A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Vem de Ian Stewart a sugestão de se trazer Mick Taylor, guitarrista virtuoso do John Mayall & the Bluesbreakers, banda escola de bons músicos, muito como Alexis Korner & the Blues Incorporated eram no início da década. Convidado para um ensaio teste no dia 1 de junho, eles tocam um blues improvisado sem nome, sendo depois convidado a participar da gravação de uma das canções de trabalho. A sessão, que terminaria por volta das três da manhã, rendeu um compacto vencedor, Honky Tonk Woman.

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVDHard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gênero

Fé Cega

Mick e Marianne foram convidados para jantar na casa de Eric Clapton. Jagger e Clapton tem se visto e falado muito durante os últimos meses, pois sua nova banda, Blind Faith, estava no Olympic Studios desde abril gravando com Jimmy Miller o álbum de estreia. Blind Faith tem grande expectativa da imprensa e são chamados de supergrupo porque seus três membros são grandes estrelas de arrecadação. São eles Eric Clapton e Ginger Baker do Cream, mais Steve Winwood do Traffic. Precisando de um baixista para as apresentações ao vivo, Rick Grech, baixista do Family, é convidado a excursionar com eles. Grech, porém, na simpatia, acaba participando do disco e se tornando um quarto membro.

Clapton convida Mick para ir ao show de estréia da banda a ser realizado no Hyde Park dia 7 de junho. Seria a primeira vez que uma banda de maior expressão realizaria na Inglaterra um show gratuito. No sábado, dia do show, Mick ao lado de Marinanne, está nas nuvens ao ver tamanha aglomeração de pessoas, quase 150 mil de público. Nunca os Stones conseguiram tocar para tamanho publico de uma só vez!

Os Rolling Stones haviam marcado dois shows em Roma, onde tocariam no mesmo Coliseu onde os Romanos assistiam gladiadores e mártires cristãos serem engolidos por leões famintos, tudo em nome do espetáculo. O show seria filmado e projetado para todo o mundo, no lugar do já velho Rock 'n' Roll Circus. Havia grande euforia de toda banda para o evento mas infelizmente as duas noites são canceladas e Mick olha para Hyde Park como uma opção digna. Seria uma oportunidade de apresentar a formação nova da banda para um público gigantesco, filmando o evento, que seria posteriormente televisionado para o mundo afora.

Ele procurou ser apresentado ao responsável pelo evento, este sendo Peter Jenner, e fez logo a proposta: "O que acharia de ter os Rolling Stones no Hyde Park?" Em uma rápida conversa e em acordo de cavaleiros, Mick Jagger marca para dia 5 de julho a data do show. Depois, assistem a apresentação do Blind Faith que perto do final, homenageiam os Stones com uma versão de Under My Thumb.

Acidente de Carro

Naquele mesmo sábado, de manhã, Keith e Anita começavam o dia fumando ópio na suite do hotel em que estavam hospedados. Anita já está no quinto mês de gravidez e embora a sala não esteja rodando, estão todos em um agradável estado de intoxicação. Foi quando chegou a noticia que o seu Mercedes amarelo, fabricado na época do nazismo, estava pronto e poderia ser entregue. O veículo havia passado pouco mais de um ano em reforma, depois de Keith tê-lo destruído em um acidente no primeiro dia que dirigiu o carro. O veiculo longo e imponente foi então colocado a sua disposição, estacionando à frente do hotel. "Vamos voltar a residir em Redlands" Anita decide, e com isto, resolvem fazer as malas. Intoxicados pelo ópio, levam quase quatro horas arrumando desorganizadamente todos os seus pertences pessoais, aparelhos eletrónicos e bugigangas em geral, vários comprados recentemente.

Dentro do carro, Keith continua sem saber dirigir um veiculo de cambio manual. Desta maneira, volta a ter os mesmos problemas que o levaram a bater da primeira vez. Dirigindo em alta velocidade, ao fazer uma curva na West Wittering Road, o pneu traseiro bate no meio fio e o carro fica descontrolado, derrapando para a contra mão, depois capotando de lado, rolando por uma ribanceira. Ao encontrar o auxílio de um carvalho, o veículo parou; milagrosamente de cabeça para cima.

Anita geme de dor, localizando seu foco maior vindo do ombro esquerdo. Keith levanta preocupado. Suas primeiras palavras são "Rápido! Precisamos esconder o flagrante!" e sai à caça de todo os pertences do casal, colocando todo flagrante em um saco plástico e escondendo tudo num buraco de uma arvore vizinha. No saco malocado, cocaína, heroína, ópio e haxixe, os mantimentos usuais deste casal nada conservador. Mais tarde, alguém seria mandado para buscar estes e outros pertences que ficaram para trás. Não demorou muito e a policia chegou. De fato, a primeira preocupação da policia era de encontrar entorpecentes entre as coisas do casal, mesmo com Anita grávida, sangrando e em dor. Pediram para esvaziar os bolsos e ao achar duas seringas e duas capsulas usadas na sua bolsa, obrigaram o casal a ir à delegacia.

Anita explica que ela precisa ir para um hospital, que as capsulas são de vitamina b12 que ela toma regularmente, como orientada pelo seu médico. Um dos policiais faz parte do grupo que participou da batida em Redlands no ano anterior e desconfiado, não lhe dar credito, e o casal acaba mesmo sendo levado para a delegacia. Lá, o médico policial confirma a versão de Anita como plausível e dá ordens para que ela seja imediatamente levado para um hospital. Os guardas de moral muito baixa, fazem escolta policial para o St. Richard's Hospital, onde ela foi diagnosticado com fratura óssea na altura do ombro. Na manhã seguinte, Keith leva Anita para ser internada no London Clinic, visitando-a regularmente todos os dias, enquanto lá estivesse. Por causa da gravidez, os médicos acharam melhor que ela fique em observação. Durante este tempo, Keith aluga um apartamento em Park Lane embora passasse a maior parte do seu tempo ou visitando Anita ou na casa de Spanish Tony e sua namorada Madeleine.

Curiosamente Brian também quase sofre um acidente de carro no mesmo dia que Keith. Sendo um motorista disperso, estava contando um caso para Anne enquanto ao volante e se distraiu perto de um cruzamento, onde a preferencial era do outro veículo. Brian freia a tempo de evitar uma colisão, mas a possibilidade de acidente o deixa atormentado. Volta imediatamente para casa e não consegue dormir à noite. Bem ao seu estilo, fala sem parar, esticando o assunto para infinitas possibilidades, cada uma com um resultado mais trágico que o outro. "E se tivéssemos batido e você se machucado feio. Poderia ter quebrado um osso. Poderia ter ficado aleijada e tudo por minha culpa! Imagina se você fosse morrer!" Depois de passar horas no mesmo assunto, prontamente jura que jamais voltará a dirigir na vida.

Cortado


No dia 8 de junho, Mick, Keith e Charlie se reuniram no estúdio à tarde, onde entre outras coisas, terminam de mixar Honky Tonk Woman. Por volta das 18 horas encerram e seguem juntos em direção a Cotchford Farm. Mick e Keith, com receio de que Brian pudesse aprontar uma situação de conflito, que poderia terminar de forma extremamente desagradável, convencem Charlie a acompanhá-los. Quando os dois carros estacionaram na garagem, à frente da casa, Brian olhando pela janela, já os aguardava. Brian deixa Anne no quarto e desce ao encontro dos colegas. Ele sabe que é chegada a hora.

Nenhum deles tiveram como encarar Brian nos olhos durante toda a reunião que foi na prática, sem incidentes, e bem mais amena do que puderam supor. A conversa realizada na cozinha durou pouco mais que meia hora. Curiosamente eram Keith e Mick que estavam nervosos, Brian se mostrando calmo de uma forma mais para apático do que para tranqüilo. Ninguém sabe por onde começar até Keith esfaquear o assunto, "Viemos aqui falar sobre a excursão americana." Brian timidamente replica, "Eu não posso ir, vocês sabem. Não tenho saúde para uma excursão longa no momento. Alias, faz tempo que não sou um Rolling Stone de fato". Mick apanhando a deixa, entrega logo a situação no pé que está e a solução melhor cabível encontrado por eles.

Para o desgosto de Allen Klein, os Rolling Stones concordaram em pagar ao Brian Jones a soma de £100.000 por ano, valor que seria rateado entre os quatro membros restantes, até o dia que a banda acabar. Brian também poderia retomar o seu lugar na banda em uma futura data se assim ele desejar. Em troca, ele teria apenas que dizer que a idéia foi sua de sair e não tratar o assunto como se ele tivesse sido demitido. Todos concordam que esta é a melhor maneira de se ir publicamente sobre a separação. Desta forma, nenhuma das duas partes ferem a outra. Brian aceitou os termos sem nenhuma discussão, assegurando que Mick poderia fazer o anúncio oficial da forma que melhor entendesse, e que ele confirmaria tudo. O acordo foi verbal mas um documento seria aprontado no futuro próximo pelo escritório de Allen Klein. Ao saírem, Mick, Keith e Charlie estão visivelmente aliviados que tudo foi de fato, feito da forma mais civilizada e amena possível.

Antes de irem embora, Keith oferece de presente um papelote com cocaína. Sozinho na cozinha, Brian aguarda um pouco em silêncio, se dobra sobre a mesa e começa a chorar, como quem acaba de ser informado de seu divórcio. Depois de se recompor, volta para a cama onde Anne o aguarda, anunciando que a ruptura está oficializada. Mais tarde, depois de quase cinco meses de abstinência, Brian vira a noite cheirando toda a cocaína, pateticamente agradecido pela consideração de Keith de lhe dar um presente. O pó é de extrema pureza, porém Brian está totalmente desacostumado, e seu corpo depois da inicial sensação de ligação, passa a rejeitar os cristais. Brian passa muito mal, e com Anne segurando sua cabeça, vomita até o amanhecer.

O Anuncio Oficial


Os Rolling Stones com Brian Jones, oficialmente não existe mais. Mick agora está pressionado a divulgar a notícia da saída de Brian em função do show em Hyde Park no mês que vem. Como Keith corretamente o lembrou, "O povo pode não gostar de anunciarmos a saída de Brian, mas irão gostar ainda menos se simplesmente aparecermos no palco com Mick Taylor."

O anúncio sai em apenas um jornal no dia 9 de junho, Mick intencionalmente tentando ver se a noticia passa sem ninguém se dar muito conta do fato. Doce ilusão. O assunto se espalha rapidamente e Jagger é obrigado a dar entrevistas a respeito. Brian é acordado pelo telefone neste dia, ainda de ressaca da cocaína da noite anterior. Está enjoado mas atende o reporter do outro lado da linha, lhe dando seu "pronunciamento oficial". Confirma toda a historia que é parcialmente a verdade; Brian estava mesmo se afastando daquele tipo de música e buscando algo que melhor representasse suas necessidades como artista.

Porém, seu mal humor é provocado ao ver um exército de jornalistas à frente da entrada de sua residência. Recusa-se a falar com todos, mandando Sra. Hallett dizer que ele já dera uma declaração e que não irá dar mais nenhuma entrevista a respeito do assunto. Brian se esconde no seu quarto de som enquanto Anne está tomando banho de sol na piscina. O telefone agora não pára de tocar, todos querendo saber como ele está. Em Londres, Anita chora com a notícia, sabendo como Brian é sensível e como a banda era importante para ele. Ela teme que ele se perca de vez. Keith, enciumado, lembra a ela que Brian vai receber uma grana preta pra fazer absolutamente nada, portanto não está exatamente na pior. Marianne também chora por Brian, preocupada com seu futuro. Acredita como Anita que Mick e Keith ao expulsá-lo da banda, poderão destruir seu amor próprio de forma irremediável. Liga para saber como ele está, assim como também ligaram Bill, Charlie, Mick, Alexis e incontáveis outros amigos e não tão amigos.

John Lennon é outro que ligou, os dois passando quase uma hora conversando ao telefone, Lennon procurando lhe dar força e coragem, e o parabenizando por ter tomado o primeiro passo na direção de uma nova carreira. Brian sorri e embora ainda inseguro quanto ao futuro, fala de como pretende montar uma nova banda. Lennon fica feliz com a notícia e vai até Cotchford Farm passar a tarde com ele. Ficam os dois na sala de som tocando juntos. Depois, ao se despedir, conversa com Anne sobre a importância do apoio dela para a autoconfiança de Brian. Deu força para o casal e foi embora, deixando Brian em um estado de espirito otimista.

Brian Em Casa

Brian ao lado do trampolim da piscina
Brian ao lado do trampolim da piscina

Neste verão de 69, um dos mais quentes da década, Brian tem prazer e orgulho especial de sua piscina. Tem nadado todos os dias e às vezes a noite, dado o calor. A piscina é térmica e tem iluminação noturna. Brian tem como regra não permitir ninguém entrar na piscina sozinho ou pelo menos, ter alguém do lado de fora vigiando. Ele não esquecera do aviso que teve em Ceilão e por via das dúvidas, não quer arriscar.

Outro grande prazer que Brian tira é de sua horta. O fato de poder comer comida tirada do seu próprio quintal lhe é fonte irradiante de prazer. Ao lado de Anne, ele estava vivendo uma período extremamente feliz e otimista. Até voltara a pegar seu violão, fazendo suas serenatas na cozinha, enquanto assistia sua jovem namorada aprendendo como cozinhar.

Um dos seus maiores refúgios é o quarto de som que ele montou, onde faz suas experiências sonoras e grava diversas coisas. Nele se encontravam três máquinas para gravação profissional, dois órgãos, um piano, além de uma variedade de instrumentos que vão desde guitarras, várias gaitas de boca, percussões variadas, saxofone, balalaika, accordion, cítara, e provavelmente mais algumas coisas.

Até o momento, pouco se pode comprovar sobre os arquivos sonoros de Brian Jones. Sabe-se apenas que ele passou um período muito interessado em sons eletrônicos, música do norte africano, além de rhythm 'n' blues e rock 'n' roll. Sabe-se também que ele recebeu amigos ocasionalmente, dos quais gravaram diversos jams, e possivelmente alguns temas mais estruturados. Os amigos são vários, dos quais, alguns dos nomes são Alexis Korner, Peter Thorup, John Lennon, Denny Lane, Mitch Mitchell e John Mayall. Surgem como possíveis títulos de canções, nomes como "Chow Time", "Go To The Mountains", "Sure I Do" e "Has Anybody Seen My Baby", nenhum confirmado. Sabe-se porém que muita coisa estava inacabada e a grande maioria, se não tudo, era instrumental.

Brian voltara a ouvir discos. Entre as coisas que ele mais ouve em casa estão discos de Liberace e Richie Havens. Uma de suas favoritas canções desta época era "The Ballad of John & Yoko" dos Beatles, que, sempre ao ouvir o refrão "the way things are going, they're gonna crucify me" Brian sorri em reconhecimento a vivência própria desta sensação. "Nashville Skyline" de Bob Dylan é um LP que está sempre na vitrola, principalmente à noite, antes de dormir, onde as letras de "Lay Lady Lay" e "To Be Alone With You" se tornam as favoritas do casal. Outro disco, este nunca prensado (só anos depois como pirata) que Brian voltou a ouvir com bastante freqüência, foi a fita rolo que os Rolling Stones fez antes de assinarem com Andrew Oldham em inicio de 1963 e com Ian Stewart ainda como membro. Vários de seus convidados pegaram Brian ouvindo esta fita, e declarando claramente que em sua opinião, este é tranqüilamente o melhor material gravado pelos Rolling Stones. Todavia, de todas as coisas que Brian estava ouvindo nesta época, nenhum lançamento recente é de maior impacto para ele do que "Proud Mary" de Creedence Clearwater Revival. Esta nova banda serve de enorme inspiração para suas intenções musicais futuras.

Um Toque Feminino

Visão lateral da casa de Brian Jones
Visão lateral da casa de Brian Jones

Já há um mês morando em Cotchford Farm, Anne começa a querer dar um toque feminino na casa. Sugere que Brian lhe permita ir decorando o lugar, aos poucos, quarto por quarto. Garante que bom gosto não necessariamente representa gastar fortunas e Brian consente.

Anne conta que enquanto na cozinha, ouve Brian dando uma relação de mantimentos para serem comprados para um dos empregados da casa. Intrigada com a quantidade de comida encomendada, pergunta se irão receber visitas. Brian não entende a sutileza da pergunta, pois a quantidade solicitada é a mesma de sempre. Ficou evidente para ela que Brian não tinha nenhuma noção do custo das coisas. Guiado por ela, o casal faz um levantamento do que tem na casa e montam uma lista de comida para os dois. Ela então leva Brian até o armazém local com ela, para que ele possa ver e testemunhar por si mesmo, quanto custa cada coisa.

O valor dos gastos semanais caíram a menos de metade e Brian passou a ter um motivo a mais para confiar em sua namorada. Mas se Brian antes estava comprando comida em excesso, e toda semana precisava comprar mais comida, para onde iam estes mantimentos? É através de relatos como este, que percebemos que algumas das queixas que Brian vem fazendo no último ano podem não ser totalmente fruto de sua paranóia. Outro incidente similar acontece quando Anne, durante a janta, ao ouvir um barulho, levanta e olha pela janela. Ela então testemunha três empregados guardando, na mala de um carro, várias sacolas com legumes tirados da horta. Ela informa Brian que sai furiosamente para enfrentar a situação. "O Frank nos falou para pegar o que quisermos" teria sido a defesa, Brian mandando devolver tudo. Seria este um incidente isolado, ou será que o hábito de "pegar o que quiser" também já estava acontecendo há tempos?

Brian e Alexis

Os fundo da casa e a piscina
Os fundo da casa e a piscina

Nos fins de semanas Alexis, sua mulher Bobbie, e os três filhos, visitam a fazenda. Enquanto Bobbie e Anne vigiam as crianças na piscina, Brian e Alexis conversam caminhando pelo jardim. Os dois haviam entrado em um acordo onde Alexis o ajudaria a montar uma banda, encontrando os músicos certos e, ouvindo de fora, melhor ajudando-o a atingir suas metas musicais.

Brian divaga sobre unir concepções diferentes, juntando o som de uma banda como Creedence Clearwater Revival, com o gospel de James Cleveland. Suas aspirações incluindo Mezzerow e Brechet, com Muddy Waters e Elmore James. A idéia aparentemente confusa, poderia funcionar quando alguém como Brian Jones está envolvido no projeto. Basta ver que se em 1969 ninguém dava a menor atenção para o som criado no norte africano, Brian continuava a ouvir The Pipes of Pan JouJouka, como se a música fosse a porta do novo. Hoje, estamos atravessando a porta do novo milênio e Sting está nas rádios fazendo sucesso com um som emerso em influências daquela parte do mundo. Brian Jones, trinta anos a frente de seu tempo? É um caso a se pensar.

Alexis, quando convidado a falar sobre Brian Jones, diria que a hojeriza por drogas e a paixão por bebida pode ter um simbolismo representativo a ser considerado. A bebida pode ser vista como o passatempo de homens, o oposto do ácido e outras substâncias, que ajudam a nublar a suposta linha bem definida entre o que é masculino e o que é feminino. Brian poderia estar querendo conscientemente ou no mínimo subconscientemente, estar se posicionando agora no extremo oposto ao mundo semi-andrógino que Mick Jagger representa, e que há poucos anos atrás, ele Brian ajudou a construir. Alexis conclui que, para Brian Jones recomeçar sua carreira, ele sente que precisa buscar também recriar sua imagem e personalidade própria.

Aliás, quanto a imagem própria, a metamorfose tem sido a olhos vistos. Dono de quase dez armários apinhados de roupas, sapatos, chapéus e jóias, o homem que ajudou a criar uma consciência de moda entre os homens, hoje dá as costas para o assunto, vestindo-se muito casualmente, quase sempre de bermudas e camiseta, ou uma calça bege que se torna sua favorita para caminhar pelo jardim no final da tarde. Vendeu seu Mercedes e comprou o carro usado de seu jardineiro. Brian aparenta quer se afastar da mística do estilo de vida de um superstar.

A Banda Nova

Pouco se sabe sobre os nomes que foram cogitados para esta banda nova. Não houve tempo para aprofundar muito no assunto, uma banda nunca sendo de fato formada. Sabe-se apenas que Brian conversou com algumas pessoas. Na verdade era Alexis quem tinha os números telefônicos de todas os contatos; ele sendo o principal elo de Brian com a geração nova de músicos. Brian foi aconselhado a optar por tocar com toda uma turma nova de pessoas onde ele poderia reter melhor o controle sobre o que está se fazendo. Em seu entusiasmo, Brian combinaria que Alexis faria os primeiros contatos e em seguida ligaria ele mesmo, bagunçando um pouco a organização. Alexis embora irritado com os furos, entendia que a atitude de Brian demonstrava bem o interesse com que passou a abraçar o projeto. Keith Richard e outros do antigo ciclo, sabendo das novidades, ficaram também satisfeitos que Brian estava finalmente se empolgando com alguma coisa e com isto, passa a ter anseios por uma vida produtiva. Keith supostamente teria dito "Brian tem sorte em ter um amigo como Alexis."

Que se saiba, entre os músicos que em julho estavam dentro dos planos desta nova banda, estava Micky Waller, ex-baterista do Jeff Beck Group. Brian também procurara a antiga cantora Cleo Sylvester, que ele conhecera em 1962, cantando para os All Stars de Cyril Davies. Surpresa com a chamada telefônica, ela riu da proposta, achando que Brian estava brincando com ela. Brian insiste que tem um espaço para ela cantar no material novo que ele pretende montar, querendo saber se pode ou não contar com ela. Cleo acaba concordando em participar dos ensaios a serem marcados em um futuro próximo.

Junho '69

A entrada da casa de Cotchford Farm
A entrada da casa de Cotchford Farm

Este é o Brian Jones em junho de 1969. Muito diferente do Brian Jones de poucos meses antes. Mais calmo, empolgado e desintoxicado. Nada na sua piscina regularmente procurando recuperar a forma, intenção reforçada por uma dieta balanceada. Começa o dia com um café completo com ovos, bacon, torrada, suco e leite. Passa a ler a bíblia à noite, interessado em seus contos de amor, busca, e fé. É respeitado, querido e protegido pelos seus vizinhos.

Se afasta de praticamente todos os seus antigos conhecidos, uma vez que proíbe toda e qualquer companhia que venha visitar-lhe trazendo tóxico. Porem há algumas exceções. Alexis Korner é um que sempre que visita, pede a Anne para passear com ele e mostrar o jardim. É o código que Anne, Bobbie, e se bobear, até o próprio Brian, já sabem o que quer dizer. Alexis vai até a beira da floresta fumar um baseado, Anne que o acompanha aproveitando para dar uns tapinhas também.

Dentro deste ambiente comparativamente mais calmo, não é surpresa que Brian passa a pensar novamente em seus filhos e na possibilidade de voltar a revê-los, concertando a relação distante e afastada que ele manteve até então. Fala com certa freqüência em procurar Julian e Mark, os únicos entre suas crianças, com quem ele tem, ou melhor tinha, algum contato. Ele também sonha em criar outra família, começando do zero. Segundo Anne, Brian a pediu em casamento na presença de Frank Thorogood. Ela assustada recusa, estando com apenas um mês ao seu lado. Ela sabe que Brian é mesmo assim impulsivo. Conversando sobre Marrocos, se empolga e liga para seu amigo Biron Gysin que mora lá. Manda Anne fazer as malas e depois muda de idéia, desmarcando tudo. Em outra ocasião, fala em visitar Portugal, planos que acabariam sendo postergados para agosto quando iriam com o fotógrafo David Bailey e sua esposa, ambos amigos de Brian e dos demais Stones. E se de uma hora para outra ele mudar de idéia e não quiser mais ficar casado?

Frank e Tom

A vida não é só de prazeres e amenidades. Na incapacidade de Brian de fincar o pé e brecar abusos, ele permite a pessoas mais fortes que ele a entrar em sua vida e tomar posse de suas coisas. Frank Thorogood está entre estes. Provoca Brian, convidando Anne para ir com ele para Londres. Quando não na sua frente para irritá-lo propositadamente, faz isto pelas costas, Anne desconversando e tentando se afastar de suas cantadas. Brian e Frank discutiam freneticamente. Brian por vezes humilhando Frank, o chamando de velho e fracassado, enquanto ele Brian era jovem, rico, culto e tinha viajado o mundo todo diversas vezes, como quem diz, ponha-se em seu lugar. Depois Brian passa a se sentir extremamente culpado de ter humilhado o sujeito e o convida para jantar, Frank novamente comendo, bebendo e morando de graça, as custas de seu patrão rico e mimoso.

Personagem mais forte e difícil é Tom Keylock. Ele chega com mais alguns amigos e vai logo pro bar pegando as bebidas e servindo todos. Brian não sabe como mandá-lo embora e Anne furiosa com sua covardia, se tranca no quarto. Tom é esperto e atua em cima das fraquezas do patrão. Antes de Anne se retirar, Tom brada sobre o desperdício de sua jovialidade na fazenda e que ela deveria ir com ele até Londres onde Keylock poderia conseguir para ela um trabalho como modelo, caso quisesse. Brian é extremamente inseguro e nada fala, Anne dispensando o comentário com um mero "não estou interessada" e se retirando da sala. Tom enche o copo de Brian assim que se esvazia, garantindo que Brian fique bêbado rapidamente.

O grupo de homens foram convidados a irem embora, primeiro por Anne, pedido depois reforçado por Brian, porem são ignorados, com Tom e Frank mudando de assunto e esticando a conversa. O casal acaba deixando os quatro visitantes na sala e vão dormir. Na manhã seguinte, Tom e seus amigos continuavam na casa. Brian, agora não estando bêbado, começa a botar ordem na casa e encara Tom mandando-o sair. Quando a visita finalmente deixou a casa, Brian estava terrivelmente preocupada que Anne se interessaria em ir para Londres tentar ser uma modelo e deixá-lo sozinho. A insegurança continuava parte de sua pessoa.

Stephen Fica

Enquanto Brian está redescobrindo os valores da vida no campo ao lado da amada, Bill Wyman está em meio ao seu processo de divórcio. Se apresentando em corte em maio e novamente em junho, de terno e gravata pela primeira vez desde o dia de seu casamento, Bill está prestes a ganhar a custódia de seu filho Stephen. O menino na prática já está sob seus cuidados e Diana, a mãe, a esta altura não mais disputa o direito de Bill ficar com o menino. Ela reconhece em corte que o pai tem além de melhores condições financeiras, a devida responsabilidade e amor para assumir a obrigação. A papelada e o veredicto final sendo concluído em outubro.

Brian Jones no Hyde Park

Mick ainda tinha muitos receios sobre a recepção do público para um Rolling Stones sem Brian Jones. Ele então começa a conversar com o pessoal do escritório sobre a viabilidade de se convidar Brian a comparecer ao show. "Pela grana que estamos pagando a ele, não iria matá-lo aparecer lá para desejar ao novato boa sorte. O público iria gostar de vê-lo." Todos concordaram que a presença de Brian Jones seria uma atração a mais para o público, porém poucos acharam que a idéia de chamá-lo não seria extremamente constrangedor. A incumbência coube a Shirley Arnold, que ligou para Brian, sondando seu estado de espirito antes de efetivamente fazer o convite.

Brian não ficou muito feliz com a proposta, mas sendo um cara que facilmente se deixa levar, aceitou pensar a respeito. Jagger ficou fazendo pressão para Shirley arrancar uma confirmação dele e uma limousine seria marcada para apanhá-lo em Cotchford Farm e trazê-lo até Hyde Park. Brian lutou com a idéia por vários dias e embora nunca chegou a confirmar oficialmente que iria, é provável supor que ele fosse ao show, mesmo a contra gosto.

Caçando Em Redlands

O verão está cada dia mais quente, com o sol cada dia se pondo mais tarde. E os ratos que habitam junto ao fosso de Redlands estão cada vez mais numerosos e ameaçadores. Keith resolve tirar uma tarde para resolver a questão. Encontra um par de espingardas, e escala o seu assistente para assistí-lo na caça aos roedores.

Os fundos da casa em Redlands com o fosso e os arbustos
Os fundos da casa em Redlands com o fosso e os arbustos

Se posicionam atrás de uma moita e utilizam uma galinha morta como isca, colocada entre a moita e o fosso. Apertam um baseado e esperam. Não levou muito tempo e logo apareceu o primeiro ratão. Como um general em batalha, Keith observando seus movimentos, dá ordem para aguardar a possível vinda de mais invasores de suas terras.

Dito e feito, logo haviam quatro ratazanas roendo a carne. Silenciosamente Keith e seu comparsa deitam na grama, tomando mira. Dado o sinal, o tiroteio inicia, quebrando a monotonia da tarde silenciosa. Ao cessar fogo, os quatro ratos estavam mortos. Keith pega os cadáveres pelo rabo e os amarram na cerca de arame farpado na frente da casa. A noite, quando Mick e Marianne chegaram, perguntavam sobre os objetos que viram de relance na cerca. "São os meus ratos. Serão servidos no jantar." responde Keith com um sorriso maquiavélico. O incidente seria eternizada na canção Live With Me na frase "A friend of mine shoots water rats."

Insegurança

Insegurança e ciúmes são ainda a grande fraqueza e defeito de Brian Jones. Ele se recusa a ficar sozinho e pede insistentemente que Anne o acompanhe em todos os momentos. Até quando Anne vai para o banheiro fazer suas necessidades naturais, Brian a segue, sentando à beira da banheira esticando conversa. Anne quer um pouco de espaço para ela poder ficar a só e o problema, embora contido, continua durante o relacionamento entre os dois.

Anne passa a ir a Londres ocasionalmente, inicialmente para pegar todos os seus pertences, depois com a desculpa de matar saudade da cidade e das amigas. Brian lida com a situação de forma elegante mas quando um amigo mútuo, conhecido freqüentador de um clube noturno liga para falar com ela, Brian fica irado, explodindo em ciúme, arrancando o fio do telefone da parede. O casal discute com rancor e Anne imediatamente ameaça voltar para Londres, indo para o quarto fazer as malas. Brian corre atrás e implora que ela fique, pede desculpas em uma cena diga de uma novela xarope. Anne rapidamente descobre que tem Brian totalmente a seu mercer ao anunciar que o deixaria. Ela o obrigou a jurar jamais levantar a mão para ela novamente, depois desfez as malas e ficou.

Violência

Porém a promessa foi efêmera. Brian na manhã de outro dia mexeu na bolsa de Anne e encontrou pílulas. Anne tomava secretamente Durophet e Mandrax de vez em quando, para ficar alta. Os anos sessenta eram mesmo da cultura das drogas e ela manteve seus vícios na moita para não ofender Brian. Mas ao descobrir o segredo, ele ficara furioso e acordou a menina a tapas. Jogou-a no chão, derramando as pílulas no banheiro e jogando tudo na privada. Depois deu alguns tapas na cara de Anne, enquanto aos berros gritava "Você está louca! Não entende como essas drogas são perigosas?!"

A esta altura, refeita do susto, Anne se levanta furiosa e avisa logo que vai embora. Se defende dizendo que o histórico dela com drogas é diferente que o dele, que o seu uso não lhe era destrutívo como foi o dele, e que é inaceitável que se mecha em sua bolsa enquanto ela está dormindo. Brian tenta acertar a situação, explicando que está só preocupado com o bem dela e tal, mas a merda estava feita e Anne chamou um taxi, juntou algumas coisas e foi embora.


Brian também tomava Mandrax e Valium, com recita médica para ajuda-lo a dormir. Todavia ele tem medo de ficar dependente destes remédios portanto só usa de vez em quando, em noites mais desassossegadas. Desde que passou a nadar e procurou cuidar melhor do físico, Brian também se cansara de sua barriga e procurou um médico que lhe receitou o mesmo Durophet, que ele encontrou na bolsa de Anne. O remédio serve para ajudá-lo a emagrecer. Brian concebe agora que ele reagiu exageradamente e que acabou perdendo o que ele queria tão desesperadamente assegurar.

Em Londres, bastou Anne ir a um médico para conseguir uma nova receita e com ela, comprou novos tabletes de Mandrax e Durophet, suas drogas de escolha. Com as drogas na mão, e já passados metade da semana pernoitando na casa de amigo(a)s, Anne está com saudade de casa e de Brian. A raiva passa e ela pega o trem de volta para Hartfield. Ao chegar, abraços e beijos selam a paz. Brian nunca mais comenta sobre as drogas mas começou a insistir que Anne passasse a se comunicar mais com sua família na Suécia. Ajudando a estreitar os laços familiares de Anne, Brian de quebra ganha uma namorada que aprende a receita de almôndegas, especialidade da culinária sueca. Por sua vez, Anne também sem muito esforço, acaba por diminuir seu uso das pílulas. Tanto que quando tomou um Mandrax para relaxar certo dia, acabou apagando. Quando acordou, Brian estava histérico, e havia jogado ela debaixo do chuveiro frio. Segundo conta a própria Anne, foi assim que ela resolveu deixar de vez o uso de Mandrax e Durophet.

A Família

Brincando com Emily, a cadela cockerspaniel, Anne conta de como quando era criança, sonhara em ter filhotes desta raça. Brian muito naturalmente topou a idéia. Acostumado a apenas querer para ter qualquer coisa material, não demorou muito e três filhotes chegavam à casa, entregues por um criador local. Eram duas fêmeas, uma vermelha que foi chamada de Lolita; a outra, amarela, ganhou o nome de Baby Jane; e por último, um macho negro, que atendia pelo nome de Boy. Os três cães dormiam na cozinha sobre a supervisão de Luther e ajudaram a dar ainda mais vida e alegria jovial à casa.

É graças aos filhotes que Brian e Anne passaram a dormir mais cedo para acordarem de manhã, assumindo a obrigação de alimentar os bichos com seriedade. É verdade que Brian fazia certa resistência, tentando empurrar a incumbência para Anne mas em geral o casal nutria e cuidava dos animais juntos. Esta alegria trazida pelos novos membros da família levam o casal a cogitar comprar outros bichos como cavalos e/ou galinhas. Brian também voltou a falar em casamento e ter filhos. Fala da saudade que sentia de ter uma criança acordando-o de manhã cedo ao som de "papai, papai". Coisa que ele não soube aproveitar quando mais novo.


Brian analisa sua relação com Julian e Mark, dizendo que teve interesse em ser pai do filho de Pat Andrews com quem viveu por algum tempo mas as exigências do trabalho, como também a sua própria ganância em querer atingir o sucesso, lhe eram naquele ponto de sua vida, mais importantes. Quando teve um filho com Linda Lawrence, ele já estava totalmente tomado pela sua carreira e a vida louca que a popularidade dos Stones lhes oferecia. Brian agora fala de um futuro próximo, quando ele poderia chamar os dois meninos à virem visita-los em Cotchford Farm, onde passariam as férias escolares. Assim, ele voltaria a ter uma participação na vida deles.

Brian também fala em ter outra criança. Volta a pedir Anne em casamento, que conhecendo a impetuosidade do namorado e como ele de repente pode mudar de idéia, novamente recusa. Todavia, Brian não tem dúvidas em sua mente, e segue seu raciocínio separando um dos quartos vagos da casa para ser o berçário. Depois, passa a misturar tintas até encontrar uma cor para as paredes que lhe agrada. Batiza a cor de Azul Marroquino e com Anne ao seu lado, passam a pintar o quarto da futura criança. Anne deseja crianças, porém em um futuro longínquo. Contudo, em parte, não quer estragar o prazer de Brian sonhar, por outro lado, encantado com a casa e com a vida que está levando, começa a cogitar se o destino já não estivesse querendo lhe dizer que está mesmo na hora. Brian sonha com uma filha a que escolheu o nome de Johanna.

Lucifer Rising

Kenneth Anger tem o sonho de fazer um filme que seria seu grande testamento cinematográfico. O filme se chama Lucifer Rising que Kenneth começou a filmar em San Francisco no final de 1966. O filme seria descrito como sendo sobre a guerra sagrada entre a era Pisciana em que viviam e a era de Aquarius que chegava. O duelo seria apresentado através do conflito entre os adolescentes e seus país. Anger diria para o jornal The Sunday Ramparts em abril de 1967, "O filme é sobre a Geração do Amor, porém de forma profunda, como a quarta dimensão. A temática trata do amor, de sua violência e sua ternura. Uma guerra que se alastra. Uma guerra sobre vida e morte, amor e ódio. O filme Lucifer Rising é uma profecia. Vejo o amor encorpado dos jovens como o grande vencedor."

Porém vários empecilhos vem atrapalhando seu projeto. Primeiro, o ator principal. O primeiro rapaz para fazer o papel de Lucifer-garoto, é um menino de cinco anos chamado Godot. Ele morre repentinamente ao cair de uma janela. Outro a fazer Lucifer foi um esbelto jovem afeminado que se apresentou como sendo Joe Lucifer. Hospedou-se na casa de Anger onde Kenneth aprendeu que Joe havia fugindo de um manicômio. Este fato não incomodou Kenneth porém depois de preparar tudo para iniciar filmagens, Joe Lucifer sumiu sem deixar vestígios.

O próximo a fazer o papel de Lucifer foi um guitarrista da California chamado Robert K. Beausoleil. Juntos, aprofundam-se em estudos sobre satanismo, participando de cerimônias pagãs. Anger ajuda a montar uma banda que ele batizou de Magick Powerhouse of Oz. Nele, Beausoleil toca guitarra e cítara. No final do verão de 67, uma tremenda orgia foi realizada na igreja Metodista da rua Ellis, com vários adoradores de satã, hippies, e largados de San Francisco presentes. O evento, chamado então de Love-in, foi repetido no dia 21 do mesmo mês, desta vez realizado no Straight Theatre em Haight Street, onde se pagou ingresso de entrada. O dinheiro seria revertido para pagar o restante do filme. Pessoas trepavam enquanto a banda Magick Powerhouse of Oz tocava totalmente nus. Anger realizou uma cerimonia ritual mágica enquanto tudo era filmado para ser utilizado em Lucifer Rising.

Robert Beausoleil
Robert Beausoleil

Foi nesta época também que Beausoleil conheceu Charles Manson e impressionado com ele, abandonou tudo para seguí-lo. Beausoleil roubou o carro de Anger que continha equipamento cinematográfico além de várias cenas do filme, que acabaram perdidos para sempre.Só se teria noticia de Beausoleil novamente em julho de 1969, quando ele foi preso e responsabilizado pelo assassinato de um professor de música chamado Gary Hinman, morto com requintes de crueldade que ficariam notórios e para sempre relacionados com a Família Manson. Beausoleil foi condenado a prisão perpétua cumprida na Tracy Prison onde ele continua residindo até o presente.

Com o desaparecimento de seu terceiro Lucifer, Kenneth Anger aparece agora em Londres no final do verão de 1968, onde opta por convidar Mick Jagger a assumir o papel. Anger quer recomeçar filmagens e precisa apenas angariar fundos para isto. Jagger enrola enquanto pode mas no final dispensa o convite. Todavia, ele concorda em escrever e gravar uma trilha sonora para o filme. Em outubro de 1968, Kenneth Anger voltou a filmar algumas cenas internas e editar o trabalho, tendo entre os atores, participação de ninguém menos que Chris Jagger, irmão de Mick. O vocalista dos Rolling Stones gravou um tema instrumental no seu Moog, que ele havia ganho da companhia um ano antes, e entregou a fita para Anger usar no filme. Sem ainda fundos para recomeçar a filmar em grande escala, Kenneth Anger edita todo o material que ele tem até o momento, e lança até o final de 1969, com o nome de Invocation of My Demon Brother.

A história da criação do filme Lucifer Rising é uma saga em si, contendo participações da rede de televisão alemã NDR que banca novas filmagens, agora na Alemanha e no Egito; participações de Marianne Faithfull como atriz em 1970 e Leslie Huggins como o novo Lucifer (que como os seus predecessores, andou sumindo e reaparecendo e depois sumindo novamente); Jimmy Page contratado em 1973 para fazer a restante da trilha sonora, sendo despedido em 1976, a National Film Finance Corporation e mais The National Endowment for the Arts que contribuíram com mais financiamentos para o filme. Finalmente o filme foi acabado em 1981, com ajuda (pasmem) novamente de Robert Beausoleil, que gravou a outra parte da trilha sonora da cadeia.


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

Rolling Stones: em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da bandaRolling Stones
Em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da banda

Live and Dangerous: as 10 melhores bandas ao vivoLive and Dangerous
As 10 melhores bandas ao vivo

Top 10 Guitarristas: matéria empolgada no Jornal da GloboTop 10 Guitarristas
Matéria empolgada no Jornal da Globo

Guitar World: os 100 piores solos de guitarra da históriaGuitar World
Os 100 piores solos de guitarra da história


Hard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gêneroHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero

Rock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na músicaRock
25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música

Black Sabbath: As 10 melhores músicas da banda segundo a UCRBlack Sabbath
As 10 melhores músicas da banda segundo a UCR

Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioRafael Serrante
Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio

Axl Rose: Um dos vocalistas com maior alcanceAxl Rose
Um dos vocalistas com maior alcance

Timo Tolkki: surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?Timo Tolkki
Surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?

Duff McKagan: as dez melhores canções punk da históriaDuff McKagan
As dez melhores canções punk da história


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.