A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

O pequeno selo independente seria precursor em um empreendimento que ganharia força na década de setenta, durante a era punk. A Immediate deixaria suas maiores marcas ao lançar as bandas Small Faces, Nice e Humble Pie. Mas no ano de seu lançamento, além de contribuir com composições, Keith Richards grava guitarra no EP de Chris Farlow, chamado In The Midnight Hour, produzido a três mãos por Andrew Oldham, Mick Jagger e Keith Richards (We Three Productions).

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVDSteve Perry: 5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do Journey

Gravações Para Se Colecionar

As relações comerciais entre Oldham e Page permitem a aproximação entre Jimmy e os demais Rolling Stones, a ponto deles participarem de várias gravações informais que vieram a ser lançadas no álbum Guitar Boogie. Nele temos Bill Wyman tocando em "Choker" e "Snake Drive" e o trio Bill Wyman (baixo), Ian Stewart (piano) e Mick Jagger (gaita) participando em "Draggin' My Tail" e "West Coast Idea", todas composições de Eric Clapton e Jimmy Page, tendo com eles a assistência do baterista Chris Winters. As sessões são teoricamente produzidos por Andrew Oldham. Outra raridade fica para a sessão de The Lancasters, gravando "Satan's Holiday (Nanker Phelge)/Earthshaker" (Kim Fowley/Ritchie Blackmore). A banda para estas duas gravações inclui Keith Richards e Ritchie Blackmore nas guitarras, Nicky Hopkins no piano, Chas Hodges no baixo, Mick Underwood na bateria e Reg Price no sax.

Entre as canções que a dupla Jagger-Richards entregou para outros artistas, sem participar de suas gravações, existe uma lista extensa. Ainda em 1964, quando o duo apenas estavam começando, além dos já anteriormente mencionados, existem "Will You Be My Lover Tonight/ It Should Be You", ambas Jagger-Richard, gravados por George Bean e lançado pela Decca; "Give Me Your Hand" é entregue a Teddy Green; The Greenbeats gravam "You Must Be The One", produzidos por John Paul Jones e distribuídos pela Pye Records.

Em 1965, Lulu & the Luvvers gravam "Surprise, Surprise". Esta canção seria gravada também pelos Rolling Stones, e editada em um álbum de vários artistas chamado Fourteen e lançado pela Decca, com o lucro visando caridade. Vashti gravaria "Some Things Just Stick In Your Mind" produzido por Oldham; The Thee gravariam "Each And Every Day Of The Year"; The Mighty Avengers gravariam a curiosa "Sleepy City" além de "Sir Edward And Lady Jane", esta última composta por Andrew Oldham e finalmente, Jimmy Tarbuck gravaria para Immediate "We're Wasting Time", outra composição obscura da dupla.

Relacionamentos em Declínio

A Familia Wyman: Diane, Stephen e Bill
A Familia Wyman: Diane, Stephen e Bill

Logo no inicio de Agosto, os Stones foram autorizados a gozar três semanas de férias. Charlie e Shirley se mudaram para a nova residência, recém comprada e mobiliada. Bill descobriu que Diane estava tendo um caso e culpou em parte seus longos períodos de ausência. Conversam e resolvem fazer uma viagem indo para Düsseldorf, Alemanha.

Quando voltam, Bill passa a procurar por uma nova residência. Ele se interessa por uma casa de oito quartos em Kent, que custava £12.000. Ele utiliza o dinheiro da assinatura do contrato com Klein, e negocia um empréstimo com a Rolling Stones Ltda. de £5.150, para poder fechar o negócio.

Chrissie encontrou a casa dos sonhos em Bryanston Mews East. A relação dela com Mick porém voltara a ser conturbada. Depois do incidente com Tish e Proby, e o subsequente pedido de casamento, ela passou a tentar bancar a esposazinha, fazendo café da manhã e tendo janta pronta para o seu maridinho quando este chegava do trabalho. Mick porém odiou a mudança. Percebeu que no mundo delirante do entretenimento, precisava mesmo era de alguém que o criticasse e o mantivesse com os pés na realidade. Passa então a reclamar e colocar defeito em tudo que ela faz.

Chrissie em final de mês, parte pra cima de Jagger, lhe socando e arranhando o rosto, deixando uma marca que ficaria por um bom tempo. Jagger esgoela em dor e sai correndo para outra cômodo. Ela mais calma se arrepende do que fez. Ao voltar Mick lhe pede desculpas mas informa que não deseja mais casar e uma nova discussão se inicia. Ele quer continuar com ela mas só iria casar quando resolvesse ter filhos e isto não estava nos seus planos ainda. Magoada, Chrissie resolve então que não iria mais morar com ele se Mick não desejava o casamento. Arruma suas coisas e sai de sua vida mas é aconselhada pela sua mãe a aceitar a relação nos termos que Mick quer. Clássica mentalidade de que a moça solteira, uma vez se tornando mulher, deva fazer e agüentar tudo para manter o seu homem e não ser difamada. Assim, Chrissie volta a morar com Mick em sua nova residência, mas sem abrir mão do seu apartamento. Mick contrata uma empregada portuguesa chamada Maria para ajudar com os afazeres da casa. Algum tempo depois, escreveria a canção 19th Nervous Breakdown e Under My Thumb, claramente inspirado pelo relacionamento entre os dois.

Enquanto Keith e Linda Keith viajam para o sul da França, Mick e Chrissie, mais Brian e Linda Lawrence vão para Tangier, Marrocos. O local agrada todos e eles ainda irão voltar a cidade mais algumas vezes. Lá Linda Lawrence e Brian conversam e entram em um acordo quanto à pensão de Mark. Retornando, Linda descreve a viagem como o melhor passeio de sua vida. Retira o processo correndo contra Brian para que ele pague uma pensão, confirmando um acerto entre os dois. Segundo Linda, Brian concordara em depositar uma soma considerável de verba para ser investida na educação e etc. de Julian. Ele também teria concordado em ajudar nas finanças de uma boutique onde Linda venderia suas criações. Mas Brian nega dizendo que houve apenas um acordo entre os dois quanto à soma a ser depositado referente a pensão do menino. Afora isto, ele considera seu relacionamento com Linda encerrado.

Irlanda

Durante a passagem pela Irlanda, filmam o público e o evento, com intuito de montar imagens para promover o próximo compacto, mas, influenciado pelos filmes dos Beatles, Oldham acaba optando por lançar o material como um pequeno documentário que seria chamado "Charlie Is My Darling". O nome surge de um comentário feito por uma das fãs entrevistadas.

Durante o segundo show em Dublin, tumulto e briga invade o palco no final. Bill torce o braço e Andrew tem sua cabeça rachada ao tentar livrar a banda dos invasores. Brian lutava contra três adolescentes, mas junto com Keith, conseguiu escapulir rapidamente para um carro que os aguardava. Mick levantado no ar e retirado, perdeu seu casaco, que foi todo rasgado, e Charlie quase foi soterrado por sua própria bateria, revirada sobre ele.

Apesar do susto, recobram a fibra viajando para Los Angeles para gravar "Get Off My Cloud", seu próximo compacto. Jack Nitzsche e Ian Stewart estão auxiliando nos teclados e a sessão segue até o dia seguinte. Ao término, além da exaustão, estão com "I'm Free" e "Looking Tired" igualmente prontas. Continuando a exaustiva programação, amanhecem cedo para pegar o avião matutino de volta a Londres, aproveitando a viagem para dormir. Chegam com tempo apenas de passar em casa, trocar de roupa e voltar para o aeroporto, desta vez indo para Douglas na Ilha de Man, para um show. Pernoitam lá seguindo então para a Alemanha.

Alemanha 65

Na Alemanha, durante o show de Hamburgo, a brutalidade da policia para com o público era chocante. Entre apresentações, com a banda bebendo no camarim, Keith mija em uma garrafa de Whiskey ainda pela metade. Sacode bem a garrafa e oferece como cortesia para a policia do lado de fora. Eles agradecem e bebem, brindando à saúde da banda.


Em Berlim Ocidental, onde puderam visitar o seu famoso muro, o público se soltou e a policia não soube como lidar com a falta de obediência cívica. Jagger empolgado com a recepção calorosa destes jovens extremamente oprimidos em sua cidade dividida em dois, dança e faz a saudação nazista com o braço, levando jovens ao delírio e tornando-os incontroláveis. Depois do show, arruaças e brigas surgem dentro e fora do teatro. Lojas e carros são vandalizados, incluindo o trem que faz a conexão entre as duas Alemanhas, estacionado no lado Ocidental mas que pertence ao governo da Alemanha Oriental. O incidente serve para jornais pertencentes aos Estado, atras da "Cortina de Ferro", divulgarem mais propaganda pró comunista, falando da decadência moral dos capitalistas. Em Munich, entre apresentações, a banda conhece uma modelo de 22 anos chamada Anita Pallenberg.

Anita Pallenberg

Anita Pallenberg
Anita Pallenberg

Anita nasceu na Itália dia 25 de janeiro de 1943 mas foi criada na Alemanha. Cresceu falando fluentemente o alemão, italiano, francês e o espanhol, mais tarde aprendendo a lidar também com a língua inglesa. Como adolescente, estudara restauração de quadros, medicina e desenho gráfico. Já havia participado como atriz do teatro vivo de Julian Beck, e estava neste período de sua vida trabalhando como modelo em Munich.

Assistiu o primeiro show da noite dos Rolling Stones e depois conseguiu, através de um amigo fotógrafo, acesso ao backstage. Como muitas meninas ao redor do mundo, ela estava ouriçada com a possibilidade de conhecer um Rolling Stone. Quando ela apareceu, Mick Jagger e Keith Richards logo mostraram seus sorrisos e soltaram o charme, porém bastou Brian entrar na sala que ninguém mais teve chance.

Conta-se que ela simplesmente ficou encantada com a figura atraente do Brian Jones de roupa branca e os olhares logo mostravam permissividade. Brian ficou igualmente tomado por sua presença. Anita era de fato extremamente atraente e como era de se presumir, passaram a noite juntos.

Depois dos shows na Alemanha a banda tocou na Áustria em seu último show da excursão Européia, dia 17 de Setembro. O clima foi marcado pela ameaça de uma bomba na qual a policia, embora não dispensando maior credibilidade à veracidade da denúncia, revistou o local completamente antes de admitir a entrada do público. De fato, o show transcorreu normalmente com uma platéia animada.

De Volta a Londres

Terminada a excursão, a banda teria uma semana de descanso antes da excursão Britânica. Ainda assim, haveriam reuniões entre a banda e Oldham sobre a situação Easton - Klein. Eric Easton e Mick Jagger conversam em certa ocasião onde Eric questiona como a banda poderia querer trabalhar com Klein conhecendo sua reputação de negociante sem ética? Mick deixava claro que a reputação não interessa, o que interessa são os contratos com valores gordos que ele é capaz de negociar.

Analisando a questão posteriormente, Easton conclui que Mick e os rapazes estavam com medo de não durarem. Temendo acabar dentro do próximo ano, só se interessavam pelo dinheiro adiantado que conseguiriam de imediato, sem tentar enxergar os negócios como algo que oferecia um entrante duradouro. Decepcionado com a facilidade que fora dispensada, ele resume seus pensamentos com um, "Eles aprenderão."

Em setembro, sai no mercado o terceiro album da banda, "Out of Our Heads". As músicas, compreendem todo o material gravado nos Estados Unidos, basicamente no Chess Studio de Chicago e o RCA Studio de Hollywood. Os Stones regravam diversos números de soul, deixando visível a admiração pelo gênero e suas composições estão melhores, a dupla Jagger-Richards acertando em cheio com os primeiros do que viria a ser uma série de eternos clássicos, Satisfaction (que não está no disco), The Last Time e Play With Fire. É o primeiro álbum que chega a No.1 na América e um ponto de partida para a qualidade sonora da banda em discos por vir. No geral, todos concordam que os americanos gravam discos de r&b melhor do que os ingleses. A canção Satisfaction rapidamente chega a No.1 no país.

A Modelo e os Lords

Enquanto os Stones estão na América, Anita Pallenberg está fazendo nome na Inglaterra. A beleza e cultura da modelo a ajudam a atrair atenção no jet-set inglês. Com um magnetismo pessoal invejável, Anita seduz todos com seu sotaque estrangeiro e um olhar de tirar o fôlego. Ela faz amizades com os filhos de Lord Harlech, Jane, Julian e Victoria, e através delas, freqüenta o círculo fechado da aristocracia. Anita aguardava pela a volta da banda. Quem não soubesse do encontro em Munich, juraria que Brian e Anita se conheceram em Londres.

A Moda Muda

Foi por volta do final do ano de 1965, que começou-se a cogitar que a onda pop não era uma coisa tão passageira assim. Membros da elite londrina, a chamada "high society", passam a olhar para pessoas da industria de música pop com maior admiração. Não coincidentemente, é nesta época que os Beatles são condecorados pela Rainha como súditos reais.

Twiggy
Twiggy

Depois da turbulência de 1964, com a juventude tendo crises de histeria coletiva e proporcionando Beatle e Stone-mania, o rótulo passa a ser usado indiscriminadamente. Temos Kinkmania, Troggmania, e até Monkeemania, entre tantos outros. Assim, lucra-se o máximo possível, enquanto, como dizem, "a teta der leite." Londres se torna em 1965, o epicentro da moda Européia. Sua atenção está direcionada para esta nova geração com poder aquisitivo e gosto próprio, que recusa-se a perpetuar estilos clássicos, preferindo expressões novas e contemporâneas. Tons sóbrios dão lugar a muita cor.

Com a sociedade discutindo sobre a moralidade de se usar anticoncepcionais, surge a mini-saia, o bikini e mais adiante, o topless ou monokini. As modelos passam a ter uma maior representação na mente e na imagem da sociedade. Surge Twiggy, a primeira modelo extremamente esbelta. Até então, a mulher voluptuosa, puxando para gordinha, era a imagem do belo e saudável. Twiggy marca a era das magras, como sendo referência do que é sexy. Ela seria considerada em 1966 "o rosto", gíria mod, para designar padrão a que os outros devem imitar.

Badalação Na Cidade

Quando estão na cidade, fora Bill e Charlie que são casados e preferem uma vida mais caseira, longe do bochicho, todos passam as noites badalando a cidade. A moda e a música pop estão em plena efervescência e o jet-set está interessado em artistas pop como nunca. Com isso, a barreira das classes, uma barreira extremamente espessa na Inglaterra, estava dando vazão ao impensável. Assim, passam a receber convites para freqüentar festas transitadas pela realeza e pela aristocracia, especialmente Mick Jagger.

The Ad Lib Club
The Ad Lib Club

Mick e Chrissie são convidados a uma festa na residência de Lady Harlech, que tem como convidados de honra a Princesa Margaret, a Princesa Alexandra e o Lord Snowdon. Mick é depois convidado a sentar à mesa com a realeza para uma conversa amena e amistosa. Voltando a sua mesa e ao lado de Chrissie, Mick está estupefato por sua trajetória de amaldiçoado social para celebridade entre a família real.

Brian sempre que pode, está fugindo para Paris ou Estocolmo, ou outras capitais européias, procurando conhecer pessoas e bochichos, nestas nações. Quando Brian ficava em Londres, sua turma de amigos incluía geralmente Eric Clapton, John Lennon, George Harrison, Georgie Fame, Eric Burdon, Dave Davies, Amanda Lear, Marianne Faithfull, John Dunbar, Robert Frazer e Tara Browne. Os clubes favoritos variam de nomes, The Ad Lib, the Scotch of St. James, Bag O'Nails e o Speakeasy são alguns dos locais mais na moda entre as celebridades.

Excursão Britânica

Durante a excursão Britânica, um novo chofer é contratado pela Rolling Stones Ltda. Seu nome é Tom Keylock e ele passaria a trabalhar pelos próximos anos, muito perto dos próprios Rolling Stones. Esta excursão tem como bandas de abertura The Spencer Davis Group, Unit Four Plus Two e uma banda empresariada por Wyman chamada The End. Em algumas noites, também haveriam shows com The Moody Blues.

A nova excursão tinha novidades. O repertório evitava velhos favoritos, tentando concentrar-se na promoção do material mais novo. Apresentam "Mercy Mercy", "Cry To Me", "That's How Strong My Love Is", "Play With Fire", "Oh Baby", "I'm Moving On", "The Last Time", fechando o set com "Satisfaction". As roupas são mais coloridas, os Stones até sorriem de vez em quando, e o público aplaude freneticamente as danças de Mick Jagger ou quando Brian Jones passa para um órgão elétrico durante as canções "That's How Strong My Love Is" e "Play With Fire".


Em algumas apresentações, o público enlouqueceu e invasões no palco culminam com Charlie novamente sendo derrubado da bateria. Em outros lugares, a entrada e saída da banda do local do show é estudada em planos tão bem arquitetados que beiram militarismo.

Em Bradford, havia um jantar com galinha, frutas sortidas e whiskey patrocinadas pela mãe de um dos rapazes que a banda visitou no hospital no ano anterior. Sua bondade e esforço em se mostrar agradecida pelo gesto dos rapazes passaria no futuro a ser padrão da vida itinerante de uma banda, com contratos prevendo comida para banda e comitiva.

O público que a tempos passaram a jogar balas e amendoins no palco e nos músicos, em alguns shows passam a jogar outras coisas. Em Leeds, Mick Jagger aparece com seu rosto marcado por uma moeda que o acertara no show anterior. Em Liverpool, um rapaz foi preso tentando entrar carregando uma espingarda de cano duplo. Em Northampton, durante a primeira canção, uma chuva de balas e cigarros cai sobre o palco. De repente algo acerta Keith no rosto que gira e cai sobre os amplificadores, depois no chão, permanecendo imóvel. O público vaia achando tudo fingimento. Jagger larga o microfone para ver como estar o amigo enquanto Brian acena para baixarem a cortina. Alguém sobe no palco para contar piadas, distraindo o público enquanto se aguarda o desenrolar. Keith pouco depois desperta, retoma a coragem e recomeçam o show.

Final de Ano na América, '65


Em final de Outubro estão novamente excursionando Canadá e os Estados Unidos. No primeiro dia de Novembro, "Get Off My Cloud" chega ao topo das paradas americanas, tornando-se o quinto No.1 consecutivo da banda, recorde atingido até então apenas por Elvis Presley e os Beatles. Muitos questionam se a canção não se refere ao consumo de maconha. A canção na verdade é um grito de independência de quem tem a vida na estrada no sangue.

Notícias de Londres informam sobre a necessidade de se contratar mais pessoas para poderem ler e responder as cartas dos fãs, tamanha a quantidade recebida diariamente. Outra noticia é menos agradável. Aparentemente outra banda queixa-se de ser dona do nome Rolling Stones. De fato, seu líder, Brian Stone, comprova registro do nome datado de 1957. A banda, originariamente de Bristol, toca em cabarés com seus membros já em idade madura. O problema não teve maiores repercussões legais.

Abrindo para os Stones estão the Vibrations, Patti Labelle & the Bluebells e the Rockin' Ramrods. Durante a excursão Keith Richards perderia seu passaporte por duas vezes, criando dificuldades para entrar no Canadá em duas ocasiões distintas.

Festa em Manhattan

Brian Jones e Bob Dylan
Brian Jones e Bob Dylan

No dia 6 de Novembro, a banda toca à tarde na Academia de Musica de Nova York e depois viajam para Philadelphia onde se apresentam à noite. Na mesma noite voltam para Manhattan onde Bob Dylan convida todos para se encontrarem no Phone Booth Club. Dylan e Brian se admiravam mutuamente e tornaram-se rapidamente bons amigos. Dylan queria lhe apresentar Greenwich Village, um dos bairros artísticos da cidade e onde ele havia surgido para notoriedade. Rodaram bares até altas horas da madrugada. Depois encontraram com Wilson Pickett, trancando-se então em um estúdio e gravando material juntos. Bill passa esta noite e boa parte da excursão com Barbara, cantora da banda Cake, um trio vocálico feminino. Charlie preferiu assistir shows de Earl Hines e Wes Montgomery, do que seguir a programação com Bob e Brian.

Bob e Brian se veriam e conversariam muito durante os próximos dias, Dylan tomado não só pela musicalidade de Brian como também pela sua honestidade e sinceridade, atributos que Dylan mais admira em uma pessoa. Brian tendo falado abertamente sobre seus problemas dentro dos Rolling Stones criou em Dylan esta imagem de sinceridade. Não muito depois disto, Bob Dylan ainda em 1965, estaria anunciando em seu show no Carnagie Hall uma nova canção chamada Like A Rolling Stone, escrita, segundo ele, para Brian Jones.

Três dias depois, havia uma grande festa marcada no Ondine's Club. Mas às cinco da tarde, toda a força elétrica da cidade sumiu no primeiro entre dois blackouts em toda a história da cidade. A cidade de Nova York ficou sem energia elétrica de cinco da tarde até as cinco da manhã. Brian estava dentro de um Cadillac com chofer, voltando de Uptown onde ele conseguiu erva (maconha) e bolas (anfetaminas). A cidade inteira estava às escuras e a loucura habitual estava ainda mais exacerbada nesta noite.

O hotel ofereceu velas para todos os hóspedes e a festa na Ondine's embora cancelada, foi apenas substituída por outra festa, nos corredores do andar tomado pelos Rolling Stones e sua equipe. As fãs que conseguiam subir até o andar comentavam que precisaram pagar um boquete para os seguranças na portaria para terem acesso às escadas.

Por volta de uma da manhã quase houve um pequeno incêndio com uma vela caindo em cima de uma das camas. Um balde de gelo derretido acabou com o problema apesar de feder o ambiente. DJ Scott Ross, um dos participantes, conta que o clima da noite era mesmo de experiências divididas por todos. Brian chega com uma mão cheia de capsulas azuis, vermelhas, amarelas e listradas. "Prova algumas, são ótimas." Provavelmente nem Brian sabia o que eram, engolindo todas, misturando depois com bebida.

Lá pelas tantas chega Bob Dylan e vários dos seus amigos batendo na porta de Brian. "Isto é uma invasão vindo de Marte." diz Dylan rindo, enquanto Brian sorri feliz como um garoto. "Legal vocês aparecerem. Eu tenho uma erva mexicana aqui excelente, deixa eu te apresentar." Acontece então uma histórica sessão acústica com Brian Jones, Bob Dylan, Robbie Robertson e Bobby Neuwirth. O quarteto passaria a se referir a esta noite como "The Lost Jam" (O Improviso Perdido). As pessoas foram aos poucos encontrando um cantinho para dormir. Havia gente acordando nos mais variados lugares.

Mais Incidentes

Anita e Brian
Anita e Brian

Seguiram a turnê e Anita apareceu em Miami só deixando a banda após o show em Detroit, onde retornou à Paris onde ela estava. Ao chegar, os rumores sobre sua relação com Brian já haviam se espalhado e perguntas sobre um casamento surgiam. Anita teria declarado que "Sim, estamos namorando. Se formos casar, será logo. Caso contrario, não iremos casar nunca." Brian por sua vez nega qualquer hipótese de casamento. "Estamos juntos e a relação não é apenas casual. Anita é a primeira garota com quem namoro sério. Mas não há planos para casamento."

Brian provoca a banda com teimosias inexplicáveis e situações de atrito desnecessários. Em Texas, a caminho de Dallas, a banda para para comer em um restaurante de beira de estrada. Brian se recusa a ir com eles esperando no carro. Quase uma hora depois quando voltam para seguir viagem, Brian informa que está com fome, entra na birosca e passa a comer afrontosamente devagar, olhando pela janela todos obrigados a lhe aguardar. Emputecido, Andrew manda um dos ajudantes ir lá busca-lo. Brian é arrancado a força com seu cheeseburger semi-comido ainda na mão, enquanto todos do local assistem à cena espantados. A banda na van está as gargalhadas mas Brian se sente totalmente humilhado com o desfecho do episódio.

No geral, a excursão foi bem com as já usuais invasões de fãs nos quartos dos hotéis. Em locais onde a banda se sentia mal recebida pela gerência, eles descontavam como podiam, mijando nas pias ou outras pequenas demonstrações de rebeldia. Os últimos shows da turnê são realizados nos dias 3, 4 e 5 de dezembro; todos na California. Durante a apresentação para 4.500 pessoas no Memorial Hall em Sacramento, tudo ia bem até tocarem "The Last Time." Na hora do refrão, Keith Richards se aproxima do seu microfone e percebe que está apontando para a direção oposta. Com sua guitarra, ele dá uma pancada seca no aparelho, tentando girar o microfone em sua direção.

Keith Richards
Keith Richards

Observou-se uma faísca e Keith em seguida desmaiou no chão. Bill Wyman afasta sua guitarra do corpo enquanto as cortinas caem. Aos poucos o público percebe o que havia acontecido e um silencio mórbido toma o local. Keith Richards permanece desacordado por sete minutos. Ao acordar, ele percebe que três cordas de sua guitarra haviam derretido, como um fusível queimado. Ao ser levado para um hospital, e examinado, o médico concluiu que seu sapato de sola de borracha havia salvo sua vida, não permitindo à corrente elétrica encontrar terra, conectando com o solo. Depois de uma noite bem dormida, no dia seguinte, Richards estava se apresentando com a banda na cidade de San Jose.

Em San Francisco, Brian e Keith freqüentam uma das famosas festas de Ken Kesey e seus Merry Pranksters. Lá, na companhia de beatnicks, artistas e intelectuais de diversas áreas, participam do que passou a ser chamado de o teste de ácido, sendo apresentado assim ao Ácido Lisérgico Dietilamida, mais conhecido como LSD.


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

Rolling Stones: em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da bandaRolling Stones
Em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da banda

Keith Richards: fogo na mansão Playboy em festa com drogasKeith Richards
Fogo na mansão Playboy em festa com drogas

Metal rende?: Quantos do gênero estão entre as maiores vendas?Metal rende?
Quantos do gênero estão entre as maiores vendas?

Guitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a TimeGuitarristas
Os 10 maiores de todos os tempos segundo a Time


Steve Perry: 5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do JourneySteve Perry
5 fatos curiosos sobre o ex-vocalista do Journey

Instagram: as fotos mais legais do perfil de James HetfieldInstagram
As fotos mais legais do perfil de James Hetfield

Joe Satriani: por que ele não entrou no Deep Purple?Joe Satriani
Por que ele não entrou no Deep Purple?

Marilyn Manson: Sou ainda pior fora do palcoMarilyn Manson
"Sou ainda pior fora do palco"

Slipknot: pastor detecta mensagens subliminares nas capasSlipknot
"pastor" detecta mensagens subliminares nas capas

Grandes covers: cinco versões para The Number Of The BeastGrandes covers
Cinco versões para "The Number Of The Beast"

AC/DC: membros agradecem Steven Tyler, mas ele não lembraAC/DC
Membros agradecem Steven Tyler, mas ele não lembra


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.