A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Conforme progrediu a excursão, o despreparo da gerência e das autoridades competentes, desacostumados a tamanha algazarra em shows, foi dando condições para que seguidos incidentes se repetissem, por todos os países em que passaram. Na Holanda o show foi encerrado antes de chegar pelo meio. Em Bruxelas não houve incidentes, mas em Paris a história foi outra. A noite, enquanto bebiam quietos em um bar, um grupo de rapazes começaram a fazer piadinhas irritantes, por causa dos cabelos compridos. Keith levantou, chegou até o rapaz do grupo e sem dizer uma palavra, deu-lhe um soco no rosto. Por sorte não houve retaliações e os rapazes fugiram assustados. Durante o show, tudo transcorreu com tranqüilidade, mas do lado de fora, aqueles que não conseguiram entrar causaram problemas nas ruas. Depois que a banda saiu, o público agitado, danificou o Olympia e o comércio em ruas adjacentes. Cerca de 150 pessoas foram presas em um prejuízo calculado em £1.400. Os jornais foram unânimes em declarar os Rolling Stones o maior fenômeno inglês a passar pelo país, deixando um impacto, muito superior ao dos Beatles.

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVDDinheiro não é tudo mas ajuda: 5 Rock Stars que nasceram ricos

Quarenta e oito horas depois, estavam viajando para outra excursão Americana. Antes porém Dawn Malloy procurava Brian sobre seu filho. Brian totalmente apavorado tentou sumir. Andrew resolveu a questão colocando Dawn para assinar um documento afirmando recebimento de um valor em dinheiro em uma solução definitiva. Em troca ela nunca procuraria nem Brian nem a imprensa, não causaria embaraços ou prejuízos para os membros dos Rolling Stones, coletivamente ou individualmente. Tendo Mick como testemunha, Dawn assinou e recebeu um cheque de £700.

Os Stones Novamente na América

Keith Richards e Mick Jagger
Keith Richards e Mick Jagger

Ao chegar no aeroporto JFK de Nova York, são informados de que o fã clube da banda já inclui 52.000 afiliados. Recepções de fãs e jornalistas em aeroportos já se tornaram lugar comum, mas todo o grupo estava excitado com a diferença de tratamento desta para a outra excursão.

Total pandemônio com a força policial e uma agência de segurança especialmente contratada pelo hotel para manter os corredores livres, perdendo uma batalha contra garotos e muitas garotas se esgoelando em histeria, tentando chegar perto de um Rolling Stone. Vidros foram quebrados, jornalistas foram agredidos, e durante a reunião com a imprensa, estavam todos falando ao mesmo tempo com câmeras tirando flashes ininterruptamente. Como Keith diria em ironia seca, tipicamente inglesa, "Está um pouco diferente desta vez." No mesmo dia, sai o segundo LP americano da banda, "12 X 5 " e a banda faz uma aparição no Clay Cole Show, dublando seis canções. Depois seguem para um estúdio de rádio para promoverem a segunda excursão com o velho amigo, o DJ Murray the K. São apresentados a mais gente da alta sociedade cultural da cidade, entre estes, Andy Warhol e sua trupe.

Com a lucrativa popularidade escalando continuamente, é chegada a hora do moralismo se dobrar ao capitalismo, deixando mostrar um pequeno rastro de hipocrisia. Foi no dia 25 de Outubro que os Rolling Stones estreiaram no até então proibido para eles, The Ed Sullivan Show. Tocaram "Around And Around" e depois "Time Is On Our Side," para um público extasiado. Ed aplaudiu e depois mandou um telegrama congratulando o sucesso da apresentação, porém dias depois nos jornais, Sullivan soltava entrevistas se isentando de culpa por apresentá-los no show e afirmava que os Rolling Stones jamais iriam voltar a tocar nele.

A banda voa então de Nova York para California e segue de volta pelo meio oeste americano. Desta vez os shows tinham casas com 4.500 pessoas em média, bem mais de acordo com o status da banda. Em Los Angles, participam do filme The TAMI (Teen Age Music International) Show. Enquanto esperam a vez para fecharem o show, se deliciam assistindo excelentes apresentações de Marvin Gaye, The Supremes, The Beach Boys, Chuck Berry, Smokey Robinson & the Miracles e muitos outros. Seguiriam depois de James Brown, o que deixou a banda bastante apreensiva mas foram bem recebidos e a apresentação foi um sucesso. Tocaram neste show Around and Around, Off The Hook, Time Is On My Side, It's All Over Now e I'm Alright/Get Together, este último, com participação da orquestra do evento e com todos os outros convidados fazendo coro. O evento foi importante, servindo também para fazerem contatos com pessoas influentes que atestariam a musicalidade da banda para a mídia americana. Depois da apresentação dos Stones, James Brown, que inicialmente se sentiu ofendido por não ser permitido fechar o evento, honra estendido aos Stones, fez questão de apertar a mão de cada um da banda.

Gravando em Hollywood

Charlie Watts
Charlie Watts

Vão a Hollywood e passam de 11 da manhã até 4 da manhã seguinte gravando e mixando no estúdio da RCA. Inicialmente intimidados pelo tamanho do estúdio, Andrew teve a idéia de apagar todas as luzes menos uma central sobe a banda. Assim, não enxergando nada que pudesse distraí-los, conseguiram produzir uma sessão bastante rentável. Ao final tinham gravados High-Heeled Sneakers, Everybody Needs Someone To Love, Pain In My Heart, Down Home Girl, Heart of Stone e Oh Baby, os dois últimos sendo composições Jagger-Richards. O resto do tempo ficou para overdubbing e mixagem.

Quem participou da sessão foi Jack Nitzche, arranjador de Phil Spector, que tocou um piano de brinquedo e adulterou o som para soar como qualquer coisa menos um piano de brinquedo.

Nitzche passaria a ser um convidado constante em vários discos dos Stones até a década de setenta. Comentando sobre esta sessão, e como foi trabalhar com esta banda inglesa, diria: "Todos da banda são inteligentes e são capazes de manter uma conversação. É a primeira banda de rock que eu conheço que não é composta por idiotas e que tem opinião própria. Se chegam a conclusão que a canção não está funcionando como inicialmente queriam, não pensam duas vezes em mudar a concepção original toda, sem remorsos. Isso mudou muito a maneira como eu via gravações e nunca me senti tão livre dentro de um estúdio. Aprendi muito com eles."

Mas nem tudo foram flores durante esta excursão. Haviam certos prefeitos, como das cidades de Cleveland e Milwaukee, que declaravam os Rolling Stones imorais e concluiam que seria indecente mandar adolescentes para os seus shows. O resultado foi estádios consideravelmente vazios. Certas cidade declararam banimento ao rock 'n' roll depois da banda tocar por lá. "Rock não adiciona nada à cultura desta cidade", um prefeito teria dito. Brian também começa a se tornar um problema. Na estrada, sua paranoia começa a inflar. Certa vez ele foi encontrado atrás de uma porta ouvindo a conversa do outro lado. "Eles estão falando sobre mim" ele sussurra. "Vá lá e veja o que está acontecendo." Realmente, do outro lado da porta estavam Mick, Keith e Andrew, se queixando dos excessos de bebida e drogas de Brian, reclamando de sua falta de profissionalismo.

Brian Cai Doente


De fato Brian e Andrew têm mais esta distinção entre suas personalidades. Enquanto Andrew é meticuloso e tenta ser bem profissional, Brian sempre quer beber mais uma e dane-se o resto. Curioso que, igual a Brian, Andrew também é um viciado em anfetaminas, continuamente agitado e discursando freneticamente na velocidade dos seus pensamentos. Manipulador por excelência, Andrew Oldham não se dava com Brian. No final do dia, Andrew geralmente tinha o seu trabalho concluído enquanto Brian era preguiçoso e pretensioso, em suas ilusões de grandeza.

Apesar disto, Brian era tranqüilamente o Rolling Stone mais popular e mais querido entre as americanas. Mas a fragilidade de seu psique, somado aos constantes compromissos e viagens da banda, finalmente atacam sua saúde. No dia 7 de Novembro, Brian passa mal no quarto do seu hotel e acusando uma febre de 40.5ºC é levado imediatamente para o Passavant Hospital. O diagnostico revelou bronquite e esgotamento físico. Brian passou a maior parte do tempo delirando e sendo alimentado com soro por via intravenosa. Ele perdeu quatro shows e retornou a tempo da última apresentação em Chicago.

Em Chicago, a banda novamente vai para Chess Studios para gravar algumas canções. A sessão compreendeu as gravações de Mercy Mercy, Key To The Highway, What A Shame e Goodbye Girl, essa última de Bill Wyman ainda inédita. A banda aproveita sua passagem pelos Estados Unidos para assistir alguns shows. Em Chicago, Bill e Stu foram assistir Les Paul, conversando depois com ele após sua apresentação.


Em Nova York, Mick, Keith e Brian foram até o Harlem para assistir James Brown no Apollo Theater. Quando Brown reconheceu os únicos branquelas da casa, convidou-os a subir no palco para receber alguns aplausos e depois foram todos para os bastidores tomar champagne e conversar longamente.

Mick ficou observando Brown sentado em sua cadeira com uma cabeleireira ajeitando seus cabelos enquanto ele sorvia champagne e conversava animadamente. Ele deve ter pensado, esta é a vida que eu quero para mim.

Charlie por sua vez procurou assistir todos os shows de jazz que pudesse. Viu gente como Dizzy Gillepse, Max Roach, Mary Lou Williamson, Sonny Rollins Quartet e muitos outros. Conversou com várias pessoas do business e até recebeu um convite para ser baterista em um jazz clube, The Birdhouse. Charlie recusou o convite embora com uma certa vergonha de estar trabalhando em uma banda pop.

Noticias sobre sua saúde criaram a especulação de que Brian estaria para deixar a banda, não agüentando o estilo de vida irregular. Isso só ajudou a magoar ainda mais um Brian já fragilizado. Ao chegar em Londres, ele declararia que em momento algum pensou em deixar a banda, mas em função de sua saúde, iria passar um tempo só descansando. Mick falando sobre a excursão para Melody Maker diria, "É como recomeçar todo dia. Cada show é uma grande experiência, que vai repercutir decisivamente em sua carreira. É necessário dar atenção para gente da imprensa, da televisão, pros disc-jockeys; é realmente muita pressão, exigindo muita disposição. Depois você ainda tem que tocar no concerto. Quando você pensa que acabou, você precisa lutar para sair do teatro e entrar no hotel e mesmo lá, você encontra gente lhe aguardando nos corredores e as vezes dentro do seu quarto. Dá vontade de sair gritando porque paz e sossego são inexistentes."

Química

Em uma sexta-feira 13, a banda lança o compacto Little Red Rooster (Dixon) / Off The Hook (Nanker Phelge) que na semana seguinte, chegaria a nº 1 na Inglaterra. É então e até o presente, o único slow blues a chegar a nº 1 nas paradas de sucesso Britânicas. Este feito em muito serviu para diminuir o sentimento de culpa que Brian vinha nutrindo no seu íntimo por ter abandonado suas raízes em troca do sucesso. Ele porém já depende excessivamente de bebida e barbitúricos para encarar sua vida e as desilusões sobre sua banda. Em dezembro ele é convidado por Eric Burdon a uma festa dada pela banda the Animals, onde conhece Dennis Hopper e Robert Frazer.

Eles o aconselham a diminuir com "bolas" (pílulas, geralmente se referindo a anfetaminas ou barbitúricos em geral) e passar a fumar maconha. "Pelo menos a maconha lhe deixaria mais relaxado e menos paranóico" afirmam. Mas Brian já se convenceu que ele precisa das "bolas" para continuar tocando sua vida. Seu relacionamento com Linda está desintegrando. Ela que voltara a morar com ele, vê o seu filho com quatro meses de idade e o pai ainda se recusando a casar. Linda critica os excessos do seu namorado, queixando-se de sua apatia em relação aos problemas e descontentamentos dentro dos Stones. Linda ainda o ama, permanecendo ao seu lado tentando encontrar uma maneira de fazer o relacionamento funcionar. Mas está difícil, pois Brian é demasiadamente inconseqüente e extremamente medroso.

Em outra festa, desta vez do programa "Ready, Steady Go", Mick Jagger encontra novamente com Marianne Faithfull e passa boa parte da festa tentando atrair sua atenção para ele. Ela naturalmente fingia não perceber as olhadas e piscadas que recebia. Para Marianne, Mick Jagger não lhe parecia atraente e sua conduta era considerada no mínimo, sem classe. Assim, ela o evitava. Mick em certo momento, cansado de ser ignorado à distância, se chega para falar. "Marianne querida, tem se passado tempo demais sem nos vermos." A qual Marianne elegantemente o descarta com um "Tem mesmo?" Com isso, Mick sorri maliciosamente e despeja sua taça de champagne todo em seu decote. Marianne sai furiosa pela criancice, indo parar em outra cômoda para se secar. Neste quarto, estava Keith Richards tocando piano sozinho em quase total escuridão. Sem fazer barulho, ela permanece nas sombras ouvindo a pequena serenata para ninguém.

Enquanto John Dunbar passeava na Grécia, Marianne estava na Inglaterra construindo uma carreira sólida. Ao voltar e descobrir o novo status de sua namorada, ele trata o assunto como uma moda passageira e que ela deva aproveitar enquanto pode. Mas aos poucos, ele vai tentando persuadi-la a deixar a vida frívola da música pop para algo de maior substância. Estas e outras discussões seriam um constante no relacionamento dos dois.

Resumo do Ano


Bill Wyman insatisfeito com o total desinteresse de Andrew permitir alguém além de Jagger e Richards compor material para banda, decide trabalhar para outros grupos, compondo e produzindo. Acaba fundando sua própria firma, a Temeraire Ltda. Paralelamente, Andrew Oldham, Mick Jagger e Keith Richards montam uma firma fora dos Stones chamada Mirage Music Ltd. A divisão dentro da banda fica evidenciado, muito embora, ao chegar natal de 1964, os Stones tem muito que comemorar. Foi o ano mais prolífico da banda. Recebem dois Discos de Ouro com "It's All Over Now" e "Time Is On Our Side," além da banda criar um novo recorde para quantidade de apresentações ao vivo em um ano por uma banda.

O ano é também especial para o rock em termos gerais, que nunca antes tivera tantas canções de música "pop" vendendo milhões. Lembrem-se que a indústria fonográfica não era dominada basicamente por música pop como é hoje no mundo, e sim, o rock coexistia com outros gêneros até mais populares. A quebrar a marca de um milhão de discos vendidos na Inglaterra em 1964 estão os Beatles com onze canções, seguidos por Dave Clark Five com cinco, e empatando em terceiro, Elvis Presley e the Supremes com três cada. Atrás estão the Bachelors, the Beach Boys, Cilla Black, Manfred Mann, Roger Miller, Roy Orbison, Peter & Gordon, Jim Reeves, the Shangri-las e evidentemente, the Rolling Stones, todos com dois. O ano encerra com o álbum The Rolling Stones chegando em primeiro lugar entre os mais vendidos, e Mick e Keith compondo seu próximo hit, "The Last Time." Ainda assim, o disco que mais vendeu no ano foi a trilha sonora do filme West Side Story. Na America, um mercado com poder de compra bem maior, seria o disco Meet The Beatles, se tornando o disco mais vendido na historia, até então.

Eventos que resumem o ano incluem evidentemente a chegada da Beatlemania à América e sua eminente epidemia ao redor do mundo. Com a Beatlemania, vem imediatamente atrás a maior divulgação de música pop, termo genérico que na época, significava também rock'n'roll e soul, dois gêneros que estavam desenvolvendo crescente popularidade e influenciando um ao outro. Outra reverberação diretamente associada à passagem dos Beatles pela América é o nascimento de dois grupos fadados ao fracasso em '64, porém importantes para o ano que viria. São eles The Beefeaters de Los Angeles e The Mugwamps de Nova York. Estas bandas são os precursores do que viria a ser chamado folk-rock, a música da moda de '65, e deles viriam The Byrds, The Lovin' Spoonful e The Mamas And The Papas.

Entre outros eventos do ano está o nascimento da rádio Caroline, primeira rádio pirata inglesa, como também o canal de televisão BBC-2. Desenvolvem para o aparelho de televisão a tela com 625 linhas, elevando substancialmente a clareza de imagem. O recorde mundial de velocidade terrestre é quebrado por Donald Campbell ao chegar aos 403.1 mph, enquanto mods e rockers se gladiam por todo o verão.

Cassius Clay (Mohammed Ali)
Cassius Clay (Mohammed Ali)

Na América nasce o Movimento da Liberdade de Expressão (The Free Speech Movement) no campus da Universidade de Berkeley e com ele o inicio das diversas passeatas estudantis. Nasce também o jornal The Los Angeles Free Press que é a fagulha inicial para uma serie de jornais underground.

Cassius Clay após se tornar campeão mundial de boxe, declara-se muçulmano, mudando o seu nome para Mohammed Ali.

Três homens negros que trabalhavam para o Movimento dos Direitos Civis são encontrados enterrados em Mississippi. Vinte e uma pessoas serão presas pelo FBI, ligadas ao assassinato, mas todas serão soltas em poucos dias. Haverá dezenas de distúrbios radicais, todos diretamente relacionados com racismo de brancos contra negros. Seus maiores focos são em Filadélfia (PA), Harlem (NY) e Newark (NJ).

Uma Geração Com Opinião


O ano de 1965 inicia com 210.000 pedidos avançados do novo álbum The Rolling Stones No.2 e uma excursão pela Irlanda. Bob Geldof contaria que, ainda garoto, foi levado pela irmã mais velha e assistiu o show em Dublin. Cada vez mais, as atenções estão focalizados na vida particular além de artística dos novos astros. Perguntas menos idiotas e mais comprometedoras começam a ser feitas e os Stones, diferente dos Beatles, assumem suas opiniões sem pestanejar.

Quando perguntado sobre rebelião juvenil, Brian responde, "Toda geração traz uma nova onda de idéias e se isto fosse parar, a sociedade e a cultura estaria condenada. Nossos filhos estarão rebelando contra nós dentro de vinte anos." Mick quando perguntado sobre a sua responsabilidade com códigos morais assimiláveis pelos seus fãs, nega a hipótese e diz, "Celebridades não devem ter nenhuma obrigação em determinar níveis de moralidade. Quem somos nós para determinar o que é certo ou errado." Perguntado sobre religião, Keith responde por todos, "Você não vai encontrar nenhum de nós rezando, com a bíblia debaixo do braço, indo para a igreja. Somos ateístas e não temos vergonha de admiti-lo. Pessoas que vão para a igreja só por ir, sorrindo para o vigário, só para manter as aparências, são idiotas. Aqueles que freqüentam pela fé em Deus, estão certos. Deixamos religião para os dedicados a ela." Quando perguntado o que desejaria que tivesse um maior progresso no mundo, Brian responde, "Eu gostaria de ver mais dinheiro sendo investindo no estudo do cérebro para se descobrir a causa de doenças mentais. Quando o homem descobrir como o cérebro funciona, ele terá condições de entender qualquer coisa."

Oceania

Da excursão Irlandesa, seguem-se pela primeira vez para Australia e Nova Zelândia, desta vez com Roy Orbison. A imprensa é particularmente rude com os Stones considerando-os de aparência, linguagem e modos odiosos, mas o público médio foi de 5.000 pessoas, com apresentações em Sydney e Melbourne. Mick e Bill aproveitam para rever parentes e amigos na Australia e Nova Zelândia.

Em uma visita à praia, Brian demonstra suas habilidades no mar nadando bem além de onde as ondas quebram, quase invisível na imensidão azul. Brian, que vencera competições de nado nos tempos de escola em Cheltenham, prova que é realmente habilidoso no mar. Os demais, principalmente Mick e Keith, gritavam para que ele voltasse, temendo por sua vida, mas Brian estava muito seguro de si. Ao voltar, ria das expressões de espanto e admiração nos rostos de seus amigos.

Brian Jones & Bill Wyman
Brian Jones & Bill Wyman

A demanda Australiana foi tão grande que depois dos shows na Nova Zelândia a banda foi convidada a voltar para algumas apresentações na cidade de Adelaide. O país será lembrado para sempre como um paraíso de mulheres bonitas e de fácil acesso. No hotel, Brian e Bill, da janela da sala que ligavam os seus quartos, escolhiam um par de meninas entre as várias que ficavam aguardando no gramado nos fundos do hotel. As meninas são autorizadas a subirem, onde bebem e conversam a quatro. Depois cada casal segue para seus respectivos quartos por algumas horas.

Mais tarde, devidamente dispensados, Bill e Brian voltam à janela e escolhem outra dupla. Na manhã seguinte Mick contava que ele passou a noite com a dona do hotel e sua filha.

Próxima parada, Singapura onde a banda se apresentou em dois shows para 10.000 pessoas cada. Há de se destacar a segurança, tanto nos shows como no aeroporto, na chegada e partida da banda.

Voltam para o ocidente via Los Angeles, onde Charlie se encontra com Shirley e vão para Miami visitar parentes e descansar. Bill e Brian voltam para a Inglaterra, e Andrew, Mick e Keith vão para o RCA Studio em Hollywood para refazerem alguns vocais e remixarem "The Last Time." Este será o padrão de comportamento que se repetirá constantemente. Enquanto os demais membros são dispensados, Mick, Keith, Andrew e o engenheiro de som, ficariam para trás, no estúdio, trabalhando nas musicas.

Negócios a Parte

Em Londres Bill Wyman e sua companhia Temeraire estavam recebendo os frutos de seu trabalho fora dos Stones. Decca havia lançado o compacto de Bobby Miller, "What A Guy/You Went Away", ambas canções produzidas por Wyman e Miller, sendo o lado B uma composição dos sócios Bill Wyman e Brian Cade. Na bateria, Bill convida seu velho amigo dos tempos do The Chiftons e Rolling Stones, Tony Chapman. Ele passará a ser um sessionman constante nas diversas produções de Wyman, podendo contribuir até com uma composição sua.

Bill Wyman
Bill Wyman

A Columbia lança o compacto do The Cheynes, "Down And Out/Stop Rouning Around", novamente produzidos por Wyman e com uma composição Wyman-Cade no lado B. De destaque, o baterista é um ainda desconhecido Mick Fleetwood. Outra composição da dupla Wyman-Cade, " 'Cause I'm In Love With You," seria lançado no compacto de Joey Paige. Nesta gravação, como curiosidade, temos Sonny Bono fazendo vocais, em uma gravação realizada em Los Angeles.

Paralelamente Andrew Oldham lança Dick St. John & Dee Dee Sperling com a música "Blue Turns To Grey" da dupla Jagger-Richard pela Warner. Esta e outra canção, "Some Things Just Stick In Your Mind", contam com a participação de toda a banda Rolling Stones, incluindo Mick Jagger fazendo backing vocals. Outra banda a regravar "Blue Turns To Grey" seria The Mighty Avengers, igualmente produzidos por Oldham e lançados pela Decca. A destacar a direção musical é de John Paul Jones. Outra produção de Oldham é The Toggerty Five e a canção "I'd Rather Be With The Boys" que oferece uma curiosa dupla de compositores, Oldham-Richard, compacto lançado pela Parlophone. Se isto não basta para levantar sua curiosidade de colecionador, os músicos nesta gravação são John McLaughlin, Joe Moretti e Keith Richards nas guitarras, Mick Jagger nos vocais e um novato, Andy White na bateria.


Desde 1964, Oldham convocava membros dos Rolling Stones, incluindo Ian Stewart, para gravarem material para suas produções. Estas sessões produziram materiais diversos como "To Know Him Is To Love Him", clássico do Phil Spector, para o primeiro disco solo da amiga Cleo Sylvester, ex- Velvettes. No mesmo dia desta gravação, Andrew prepara uma faixa sob o rótulo de The Andrew Oldham Orchestra, contendo todos os mesmos seis Rolling Stones. O título desta faixa, ironicamente se chama "There Are But Five Rolling Stones".

Mais produções de Oldham com participação de um ou outro Stone incluem, "Funky And Fleopatra" (Andrew Oldham) e "Oh, I Do Like To See Me On The B-Side" (Oldham/Wyman/Watts) com Bill Wyman, Charlie Watts e Keith Richards; "365 Rolling Stones" (Mike Leander/Andrew Oldham) com Charlie Watts; participações de Mick e Keith em várias faixas no álbum The Andrew Oldham Orchestra; "Blowin" In The Wind" para Marianne Faithfull conta com Keith na guitarra, e em outra ocasião, Brian grava "A Mess Of Blues" (Doc Pomus/Mort Shuman) e "Love Me, Baby" (PeterAsher/Gordon Waller), ambos para o compacto da dupla Peter & Gordon. Em ambas Brian está na gaita.

Próximas Produções

Previsto para o próximo compacto dos Stones, a banda tinha gravado The Last Time, Play With Fire e uma versão mais rápida desta, chamada Mess With Fire. Andrew, Mick e Keith concluem que entre as duas, Mess With Fire é a melhor opção e mandam as escolhidas para Decca via Chrissie Shrimpton que passou a trabalhar para Andrew. Ela se confunde e manda Play With Fire no lugar. Quando o erro é descoberto, ninguém sabe onde está o rolo original com Mess With Fire. Quando o compacto foi lançado em fevereiro, Play With Fire recebe elogios e ficou assim contornado o problema. Pouco depois Chrissie pediu para ir embora.


As futuras apresentações na Inglaterra foram gravadas com intuito de um álbum ao vivo. Foram gravado shows em Edmonton, Liverpool e Manchester com Glyn Johns como engenheiro de som. O set compreendia Everybody Needs Somebody To Love, Pain In My Heart, Down The Road Apiece, Time Is On My Side, I'm Alright, Little Red Rooster, Route 66 e The Last Time. Tantas viagens e shows mundo afora se provaram benéficos para o amadurecimento da banda. Muito mais profissionais, os Stones estão mais comercialmente conscientes a tempo do seu contrato com a Impact Sounds estar para se encerrar. A CBS fala em topar qualquer proposta e Easton fala que já recusara um milhão de dólares por um contrato de cinco anos. Como ele explica, os Stones farão mais do que isto em um só ano. Mas nas contas bancárias, este dinheiro não é visível.

A Famosa Mijada

Bill Wyman
Bill Wyman

No dia 18 de Março, voltando na van do Stu, após um show relativamente tranqüilo, o eficiente esquema de terminar o set e sair direto para a van e fugir deixou Bill Wyman cheio de vontade de fazer xixi. Encostando ao lado da Francis Service Station, um posto de gasolina, ele teve recusado o acesso ao banheiro. Mick, Brian e o amigo e cantor, Joey Paige, se juntaram a Bill e exigiram o direito de usar o banheiro, por mera necessidade fisiológica. Brian fez algumas caretas (nankers) e sapateou na frente do atendente enquanto este gritava para o grupo ir embora. Depois, andaram até uma parede adjacente a garagem e urinaram lá. No caminho de volta para a van insultaram o atendente pela sua falta de cortesia e foram embora. Dois dias depois, o episódio está no jornal Daily Express.

Um freguês do posto deu queixa na polícia contra um bando de arruaceiros em uma van. Aparentemente, anotaram o número da placa do veículo e o processo correu. O juiz multou a banda em £5 cada e ao invés de tentar esconder o incidente, o que seria o esperado, Andrew Oldham instrua sua banda a falar o máximo sobre o incidente possível, ridicularizando o sistema que ao multá-los, estaria apoiando uma discriminação contra todos os jovens, simplesmente porque seus gostos por moda e estética pessoal não é o de seus pais. Andrew, que sempre teve um talento para aumentar e promover um incidente, cunha então a frase: "Os Rolling Stones são a primeira banda presa por mijar na parede." Lembro aqui que, com o muro de Berlim tendo apenas cinco anos de existência, a palavra "parede" carrega consigo um tremendo estigma de repressão. Assim, a imagem de "bad boys" e rebeldes, começa a ter cada vez mais conotações políticas e sociais.

A Situação de Brian Piora


A pressão de tantos compromissos seguidos, enquanto paralelamente sabendo que dentro do comando estão querendo se livrar dele, começa a ruir a pouca estabilidade emocional de Brian. Existem diversos testemunhos de pessoas diferentes, que confirmam que Andrew Oldham estava sistematicamente fazendo campanha contra Brian para Mick e Keith. Ele pedia que o dispensassem da banda, e Brian estava ciente do que estava se passando.

Certa noite, ao voltarem de van, após um show, Brian e Mick discutem pesadamente. Brian reclama da monopolização das composições e acusa Jagger de querer ser o líder da banda quando havia um acordo informal de que não haveria nenhum líder. Além do mais, foi ele que fundou a banda e se houvesse algum líder, seria por direito ele.

Com esta, Mick mandou Stu encostar e expulsou Brian do carro. Jagger então o acusa de ser um pé no saco só se preocupando em se divertir e nunca fazendo mais do que o mínimo necessário que é tocar nos discos e nos shows. Foram lembrados outros furos de Brian do passado, agindo contra o interesse da maioria, e quando Mick termina de falar, todos estão concordando em deixa-lo ali mesmo para voltar a pé. E a van seguiu sem Brian.

As cinco da manhã ele conseguiu um lugar aberto para pedir o uso do telefone. Liga então para Cleo Sylvester contando resumidamente o que acontecera e pedindo permissão para dar uma passadinha na sua casa para descansar. Chegou quase uma hora depois, ainda a pé e sua mãe lhe preparou um café da manhã. Cleo apenas ficou ouvindo suas lamúrias e pensando em como o sucesso, mesmo tão imenso, não trás a felicidade. De como o ídolo de tantos, está na verdade se sentindo vazio e sozinho.

Brian passa a ficar cada vez mais calado dentro da banda. Entende que ninguém o quer, contudo, não irão lhe mandar embora tendo ainda tantas coisas por conquistar. Ele se sente preso pois sabe que não existe outro grupo que possa oferecer uma qualidade sonora capaz de lhe satisfazer musicalmente. Além do mais, a idéia de ser rotulado ex-Stones lhe é um martírio.


Carol McDonald, membro do Goldie & the Gingerbreads, uma das bandas que abriam para os Stones durante a última excursão lembra dele sempre calado, quieto e evitando as pessoas. Era evidente para ela que algo estava incomodando Brian e por isto passou a observá-lo sempre que podia. Não demorou muito para concluir que ele invejava a atenção dispensada a Jagger. Ela diria: "Brian parecia precisar desta atenção dispensado em abundância ao seu vocalista e a falta de reconhecimento pelos seus esforços lhe estava empurrado para fora da banda."

Conversando com seu amigo John Lennon, este lhe confessa estar arrependido das concessões que os Beatles se sentiram obrigados a fazer em troca do sucesso. De fato, Lennon em analogia, se comparava a uma prostituta com um milhão de clientes consumindo sua mente, não seu corpo. Brian estava cada vez mais perturbado com a idéia de Jagger estar empurrando sua banda na mesma direção. Em seu vazio, há necessidade de preenche-lo com alguma coisa. Brian já é um alcoólatra e viciado em anfetaminas, o que é uma combinação perigosa e não ajuda sua tendência nata de aumentar as coisas fora de proporções. Brian começa a se perder.


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

Rolling Stones: em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da bandaRolling Stones
Em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da banda

Mick Jagger: dando em cima de uma Katy Perry quase adolescente?Mick Jagger
Dando em cima de uma Katy Perry quase adolescente?

Super Bowl: quando as guitarras fizeram touchdownSuper Bowl
Quando as guitarras fizeram touchdown

David Bowie: Mick Jagger comenta a morte de seu amigoDavid Bowie
Mick Jagger comenta a morte de seu amigo


Dinheiro não é tudo mas ajuda: 5 Rock Stars que nasceram ricosDinheiro não é tudo mas ajuda
5 Rock Stars que nasceram ricos

Batom, laquê...: Como formar uma banda de Hard Rock em 69 liçõesBatom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições

Tragédias: 10 das piores ocorridas em shows de Rock e MetalTragédias
10 das piores ocorridas em shows de Rock e Metal

Kiss x Secos & Molhados: o fim da polêmicaKiss x Secos & Molhados
O fim da polêmica

Askmen.com: site elege as dez melhores músicas do NirvanaAskmen.com
Site elege as dez melhores músicas do Nirvana

Alice Cooper: fotos de infância, muito antes da famaAlice Cooper
Fotos de infância, muito antes da fama

Yngwie Malmsteen: Blackmore foi o último que o impressionouYngwie Malmsteen
Blackmore foi o último que o impressionou


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336