ZZ Top: os sagrados primeiros álbuns alterados em estúdio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bento Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Para um simples amante do Rock dos anos 70, pode ser maravilhoso ouvir seus discos favoritos com toda a praticidade e pureza que a edição digital dos mesmos oferece. Mas isso não acontece no caso do ZZ TOP! O que muita gente não sabe, é que essas "novas versões digitais" foram alteradas em estúdio.

5000 acessosMayhem: banda levou restos humanos para o palco em 20115000 acessosCuriosidade: artistas que odeiam suas próprias músicas

Tudo na verdade começou na segunda metade dos anos 80, quando a Warner se mostrou interessada em lançar todo o catálogo dos texanos do ZZ TOP em formato digital. A idéia era extremamente atraente aos fãs do conjunto; toda a primeira e melhor fase do trio seria acondicionada numa luxuosa edição batizada de "Six Pack". Eram três cd's que abrigavam os seis primeiros discos da banda (omitindo somente o também essencial disco "Deguello" de 1979, pois esse era o único que já havia merecido uma versão digital).


Como parte do projeto, toda a banda mais o produtor Bill Ham, entraram em estúdio para realizar todo o trabalho de masterização de tais discos. Tudo ia muito bem até que eles começaram a ouvir as antigas masters originais com a parte da bateria. Segundo o grupo, e principalmente o baterista Frank Beard, aquelas masters estavam completamente deterioradas.


Ao invés de "sugar" essas faixas de bateria a partir de um vinil original em ótimo estado de conservação (como muitas bandas que passaram por uma situação parecida fizeram), o baterista optou por refazer em estúdio toda parte da bateria.

A "excelente" opção de Beard, simplesmente aniquilou o som rústico e crú que o trio impunha nessa primeira fase de sua carreira. No disco de estréia, "First Álbum" de 1971, a diferença chega a ser gritante, como é que um álbum de 1971 pode soar com aquele som de bateria?


A diferença em relação ao vinil também aparece no terceiro e melhor disco da banda, "Tres Hombres" de 1973. Repare logo na faixa de abertura "Waiting for the Bus"; é absurda a diferença do som. Na música "Master of Sparks" a bateria soa falsa e moderna demais para o pique da música, e na balada "Hot Blue and Righteous" o som da caixa, atinge um efeito "reverb digitalizado" jamais sonhado por qualquer estúdio lá pelos idos de 1973.


No mezzo ao vivo / mezzo estúdio "Fandango!" (1975), a banda teve pelo menos uma fagulha de bom senso ao preservar o som da batera na parte ao vivo, já na parte de estúdio a palhaçada continua, basta conferir a faixa "Heard It On The X". Billy Gibons e Dusty Hill também entraram na onda e refizeram vários trechos desses álbuns, o que conspira totalmente a favor de uma "famosa" picaretagem em conjunto.

A Warner insistiu no erro ao lançar todos os álbuns antes inseridos no "Six Pack" de forma individual, pois tanto a gravadora, como a banda tiveram uma nova oportunidade de consertar o estrago, mas preferiram manter as regravações postiças.


Numa total falta de respeito com a própria obra, e principalmente com os fãs, a banda talvez quisesse soar definitivamente, como a fase muito mais lucrativa e menos inspirada, que foi a dos discos "Eliminator" e "Afterburner" em meados dos anos 80.

Vale a pena correr atrás das edições originais em vinil, apesar de raras e difíceis de serem encontradas (os três primeiros só existem em versões importadas). Somente com elas é que se poderá conferir toda a força e qualidade original desse poderoso trio texano.

(Nota do editor: as novas versões em CD, chamadas "Remastered and Expanded", estão trazendo a mixagem original, mas nem todos os títulos foram relançados até o momento).

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 16 de outubro de 2012

Poeira

5000 acessosGaragens dos Anos 605000 acessosPaul Kossoff - Dor transmitida através das cordas5000 acessosGrand Funk Railroad: A Maior Potência do Hard Norte-Americano5000 acessosBlack Sabbath: a passagem de Ian Gillan pela banda5000 acessosPower-Trios: o Hard é o gênero "onde o bicho mais pega"4312 acessosBlow By Blow - a baforada certeira de Beck5000 acessosIggy and the Stooges: Raw Power, a trilha sonora do fim do mundo5000 acessosIron Maiden: versões pesadas para clássicos do Rock3963 acessosResenha - Jethro Tull (Credicard Hall, São Paulo, 20/03/2004)5000 acessosMuscle of Love5000 acessosLynyrd Skynyrd x Neil Young - Amigos ou inimigos?5000 acessosScorpions5000 acessosTommy Bolin: Os excessos estavam acabando com aquele cara5000 acessosMountain - discografia comentada5000 acessosJerry Lee Lewis: o dia em que ele quase matou John Lennon5000 acessosThin Lizzy5000 acessosMassageie sua mente com este ácido orgasmo auditivo5000 acessosThe James Gang - A gangue encrenqueira do rock5000 acessosGeordie: A primeira banda do vocalista Brian Johnson5000 acessosDuane Allman: o auge do Derek And The Dominos5000 acessosOs 30 anos da morte de Marc Bolan5000 acessosKen Hensley: seguindo sonhos, como nos bons tempos5000 acessosLed Zeppelin no Brasil: sonho que pode se realizar3758 acessosFestivais Ao Ar Livre no Brasil que não aconteceram5000 acessosThe Who: Quinze minutos de fama no lugar de Keith Moon5000 acessosPoeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte5000 acessosBon Scott, o eterno Rocker...5000 acessosBlind Faith: uma das capas mais polêmicas da história5000 acessosA jubilosa estréia do Moby Grape5000 acessosJethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin5000 acessosAC/DC: os últimos dias do vocalista Bon Scott5000 acessosBlack Sabbath: a "era 'Mob Rules'"0 acessosTodas as matérias sobre "Poeira"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Poeira"0 acessosTodas as matérias sobre "ZZ Top"

MayhemMayhem
Banda levou restos humanos pro palco na França

CuriosidadeCuriosidade
Artistas que odeiam suas próprias músicas

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Keith Moon e Marcelo Adnet

5000 acessosRush: Um Adeus Aos Reis5000 acessosRicardo Confessori: "Iron Maiden, aposenta logo!"5000 acessosVício: Phil Anselmo relata como é ser viciado em heroína5000 acessosMetal Brasileiro: As 10 melhores bandas segundo o site OC Weekly5000 acessosHeavy Metal: as 10 maneiras de se segurar a guitarra5000 acessosAeroblus, o maior power trio latino americano

Sobre Bento Araújo

Bento Araújo nasceu em 1976. É jornalista profissional e adora a música dos anos 60 e 70. É o editor chefe da Poeira Zine, a única publicação do país dedicada à música dos bons tempos. Lá ele escreve os textos, faz a diagramação, cuida da arte, do visual, faz 'a social' com os anunciantes, distribui, faz correio, banco, responde os e-mails e as cartas e também limpa o banheiro da redação... Além de tudo isso, o cara ainda tira uma onda tocando contra-baixo pela noite paulistana, além de vez ou outra fazer um 'bico' em alguma loja de discos em troca de raridades vinílicas... O Editor também oferece seus serviços jornalísticos e musicais a quem se interessar... (nada que uns bons dólares não possam resolver...)

Mais matérias de Bento Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online