A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em San Francisco, Brian e Keith freqüentam uma das famosas festas de Ken Kesey e seus Merry Pranksters. Lá, na companhia de beatnicks, artistas e intelectuais de diversas áreas, participam do que passou a ser chamado de "o teste de ácido", sendo apresentados assim ao Acido Lisérgico Dietilamida, mais conhecido como LSD.

God Save The Queen: 5 vezes em que rockstars britânicos peitaram a monarquiaFotos de Infância: Steven Tyler, do Aerosmith

O ácido tem uma história muito ligado aos eventos dos próximos anos, não só na esfera artística, como em toda contra cultura que passou a existir, principalmente, embora não somente, nos Estados Unidos. O ácido teria um auge popular que duraria aproximadamente entre 65 e 73, embora seu uso seja detectado até hoje. Por isto creio ser válido fazermos uma pausa para entender suas origens.

Um Rápido Histórico

O ácido Lisérgico Dietilamida (Lysergic Acid Diethylamide), foi criado por um cientista sueco chamado Dr. Albert Hofmann em 1938, tirado do extrato de um fungo encontrado no centeio, chamado ergot. Dr. Hofmann procurava um remédio para estimular a circulação do sangue no corpo humano e aparentemente, levaria outros cinco anos testando a droga até descobrir acidentalmente seu poder alucinógeno.

Em 1942, um órgão militar americano chamado OSS (Office of Strategic Services) estava reunindo os mais capazes cientistas civis e militares para trabalharem em um programa ultra secreto. Procuravam uma droga que pudesse dobrar a defesa psicológica de um espião inimigo, assim, induzindo-o a falar qualquer segredo que ele tentasse esconder. Foram testadas diversas substâncias como cânabis, barbitúricos, peyote e até cafeína.

Na década de cinqüenta, a CIA havia se interessado pelo programa. Em Abril de 1953, ele é batizado de MK-Ultra e chefiado pelo Dr. Sidney Gottlieb. A CIA cria então o seu programa TSS trabalhando paralelamente com o OSS no projeto agora chamado Artichoke. O LSD chama a atenção da agência, por ser uma droga sem odor, incolor, e eficaz com apenas uma gota.

Hubbard & Osmond

Afora as experiências militares que estavam sendo feitas, estudos da mente humana com o uso de psico-ativos já eram realizados desde a década de quarenta. Havia grande euforia na esfera da psicologia em relação à possibilidade de aprender sobre a mente humana e abrir o caminho para estudos mais conclusivos sobre a loucura. O homem a conseguir isto poderia ganhar um Prêmio Nobel. Assim, vários foram os estudos com substâncias psico-ativas durante as décadas de quarenta à sessenta.

Um dos primeiros cientistas a se interessar por esta causa foi o Dr. Humphry Osmond. Ele já havia realizado um vasto estudo sobre mescalina quando aprendeu sobre a descoberta de Dr. Albert Hofmann. Dr. Osmond seria o médico que cunharia a palavra "psicodélico" em 1957. Seu significado original se refere a manifestações da mente, vindas do subconsciente e portanto sem ordem ou padrão previamente previsível. Futuros estudos levariam Osmond a criar a droga chamada Dimethiltriptamina, mais conhecido por DMT.

Capitão Al Hubbard
Capitão Al Hubbard

Em 1951, um espião americano durante a Segunda Guerra, chamado Capitão Alfred M. Hubbard, foi oferecido LSD como parte de um teste, vendo como a droga age em diferentes tipos de pessoas. Hubbard considerou a experiência a mais profunda e mística que já teve. Ao lado do Dr. Humphry Osmond e seus estudos, Capitão Hubbard com suas sugestões, ampliou a gama de experiências com a droga, enriquecendo a qualidade de suas conclusões.

A credibilidade de Hubbard, e acesso dentro dos governos Americano, Canadense e Inglês, lhe permitiram apresentar o LSD para pastores, policiais, executivos, cientistas, chefes de industria e políticos, nestes três países, com acesso ilimitado à droga, direto dos laboratórios. Hubbard conseguiu inclusive acesso ao Vaticano, com permissão assinada pelo próprio Papa, para exercer experiências com alguns bispos, na hipóteses de que a droga possa levar uma mente doutrinada por teologia, mais perto de um contato com Deus.

Aldous Huxley

Entre outros, a dupla Hubbard e Osmand, apresentou o LSD a Aldous Huxley, renomado escritor autor de "Brave New World" (Admirável Mundo Novo). Huxley, que já se oferecera a experimentar mescalina durante as experiências do Dr. Osmond com aquela droga, estava eufórico com suas descobertas com LSD. A substancial importância de Huxley no futuro da droga é que ele acabou por tirar a experiência do domínio meramente cientifico para o religioso. Huxley que estudara culturas e rituais religiosos de civilizações que utilizavam psico-ativos como forma de chegar a Deus, conclui que drogas como LSD, são importantes para o homem comum se auto analisar e explorar seu própria interior. Huxley escreveria o primeiro dentre três livros sobre o assunto, "The Doors of Perception" (As Portas da Percepção), cujo tema é o controle da mente através de medicação psico-ativa. Este livro chamaria muito a atenção da CIA.

Guerra Sem Mortes

O pentágono via a guerra química como uma alternativa atraente e entre os estudos que nos deram o Agent Orange, estavam projetos como Artichoke. A idéia de borrifar um exército inimigo com um "gás de loucura", que desorientaria as pessoas, tirando-lhes o desejo de resistir, parecia ser válida no saudável exercício de expandir o capitalismo e banir o comunismo. Imaginando seu uso em guerrilha, após intoxicar um ponto estratégico com a droga, o exército americano poderia simplesmente entrar na região desejada, estando o exército inimigo sem condições de lutar. Assim, podem rapidamente apreender os homens e tomar controle da área. Depois de algumas horas o efeito da droga passaria, e a vida civil continuaria normalmente. Sem mortes ou ferimentos, tanto de soldados quanto de civis, e sem danos a propriedades, mantendo tudo funcional. Sonhavam alguns, em um futuro com guerras sem mortes.

Os testes conduzidos pelos militares concluíam que os pacientes, com raras exceções, não perdiam a noção do tempo e espaço, ou de quem eles eram, e sabiam concluir durante a alucinação (viagem), que tudo não passava de um efeito da droga. LSD ainda estava longe de servir para o propósito desejado pelos militares. Com os dois departamentos, OSS e TSS, testando a droga, começam a competir um com o outro para apresentar resultados conclusivos em primeira mão. Logo, há espiões de cada departamento vigiando o outro.

Janiger, Alpert & Leary

Outros médicos na área de psiquiatria começariam a testar o medicamento em seus pacientes com distúrbios mentais em maior ou menor grau. Já em 1960, Dr. Oscar Janiger, psicólogo de Los Angeles, passa a ser o primeiro a tentar estabelecer alguma conclusão cientifica em relação ao uso de LSD para exacerbar o potencial criativo da mente humana. Para isto, ele escolheu cem artistas voluntários, todos pintores, para desenhar antes, durante e depois do uso de LSD.

Dr. Timothy Leary
Dr. Timothy Leary

Todos os artistas sem exceção, consideraram seus desenhos feitos após utilizarem a droga com maior substância e significado artístico. Um chegou a declarar que uma viagem de ácido equivalia a quatro anos de escola artística. Impressionado com os resultados Dr. Janiger passou a oferecer a droga para uma gama maior de artistas. Entre os mais conhecidos estão Jack Nicholson, James Colburn, Cary Grant e André Previn.

Em 1961, dois psicólogos de Harvard, Dr. Richard Alpert e Dr. Timothy Leary, estavam fazendo pesquisas com LSD em colegas de profissão e em alguns prisioneiros voluntários no Massachusetts Correctional Institute. Dr. Leary comentaria com seus colegas nesta época, que ele estava tentando transformar condenados em Budas.

Com o uso de psilocibina, um psico-ativos obtido através de cogumelos, somados a sua orientação psicológica, apenas 25% dos prisioneiros voluntários da experiência voltavam a prisão após serem soltos. A porcentagem média comum para o retorno à encarceração de ex- prisioneiros era de 80%.

Ao conhecer Aldous Huxley e ser apresentado ao LSD, Timothy Leary passa a ser fervoroso defensor do medicamento. Seus relatórios iniciais também concluíam que a droga poderia ser um gigantesco avanço para o auxílio na recuperação de pacientes com distúrbios psíquicos, seu primeiro e maior interesse. Leary perguntava, "Porque perder meses, às vezes anos trabalhando com um paciente para conseguir fazer um trabalho de regressão eficaz, quando posso conseguir o mesmo resultado em umas poucas sessões, com o uso desta droga nova?"

Observação

Então como podem perceber, enquanto de um lado, o governo, mais especificamente as agências de espionagem do governo americano, estudavam sua utilização como uma arma, médicos psiquiatras e psicólogos viam grandes possibilidades de avanço em seus campos. O LSD era cercado de grande positivismo, como um remédio moderno para ser usado no estudo da mente humana e na melhor das hipóteses, definir e, em tempo, possivelmente curar a loucura.

Reação da CIA

Por volta de 1962, a CIA já chegara a suas conclusões em relação ao LSD e embora a droga pudesse vir a servir para determinadas operações táticas, os militares dispensaram suas atenções para outra droga, BZ. Assim sendo, o LSD, embora ainda em fase de testes, já não era mais distribuído facilmente entre os médicos. Dr. Timothy Leary não compreende porque a droga não está sendo produzida em escala industrial e disponível no mercado. No seu entender, a droga deveria ser um direito de todos.

Embora médicos percebessem a droga como de grande assistência, nem todos concordavam quanto ao seu uso indiscriminado. Dr. Janiger, ao contrário do Dr. Leary, não acreditava que o LSD deveria ser tomado por qualquer um, e que pessoas extremamente desequilibradas poderiam perder a total noção entre realidade e sonho. Mas o próprio Timothy Leary tinha consciência da necessidade de uma educação prévia ao uso. Quando foi levado a falar diante do congresso americano, explicou que o governo precisaria estabelecer normas e procedimentos, antes de permitir a um cidadão poder consumir a droga livremente. Leary comparava sua proposta com uma carteira de habilitação em que, da mesma maneira que um cidadão precisa fazer uma prova antes de poder dirigir um automóvel, assim ele teria que fazer uma preparação antes de tomar LSD. As idéias de Leary foram ignoradas.

Timothy Leary Desobedece

Dr. Leary e seu colega Dr. Richard Alpert passam a falar abertamente sobre o ácido. Ao oferecer a droga para um dos estudantes, Dr. Alpert é sumariamente dispensado de Harvard em 1963, com Dr. Leary pedindo demissão em protesto e em apoio ao colega. A partir deste momento, Timothy Leary rompe de vez com sua pacata vida formal, na qual obedecia as regras do sistema de terno e gravata como vinha fazendo em seus já quarenta anos.

Leary passou a oferecer LSD para músicos que tocavam no circuito jazz de Nova York; jazz sendo a música dos beatnicks e do público alternativo. Gente como Theolonius Monk, Dizzy Gillespie e John Coltrane, foram todos, entre os primeiros a experimentarem a droga na área musical, entregue em primeira mão por Timothy Leary em pessoa. John Coltrane teria dito que pela primeira vez ele percebeu a relação intrínseca entre todos os seres vivos deste planeta.

Allen Ginsburg
Allen Ginsburg

A dupla Leary e Alpert une então a diversos escritores beatnick como Allen Ginsburg, Lawrence Ferlinghetti e Gary Snyderem indo então para a costa oeste americana. Este grupo de pessoas conheciam tantas pessoas ao redor do mundo, que um número cada vez maior de intelectuais do primeiro mundo estavam informados da existência desta droga que libera a mente permitindo explorar o mundo por outro prisma.

Ken Kesey & The Merry Pranksters

Ken Kesey, que escreveria "One Flew Over The Cuckoo's Nest" (O Estranho No Ninho), enquanto ainda um universitário, aceitou ser cobaia em experiências com a droga. Depois de ser informado por Ginsberg que estas experiências eram orquestradas pela CIA, e que a agência de espionagem estava testando-a para o uso militar, pretendendo inclusive restringir ou até proibir o uso público da droga, Kesey considera a agência inadequada para tratar com a substância. Ele então resolve se tornar também um divulgador da droga.

Para isto, ele tem como idéia, viajar de ônibus com seus amigos, estes passando a serem conhecidos como the Merry Pranksters (Alegres Brincalhões), e atravessaram o país promovendo e oferecendo a droga, onde quer que estivessem. Alugaram então um ônibus, escrevendo ADIANTE naquele espaçozinho designado para o destino, e durante a odisséia Kesey apresentou LSD para mais gente neste passeio do que Hubbard, Osmond, Leary, Alpert ou a CIA teriam conseguindo em dez anos.

San Francisco, 1965

Agora em 1965, Ken Kesey e os Merry Pranksters estavam novamente em San Francisco, dando varias reuniões, na prática grandes festas chamadas "Happenings", onde o ponche invariavelmente estava aditivado com LSD. Debatiam e promoviam a droga que expande a mente humana. Tocavam música bem alta, faziam brincadeiras utilizando luz, como também realizavam diversos jogos complexos, visando a educação e entretenimento geral. Os jogos e brincadeiras passaram a ser chamadas por Kesey de Acid Tests. Foi numa destas festas, que Brian Jones compareceu. Dentro de poucos meses nasceria Acid Rock e a Revolução Psicodélica.

Baba Ram Dass (Dr. Richard Alpert)
Baba Ram Dass (Dr. Richard Alpert)

O LSD só seria considerado ilegal em outubro de 1966. Inicialmente apenas no estado da Califórnia, depois em todo o país. Com isto, a droga, embora fácil de se encontrar no mercado negro, passou a ser impossível de se obter pelos médicos e cientistas para continuarem com seus estudos. Assim, toda pesquisa sobre a mente humana e como LSD poderia ajudar a curar doenças psíquicas, foram interrompidos e sumariamente encerrados. Depois disto, Dr. Richard Alpert preferiu seguir para a Índia, onde conheceu um guru, aprendeu a meditar, e passou a se chamar Baba Ram Dass. Dr. Timothy Leary preferiu uma conduta mais ativista, permanecendo por mais tempo nos Estados Unidos.

Leary, cada vez mais público quanto à droga, declararia que sua viagem de ácido foi a maior experiência religiosa que já teve, do tipo capaz de modificar um homem completamente, eternamente. Torna-se um ativista em defesa do LSD e com seu dom nato de orador, cunha o slogan "Turn on, tune in, drop out" ou seja, "Se liga, se sintonize, e pula fora". O sistema a se pular fora, neste caso é o sistema educacional, que ainda condicionava excessivamente a mente dos alunos a aceitar o pensamento ortodoxo, propositadamente inibindo o pensamento livre e conclusões próprias.

Leary ao pregar a droga como um instrumento para a mudança de toda a estrutura política, religiosa e social dentro dos Estados Unidos, só agrava sua relação com o governo e autoridades. Logo, ele será classificado pela FBI e a CIA como o homem mais perigoso da América. Leary retrucaria apenas que LSD é menos perigoso do que televisão a cores. Até o final da década, ele seria preso, mas conseguiria fugir da cadeia e do país.

O LSD teria uma profunda influência na música das pessoas que utilizaram a droga. Os Stones iriam lucrar inicialmente com suas experiências psicodélicas, mas no caso de Brian, seu estado psíquico instável só viria a dar uma guinada para pior. Como Brian Jones, outras pessoas perderiam até certo ponto, uma melhor noção da realidade. Dois casos mais conhecidos são de Syd Barret que teria que ser substituído no Pink Floyd e Brian Wilson que igualmente se afastaria, cada vez mais, de suas obrigações com os Beach Boys. Mas isto já é muito adiante. Voltemos a dezembro de 1965.

Dezembro

Mick e Keith estão curtindo basicamente a maconha, Bill passa o seu tempo com mulheres e Charlie se mantém essencialmente o careta de plantão. Ainda em dezembro, Charlie Watts consegue publicar o seu livro "Ode to A High Flying Bird" que ele havia escrito em 1961. O livro é sobre a vida de Charlie Parker, apresentando o músico para um público infantil.

A renda desta excursão americana ficaria presa por ordem da corte suprema pois Allen Klein havia contratado os serviços de outra agência na organização da excursão enquanto a banda estava presa sob contrato, com uma agência assinada durante a época de Eric Easton. O prejuízo quem pagaria seria a banda. Quando o dinheiro é finalmente liberado, a parte que cabe aos Stones, cerca de $214.150,00, continuaria preso na conta de Allen Klein, problema que terá futuros desdobramentos.


A banda permaneceria por um tempo em Los Angeles, cada um em um hotel diferente. Aproveitariam a estada para gravar mais material. Sessões incluiriam "Mother's Little Helper", "Sittin' On A Fence", e "Goin' Home" que tem o seu tempo de execução indo para doze minutos porque embora a banda se entreolhasse aguardando um sinal para parar, Charlie continuava tocando e mesmo com Keith jogando seu casaco no baterista, este curtindo o som, continuou tocando. Nestas faixas temos Charlie tocando congas, bongos, pratos tipani e um bumbo de maior espessura que o normal. Brian experimenta o som do cravo enquanto Stu se incumbia do piano e Jack Nitzsche ficava no órgão.

Charlie e Bill voltam para Londres para se encontrarem com suas respectivas esposas. Keith e mais dois da equipe técnica, Ronnie Schneider sobrinho de Klein e Gered Mankowitz, fotografo oficial da excursão, foram para uma fazenda em Phonix. Passaram um fim-de-semana a cavalo seguindo trilhas em meio às Montanhas McDowell.

Chrissie e Anita se reencontram respectivamente com Mick e Brian em Los Angeles. Mick e Chrissie seguiriam então para a Jamaica enquanto Brian e Anita iam para as Ilhas Virgens, e depois a Nova York. O casal é alvo dos fotógrafos e revistas de fofocas, ambos adorando o status e a atenção dispensada. Dylan ao encontrá-los se irritara com o amigo que mais parecia um manequim, pra cima e pra baixo de limousine. Dylan passaria a provocá-lo, "Como vai sua paranóia? Lá vai o pop star de limousine!" Brian ficou ofendido e magoado mas nada respondeu.

Saúde em Declínio

Os excessos de Brian estavam preocupando todos. Ele se mudara para Elm Park Lane e contratara Dave Thompson como um assistente geral, morando na casa. Durante as últimas excursões, sua bebedeira era em média de uma garrafa e meia de whiskey por dia.


Charlie estava preocupado com a noticia que ele ouviu de que o médico de Brian lhe dera mais um ou dois anos de vida caso seus modos etílicos não mudem. Brian por sua vez, apenas arrumaria outro médico. Um que lhe fornecia amyl nitre, também conhecidos como "poppies". Poppies são inalantes vaso dilatadores, de ação instantânea, porém de curta duração. O efeito é o equivalente ao lança perfume.

Além da bebida, as anfetaminas diárias estavam deixando Brian esbranquiçado e com tremedeiras. Um corpo jovem se recupera rápido dos abusos da noite anterior, mas o corpo de Brian já está surrado apesar da pouca idade. Curiosamente Brian nunca mais pega sua guitarra ou violão quando está em casa. Ele teme pegar o instrumento, criar algo bom e ter que enfrentar a realidade de que ninguém o deixaria gravá-lo. Sua participação era meramente na esfera de contribuições de idéias para músicas trazidas por Mick e Keith. Ninguém o leva mais a sério e a falta de encorajamento chegou a um ponto de que nem ele mesmo conseguia mais se levar a sério. Brian passa a namorar uma francesa chamada Zou-Zou, que logo viria a morar com ele.

Ano Novo, Carro Novo

Brian comenta que se identifica com o seu grupo, no entanto a imagem de sujo não lhe agrada. Para pontuar a contradição da imagem e ao mesmo tempo à realçando, Brian compra um Rolls Royce, um dos maiores símbolos da mentalidade capitalista, com uma placa 666. Bill Wyman por sua vez, tira carteira e compra um MGB. Ele compraria ainda um Morris Minor 1000 e um Mercedes Benz. Keith também tentaria tirar carteira mas acabaria não passando na prova. Compra assim mesmo um Bentley 53 Continental azul e contrata Tom Keylock, empregado da Rolling Stones Ltda., como chofer particular. Keylock também viria a se tornar seu guarda costas particular.

Os Pontos de Encontro

Dentro do círculo de amigos dos Rolling Stones, haviam pontos de encontro onde as pessoas podiam aparecer, acender um baseado, e ninguém faria cara feia. Entre 1965 e 1966, estes lugares eram geralmente nas residências de John Dunbar, Barry Miles, Robert Frazer, Paul McCartney, e evidentemente, Brian Jones. Entre os amigos, geralmente estavam alguns membros dos Stones, dos Beatles, dos Animals, e dos Hollies. George Harrison e Brian Jones acabam por estreitarem a amizade durante este período, atraídos um pouco pela similaridade de seus papéis musicais. Afinal, ambos são guitarristas líderes das duas bandas mais populares do mundo, como também ambos buscam um espaço criativo dentro de suas respectivas bandas e tê-lo reconhecido pelos demais membros de seu grupo. Apenas George encontrava um acesso, mesmo que limitado, dentro dos Beatles enquanto Brian não tinha incentivo algum dentro dos Rolling Stones.

Brian tocando cítara
Brian tocando cítara

Quando Brian ficava excessivamente deprimido, visitava George mesmo em altas horas da noite. Harrison em sua infinita paciência procurava ser companhia. Era óbvio para George que o maior problema de Brian era lidar com o fato de que Mick Jagger teria sempre mais atenção do que ele aos olhos da mídia. Certamente a banda sabia de sua importância dentro do grupo, especialmente pela sua habilidade de aprender e dominar vários tipos de instrumentos diferentes, dando assim cores e texturas sonoras exclusivas aos Rolling Stones. Em uma dessas visitas, George entrega sua cítara a Brian e lhe ensina os fundamentos do instrumento. Não demorou mais que alguns minutos e Brian estava tirando um som com a cítara, um instrumento conhecido por sua complexidade.

O julgamento no caso de pensão alimentícia e ajuda geral nas despesas com seu filho Mark Julian Jones, chega a uma conclusão. Acusado de ser um milionário pelo advogado de Pat Andrews, mãe do menino, e negligente com seu filho, já com quatro anos de idade, o veredicto sentenciou Brian a pagar £2.10s por semana além de £60 de despesas legais. Brian Jones, covardemente sequer compareceu ao tribunal, mandando apenas um advogado.

A Caminho da Austrália


Com o lançamento de 19th Nervous Breakdown, está na hora de voltar a excursionar. Começam por Australia via América parando em Nova York para participar do Ed Sullivan Show, inaugurando a primeira transmissão à cores na televisão americana. Apresentam Satisfaction, 19th Nervous Breakdown e As Tears Go By, este ultimo só com Mick e Keith. A canção contribui para a aceitação da banda por gente que normalmente odiaria a música dos Stones. A gravação em disco oferece apenas Mick Jagger e o Andrew Oldham Orchestra. Parte da crítica consideraram a versão como sendo Mick Jagger tentando copiar Paul McCartney em Yesterday.

Na Austrália, Bill Wyman descobre através de algumas amigas, que ele havia engravidado uma menina no ano anterior e ela se mudara para a Nova Zelândia. A garota nunca o procurou e ele somente sabe que ela teve uma menina.

Na volta passam nove dias em Los Angeles, dos quais quatro gravando. Novamente é Bill Wyman e Brian Jones que podem contar as maiores vantagens sobre suas atividades sexuais. Brian chegava a dormir com três meninas de uma vez, proeza que Bill quase consegue igualar em uma ocasião.

Aftermath

Tocando Paint It Black
Tocando Paint It Black

Quando deixam Los Angeles, gravam cerca de vinte canções, todas Jagger-Richard. Este lote é seguramente o melhor que a banda já tenha feito e até Andrew elogiava abertamente o trabalho de Brian. Com canções como "Paint It Black" e "Lady Jane", a marca sonora de Brian Jones está por todo o trabalho transformando temas comuns em obras distintas.

Seu papel nos Stones era visivelmente o mais abrangente de todos. Se Jagger era a voz e a excitação sexual, Keith a energia pulsante, Bill e Charlie o ritmo firme e forte, ao mesmo tempo que sutil e com swing, Brian usava todos os instrumentos disponíveis para criar a harmonia ao redor do rítmo.

Nos discos, Brian tocava a guitarra, gaita, piano, órgão, mellotron, dulcimer, cítara, flautas, percussões e praticamente qualquer coisa que ele encontrasse para tirar um som. Ele executava notas secundárias, dando ênfase aos harmônicos naturais acima e abaixo das notas principais e assim, dava aos Stones a grandiosidade sinfônica de uma orquestra de rhythm & blues. Era este som que colocava os Stones à frente dos outros grupos musicalmente.

O disco, intitulado de Aftermath, que por definição quer dizer "Resultante", é exatamente isto; o resultante de uma banda sempre encarando a vida na estrada, e atingindo o ápice de seu potencial musical no processo. Canções como "Stupid Girl", falam das "princesinhas de papai" que desfilam bem mas com mentalidades pouco produtivas. "Mother's Little Helper" critica os adultos por censurar o uso de drogas enquanto eles mesmos estão abusando no uso de suas medicações. "Paint It Black" seria um dos favoritos entre os soldados americanos em Vietnã, se tornando a canção mais tocada pela rádio do exército, ultrapassando "We've Got To Get Out Of This Place" dos Animals, do ano anterior. E "Lady Jane" uma canção sinalizando as relações amigáveis dos Stones, mormente Mick Jagger, com a aristocracia. Oficialmente a canção é apresentada como sendo sobre uma carta do Rei Henrique VIII para Jane Seymour falando do fim de sua relação com Anne Boleyn. Para Chrissie, Mick disse que escreveu a canção pensando nela. Lady Jane Ormsby-Gore, filha de Lord Harlech, tem lá seus motivos para acreditar que a canção é para ela.

Este é o primeiro álbum da banda só com repertório da dupla Jagger-Richard e cobrindo musicalmente uma gama variada de sons graças ao trabalho de Brian Jones. O disco reafirma o status de Brian como gênio musical da banda aos olhos de outros músicos que não o conheciam melhor. Ele passaria a receber em sua casa a companhia de gente como Steve Winwood e Spencer Davis que queriam conhecer o dulcimer que ele havia usado em Lady Jane.


Brian, como muitos músicos no ano de 1966 estava tomando ácido todo dia. Acreditava que LSD iria libertar a música que estava presa em seu cérebro. Isto é um assunto antigo na psique deste sujeito frágil e paranóico. Desde adolescente, ainda um jazzista no saxofone, Brian sempre se sentiu frustrado por jamais conseguir executar música no mesmo nível que ouvia em sua cabeça. Ainda em Edith Grove, residência que dividiu com Mick e Keith, era ele quem mais se lamuriava em dúvidas se valia a pena continuar no ramo. Quem mais precisava de reafirmação e conforto dos amigos, mesmo sendo de longe o melhor músico. Brian conseguia ouvir essa música presa na sua mente mais clara sob efeito do ácido e graças à sua relação com a droga, passava novamente a se enfiar no seu estúdio caseiro, tocando e gravando música.

Até um certo ponto, ácido foi bom para Brian, abrindo sua mente para sua própria música que até ele tomar a droga, estava resistente em explorar. Com ácido, Brian larga as preocupações de ser um purista de rhythm & blues e começa realmente a explorar sons, fazendo diversas gravações caseiras.

Keith via que ácido fazia seu amigo viajar alucinadamente e criar boa música e achou tudo maravilhoso e excitante. Ele também começou a tomar ácido com maior freqüência. Este passa a ser o elo que traz Brian e Keith a voltarem a unir forças e o resultado mais positivo está por todo Aftermath. Keith inconscientemente age como o pêndulo do poder dentro dos Rolling Stones. Com quem está a aliança de Keith, este tem o poder sobre a banda. Mick agora está de fora. Brian e Keith fazem piadas de Mick e passam a trata-lo apenas por Jagger, propositadamente não usando seu primeiro nome. Brian também cunha o apelido sarcástico "o velho lábios de borracha" Jagger. Os dois passam a levar som, tomar ácido, e fumar muita maconha juntos. O grande público é claro, ainda não tem a menor idéia do papel que narcóticos estavam tendo nas vidas destas celebridades.


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


God Save The Queen: 5 vezes em que rockstars britânicos peitaram a monarquia

Rolling Stones: 5 vezes em que a banda se posicionou politicamente em suas músicasRolling Stones
5 vezes em que a banda se posicionou politicamente em suas músicas

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

B.B.King: algumas colaborações roqueiras do lendário bluesmanB.B.King
Algumas colaborações roqueiras do lendário bluesman

Paul McCartney: Os Rolling Stones invejavam os Beatles?Paul McCartney
Os Rolling Stones invejavam os Beatles?

Phil Anselmo: Metallica são os Rolling Stones do MetalPhil Anselmo
"Metallica são os Rolling Stones do Metal"


Fotos de Infância: Steven Tyler, do AerosmithFotos de Infância
Steven Tyler, do Aerosmith

Doors: Perguntas e respostas e curiosidades diversasDoors
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Classic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 80Classic Rock
As 10 melhores baladas dos anos 80

Pactos?: Os envolvimentos de bandas com ocultismoPactos?
Os envolvimentos de bandas com ocultismo

Hell Yeah: a filosofia de Nietzsche no Rock e no MetalHell Yeah
A filosofia de Nietzsche no Rock e no Metal

Tabela Periódica do Rock: músicos que marcaram a históriaTabela Periódica do Rock
Músicos que marcaram a história


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.