A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 16 - Disco, Filmes e Perseguições

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Tomaram um ácido e pernoitaram na residência. Era uma noite de lua cheia e fizeram caminhadas pelos jardins da propriedade. Ao voltar, Marianne e Anita contam que viram um fantasma sussurrando pelos corredores. De manhã, Mick acorda cedo e é encontrado no jardim tirando um tema que não sai de sua cabeça. Não é nada completo, mas dentro de alguns anos, será a base de "Sister Morphine."

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVDGuns N' Roses: a família brasileira de Axl Rose

Mick, Marianne & Jimi

De volta a Londres, foram para o Speakeasy, um clube que abrira em janeiro daquele ano. Lá, assistiram the Jimi Hendrix Experience tocando o seu set. Marianne já o tinha visto antes, no início do ano, em outra ocasião, e Mick, no ano anterior em Nova York, quando ele ainda era desconhecido e pedia uma chance para alguém promove-lo. Ao final do set, Hendrix reparou o casal e lentamente navegou entre o mar de groupies até sua mesa. Vendo-o chegar, Mick talvez estivesse pensando e lamentando a oportunidade que ele perdeu em não contratá-lo para sua firma com Oldham, ainda em Nova York. Agora é tarde. Hendrix também deveria estar pensando algo similar, ao caminhar até aquela mesa. Pensando na ironia de Jagger saindo de sua casa só para assistí-lo, agora que ele estava ficando famoso, mesmo sem sua ajuda.

Jimi Hendrix
Jimi Hendrix

Hendrix pegou uma cadeira, colocou-a entre Mick e Marianne e se sentou. De costas para Mick Jagger, ignorando-o solenemente, Jimi espreme Marianne contra a parede, e lhe sussurra, lábios no ouvido, "Vamos embora daqui só nos dois. Você não quer ficar aqui com este babaca. Vem comigo." O som da casa estava tocando e Jagger não podia ouvir o papo. Ele percebe que algo estava acontecendo mas se mantém frio e impávido como um bom inglês.

Não é a primeira vez que Hendrix convida Marianne para a cama. No inicio do ano, quando ela foi assistí-lo, não foi diferente. Jimi tenta seduzi-la, contando-lhe o que vai fazer quando ela estiver sobre seus lençóis. Joga mentiras doces, insinuando que compos "The Wind Cries Mary" pensando só nela. Marianne ri e educadamente declina o convite, mesmo que toda molhada de vontade de ir. Ela tinha acabado de se mudar com Nicholas para morar com Mick e não iria arriscar estragar algo que estava começando tão bem. Pela segunda vez, Marianne feliz com seu amante atual, novamente dispensa Jimi Hendrix. Ele então, deixa a mesa.

Semolina Pilchard

Brian está mal e tem sua situação agravada por perseguição da polícia em atividade extra oficial. A razão pela qual Brian está constantemente mudando de hotel em hotel é para despistar a polícia. Mas o Sgt. Pilchard e seus assistentes acabam sempre por descobrí-lo e visitá-lo, prometendo vistoriar a casa. A situação começa em Maio mas vai se prolongando e piorando pelo decorrer do ano. Então, em junho, Nikki Browne, viúva de Tara Browne, convida Brian e Suki a irem com ela até sua casa de praia em Marbella, na Espanha. É uma forma de Nikki agradecer a bondade mostrada por Brian na época da morte de Tara.

Brian e Suki ficam hóspedes de Nikki por alguns dias, depois passando a se hospedar no New Marbella Club, onde permanecem por algumas semanas. Sem dinheiro em espécie para pagar a conta, Brian está passando parte do tempo de seu descanso mandando, via telex, mensagens tanto para o escritório dos Rolling Stones, como o de Allen Klein, pedindo verba para pagar uma estadia calculada em $300. Ao voltar para Londres, se hospedando agora no Skindles Hotel em Maidenhead, os problemas voltam a assombrá-lo. O suadouro para conseguir liberar um dinheiro que em essência é dele, demonstra quão pouco respeito se tem por Brian Jones dentro da organização Rolling Stones. O melhor serviço é dispensado apenas para Mick e Keith. Os demais aparentemente recebem tratamento de músicos de apoio.

Mick Teme a Saída de Brian

Antes da volta de Brian da Espanha, há vários rumores cercando os Stones. Mick está, como sempre, falando em nome da banda, se posicionando como sendo "apenas" um quinto dos Rolling Stones e que a banda é a soma de suas partes. Mick fala da intenção de parar de excursionar por um tempo, pois todos estão cansados da estrada. O que se passa mesmo é que estão preocupados em serem banidos de certos países por causa da acusação de posse de entorpecentes. Um banimento oficial em série pode se tornar publicidade ruim, portanto evita-se. Na prática, apenas o Japão irá recusar a entrada da banda no país, uma situação que só iria mudar na década de noventa.


Conversando com a imprensa, Mick também garante que Brian, ao voltar da Espanha, irá retornar às gravações com a banda, e que qualquer boato sobre sua saída dos Rolling Stones é uma mentira. Mick no fundo teme a possível queda de popularidade da banda caso Brian Jones saia, pois ele é ainda uma força carismática muito grande. Brian tem todas as razões para sair. Ele está insatisfeito com a falta de espaço para expor qualquer composição sua para a banda, e odeia a música psicodélica que Mick está obrigando todos a gravar. Sem falar no mal estar que ficou no ar desde que Keith roubou sua namorada. Musicalmente, Brian está cheio de convites para trabalhar com trilha sonoras para filmes. Há muitas opções no seu horizonte.

Por via das duvidas Mick sonda secretamente, através de terceiros, a possibilidade de Jimmy Page aceitar assumir ser guitarrista dos Rolling Stones, caso Brian Jones realmente resolva sair. Outro assunto que Mick procura esclarecer é quanto a tentativa do sistema agregar responsabilidades sobre os artistas pop, pela conduta de jovens que os imitam. Jagger quer deixar claro que ele assume responsabilidades de artista apenas quando está no palco, mas que a sua vida particular pertence somente a ele mesmo. Depois viaja com Marianne passando uma temporada na Irlanda, antes de todos voltarem para o estúdio concentrando-se novamente no álbum.

Desentendimentos no Estúdio

As sessões se arrastam, com atrasos sendo cada vez mais constantes. Andrew Oldham ficava deprimido ao ver o acordo feito, de todos chegarem na hora, sendo desrespeitado. Oldham e Glyn Johns ficam até as duas da manhã aguardando Mick e Keith chegarem. Brian não gosta desta música pseudo espacial - pseudo psicodélico. Diz claramente: "Isto não é rhythm & blues, isto sequer é rock 'n' roll! Este material não é música que representa a banda Rolling Stones!" Entre discussões, Brian gravaria diversos instrumentos, embora constantemente reclamando das composições. Keith começa então a levar Anita para o estúdio, e com sua presença, Brian começa a se calar. Anita, recém chegada de Roma, ainda dominada pelo psique de seu personagem A Rainha Negra da Galáxia, aproveita e se vinga, rindo alto enquanto está abraçando e beijando Keith.


Brian seca por dentro e passa a faltar às sessões, agora sem motivos aparente. Manda dizer que está se sentindo mal e simplesmente não vai. Quando ele aparece, está extremamente chapado. Mesmo assim, seu talento musical é no mínimo impressionante. Para executar uma parte no piano, ele teve que ser escorado por uma cadeira, de tão entupido de Mandrax que estava. Sem a cadeira ele cairia para os lados. No entanto, na hora de gravar, ele tocou sua parte perfeitamente. Em dias menos intoxicados, ele fugiria para o estúdio do lado. Brian teria achado uma harpa e resolveu explorar o instrumento. Novamente, como uma lenda se repetindo, durante o tempo que levou para Ian Stewart o encontrar, Brian já estava tirando musica com a harpa, o instrumento mais complexo de toda uma orquestra.

Depois piora ainda mais. Brian passa a chegar no estúdio em um estado deplorável, totalmente sem condições de produzir qualquer música. Ele mesmo chegou a comentar em retrospecto que era como se sua mente não lhe permitisse mais tocar. Brian estava se matando e acaba internada, não agüentando a pressão e o abuso químico. Passa a ter consultas com um psiquiatra, sendo inclusive internado periodicamente. As sessões no Olympic Studios continuam mas nem sempre se sabe quem vai aparecer à noite. Keith Richards também está lidando com seu inferno astral. Apesar de saber que Brian cavou seu próprio buraco, não consegue deixar de sentir culpa vendo o colega desintegrar por causa de Anita. Keith evita Brian, e a pressão envolvida neste rompimento o impulsionaria a experimentar com mais drogas. Varias coisas gravadas não passaram pelo crivo e ficaram como outakes, arquivados até hoje, ocasionalmente saindo em algum pirata. Canções com nomes esdrúxulos como "Bathroom Toilet" e "Golden Painted Fingernails" estão ainda guardadas nos cofres.

Marianne No Cinema


Marianne começa a trabalhar em um filme chamado "I'll Never Forget What's 'Isname", contracenando com Oliver Reed e Orson Wells. Sua participação é pequena porém histórica, pois Marianne foi agraciada com a questionável honra de ser a primeira pessoa a dizer o palavrão "Fuck" em um longa metragem. Logo chegariam convites para outras produções.

O Controle dos Stones

Enquanto isto, Mick começa a trabalhar na promoção do disco novo. Todas as decisões estão sob sua tutela, Oldham ficando totalmente à margem. Toda energia de Mick Jagger está direcionada para os Rolling Stones. Ele não só compõe as músicas junto com Keith, como também é responsável por toda parte de publicidade e promoções, sendo a última e decisiva palavra sobre tudo referente à banda. Ele assume agora também a produção do disco, se bem que para o Satanic Majesties, ele teve muita ajuda de Glyn Johns, o engenheiro de som.

Só Lendo

Toda esta energia e atenção têm como subproduto o distanciamento entre ele e Marianne. Ele chega sempre exausto em casa e o casal se tornam amigos que, quando muito, gostam de ler juntos. Recentemente conheceram um mago chamado Kenneth Anger que era seguidor de Aleister Crowley. Anger divulgou para todos com quem ele teve contato, sobre a vida e obra de Crowley, deixando muitos curiosos e interessados. Marianne, como também Anita, tiveram grande interesse em livros tratando de assuntos relevantes a magia negra. Crowley passou a ser leitura obrigatória. Em casa, Mick quase não tem interesse por sexo e Marianne começa a se inquietar no seu papel de dona-de-casa entediada. Ela logo aceitaria trabalhar em outro filme para sair de casa e mudar de ares.

A Capa

As amizades entre Mick e Michael Cooper estão estreitando em função da amizade entre Nicholas Dunbar, filho de Marianne, e Adam Cooper, filho de Michael. Com isso, o fotógrafo contratado por Oldham, Gered Manokowitz, é dispensado, de forma que ficasse evidente que Andrew Oldham não mandava mais na casa. No estúdio, Mick Jagger se aproxima de Oldham, de costas para Manokowitz que está sentado na poltrona, e diz "Para capa decidimos o seguinte..." Em momento algum falaram com Manokowitz que seus serviços não seriam mais necessários, mesmo ele estando ali no recinto. Não por qualquer problema em relação a qualidade de seu trabalho. Foi apenas a maneira encontrada para estabelecer para Oldham e quem quer que seja, de que quem define as coisas agora dentro da banda eram Mick e Keith.

Michael Cooper foi pago para fazer uma capa psicodélica. Dia 13 de setembro, os Rolling Stones então viajam para os Estados Unidos para tirar a foto da capa. Foi idéia do Cooper de fazerem a foto na Pictorial Pictures, em Mount Vernon; NY. A imigração americana passou horas com Keith e Mick até liberarem o visto de entrada. Depois seguiram para o estúdio.

Cooper tinha reunido um cem número de objetos, que colocou em um canto. Explicou sua idéia de que a banda mesmo deveria decorar o set. Depois adicionaram plantas, utilizaram jet spray, e foram adicionando detalhes. No final, se vestem com fantasias até Michael começar a tirar as fotos, primeiro com uma câmara comum. Depois com uma máquina fotográfica japonesa capaz de tirar fotos em 3D, encomendada especialmente para a ocasião.

No dia seguinte, já em Manhatten, a banda está reunida com Allen Klein em seu escritório para terminarem oficialmente as relações com Andrew Oldham. Andrew saiu de forma elegante, dizendo que "nós nos separamos porque não havia mais a necessidade da presença um do outro." Mick diria "Estávamos nos produzindo sozinho e querendo fazer as coisas de forma diferente do que o Andrew faria." Na verdade, Mick Jagger sozinho é quem passa a empresariar os Rolling Stones. Jagger contrata Jo Bergman, uma das secretárias do falecido Brian Epstein, falecido empresário dos Beatles, como sua secretária particular.

Antes do Cinema

Sempre que Mick e Marianne começam a se distanciar excessivamente, geralmente por causa do trabalho, acabam arrumando um jeito para viajar para um canto qualquer. O padrão irá se repetir várias vezes durante os próximos anos. Com a desculpa de que Marianne irá participar de outro filme e ficará um longo período fora do país, o casal pega um avião para Amsterdam e depois Paris. Querem ficar juntos o máximo de tempo possível antes das filmagens iniciarem. Charlie e Shirley estão invariavelmente juntos cuidando da casa, dos cavalos e seus outros passatempos menos badalados. Estão concluindo a mudança para Peckham, o novo lar. Bill Wyman está trabalhando com a banda The End, preparando o novo compacto "Loving Sacred Loving". Curiosamente, esta canção dentro de duas décadas, será resgatado e vendido em discos piratas como sendo uma gravação dos Beatles com os Rolling Stones juntos. Um ótimo exemplo da união de ganância com ignorância.

Quando voltam, Mick e Marianne são obrigados a se mudar de casa, novamente por causa de reclamações dos vizinhos em função dos fãs sempre a espreita na frente do prédio. Mick estava de olho há tempos em uma mansão em Berkshire perto de Newbury, que fora quartel general do militar Oliver Cromwell no século XVII. Esta será a primeira residência que Mick Jagger irá comprar e não alugar como as anteriores. Antes de poderem se mudar para lá, a casa passaria por uma reforma que levaria quase dois anos para ser concluída.

A Garota da Moto


No outono, Marianne viaja para Heildelberg, Zurich e Genova, participando das filmagens de outro filme, desta vez como atriz principal. O filme é um soft porn chamado La Motocyclette (A Garota da Moto) e lhe renderá um bom dinheiro embora ela mesma ache o filme horrível.

Durante as filmagens, ela contracena com Alain Delon, grande galã francês da década. Apesar de atraente, Alain praticamente intimou Marianne a trepar com ele, e passou a ser desagradável quando ela o recusou. De passagem pela França, ela tira fotos promocionais e o fotografo da sessão se apaixona por ela. Ele a segue para Heidelberg, onde iniciaria as filmagens. Durante os três meses que levou para fazer o filme, Marianne passaria a ter um romance com este fotografo, Tony Kent. Quando ela passou a receber flores de Mick, vindas da Inglaterra, começou a desconfiar que ele já estava sabendo de Tony.

Outubro Maldito Para Brian

Outubro de 1967 foi um mês infeliz para Brian Jones. Sua decadência física e psicológica não o impede de estar sempre freqüentando a noite. Assim, ele é visto em um clube na mesma noite e no mesmo horário que um homem que mais tarde seria encontrado morto. Brian é obrigado a prestar depoimento e a polícia irá vasculhar o histórico de sua vida recente. Suposições de envolvimento no crime são apenas mais um agravante nos nervos do músico. Na prática não houve nenhuma acusação formal, e em tempo o assunto seria esquecido.

Brian então pega seu carro e sai da cidade passando por Wells, Taunton, Penzance, St. Ives e depois, de avião, volta a freqüentar Marbella na Espanha. Ele volta a tempo de seu julgamento. Nenhum dos outros Stones estavam presentes e apenas um público moderado apareceu para assistir. Brian chegou ao local trazido pelo chofer Tom Keylock que depois foi levar Mick, Keith, Glyn Johns e Ronnie Schneider para o aeroporto. Os quatro iriam trabalhar na mixagem do disco em Nova York.

O Julgamento - Brian


Brian estava impecavelmente bem vestido, de terno e gravata listrados no estilo imitando os anos trinta. O primeiro a ser julgado foi o amigo Stash, de nome e título, Príncipe Stanislau Klossowski de Rola que declarou-se apenas um convidado na casa. Nada incriminador fora encontrado com ele na ocasião e toda queixa fora retirada pela acusação. Brian então se declarou culpado da posse de maconha e de autorizar sua residência a ser usada para o consumo de maconha. Ele nega as acusações de posse de Methedrine e cocaína. Ele nega qualquer envolvimento com drogas pesadas e seu advogado pede que se leve em consideração que em momento algum o Sr. Jones tentou esconder para a polícia o fato dele ter a posse da maconha em sua residência, no momento da blitz.

Seu advogado, James Comyn explica que desde a referida batida policial, o Sr. Jones não tem mais nenhum envolvimento com qualquer tipo de entorpecente, declarando inclusive, que eles são um problema e não uma solução. Sr. Jones tem tido recentemente sérios problemas de estafa e está no momento em tratamento e pretende continuar sob cuidados médicos. Que sua historia pessoal é um exemplo de porque não se deve tomar drogas e é isto que ele prega hoje em dia. Outros testemunhos incluem o Sargento Detetive David Patrick, que concordou que a quantidade encontrado na residência era consideravelmente pequena, e o psiquiatra Dr. Leonard Henry, que confirmou que já atendeu o Sr. Brian Jones em oito ocasiões e o seu paciente tem mostrado melhoras significativas mas não deveria ir para uma prisão. Sua falta de condições de lidar com pressões sugere que ele seja internado em um hospital o quanto antes. Dr. Henry conclui que o estigma de emprisonamento poderia levar o Sr. Jones ao suicídio. Dr. Anthony Flood, outro psiquiatra que atendeu Sr. Jones em julho, o descreve também como um homem doente e com um grande potencial para o suicídio.

Após cinco horas de julgamento e uma parada para o almoço, a sentença foi declarada no inicio da tarde. Brian Jones foi inocentado da acusação de posse de Methedrine e cocaína mas culpado pelo uso de maconha e de ter autorizando o uso em sua residência. O desejo era que a sentença fosse uma multa ou tratamento, coisa que Brian já estava fazendo. Mas por ser um Rolling Stone e tendo inúmeros fãs, pesou ao juiz a necessidade de dar o exemplo e assim, sentenciou Brian Jones a nove meses de cadeia, além de pagar despesas pelo julgamento na ordem de £265. Brian sem mostrar nenhum sinal de emoção é retirado da corte e levado para a cadeia no porão. Meia hora depois, estava a caminho da Wormwood Scrubs, aos prantos.

No dia seguinte os jornais reclamam que nove meses é excessivo e iria provavelmente transformar Brian Jones em um mártir. Protestos eram conduzidos pacificamente em Kings Road, mas ao final do dia transformaram-se em uma batalha campal contra a polícia. Entre os adolescentes presos estava Chris Jagger, irmão de Mick Jagger. Brian ficaria preso por dois dias antes de James Comyn conseguir que um juiz liberasse Brian para aguardar a apelação sob fiança. Para isto, Comyn trouxe novamente os dois psiquiatras que repetiram seus testemunhos para o juiz da corte suprema, J. Donaldson, que pediu fiança no total de £750.

Paranóia de Perseguição

Fotógrafos aguardavam na saída da cadeia e Brian mostrou um sorriso, acenando e falando como era bom estar novamente em liberdade. Foi levado para um pub em Middlesex onde tomou algumas cuba libres (Coca-cola com rum) sozinho e depois foi para a casa de campo de um amigo. Por dentro, Brian estava dilacerado. Reconhecia os fatos como prova irrefutável de que "eles" estavam querendo pegá-lo, existindo sem sombra de dúvida uma conspiração para acabar com ele. Brian toma uma quantidade absurda de pílulas (anfetaminas), depois se entupindo de cocaína, ficando totalmente fora de si e acordado por dois dias.

Na noite do segundo dia ele saiu com Mariella Novotny, conhecida groupie para todas as ocasiões. Foram para um clube em Convent Garden onde todos lá o congratularam pela sua liberdade. Brian é convidado a subir no palco e tocar com a banda da casa, convite aceito para a alegria destes. No meio do som, Brian, tocando um baixo acústico emprestado por um dos músicos, começa a destruir o instrumento com a sola de suas botas. Depois, com o instrumento no chão despedaçado, continua tocando um baixo acústico invisível em suas mãos, curtindo um som que só ele ouvia. O público acha tudo mise-en-scène e aplaude festivamente. Brian depois entra em crise de choro e é levado de volta pra casa. Lá, ele sequer consegue falar, o choro inundando sua alma, até que ele acaba desmaiando. Mariella chama uma ambulância temendo que ele morra ali mesmo e Brian acaba sendo levado para o St. George's Hospital. Dentro de uma hora ele já estava bem e pegando um taxi para casa. Oficialmente ele foi diagnosticado com estress, mas todos dentro do convívio sabem que o problema são as drogas e a forma destrutiva com que ele as usa.

Mick, Keith e Klein Analisam a Situação de Brian

Mick já há tempos não se socializa com Brian. Mas de Nova York, todos estavam interessados no encaminhamento de sua situação legal. Além da mixagem do Her Satanic Majesties Request, o novo álbum sem data ainda para lançamento, outros assuntos levam a dupla para o escritório de Allen Klein. A decisão de não excursionar enquanto a situação de Brian não estiver definida é tomada. Mick teme perder fãs se chutarem Brian da banda e prefere aguardar uma definição legal antes de declarar publicamente que Brian não tem condições de excursionar. Caso ele seja realmente impossibilitado, Mick, Keith e Klein concordam inicialmente que é preferível excursionar como um quarteto mais Stu, do que procurar outro guitarrista.

Embora esta fosse a decisão tomada, não é este o sentimento dos três. No final prevaleceu o medo de Mick de perder o carisma que Brian trazia para a banda. Klein não o suportava e quer tirar Brian da jogada para poder botar a banda na estrada novamente. Keith também está mais interessado em ter alguém confiável para ajudá-lo musicalmente. O disco novo mostrou-lhe quão difícil era recriar os detalhes e sonoridades que Brian conseguia na guitarra, tão essencial para o som dos Rolling Stones. Keith não gostou do resultado final deste álbum e se sente inseguro de segurar a barra das guitarras sozinho. Vez por outra, podia-se ouvir de Keith pequenos comentários sobre Brian como "Não sabemos o que fazer com ele" ou "Vê se alguém consegue arrumar uma mulher pra cuidar dele".

Ciranda Judicial

De volta à Inglaterra, um agravante acontece com as finanças da banda. Em meio ao processo judicial que Eric Easton move contra Andrew Oldham, Decca Records e Nanker Phelge Music, os advogados de Easton conseguem que a justiça retenha pagamentos em direitos autorais vindos do mercado americano e inglês. Este dinheiro seria então depositado em uma conta temporária, até que Easton e Oldham chegassem a um acordo. Easton em meio ao processo acabaria implicando e processando também Allen Klein por perdas causadas pela quebra de contratos pendentes, assinados durante a "gestão" de Easton.

Apple

Em final de 1966, os Beatles foram aconselhados pelo seu departamento de finanças a diversificar seus investimentos gastando um pouco mais do dinheiro ganho para não serem devorados pelo imposto de renda. Uma vez caindo na categoria de super taxação, John, Paul, George e Ringo estavam pagando cerca de 90% dos seus ganhos em imposto. O primeiro entre vários passos que os Beatles tomariam no verão de 1967, em função desta sugestão, seria de criar uma firma prontamente batizada de Beatles Company. Outros projetos incluiriam o de montar uma boutique de modas e a compra de uma ilha.

Paul McCartney convida Mick Jagger a pensar sobre a possibilidade das duas bandas se juntarem como sócios. A notícia chegou a ser divulgada, embora apenas como boato. A proposta é um reflexo do fato de os Beatles estarem sem seu empresário Brian Epstein e os Stones, estando sem representação, presos ao duelo jurídico envolvendo Eric Easton, Andrew Oldham e Allen Klein.

Os Beatles visionam uma firma que irá dar condições para outros artistas produzirem artisticamente, e estes trabalhos chegarem ao mercado de consumo, sem o costumeiro tratamento frio e impessoal das grandes empresas e gravadoras, somente interessados em lucro. Paul sonha alto e projeta planos para uma firma que irá englobar música, poesia, além de produzir e vender manufaturados. Embora Mick Jagger chegasse a cogitar a possibilidade de os Rolling Stones unirem esforços e fortunas com os Beatles, ele estava na verdade mais interessado em limitar o empreendimento em apenas ser proprietário de um estúdio de primeira linha. Suas conversas com Paul giravam em torno do estúdio para servir às duas bandas, não comprando muito a idéia deles conseguindo gerenciar uma grande corporação que cuidaria de todos os aspectos dos negócios.

Com a visível diferença entre os ideais dos dois, Mick se desculpou explicando que, na prática, todo capital de giro da banda estava preso na justiça, em função do caso pendente entre Easton e Oldham. Mantendo a mente aberta para o futuro, Jagger autoriza sua secretária particular Jo Bergman a procurar um novo escritório para os negócios dos Rolling Stones, onde teria também um espaço para se montar um estúdio. Solicitou também que fosse registrado o nome Mother Earth, considerando este um nome ideal para o futuro estúdio.


A Beatles Company acabaria se tornando a Apple Corp. e os Stones teriam que aguardar mais três anos até poderem ter em suas mãos, o hoje conhecida selo Rolling Stones Records. De bom, o assunto serviu para colocar os Stones nos jornais sensacionalistas fofocando sobre assuntos mais artísticos, do que os últimos relatos policiais.

Keith & Anita em Redlands

Keith está ajeitando a casa ao seu gosto. Uma vez que o casal permanecia boa parte da semana em Londres, já que os Stones estavam gravando, passaram a ocorrer uma série de furtos em Redlands que estavam irritando o casal. Obviamente fruto de fãs, uma vez que os objetos roubados eram geralmente bobagens, provavelmente como souveniers, enquanto deixavam para trás os tapetes, moveis e outras coisas de valor. Keith então mandou levantar um muro em frente à casa, estendendo-o por boa parte da propriedade. Arrumou também uns cães para vigiar a propriedade, dois labradores, Yorkie e Bernie, e mais um dinamarquês chamado Winston. Os furtos persistiram, então, Keith mandou instalar um sistema de alarme que soava na delegacia de policia mais perto. Os fãs passaram a curtir a adrenalina de entrar, achar algo e sair, dentro dos dez minutos que levava para a policia chegar na residência. Vez por outra, a policia pegava alguém. Keith prontamente registrava queixa, o que custava aos jovens uma pesada multa para evitar cadeia. "Bem feito por se deixar ser pego." comentaria Keith depois. "Se há uma coisa que não suporto, é um ladrão amador."

O casal gostava de receber os amigos dando festas quase todos os fins de semanas. Michael Cooper, Tony Sanchez, Mick e Marianne, são alguns dos que constantemente eram convidados a passar o dia por lá. Brian também era convidado mas ele evitava o lugar, não gostando de estar tão perto de Anita, ainda sendo extremamente atraído por ela. Keith passou um tempo interessado em arco e flecha e tinha um set na casa. Com a casa veio também um pequeno bote de madeira a remo que Keith vez por outra usava no açude. O bote se mostrou particularmente útil para Keith conseguir resgatar várias de suas flechas, uma vez que ele quase nunca acertava o alvo. Em tempo acabou comprando um pequeno hovercraft, que lhe custou uma pequena fortuna. Com ele, Keith passou a zunir a toda velocidade pelo açude subindo em seguida pelo gramado. Quando a novidade passou o brinquedo ficou encostado na garagem.

Their Satanic Majesties Request

Finalmente em novembro, o álbum estava pronto para ser lançado porém a Decca breca o álbum recusando o nome escolhido, Her Satanic Majesties Request. Deixam claro que não irão ajudar os Rolling Stones a insultar a Rainha e um meio termo viu chegar nas lojas no dia 8 de dezembro o álbum com o título de Their Satanic Majesties Request.


A capa chamava atenção com sua exclusiva foto em três dimensões e a capa interna oferecia um labirinto criado por Brian Jones. Sua brincadeira nascia do intuito de distrair o público, que ele imaginava, provavelmente iria ouvir a música chapado enquanto tentavam encontrar a saída. O álbum fora produzido por Mick Jagger com contribuições de Keith Richards e muita ajuda de Glyn Johns. Arranjos de cordas são de John Paul Jones, e os teclados em grande maioria são de Nicky Hopkins. Outros teclados são ora de Keith Richards, Brian Jones ou Bill Wyman. Steve Marriot embora não creditado, faz os backing vocals em "In Another Land".

O compacto escolhido para promover o álbum foi "In Another Land" de Bill Wyman, por ser a única canção de amor do álbum inteiro. A critica não ficou muito impressionada e o álbum foi severamente castigado com palavras como pretensioso, indulgente e catastrófico. A maioria comparava o disco com uma tentativa infeliz de tentar imitar Sgt. Pepper's dos Beatles. O consenso crítico concluía que o álbum é um exemplo da crise de identidade por que a banda passa, confundindo a moda psicodelica com evolução musical. Aguardava-se o próximo trabalho na expectativa de poder avaliar se a banda iria voltar a crescer ou cair de vez. Brian Jones ao ler as criticas desfavoráveis teria dito "Graças a Deus! Agora quem sabe, podemos voltar a tocar música novamente." Apesar de toda insanidade, seus instintos musicais continuavam aguçados.

Um Rápido Descanso

Buscando um descanso depois de um ano cheio de "incidentes", os cinco membros se distanciam. Charlie está em casa com a mulher, sem participar da mixagem ou qualquer atividade relacionados com os Stones desde o encerramento das gravações. Bill viaja com Astrid para Nova York e depois para as Bahamas, onde seu irmão mora com a esposa. Brian troca de carro, substituindo seu Rolls Royce prateado Mark2 por um azulado Mark3. Ele então viajou com o carro pelo oeste do país. Antes de viajar, soube que Linda Keith estava doente e internada, imediatamente se prontificando a pagar suas despesas hospitalares, além de lhe mandar flores todos os dias, enquanto ela se recuperava. Logo voltariam a namorar.

Em um programa de rádio chamado Top Gear, estão presentes Mick, Brian e Charlie para entrevistas sobre o disco. Mick foi eficaz em defender o trabalho "Não fazemos música comercial, fazemos a música que gostamos e se for comercial, tanto melhor." Charlie realça o fato que o disco foi feito sobre extrema pressão durante um ano particularmente desgastante, haja visto que levou de fevereiro até quase novembro para as gravações serem concluídas. "Acho um milagre que conseguimos produzir qualquer coisa neste período. Precisávamos encontrar um novo caminho pois a era que nos deu o boom musical de Liverpool já acabou." Brian embora sempre contra o disco, perante o público defendeu o produto que carrega o nome Rolling Stones. "Este álbum é muito pessoal, enquanto considero Sgt. Pepper's mais introspectivo. Nossas vidas foram afetadas ultimamente por questões sócio-políticas que acabam sendo refletidas na nossa música. De certa forma, canções como "2000 Light Years From Home" são proféticas e não introspectivas. Tratam de coisas que acreditamos poder acontecer; mudanças de valores e atitudes. Entretenimento está um tédio e comunicação é o que vale."

Julgando a Apelação no caso Brian

Dia 12 de dezembro, Brian estava novamente em corte para ouvir os testemunhos dos psiquiatras relatando seu estado mental. Mick e Marianne estavam lá para dar força, assim como Tom Keylock e Stash. Um dos psiquiatras escolhido pela justiça e um outro escolhido pelo próprio réu confirmam o estado frágil de seu psique. A divulgação pública do seu estado de saúde foi péssimo para sua imagem e é esta imagem que perdura até hoje, realçada pela sua morte tão prematura. Mas estes testemunhos foram cruciais para que o juiz colocasse de lado a sentença original, obrigando Brian a três anos de liberdade condicional, além de assistência e acompanhamento psiquiátrico. O juiz Parker foi enfático em lembrar ao Sr. Jones que o que ele está recebendo é misericórdia da justiça e que ele deve se manter longe de problemas para não piorar sua situação.

Três dias depois de ser absolvido, Brian está de motorista novo, John Coray, que o leva para seu restaurante favorito, Alvaro, onde Brian encomenda comida para levar para casa. Coray encontra Brian algumas horas depois desmaiado no chão. Chama uma ambulância e novamente leva Brian para o St. George's Hospital. Dentro de uma hora, apesar das recomendações médicas para ele passar a noite hospitalizado, Brian volta para casa. Recomendações então são feitas para que ele tire férias. Novamente a declaração oficial é colapso nervoso devido ao estress causado provavelmente pelo julgamento. Na prática, esses desmaios repentinos passarão a ser comuns. Brian também declararia que está com dor de dente, tendo que extrair dois, após consultar um dentista.

Brian, que passara desde a blitz de maio, a morar em hotéis, alugou finalmente um pequeno apartamento em Belgravia na rua Chesham. Lá passou a morar novamente com Linda Keith. Juntos, com mais a companhia do amigo Stash, viajam para o Ceilão, onde passam o natal e ano novo. Porém, com suas roupas extravagantes e pitorescas para a época, mormente em um país asiático de terceiro mundo, somando com seus cabelos longos, Brian acaba sendo mal tratado e recusado em dois hotéis. No terceiro hotel, ele apelou jogando logo um bolo de notas no balcão e dizendo furiosamente para o recepcionista que ele não era um pobretão, que trabalha pelo seu dinheiro, e que se recusa a ser tratado como um cidadão de segunda classe.

Temores Mal Resolvidos

Mick temia que seu erro de julgamento em relação ao disco novo acabaria por devolver poder dentro da banda para Brian. Mick não conseguia enxergar que Brian não era mais uma ameaça e que mal se agüentava em pé. No fundo, embora Mick não diga, ele sabe que toda a imagem de bad boy que ele e Keith desfrutam, e tudo que eles falam em suas músicas, Brian Jones vive em seu dia a dia. Brian Jones é a imagem dos Rolling Stones na vida real. Brian curtia orgias sexuais, lesbianismo, sadomasoquismo, além de muita droga e muita bebida. Brian representava o hedonismo dos sixties em toda sua plenitude, enquanto Mick morava em um castelo com a filha de uma baronesa e ficava furioso se alguém derramasse café em seu tapete persa. Mick conversando com a imprensa fala do disco novo, de novos projetos mas sempre deixando um espaçozinho para dar uma alfinetada no Brian. Frases como "Estamos planejando excursionar novamente. Menos o Brian pois ele não pode deixar o país.", ou "Vamos arrebentar no Japão. Todos menos Brian pois ele se tornou um druggie."

Entre os projetos novos, Mick delira falando da possibilidade da banda ir à selva Amazônica, morar por algumas semanas com os índios, informando que embora nada ainda havia sido preparado, sua intenção era de a FAB levá-los até alguma aldeia primitiva e depois buscá-los. Fariam um filme de tudo e logicamente sua música iria refletir parte desta experiência. Depois Mick viajaria até Nice onde Marianne estava terminando as últimas cenas do filme. Keith e Anita aproveitam para voltarem para Marrocos, com intenções de novamente visitarem Tangier e Marrakesh. Bill e Astrid vão para a Suécia passar o fim de ano com sua irmã. Charlie e Shirley ficam em Sussex como normalmente fazem. Charlie havia feito uma série de desenhos em formato para cartões de natal, que presenteou aos amigos. A idéia acabaria sendo aproveitada para os cartões, reproduzidos em grande escala, que acompanharam como brindes a edição de dezembro do jornal do fã clube oficial da banda. Antes do natal chegar, o disco Their Satanic Majesties Request, mesmo sendo severamente criticado, teria vendido mais do que The Magical Mystery Tour dos Beatles nos Estados Unidos e chegara à categoria de disco de ouro.


Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 01 - A História do Trem

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 02 - Rollin' Stone Rhythm & Blues Band

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 03 - Sem Potencial Comercial

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 04 - A banda Atrai Seu Público

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 05 - Stonemania - O Primeiro Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 06 - Exigências do Sucesso

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 07 - Rebeldia Lucrativa

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 08 - Satisfaction

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 09 - Relacionamentos em Declínio

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 10 - O Ano do Ácido

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 11 - Liberdade de Expressão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 12 - Acidentes e Incidentes

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 13 - Jornada Para Tangier

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 14 - Europa 67

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 15 - Uma Borboleta na Roda

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 17 - Dilemas e Pressões

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 18 - Sessões de Beggar`s Banquet

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 19 - Mick, Marianne e Anita

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 20 - O Circo

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 21 - Ser ou Não Ser

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 22 - A Vida de Brian

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 23 - A Morte e a Morte de Brian Jones

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 24 - Onde Estão

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 25 - Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 26 - Hyde Park

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 27 - O Inferno de Dulac

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 28 - O Brilho Que é L.A.

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 29 - The Midnight Rambler

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 30 - Madison Square Garden

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 31 - Altamont

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 32 - Injetando Mudanças

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 33 - A Excursão Européia

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 34 - Boca Aberta e Dedos Gosmentos

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 35 - O Casamento do Ano

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 36 - Exílio em Nellcôte

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 37 - Los Angeles e Vevey

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 38 - STP

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 39 - Baco e Pan

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 40 - A Festa de Boston

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 41 - Jamaica e os Rastafaris

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 42 - A Heroína na História

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 43 - A Macaca

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 44 - A Última Excursão de Mick Taylor

A História Impopular dos Rolling Stones - Parte 45 - Abandonar o Navio

Todas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Pedras Que Rolam Não Criam Limo - A História Impopular dos Rolling Stones"Todas as matérias sobre "Rolling Stones"


Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Rolling Stones: cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?Rolling Stones
Cinzeiro elétrico é o que mantém Mick Jagger e Keith Richards unidos?

Collectors Room: encontrando raridades dos Rolling Stones (vídeo)Rolling Stones: e as pedras rolaram em Marte

Rolling Stones: em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da bandaRolling Stones
Em show, Robert Downey Jr anuncia rocha marciana com nome da banda

Dave Mustaine: ele não quer ficar como Keith RichardsDave Mustaine
Ele não quer ficar como Keith Richards

Rolling Stones: banda paga R$128 de cachê a backing vocalsRolling Stones
Banda paga R$128 de cachê a backing vocals

Keith Richards: usando maconha e enchendo o saco de Mick JaggerKeith Richards
Usando maconha e enchendo o saco de Mick Jagger


Guns N' Roses: a família brasileira de Axl RoseGuns N' Roses
A família brasileira de Axl Rose

História do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatosHistória do rock
Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos

Steve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião deleSteve Vai
As 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele

Atores e música: As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce WillisAtores e música
As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce Willis

Musas inspiradoras: as esposas mais lindas dos rockstarsMusas inspiradoras
As esposas mais lindas dos rockstars

Soundscan: os 25 discos mais vendidos na década de 2010 a 2019Soundscan
Os 25 discos mais vendidos na década de 2010 a 2019

Guns N' Roses: como Axl Rose e Slash fizeram de Duff McKagan um músico melhorGuns N' Roses
Como Axl Rose e Slash fizeram de Duff McKagan um músico melhor


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.