Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemDavid Coverdale diz que hit "Is This Love" seria gravada por Tina Turner

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemMichael Anthony diz que "Van Halen III" foi "a coisa mais louca que a banda já fez"

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist


Stamp

Garagens dos Anos 60

Por Bento Araújo
Em 17/03/03

Nada tem mais a ver com o Rock, do que a picaretagem. Adolescentes frustrados e revoltados, guitarras baratas e energia primitiva aliada à sagrada dose de picaretagem - somam o que o Rock tem de melhor. As bandas de garagem dos anos 60 ainda exercem inspiração em tudo o que aparece por aí, basta dar uma ouvida nos Strokes e Hives da vida, para sacar a influência. Isso sem falar na onda Punk na segunda metade dos anos 70, na New Wave dos anos 80 e no grunge dos anos 90.

Desde os primórdios do rock, mais precisamente a década de 50, sacanagem é o que não faltava. Chuck Berry ia preso por roubar carros e andava com garotas menores de idade (assim como Jerry Lee Lewis), ao mesmo tempo em que criava o "fraseado" de guitarra de deu o pontapé em tudo. Eddie Cochram "traçava" desde a secretária do estúdio, até a esposa do presidente da gravadora, e isso já era algo corriqueiro na vida dos primeiros astros do Rock. Não que seja legal abusar de menores e roubar carros, mas o que vale a pena ressaltar é como essa vida desregrada sempre influenciou na música criada por tais artistas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com a chegada dos anos 60, e da British Invasion, que consistia na invasão do território americano por bandas inglesas, como os Beatles, os Stones, os Animals, os Kinks o Who e muitos outros. Com a invasão, os jovens americanos sofreram um gigantesco baque. Os ingleses eram jovens, cabeludos, e tocavam guitarras como ninguém naquele país tinha tocado até então (Hendrix só estourou nos EUA em 1967). O ano era o de 1964, e uma nação de jovens passaram a comprar instrumentos, deixar o cabelo crescer e chamaram os amigos da escola e da rua para fazer barulho na garagem do garoto, que de preferência, tivesse o pai mais gente fina. A América era extremamente conservadora nessa época, e não era nada favorável a essa famigerada legião de freaks cabeludos com suas roupas coloridas e guitarras distorcidas. Era uma barra montar uma banda de rock até então.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em termos de sonoridade, o que essa garotada começou a fazer, era um som extremamente crú e deliciosamente amador, baseado nas influências R&B e Beat (das bandas inglesas), e depois nas próprias raízes americanas como o Blues, o Rockabilly e a Surf Music. Apesar das influências, as bandas de garagem se inspiravam mais na atitude e na postura do que em qualquer estilo específico; roubavam na cara dura os trejeitos e manias de seus ídolos.

Os instrumentos eram os mais toscos possíveis; sem dinheiro e sem incentivo dos pais, muitos jovens passaram a "montar" seu próprio instrumento, com peças de sucata e tudo mais. A molecada experimentava e pesquisava bastante novos sons e efeitos. Os órgãos portáteis "Vox" e "Farfisa", os pedais de efeito "Fuzz", e o baixo criando uma verdadeira muralha sonora, resultando da definitiva aceitação do baixo elétrico no Rock, são características exclusivas dessas bandas. Cada ensaio e cada nova versão de um hit britânico, era uma descoberta diferente (esse anseio pela sonoridade e pesquisa de novos sons veio a ser crucial na onda psicodélica que viria a surgir poucos anos depois, na costa oeste Americana).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nessa altura, as bandas de garagem já pipocavam por toda a América. A Califórnia e o Texas eram os estados que mais tinham bandas por metro quadrado; seguidos de perto por Detroit, Chicago, e Minneapolis. Muitas dessas bandas nem chegaram a gravar um compacto sequer, outras emplacaram um só hit e desapareceram; demonstrando um fenômeno bastante comum até os dias de hoje.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Antes do "mapeamento garageiro", é bom lembrar que até idos de 1972, o estilo ainda era marginalizado e desprezado pela crítica especializada e pelo grande público. Tudo mudou quando o jornalista e guitarrista Lenny Kaye (que se tornaria o guitarrista da Patti Smith anos depois), compilou em dois LP’S, os maiores clássicos das bandas de garagem dos anos 60. A bolacha foi batizada de "Nuggets" e se tornou objeto de desejo para colecionadores do mundo inteiro. A partir daí o estilo passou a ser respeitado e conhecido internacionalmente.

Norte – Oeste

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Era a região de muitos músicos veteranos, que estavam mais dispostos a combater a British Invasion, do que assimilar o movimento como influência. The Sonics, The Wailers, Paul Revere and the Raiders, The Kingsmen e Don and the Goodtimes eram o que a região tinha de melhor.

O The Wailers (os primeiros a usarem o nome, antes dos jamaicanos da trupe de Bob Marley), tiveram seu primeiro sucesso ainda em 1959(!), com a música "Tall Cool One".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os Sonics eram liderados pelo selvagem e mal humorado, Gerry Roslie, que certamente inspirou Lux Interior dos Cramps. A banda criou verdadeiros hinos da garageira como "Psycho", "The Witch" e "Boss Hoss".

Os Kingsmen foram responsáveis pelo maior hit do movimento, "Louie Louie". Uma verdadeira obra prima da tosquice, a música chegou a ser investigada pelo FBI, que julgou a letra como "inadequada aos padrões morais Americanos". O resultado foi que a faixa foi banida de várias rádios do país, o que foi um genial motivo para a molecada cair matando em cima, e transformar a canção num verdadeiro hit.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que a região tinha de melhor, foi talvez Paul Revere and the Raiders, que trazia além de Paul, Mark Lindsay. Os principais momentos foram "Kicks", "Steppin’ Out" e "Hungry".

Uma das carreiras mais curiosas do rock é a do grupo The Monks (não confundir com os Monkees). O The Monks era muito mais animal e divertido. Os caras apesar de serem norte-americanos, formaram a banda enquanto prestavam o serviço militar numa base americana situada na Alemanha. O som da bateria parecia mais uma marcha militar misturada com "Polka", muito "feedback" de guitarra, e ainda um banjo elétrico! Ainda completando essa bizarrice toda, se apresentavam vestidos de monges e tinham um corte de cabelo engraçadíssimo. Genial! Infelizmente o grupo acabou prematuramente em 1967, e os EUA sempre ignorou a música dos Monks.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outra sensação do mundo garageiro, o The Barbarians, tinham um baterista que só tinha uma mão, inclusive ele usava um "gancho" ao invés da mão, assim como o capitão gancho. Musicalmente, o que chama mais a atenção foi a banda ter gravado uma música chamada "Linguica" (sic) que nada mais era uma versão instrumental para "Mamãe eu Quero"(!). Inacreditável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

São Francisco

A banda mais bem sucedida comercialmente da região foram os Beau Brummels, que tinham um certo apelo pop, acrescido de influência folk e do beat de Liverpool (Merseybeat). Destaque para os vocais de Sal Valentino e para as músicas "Don’t Talk to Strangers", "Laugh Laugh" e "Just A Little".

San Jose foi berço do Chocolate Watch Band, banda que abusava em longas jams psicodélicas; e fazia hora folk-rock com competência como em "Baby Blue", hora sonzeiras a lá Stones como em "Let’s Talk About Girls". Outras bandas de San Jose também tiveram seus 15 minutos de fama (local), como The E-Types, The Mourning Reign e The Brogues. Já o Count Five chegou a ter êxito nacional com "Psychotic Reaction", e o The Syndicate of Sound com sua "Hey Little Girl" que foi regravada pelos Dead Boys nos anos 70.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De Sacramento vinha o Oxford Circle, que tinha como batera Paul Whale, que mais tarde viria a "judiar" das peles no Blue Cheer (um dos seminais trios que foram base para o Heavy Metal).

O The Golliwogs, que depois foram batizados como Creedence Clearwater Revival, também vinham dessa região, e só recentemente saiu material da banda em formato digital; com a inclusão de um CD inteiro dedicado aos Golliwogs no Box Set do Creedence.

Los Angeles

Talvez a cena mais forte do som garagem dos anos 60. Foi palco para a explosão de bandas como The Seeds, The Standells e The Music Machine.

O The Seeds serviram de influência para os Doors, que "chuparam" o formato de banda de rock com órgão Vox, guitarra, bateria e vocal. Tinham como líder Sky Saxon, um verdadeiro "xarope" que passou a ser cultuado por toda a Califórnia. A sonoridade do grupo vinha recheada de arranjos primitivos, e criaram clássicos como "I Can’t Seem To Make You Mine", que foi regravada pelos Ramones em seu disco Acid Eaters.

No The Music Machine, o que impressionava era o visual; todos estavam sempre vestidos com roupas pretas, e tinham um corte de cabelo no melhor estilo "tijela". Seu maior sucesso foi a música "Talk Talk".

Já o The Standells, chegaram a abrir shows dos Stones e lançaram uma das músicas mais ouvidas no verão de 66, "Dirty Water", que na verdade foi composta pelo produtor da banda, Ed Cobb. Foi Ed inclusive, que ofereceu e ensinou os garotos a utilizarem um pedal FUZZ na guitarra, criando aquele maravilhoso timbre de "abelha se barbeando".

Os Electric Prunes vinham de Seattle, mais estavam morando em LA na época. O maior mérito do grupo foi ter participado da trilha sonora do filme "Easy Rider" junto com Steppenwolf e Jimi Hendrix.

Texas

Com uma cena mais demente e agressiva do que a de LA, os texanos se chapavam de ácido e se divertiam criando música tosca e psicodélica.

O The 13th Floor Elevators, liderados por Roky Erickson, eram insanos e arruaceiros. Se tornaram um "orgulho texano".

Outra banda local, os Moving Sidewalks faziam uma música ao mesmo tempo psicodélica e progressiva, cortesia de seu então guitarrista; ninguém menos do que Billy Gibons - que mais tarde viria a liderar o mais conhecido trio texano - o ZZ Top. O curioso é que o Moving Sidewalks chegou a abrir algumas apresentações do Jimi Hendrix pelo Texas, e o próprio Hendrix elogiou muito o guitarrista, e lhe deu de presente uma Fender Stratocaster cor de rosa, que até hoje é guardada a sete chaves pelo guitarrista.

Também do Texas é o divertido Sam The Sham and The Pharaohs, que emplacaram nada menos do que uma maravilha do som garagem, "Wooly Bully".

Não menos importantes para a cena, foram as bandas The Sir Douglas Quintet e o Five Americans. A primeira tinha como destaque o genial tecladista Augie Myer, e misturavam country e R&B com som garagem. Já os Five Americans eram especialistas em melodias "grudentas".

Chicago

Nada como uma banda local, para fazer geniais releituras para o tão famoso blues elétrico de Chicago. A que melhor desempenhou esse papel foi o The Shadows of Knight. O grupo também estava antenado com o que estava rolando do outro lado do Atlântico, e regravou "Gloria" dos irlandeses do Them de Van Morrison.

O The New Colony Six, também foi outra banda seminal de Chicago. Ao contrário dos Shadows of Knight, a especialidade deles era o pop psicodélico e o proto-punk. O grupo influenciou bandas do fim dos anos 70, como o The Knack e The Romantics.

Detroit

Essa cidade se tornou um capítulo à parte na história do rock, tamanha o número de bandas e influência a nível mundial. O som de Detroit é único e inconfundível.

Terra das indústrias automobilísticas e da Motown, Detroit tinha fatores extremamente favoráveis ao surgimento de novas bandas. Bons estúdios e incontáveis clubes e casas noturnas ideais para pequenas apresentações. Na época, em Detroit, ninguém era maior do que Mitch Ryder and the Detroit Wheels; "Good Gooly Miss Molly" e "Jenny Take A Ride" eram tocadas a exaustão por todo o país.

O The Iguanas faziam versões de clássicos da Surf Music, e dos Beatles. O mais curioso é que o batera dos Iguanas era um tal de Jim Osterberg, que mais tarde se transformaria em Iggy Stooge (depois Pop) e formaria um dos maiores holocaustos sonoros do rock, o The Stooges.

Também de Detroit e redondezas, surgiram os grupos: The Bob Seger System, Ted Nugent Amboy Duke’s, Terry and the Pack (que se tornaria o Grand Funk Railroad), o Frost (com Dick Wagner nas guitarras, que depois se tornaria session man de Alice Cooper e Lou Reed entre outros), e uma das bandas que mais influenciaram o Punk Rock: o MC5.

Curiosamente, um dos maiores hits locais era "96 Tears" da banda " Question Mark And the Mysterians", que era um grupo formado em sua maioria por mexicanos que moravam no Texas, mas sabiamente se mudaram para Detroit nessa época.

Minneapolis

A banda que colocou Minneapolis no mapa das bandas de garagem foi o Trashmen, com seu demente hit "Surfin’ Bird". Ninguém da cidade conseguiu tamanho reconhecimento na época. Os que tentavam seguir na linha dos Trashmen eram os The Gestures e os The Castaways.

Outra grande banda da cena local, The Litter, tinham uma sonoridade deliciosamente agressiva. O vocalista Denny Waite parecia que "rosnava", enquanto a guitarra gemia numa alucinante combinação de fuzz e feedback’s. O ponto alto da banda foi o compacto "Action Woman".

Ohio

Basta dizer que o The McCoys eram de Ohio, e tinham como líder o jovem Rick Derringer. O maior hit foi mesmo "Hang On Sloopy", seguido de "Fever". Outras bandas da região eram o The Outsiders e o The Music Explosion.

Nova Iorque

Canções mais elaboradas, carregadas de Fuzzy-guitar, alguns efeitos sonoros e jams alucinantes, essa era a tônica do Blues Magoos. No repertório da banda se destaca "Pipe Dream" e "We Ain’t Got Nothing Yet".

Em termos de influência para o punk e afins, vale lembrar que o Velvet Underground veio de Nova Iorque; e que tanto Lou Reed, como John Cale tocavam em bandas de garagem antes do Velvet. Alguma dessas bandas eram os The Primitives, The Roughnecks e o Beechnut.


Poeira

Paul Kossoff - Dor transmitida através das cordas

Grand Funk Railroad: A Maior Potência do Hard Norte-Americano

Power-Trios: o Hard é o gênero "onde o bicho mais pega"

Blow By Blow - a baforada certeira de Beck

Iggy and the Stooges: Raw Power, a trilha sonora do fim do mundo

Muscle Of Love: O último registro de Alice Cooper com sua banda original

ZZ Top: os sagrados primeiros álbuns alterados em estúdio

Scorpions: O nome era sinônimo de garra e bom rock pesado

Mountain - discografia comentada

Thin Lizzy: Momentos inesquecíveis da despedida

Massageie sua mente com este ácido orgasmo auditivo

The James Gang - A gangue encrenqueira do rock

Geordie: A primeira banda do vocalista Brian Johnson

Duane Allman: o auge do Derek And The Dominos

T-Rex: A morte de Marc Bolan

Ken Hensley: seguindo sonhos, como nos bons tempos

Led Zeppelin no Brasil: sonho que pode se realizar

Festivais Ao Ar Livre no Brasil que não aconteceram

Moby Grape: Auto-indulgência, maconha e abuso na estréia em vinil

Black Sabbath: a "era Mob Rules"

Todas as matérias sobre "Poeira"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Bento Araújo

Bento Araújo nasceu em 1976. É jornalista profissional e adora a música dos anos 60 e 70. É o editor chefe da Poeira Zine, a única publicação do país dedicada à música dos bons tempos. Lá ele escreve os textos, faz a diagramação, cuida da arte, do visual, faz 'a social' com os anunciantes, distribui, faz correio, banco, responde os e-mails e as cartas e também limpa o banheiro da redação... Além de tudo isso, o cara ainda tira uma onda tocando contra-baixo pela noite paulistana, além de vez ou outra fazer um 'bico' em alguma loja de discos em troca de raridades vinílicas... O Editor também oferece seus serviços jornalísticos e musicais a quem se interessar... (nada que uns bons dólares não possam resolver...)

Mais matérias de Bento Araújo.