger, Keith Richards e Robert Frazer, por acusações ligadas a drogas. Robert Frazer pela suas capsulas de heroína e Mick Jagger pelas pílulas que continham anfetaminas na sua formula química. O remédio sendo italiano pode ser considerado ilegal na Inglaterra. A quantidade de anfetaminas encontrado era mínimo mas foi o suficiente para processar Mick por uso ilegal de drogas. Keith Richards por sua vez estava indiciado por permitir o uso de sua residência para o consumo de drogas consideradas perigosas. A indiciação chegou logo aos jornais como também chegou a historia de uma mulher nua encoberta apenas por um tapete.

Allen Klein havia preparado uma turnê européia para ver se deixando o grupo ocupado tocando, ele pode gerar publicidade positiva ao mesmo tempo que evitar que eles se metam em maiores encrencas. No dia 24, o grupo estaria viajando para a Dinamarca, onde dia 25 fariam o primeiro show. Anita retorna para a casa de Brian dia 22. Anita e Brian conversam e ela tenta lhe dar apoio, desejando que ele faça uma boa excursão. Mas a conversa descambou, Brian já não acreditando na sinceridade de suas palavras e sentido por saber que ela o está tratando como um bebezão. A conversa deu lugar à violência e assim se encerra qualquer suposta chance que Brian ainda tivesse de voltar a ter Anita. "Estou feliz que você se vá" ele diz, engolindo a dor de vê-la partindo. Quando voltarem a se ver na Italia, ela já será a garota de Keith Richards.


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

Rolling Stones: em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da bandaRolling Stones
Em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da banda

Keith Richards: Odeio música eletrônica! O mundo digital deixa as pessoas burras!Keith Richards
"Odeio música eletrônica! O mundo digital deixa as pessoas burras!"

Keith Richards: guitarrista quer ter cinzas cheiradas por filhasKeith Richards
Guitarrista quer ter cinzas cheiradas por filhas

Dave Mustaine: ele não quer ficar como Keith RichardsDave Mustaine
Ele não quer ficar como Keith Richards


Metallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupoMetallica
NME elege as 10 melhores músicas do grupo

Slash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gaySlash
A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay

Mayhem: banda levou restos humanos para o palco em 2011Mayhem
Banda levou restos humanos para o palco em 2011

Heavy Metal: 10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhosHeavy Metal
10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhos

Ozzy Osbourne: comendo oferenda de macumba no Rock in RioOzzy Osbourne
Comendo oferenda de macumba no Rock in Rio

AC/DC: família Young é uma das mais ricas da AustráliaAC/DC
Família Young é uma das mais ricas da Austrália

Planet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os temposPlanet Rock
40 melhores discos ao vivo de todos os tempos


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.