On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Você começa a ficar preocupado quando tudo que se refere a sua juventude começa a fazer jubileu e a ser alvo de lançamentos comemorativos de 30 anos. Os discos que você ouvia são alvo de edições comemorativas com as sobras das sobras e um monte de fotos.

5000 acessosDeath Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOL5000 acessosSexo e rock n' roll: banda grava e vende pornô para bancar despesas

Na verdade o que sobra disso, alem da inevitável puta dor de corno? Um pouco de bom humor é necessário não como o mal, como o sal que fica na borda deste daiquiri, da alma. Com este espírito agridoce recebi o recado do meu guru e amigo ,o maestro Antonio Saraiva que disse que agora está “torcendo os arames” na rediviva e antológica banda de Hard Rock Carioca Água Brava, que tinha voltado e gravado um CD.

Lembrei-me na hora da dita cuja, que fazia um som pesadíssimo e que era capitaneada pelo guitar hero Daniel Cheese, que conhecia de longa data de jams e ensaios na Niterói Natal. A coisa prometia, pois ia juntar no Circo Voador (onde eu não pisava há 25 anos) a banda prog cult Bacamarte (que assisti no próprio em 1983) e um tributo a Celso Blues Boy (com quem estive um mês antes de morrer e vi o último show). Pra completar tinha o relançamento do livro do Luis Antonio Melo sobre a Flu FM (Maldita!) e os trinta anos de comemoração da rádio. Era muita coisa junta. Não dava pra não ir!

Levantei da poltrona, escondi de mim o sacarrolha e sacando do telefone vermelho convoquei o casal símbolo do underground oitentista: Zé e Mary Who, meus companheiros de tantas noites no Circo, quando chegar era uma meta e voltar uma possibilidade, se é que vocês me entendem. O relógio sempre quebrava seja nos requebros de um Mautner demiúrgico, de um Macalé lelé ou de todas aquelas bandas que estavam no inicio do inicio e hoje são medalhas no peito de um Brock que existiu. O vamos nessa foi inusitado e aceito e quando eu vi já estava numa camisa preta nem tão apertada como antes, rumando para Meca, num Lapa repaginada cheia de uma garotada que não percebia meus olhos perplexos.

O Água Brava nos recebeu com uma pancada na testa e um saudável esporro benigno. As músicas da época que nunca haviam sido gravadas agora constam num CD onde os heróis Ivo Ricardo (baixo) e Daniel Volpini (gtrs) marcam seu território que havia sido abandonado por força das circunstâncias. Agora com o auxílio luxuoso de Cesinha e o já citado Antonio Saraiva numa guitarra base de pura juvenília. Coisa de quem é experiente e tem tempo de estrada. Um postal da juventude em forma de Hard Rock com riffs e pedaleira. Reconheci um ou outro maluco local que me pareceram estar morando ali há 30 anos esperando a zoeira.

Mandaram ver os hits da época. Revisitados, refrescados e repostos o som e a fúria. No intervalo após intrépidas rememorações com meus amigos de coisas acontecidas ali que a gente fingia lembrar, resolvi dar uma volta pra verificar a fauna e a flora presente e se possível ver se o vento ainda fazia a curva. Todos os presentes passavam pela mesma experiência pois tinham estado ali, vasculhavam suas memórias e trocavam casos hipotéticos e as vezes patéticos, mapeando o local. “Cara aqui eu vi Cazuza andando no arame, lobão comendo chapeuzinho, O Barão e o conde”. Lês ettoiles na mega noite da viadagem”, cara neste coqueiro eu tive uma viagem” e por aí ia... pão doce e fantasia.

Estive com Celso Blues Boy em Rio das Ostras no mesmo hotel e tentamos levar uma série de papos. Mas Lucille já fumava na escuridão e o sentimento que o pior já rondava era iminente. Todos os atalhos levavam pra rua, pra chuva na fazenda ou numa casinha de sapê. Na fila do LAM estava o Jefferson Gonçalves que me deu um toque. Vamos dar a coda do caboclo. Fazer uma homenagem, cantar pra subir. E foi feita a vontade do homem que colecionava latas vazias enquanto pedia: 'aumenta que isso aí é RocknRoll'. Faltou um copo d’água do Mississipi, barrenta bem barrenta e lamacenta. Mas a Juçá berrou, o retrato apareceu e tudo apaziguou.

Nisso a noite corria longa, e varias amizades de infância eram retomadas às gargalhadas. Lembrávamos-nos de algumas verdades absolutas e revoltas relativas. Dos primórdios da Maldita saíram vários personagens que já não mais vagavam, mas juntavam pra rir. Do que? Do tempo... ora ora.... descobri a diferença dos subgraves na sexualidade das cervejas, que pianista cubano é bom porque aprendeu com os clássicos russos, Que Keith Richards parou de pintar o cabelo e mais um monte de outras utilidades que fazem revigorar a alma e o cerebelo. Um must!

Quando a lenda do Bacamarte entrou em cena com a competência habitual mesmo que bissexta, lembrei-me de 1983 quando fui ao show de lançamento do mitológico e cult ”Depois do fim”. Mario Neto e Cia, incluso uma inebriante e afinadíssima Jane Duboc. Lembrei o que disse a época para os meus amigos então: “cara se esse disco tivesse saído em 73 esses caras tinham pego a Barca do Sol e tinham estourado no Norte”. Lindo disco, lindo show.

A noite já ia longa e eu lembrei que mesmo que queira não consigo mais dormir uma manhã inteira. Vampiragem ou bobagem coisa da boa esperança do Cabo. Mas ainda faltava a pérola da noite e esta quem trouxe foi quem convidou: Maestro Saraiva cofiou seu bigode a La Lemmy e como se fora um vendedor de Sex Shop de algum subúrbio de Amsterdam soltou a obscenidade entre dentes: “O Rock progressivo nunca existiu!”. Até agora ouço a nossa gargalhada!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 11 de novembro de 2012

On The Road

3524 acessosJimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes3774 acessosJohn Paul Jones & Zooma1270 acessosOn The Road2539 acessosAndy Warhol & Velvet Underground461 acessosJoe Jackson - Heaven & Hell4045 acessosJim Morrison - Ode a LA5000 acessosJerry Garcia - O Anti-Super-Star2150 acessosThe 70's - E um pouco sobre Gregg Allman5000 acessosAllman Brothers Band - ainda The 70s1737 acessosThe 80's - e um pouco sobre Ian Curtis902 acessosJorge Mautner2319 acessosTommy Bolin: sua morte prematura foi uma perda incalculável2668 acessosChuva de Guitarras1200 acessosJohn Mayall e o restaurante Indonésio1580 acessosUma noite das Arábias5000 acessosGlam Rock: A vanguarda era ditada com muito cílio postiço2755 acessosPapo Lynyrd671 acessosMemória do Futuro1025 acessosFour de Ases4141 acessosPancadão Hendrixniano3950 acessosNum muro dos anos 702709 acessosSteely Dan - Pop Perfeito1379 acessosOs quatro CDs do Apocalipse1862 acessosJoni Mitchell & Charlie Mingus5000 acessosGigantes do Soul Jazz1211 acessosMais gigantes do Soul Jazz1155 acessosQuem lembra dos Supergrupos?2564 acessosMick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita2151 acessosColin Hodgkinson, biscoito fino no baixo4177 acessosAlguns atalhos para muitas viagens3048 acessosJohn Paul Jones - herói do Olimpo3810 acessosThe Shadows, a sombra de Hank Marvin1569 acessosColdplay e a franja do Fernando2439 acessosFunky Friends1054 acessosElogio do Ócio973 acessosConfissões Paulistas1308 acessosVelhas Novidades2980 acessosMahavishnu Orchestra e a Yoga2114 acessosAir - Moon Safari3863 acessosColecionadores de discos e de calcinhas4716 acessosHell's Angels, Punks, Verve2723 acessosPara onde vão Robert Fripp e os amestradores de focas?5000 acessosRimbaud e Morrison: A grande maioria passa pela vida imersa na multidão2260 acessosDr. John5000 acessosMais do Mesmo1156 acessosJorge Mautner e as Memórias do Filho do KAOS1569 acessosSoulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky5000 acessosRolling Stones - "Exile On Main Street"3991 acessosOn The Road - Menos é Mais5000 acessosOs 1001 discos para se ouvir antes de morrer2801 acessosJeff Beck: Economia e bom gosto, eis a conseqüência3269 acessosOn The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk1974 acessosOn The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras5000 acessosOn The Road: "Jeff Beck é Jeff Beck"509 acessosOn The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ1404 acessosOn The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "On The Road"0 acessosTodas as matérias sobre "Água Brava"0 acessosTodas as matérias sobre "Bacamarte"

Death MetalDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Sexo e rock n rollSexo e rock n' roll
Banda grava e vende pornô para bancar despesas

Por poucoPor pouco
15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhor

5000 acessosOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold5000 acessosMegadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine5000 acessosSepultura: Andreas Kisser comenta os primórdios da banda5000 acessosLamb of God: recebendo elogios de Metallica, Slash e Slipknot5000 acessosRock In Rio: E se no festival só tocasse rock?5000 acessosRobert Plant: Veja o vocalista em dueto com o apresentador Jimmy Fallon

Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online