A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Mick e Bianca Jagger passam o final do ano em Trinidade e Tobago, onde entre outras coisas, o casal assiste as partidas de Crickett. Keith e Anita Richards continuam em Cheyne Walk, sua residência em Londres, brigando rotineiramente. Charlie e Shirley Watts, assim como Mick e Rose Taylor, estão em suas respectivas residências nos arredores de Londres. Bill e Astrid Wyman permanecem em Los Angeles onde Bill retomaria as sessões para o seu álbum no dia 5 de janeiro.

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVDHumor: Urros, raiva, dor, sangue! As regras do Death Metal!

Record Plant West

Bill Wyman acaba mudando novamente de estúdio, completando as sessões do seu álbum no Record Plant West Studios. Sobre as sessões do seu disco, o trabalho utilizava as bases já gravadas adicionando um naipe de metais, chamado de The Bonero Horn Section, que tratava-se dos músicos Peter Graves, Ken Faulk, Mark Colby e Neal Bonsanti. As sessões em janeiro duram apenas nove dias, onde são interrompidas para que Bill volte para Munich, onde os Rolling Stones dão continuidade às gravações do novo álbum.

Quando Keith segue para Munich, Anita passaria a frequentar cada vez mais a casa da amiga Seleta Seconda. As duas mulheres passam a ter uma relação parecida com aquela que Anita tinha com Marianne, só que neste caso, o LSD de então é agora substituído por heroína.

Musicland Studios

No Musicland Studios, os Rolling Stones retomam os trabalhos com a equipe novamente modificada. Andy Johns se mostrou excessivamente ineficaz em função de sua dependência por heroína. Seu irmão Glyn Johns foi chamado para mixar as sessões do irmão, enquanto Keith Harwood passa a ser o engenheiro das sessões restantes. Gravam as bases de "Dance Little Sister", "If You Really Want To Be My Friend", "Labour Swing", "Living In The Heart Of Love", "Luxury", "Till The Next Goodbye" e "Time Waits For No One." Além de Billy Preston, contam também com o talento de Nicky Hopkins que participou ativamente de todas as faixas menos "Dance Little Sister", que tem Ian Stewart no piano. Uma interessante versão de "Drift Away" de Mentor Williams foi trabalhada porém, acabaria deixada de lado.

A participação de Mick Taylor é crucial para vários temas ganhar substância. Taylor trabalha muito bem com Mick Jagger mas não com Keith Richards. Este está constantemente malhado o seu trabalho, literalmente chamando Taylor de imprestável no estúdio e desgravando a noite tudo feito pelo guitarrista com Jagger, durante o dia. Fica muito claro para algumas pessoas que Keith está propositalmente criando uma situação insuportável, possivelmente para forçar Mick Taylor a pedir para sair do grupo. Apesar do péssimo ambiente de trabalho, Mick Taylor não se rebela verbalmente. Pelo contrário, coroa a banda com um dos mais belos trabalhos do repertório dos Stones. Taylor organiza toda a melodia e estruturação instrumental que fecha a composição "Time Waits For No One" de Mick Jagger.

Esta é a mais evidente contribuição feita por Mick Taylor, mas não a única. Neste álbum, além de "Time Waits For No One," está claro que Mick Taylor é na prática, co-autor da música atrás das canções "Till The Next Time" e "If You Really Want To Be My Friend." Na verdade, desde o "Goats Head Soup", certas faixas nos discos dos Stones oferecem arranjos mais elaborados do que era de se esperar da banda. Em retrospecto, Keith Richards irá dizer que são justamente estes arranjos mais elaborados o motivo que esses discos são considerados menos do que clássicos. Mas sem disposição de dar maiores méritos a Mick Taylor, Richards geralmente costuma creditar ao Billy Preston a contribuição musical que alterou as características das músicas lançadas pela banda.

Cansado do abuso e do total desrespeito, Mick Taylor deixa Munich e retorna para Londres depois de aproximadamente três dias de trabalho. Keith apagaria suas contribuições no piano, colocando Nicky Hopkins para refazê-los. Partes inteiras de guitarra também seriam apagadas, refeitas pelo próprio Keith. Como Mick T, Bill Wyman está igualmente desmotivado com a maneira com que os Rolling Stones estão trabalhando. Sem consumir as quantidades de cocaína que Keith e Mick J para continuar acordado, ele não consegue manter o mesmo pique por tantas horas. Wyman, em total desânimo, passa a tocar mal e sem capricho, irritando Keith que reclama sem remorsos. O último dia de gravação foi dia 28 de janeiro.

Rio em Janeiro

De Londres, Mick Taylor pula no próximo avião para a América do Sul e desembarca no Rio de Janeiro em pleno verão carioca. Com o organismo limpo da química, Mick enfrenta seus demônios, agora em uma batalha psicológica. Sabe que tem que se manter longe da tentação e saindo de Londres, longe de seus contatos habituais, ele teria uma melhor chance de evitar cair novamente na velha rotina.

Praia do Vidigal
Praia do Vidigal

Mick Taylor fica hospedado no bairro carioca do Vidigal, situado entre os bairros do Leblon e São Conrado. Hospeda-se na casa do músico Arnaldo Brandão, baixista da banda A Bolha, uma das primeiras bandas da cidade a passar de banda de baile (The Bubbles), para banda de blues-rock pauleira. Envolvido em diversos projetos relevantes, Brandão é talvez mais lembrado hoje por fundar a banda Hanoi Hanoi.

Seu contato com Mick Taylor vem via amizades na área do teatro. Os Stones sempre tiveram vários amigos entre o pessoal da escola de Teatro Vivo de Julian Beck, contato este cuja origem vem do envolvimento de Anita Palemberg com o grupo em 1963-64. Assim, além do Joe Monk, cujas aventuras já foram aqui narradas, tem também o Ruphus Collins que também conhecia Arnaldo e acabou sendo o elo de ligação entre os dois.

Arnaldo Brandão, anos setenta
Arnaldo Brandão, anos setenta

Ao deixar A Bolha de lado, Arnaldo e a esposa Claúdia Brandão passam uma temporada pela Inglaterra, e acabam ficando hospedados na residência de Mick T após a saída de Rose. Ao preparar o retorno do casal para o Rio, surgiu a hipótese de Mick Taylor aparecer na cidade para refrescar a cabeça em outro ambiente.

Uma cidade com mais sol sugere ser mais saudável do que o depressivo inverno londrino. Depois das lastimáveis sessões em Munich com o péssimo tratamento recebido por parte de Keith Richards, a idéia de alguns dias nas praias do Rio lhe parecem realmente atraentes.

Enseada de Botafogo com o Pão de Açúcar ao fundo
Enseada de Botafogo com o Pão de Açúcar ao fundo

Mick Taylor desembarcou no Aeroporto do Galeão provavelmente no dia 17 ou 18 de janeiro. A cidade maravilhosa de São Sebastião do Rio de Janeiro, capital do então Estado da Guanabara, lhe recebe com um sol de derreter asfalto. Mick manteve-se incógnito com relativa facilidade, já que poucos sabiam de sua estada na cidade ou sequer no país. A primeira ida para a praia, no caso a Praia da Macumba, trouxe consigo a primeira queimadura de pele feroz, com direito a bolhas e todo o desconforto tradicional que geralmente passam nossos turistas gringos.

Bandas Nacionais

Os Secos & Molhados
Os Secos & Molhados

Inglês louro de pele clara, Mick T estava, como se costuma dizer, vermelho feito camarão. Mesmo assim, resolve visitar todos os pontos turísticos tradicionais: Corcovado, Pão de Açucar, Copacabanda, Ipanema, etc. Afora os lugares óbvios, Mick T foi visto no dia 19 com o casal Arnaldo e Cláudia, mais amigos do casal, assistindo à apresentação dos Secos & Molhados no Teatro Teresa Raquel em Copacabana.

Taylor ficou impressionado (e um pouco assustado) com o rebuliço ao redor do teatro. Com um público muitas vezes superior ao que fisicamente cabe no teatro comparecendo, precisou a Polícia Militar intervir, dissipando a aglomeração e botando os cabeludos sem ingressos para circular.

Outros artistas nacionais que se sabe Mick Taylor assistiu foram Maria Alcina no Teatro da Lagoa, o Grupo Soma no Teatro João Caetano situado no Centro e Os Novos Baianos que se apresentavam no Teatro Excelsior em Ipanema.

Quebrado o Anonimato

A relativa paz encontrada no anonimato de uma cidade turística situada em um país do terceiro mundo na América Latina foi quebrada com uma pequena nota no jornal O Globo do dia 22 de janeiro. A nota não poderia ser mais precisa ao confirmar a presença de um Rolling Stone na cidade, hospedado no Vidigal na casa de Arnaldo Brandão. Pronto. Acabou o sossego. A notícia rapidamente se espalhou e logo havia gente aglomerada na frente do prédio, aguardando na expectativa de ver o roqueiro sair e tentar as chances de um autógrafo.

Mick Taylor por sua vez estava em uma fase muito delicada quanto a associar o seu nome com o dos Rolling Stones. Ele já havia comentado com Arnaldo e Cláudia do seu desejo de deixar o grupo. Ser agora caçado por repórteres e fãs da banda não só não estava na programação, mas também era motivo de extremo chiliques. Cláudia Brandão em particular estava achando exagerada a aversão do guitarrista à atenção natural que sua presença despertava. Vizinhos e curiosos começaram a interpretar sua atitude como sendo de estrelismo, o que acabou atraindo para si uma certa antipatia. Essa ótica pode ser confirmada pelo fato de que chegaram a jogar uma pedra na vidraça do casal Brandão. Em 1968, pegaram o chapéu do Mick J para ver se barata voava. Agora, seis anos depois, jogam pedras na vidraça da casa onde se hospedava Mick T. Um retrato de como evoluimos como um povo.

Amazonas

Rio Negro
Rio Negro

A esta altura, Mick Taylor já fora apresentado a vários amigos do casal Brandão. Entre estes estavam Neville de Almeida e Ezequiel Neves. Taylor estava tão estressado pelo fato de pessoas saberem onde encontrá-lo que acabou passando o seu estresse para toda a casa. Assim, depois de um comentário mal dado, ficou acertado que o melhor seria o guitarrista deixar o Vidigal. Taylor se hospedou então na casa do cineasta Neville de Almeida e de sua esposa Liège de Monteiro. Pouco depois os três pegaram um vôo até Manaus, onde além da cidade, com sua arquitetura do século XIX, havia a floresta Amazonas, atração principal do povo do primeiro mundo. Mick T e Neville subiram o Rio Negro de balsa e o passeio foi extremamente excitante para o guitarrista, dado a magnitude da floresta que impressiona todos que a contemplam.

Novamente no Rio de Janeiro, Mick T passou a maior parte de suas manhãs ouvindo discos do Ayrton Moreira ou Carlos Santana. Neville registrou sua passagem em filme Super 8, no entanto, até o momento, nenhuma destas imagens chegaram a ser vistas pelo grande público. Mick Taylor retorna então para Londres, onde é chamado para algumas sessões no Stargroves com Mick Jagger.

Monkey Grip

Enquanto Mick Taylor se encontrava no Rio, Bill Wyman estava em Los Angeles terminando as sessões de seu primeiro disco solo. Durante boa parte de fevereiro, overdubs finais são gravados com as participações de Leon Russell, Dr. John, e Lowell George. Concluídas as gravações e feita a mixagem, o álbum, intitulado "Monkey Grip", seria lançado pela Rolling Stones Records em maio.

Ladies And Gentleman, The Rolling Stones


Já em março, é lançado o longa-metragem "Ladies And Gentleman, The Rolling Stones", filme dirigido por Rollin' Binzer e Stephen Gebhardt. Trata-se das apresentações em Texas dos Rolling Stones em sua excursão Americana de 1972. Segue a relação das imagens e suas origens que são encontradas no filme:

- Brown Sugar - Houston 25.6.72, 2º show
- Bitch - Fort Worth 24.6.72, 2º show
- Gimme Shelter - Fort Worth 24.6.72, 1º show
- Dead Flowers - Fort Worth 24.6.72, 1º show
- Happy - Fort Worth 24.6.72, 1º show
- Tumbling Dice - Houston 25.6.72, 1º show
- Love In Vain - Houston 25.6.72, 1º show
- Sweet Virginia - Fort Worth 24.6.72, 1º show
- You Can't Always Get What You Want - Houston 25.6.72, 1º show
- All Down The Line - Houston 25.6.72, 2º show
- Midnight Rambler - Houston 25.6.72, 2º show
- Apresentando a banda - Fort Worth 24.6.72, 2º show
- Bye Bye Johnny - Houston 25.6.72, 1º show
- Rip This Joint - Fort Worth 24.6.72, 2º show
- Jumping Jack Flash - Houston 25.6.72, 1º show
- Street Fighting Man - Houston 25.6.72, 2º show

O filme estréia no Ziegfield Theatre de Nova York e tem lançamento simultâneo com o livro "A Journey Through America With The Rolling Stones" do jornalista Robert Greenfield, que conta com detalhes a então já famosa excursão.

Stargroves

Stargroves e o caminhão-estúdio, Rolling Stones Mobile Unit
Stargroves e o caminhão-estúdio, Rolling Stones Mobile Unit

Uma das primeiras coisas que Mick Jagger faz no final de março é pegar a fita com "It's Only Rock 'n' Roll" de The Wick e levá-la para o Olympic Studios, onde é transferida para um rolo de 16 canais. Depois, já em abril, Jagger leva a nova fita rolo junto com as demais masters gravadas em Munich para o seu estúdio na casa de campo chamado Stargroves. Lá, o americano Willie Winks é convidado a gravar um baixo no lugar do feito por Ron Wood. Ian Stewart também contribui adicionando piano.

É em Stargroves que todas as adições ou overdubs são feitos para as bases gravadas. Os músicos convidados são Ray Cooper nas percussões, Jolly Kunjappu na tabla e a já esperada participação de Mick Taylor, concluindo suas contribuições para o álbum sem a presença de Keith Richards. Há ainda as participaçoes de Nicky Hopkins, Billy Preston e Ian Stewart nos teclados. Uma vez estando as músicas consideradas prontas, as mixagens foram marcados para a semana de 20 à 25 de maio realizados no Island Recording Studios em Londres.

Durante os últimos dias de abril, Jagger está no Record Plant de Nova York, gravando um grupo vocal recém contratado da Atlanta, para fazerem a parte de coro em várias faixas. Este grupo, originariamente de Philadelphia, se chama Blue Magic, e são compostos por Theodore Mills, Vernon Sawyer, Wendell Sawyer, Keith Beaton e Richard Pratt. Foi no dia 29 de abril que, de surpresa, aparece John Lennon. Acontece que Lennon está em meio a seu projeto de gravar canções de rock nos anos cinquenta, em um álbum que irá ser lançado no ano seguinte com o nome de 'John Lennon - Rock And Roll', seu último pela sua gravadora, a Apple Records. Neste encontro inesperado, Lennon produz a faixa, "Please Don't Ever Change", onde Jagger é convidado, e aceita ser o cantor principal.

Com o fim das sessões para o novo disco dos Stones, o material só faltando ser mixado, Mick Jagger contrata o desenhista holandês Guy Paellaert para fazer a capa deste próximo álbum. Conversando com os demais integrantes da banda, Keith manifesta o desejo de excursionar ainda neste verão, intenção rechaçada por Charlie e Bill.

Os Relacionamentos de Jagger

O casal Mick e Bianca inicia seu período mais tumultuado. Chegam à tona os relacionamentos de Jagger nos Estados Unidos com Carly Simon, Dana Gillespie e a diva negra Patty LaBelle. Bianca acusa seu marido de ser mulherengo e para desafiá-lo passa a ameaçar adotar amantes também. Com isso Mick passa a ficar sempre de pé atrás em relação a sua mulher, sempre inseguro. Contudo, Bianca não sentindo maiores mudanças no comportamento do marido, passa a comentar entre amigos e amigas de confiança (não com a imprensa), que caso Mick pense em continuar a se comportar mal (ou seja, manter amantes), então ele pode estar certo de que ela iria se comportar duas ou três vezes pior.

Todavia, antes que Mick entenda que Bianca é mesmo capaz de agir conforme suas ameaças, ela precisa chifrá-lo algumas vezes, propositadamente fazendo com que ele ficasse sabendo. Bianca tem, como vingança irônica pela relação com Carly Simon, um romance secreto com o ator americano Warren Beatty. A princípio, estes fatos deixam Mick inseguro, e em parte, servem como um atiçador na relação entre os dois. A segurança absoluta em uma relação, como ele sentiu com Chrissie e depois com a Marianne, o leva ao tédio. Com Bianca não há tédio mas também não há paz.

Wyman e Monkey Grip


Na primeira semana de maio Bill Wyman filma os promos para seu disco de estréia, "Monkey Grip". São quatro promos rodados em um dia, "Monkey Grip Glue", "White Lightnin'" e "What A Blow" (Bill Wyman e Malcolm Rebenack). Com Mac Rebenack, mais conhecido como Dr. John, gravam ao vivo no estúdio um dueto de baixo e piano para um programa de rádio, que inclui também uma pequena entrevista. A canção escolhida foi "Goodnight Sweetheart" de Ray Nobles, James Campbell e Reginald Conelly.

Com data de lançamento marcado para o dia 10, Wyman logo percebeu a pouca disposição da gravadora Rolling Stones de promover devidamente o disco. Então ele mesmo cuidou de tudo, indo ao encontro da imprensa e organizando encontros e festas de lançamento. Antes mesmo do disco sair, Bill já estava no dia 7 aterrisando em Nova York para promover o álbum. Depois ele seguiu para Los Angeles, onde acaba participando da festa de inauguração do novo selo do Led Zeppelin, chamado Swan Song. A festa foi realizada no pátio do Bel Air Hotel e teve entre os músicos convidados as presenças de Alice Cooper, Bill Wyman, Brian Ferry, Bozz Burnell e Maggie Bell.

Apenas Rock 'n' Roll

No dia primeiro de junho, véspera do aniversário de Charlie Watts, os cinco Rolling Stones se encontram novamente para filmar os promos para o novo álbum. Vestidos em uniforme de marinheiro, filmam "It's Only Rock 'n' Roll" dentro de um domo de plástico que passa a ser gradativamente cheio de espuma durante o desenvolvimento da canção, evidentemente com Charlie sentado no banquinho enquanto toca sua bateria, que no final acaba totalmente encoberto pela espuma. Se observado com atenção, percebe-se no filme que, ao final da canção, Mick Jagger já está rindo de nervoso tentando tirar um pouco da espuma que encobria seu baterista, que se recusava a abandonar seu posto, tal qual um Comandante que afunda juntamente com seu navio.


O dia foi concluído com as filmagens para "Ain't Too Proud to Beg" e "Fingerprint File." Importante acrescentar que embora se trate de uma imagem com som em playback, as versões das três músicas utilizadas aqui não são as mesmas constando no disco. E das três, apenas "It's Only Rock 'n' Roll" é pura mímica, nas demais Mick Jagger está cantando realmente, enquanto uma fita com a música sem a voz do cantor fornece a base.

O álbum chega as lojas no dia 26 de junho de 1974.

Reunião em Genebra

Foi durante uma reunião geral no final de outubro, realizado na Suíça, no Hotel des Bergues, que todos souberam da impossibilidade de ir adiante com o projeto do álbum ao vivo da última excursão como planejavam. Haviam ainda muitos problemas pendentes em relação à legalidade do que é dos Stones e o que é de Allen Klein. Os Rolling Stones preferem então não dar ao ex-empresário mais uma fonte de renda e o projeto do disco é arquivado. Uma outra proposta passa ser uma grande excursão mundial, que poderia render um álbum e um filme. Projetos também lançados para análise incluem uma filmagem para a televisão e um livro.

Outro assunto discutido neste encontro foi a excursão americana no próximo ano, marcada para iniciar em junho. Mick Jagger havia passado parte do verão negociando com as autoridades americanas um visto para Keith. Jagger aproveita sua passagem pelos Estados Unidos para, com Bianca, irem à Nicarágua averiguar como o dinheiro de suas doações estavam sendo gastos. Assim, naturalmente foram discutidas nesta reunião quais medidas possíveis e cabíveis poderiam ser adotadas diante da possibilidade do visto para Keith Richards ser negado.

Ao terminar, estava acertado que dia 7 de dezembro iniciariam as sessões para o próximo álbum. Estas sessões seriam realizados novamente em Munich no Musicland Studios de Giorgio Moroder. Mick Taylor nada falou nesta reunião sobre suas intenções, que já estavam muito claras em sua mente. Seu silêncio nesta reunião importante seria o ponto principal para as futuras queixas da organização Rolling Stones, principalmente de Mick J e Keith, contra ele.

No entanto, antes de poder falar abertamente, Mick T sente a necessidade de primeiro confirmar qual seria seu trabalho seguinte. Afinal, se você vai anunciar para o mundo que vai deixar uma banda lucrativa como os Rolling Stones, é preferível que se tenha um bom motivo. E se esse motivo não é informação que se queira sair divulgando, por exemplo motivos ligados a abusos químicos, é interessante e de bom senso comentar sobre suas intenções. No caso de Mick Taylor, seu futuro projeto parecia se aninhar no Jack Bruce Band, banda do famoso baixista do antigo super-grupo Cream. Através de Andy Johns, agora trabalhando com Jack Bruce, a aproximação foi feita entre os dois músicos.

O Fim

Mick Taylor está muito insatisfeito com a maneira de se trabalhar dentro dos Rolling Stones. Ele não recebe praticamente nenhum crédito pelo seu papel dentro da banda e ainda ultimamente vem tendo que aturar desaforos seguidos de Keith Richards. A banda está sempre à beira de ser presa, dada a quantidade de flagrante que Keith precisa carregar para sobreviver a cada dia. Taylor sabe que quase ninguém se fala com ninguém dentro dos Stones. Charlie some quando não é requisitado, Bill não se dá com Jagger nem Richards, Taylor só se entende mais ou menos com Bill e Jagger, enquanto Keith além de não ter muito saco para aturar Bill ou Mick T, agora está com o ovo virado com Mick J.

Foi com todas essas coisas em mente que Mick Taylor participou de sua última reunião dos Rolling Stones, realizada em Montrex, para organizar o calendário de atividades do ano de 1975. Nela, concordou com tudo que foi projetado e não deu a entender que ele pudesse não querer seguir com a banda. Não muito depois, quase que como por acaso, Mick Jagger e Mick Taylor se encontram em uma festa.

Era uma festa promovida por Robert Stigwood, após o show de Eric Clapton no dia 5 de dezembro, em um show onde Ron Wood foi convidado para subir ao palco e tocar com Clapton e sua banda em duas canções, "Steady Rollin' Man" (R. Johnson) e "Little Queenie" (C. Berry). Naquele instante, por um mero acaso, Jagger estava conversando com Ron Wood e Marshall Chess. Taylor chegou com um "oi", e sem maiores introduções informou que não pretendia trabalhar mais com os Rolling Stones. Sem dar maiores explicações, a não ser de que gostaria de fazer outro tipo de música, Mick Taylor dá as costas para o maior emprego dentro do mundo rock 'n' roll. Os Rolling Stones estão pela segunda vez sem guitarrista.

Em choque, Mick Jagger olha para Ron Wood diante dele e pergunta: "você quer entrar na banda?" Ron comenta que adoraria, mas não pode pois ele tem suas obrigações com The Faces. Jagger na mesma hora concorda, porém complementa: "mas se ficar desesperador, posso te chamar?", recebendo como resposta um sorriso e o consentimento de Wood. E assim começa o período em que os Rolling Stones ficariam sem um guitarrista para solar, período este que duraria todo um ano. A notificação oficial da saída de Mick Taylor só seria divulgada quase dez dias depois, aparecendo primeiro em uma nota da Melody Maker do dia 12 de dezembro de 1974.

Especulações sobre insatisfações financeiras foram as primeiras levantadas pela imprensa e negadas seguidamente pelo guitarrista. Mick T declarou resumidamente: "não houve nenhuma animosidade pessoal na separação". Keith Richards inicialmente teria comentado entre amigos que "ninguém deixa esta banda a não ser em um caixote de pinho!" Apesar de furioso com a atitude egoista de Taylor, Keith lhe manda um simpático telegrama com a seguinte mensagem: "realmente foi uma alegria trabalhar com você nestes últimos cinco anos. Obrigado por todas as coisas boas. Desejo o melhor e amor". Segundo comenta-se, Mick Taylor leu o bilhete e começou a chorar.

A Carreira Não Deslancha


Mick Taylor forma então a sua Mick Taylor Band, ensaiando material sem tocar ao vivo. O interesse facilita negociações com a CBS, um contrato sendo assinado e sessões iniciando em final de 1975. Porém, em passo lento, o álbum só ficaria pronto e seria lançado no final de 1978.

Este seu primeiro álbum solo, simplesmente intitulado "Mick Taylor", é em termos técnicos uma obra prima. Calmo e relaxante, o disco infelizmente não vendeu praticamente nada, encerrando assim a sua carreira solo em vinil. Sua segunda oportunidade de gravar um álbum aconteceria somente na década de noventa, mas Taylor ainda gravaria em 1978 um trabalho com a banda Gong.

Apesar de constantes mudanças na formação, sua Mick Taylor Band existe até hoje, fazendo ocasionais apresentações ao vivo, geralmente bem recebidas pelo público. Mick Taylor se mudou para Nova York onde mantém um apartamento até hoje, e essencialmente se limita a fazer apresentações nas costas leste e oeste dos Estados Unidos. O guitarrista se associaria durante a década de oitenta com Alvin Lee, John Mayall e Bob Dylan. Depois de uma série de apresentaçõs em dueto com Carla Olson, lança em 1991 o álbum "Live" gravado em março de 1990, no Roxy Theatre, localizado na cidade de Hollywood. Volta a morar na Inglaterra no final da década de noventa, se associando com Snowy White e Kuma Harada.

Comentários

Mick Taylor, 1979
Mick Taylor, 1979

Keith Richards - "Ele estava entediado e se achava um compositor e produtor de grande estatura. Tinha um milhão de planos. Mick é um lindo guitarrista, mas continuo esperando ele acontecer."

Mick Jagger - "Ainda não sei realmente porque ele saiu. Ele nunca explicou, pelo menos não para mim. Ele queria uma carreira solo. Acho que ele achou difícil trabalhar com Keith."

Bill Wyman - "Inicialmente pensamos que estava blefando, uma forma de expor sua frustração."

Charlie Watts - "Eu pensava que ele se tornaria o próximo Pat Metheny ou algo assim. E nada aconteceu."

Mick Taylor - "Me tornei cínico. Não sou pago por alguns dos discos mais vendidos de todos os tempos. Fui roubado e isto te deixa cínico e atrapalha sua vida."


Fontes de pesquisa variam, mas destaques e agradecimentos especiais para:

Fontes:

Mick Jaggger - Anthony Scaduto
Up And Down With The Rolling Stones - Tony Sanchez
Faithful - An Autobiography - Marianne Faithfull with David Dalton
Stone Alone - Bill Wyman with Ray Coleman
Os Rolling Stones no Brasil - Do Descobrimento A Conquista - Nélio Rodrigues
A Journey Through America With The Rolling Stones - Robert Greenfield
Dance With The Devil - Samuel Booth
Old Gods Almost Dead - The 40 Years of the Rolling Stones - Stephen Davis
The Rolling Stones - A Life On The Road - Interviews by Jools Holland & Dora Lowenstein

http://www.timeisonourside.com/index.html
http://stoneslib.homestead.com/
http://www.valleyism.com/stones45's/Stonesposter.html
http://www.albec.net.mx/personales/rocksoff/index.htm
http://www.rollingstones.cwc.net/stones.htm
http://www.nzentgraf.de/books/tcw/works1.htm
http://www.africanet.com.br/massive/roots.htm
http://www.swagga.com/rasta.htm
http://www.reachouttrust.org/info/world/rastas.htm


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

Rolling Stones: em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da bandaRolling Stones
Em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da banda

Em 03/07/1969: Brian Jones, dos Stones, era encontrado mortoEm 03/07/1969
Brian Jones, dos Stones, era encontrado morto

Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboTragédia e dor
O Blues, o Rock e o Diabo

Lágrimas nos olhos: 25 músicas para chorarLágrimas nos olhos
25 músicas para chorar


Humor: Urros, raiva, dor, sangue! As regras do Death Metal!Humor
Urros, raiva, dor, sangue! As regras do Death Metal!

Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Refrãos: alguns dos mais marcantes do Rock/MetalRefrãos
Alguns dos mais marcantes do Rock/Metal

Baixos e Guitarras: Instrumentos que são verdadeiras obras primasBaixos e Guitarras
Instrumentos que são verdadeiras obras primas

Megadeth: faixa que Mustaine não toca é favorita de DroverMegadeth
Faixa que Mustaine não toca é favorita de Drover

Sebastian Bach: virando notícia no TMZ só por causa de um decote?Sebastian Bach
Virando notícia no TMZ só por causa de um decote?


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.