On The Road: Num muro dos anos 70

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Juro que a intenção não era essa. Tinha em mente falar sobre alguma coisa bem "groovy", bem "funky". Ando ouvindo muito Tower of Power e tem um CD do mago do batuque Willie Bobo rolando direto enquanto estou escrevendo. Mas como se fosse um Proust carioca, no meio de um café caído e um biscoito meio velho (que substituem mal e parcamente o chá e as madeleines do gênio francês), comecei a lembrar de um monte de figuras hilárias dos anos 70. Gente que sumiu, encaretou, engordou ou pirou. Meu Mirabel velho foi a minha passagem prum tempo perdido que deu vontade de compartilhar. Na próxima juro que aumento o suingue. Por hoje, vamos tirar um pouco de poeira do armário da memória?

Bruce Dickinson: vocalista elege seus 5 álbuns preferidosGuns N' Roses: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os anos eram os finais da década de 70, entre 76 e 79. Eu morava em um bairro residencial de Niterói e então todos os amigos de infância e de intermináveis peladas e outros agitos típicos estavam com uma tendência para o ócio contemplativo e cabelos crescendo com rapidez proporcional a descoberta de discos novos. Havia um amigo (meu vizinho) cujos pais (talvez por surdez) tinham uma especial tolerância com o volume do que escutávamos todas as noites, por horas a fio, sentados em cima de seu muro, simplesmente apreciando o movimento, enquanto o "Made in Japan" do Purple rolava inteiro no volume mais ensurdecedor.

Não preciso dizer que este muro acabou virando point, altamente freqüentado por uma fauna bizarra e variada, que trazia sempre algumas novidades (sonoras ou não) para os freqüentadores experimentarem. O primeiro disco do Led Zeppelin foi lá que ouvi, comprei em primeiríssima mão o "A Night at the Opera" do Queen que ninguém conhecia. E tome Robin Trower, Santana, Foghat, Status Quo, Slade, Black Sabbath degustados se equilibrando no tal Muro do Delírio.


O vizinho da frente era bem mais velho e atendia pelo apelido de "Paulinho Astronauta" e lá das galáxias distantes que habitava fazia imitações de Johnny Winter e Hendrix, totalmente previsíveis, pois sempre repetia o mesmo solo e vocal, independente do que estava interpretando. Ouvíamos com atenção, era o nosso ídolo e terror de nossas mães (talvez por isso) e aplicava a galera em coisas como Cream, Wishbone Ash e Allman Brothers, suas bandas preferidas. Em menos de um ano meu cabelo estava do tamanho do dele (enorme) e andava com uma guitarra que nunca aprendi a tocar. Quando tinha festa na casa da figura ficávamos olhando de fora, literalmente em cima do muro, apreciando o entra e sai da malucada e comentando a intensidade do aroma da noite.

Outra figura pra lá de folclórica era um negão enorme (parecia o armário de Três Rios do show do Camel) que nos dias de hoje fatalmente seria um curtidor de pagode, mas que naquela época era um fã alucinado de rock progressivo. Era o maior arranhador de discos que Deus havia posto na terra e detonou a coleção de muita gente boa. Eu fugia dele como o diabo da cruz e ele vivia implorando o empréstimo de alguma coisa que "infelizmente estava emprestada com aquele meu primo da Tijuca". Ele não se conformava e tentava outros discos: "E o Breque Sabá...? Hum... Foi também..." respondia. "e o Íéis..." "com a namorada dele...". "Azar né?..." "E o Du porpo?"... e por aí ia com a maior dificuldade de identificar o grupo pela pronuncia típica do Manzuba (o nome da peça). "Ô Craudio, ruma este Jreto tu que eu tô pedindo que eu te rumo o daquele cara o Emerson Lake Palmi..." depois que Manzuba reduziu, como se fosse a santíssima trindade, os três em um... desisti e falei: "empresto não Manzuba, empresto não". Pensando bem, talvez este papo de santíssima trindade agradasse aos egos inflados de Keith Emerson, Greg Lake e Carl Palmer".


Marrio Lorro era outra peça antológica. Notório surfista de areia, amava o Lynyrd Skynyrd e o América assim como o relato de fantásticas e épicas ondas que pegava sempre entre quatro e 5 da manhã, um horário infelizmente pouco propicio a testemunhas. Uma Pena! Chegávamos na praia e a figura em pé como um totem olhando pro horizonte saudosamente.

Perguntávamos invariavelmente: "e aí vai entrar? Parece que ta legal né?" no que respondia sempre: "que nada... De manhã tava alucinante, quase três metros. Caí sozinho e to cansadão. Loucura mermão, loucura!" Todo mundo acreditava, ou quase, e a "Onda Perfeita" do Marrio Lorro não podia ser conspurcada com este detalhe de realidade. Ficava inacessível como na Caverna de Platão, perfeita, alimentando o mito do surfista da madrugada.


Havia uma banda que era a nossa síntese: um power trio bem heavy com forte influência do Uriah Heep e Purple, todos os músicos nossos amigos, os seguíamos como deadheads atrás de Jerry Garcia e sua trupe. Eu ajudava a carregar umas caixas e me sentia em Woodstock com tudo a que tinha direito. Era um misto de road com fã e tinha tanta pose e estilo que o grupo chegou a me chamar pra ser vocalista; mas depois da primeira versão de "Burn" a la Glenn Hughes com cabeleira voando e agudos, o conselho pra voltar pro carregamento de caixas foi imediato. Dizem que esta foi a pior imitação de Hughes de todos os tempos. Pra meu desespero e curiosidade mórbida existe um cassete perdido prestes a ser eternizado em cd pirata e caseiro da estonteante versão. Pois esta banda tinha dois guitarristas (eu disse que era Power trio, eu sei, mas vocês já vão entender): um faiscante e sacolejante apelidado por motivos óbvios de Peter Blackmore, e o outro chamado Ernesto, que tocava uma guitarra base sem nenhum volume. Além disso, era dono de uma fantástica garagem, de uma bela Fender e tinha uma mãe altamente tolerante ao ruído que adorava servir intermináveis lanches; usava um cabelo semi reco, uns óculos de fundo de garrafa que o tornavam parecido com um misto de Woody Allen e Elvis Costello. Não tinha a mínima noção de ritmo e passava todas as musicas possivelmente tocando os mesmos acordes (ninguém ouvia) que eram marcados com um pezinho torto e olho fechado. Já o Blackmore tocava com a guitarra dele e emprestava a sua detonada Gianini "mais adaptada ao ritmo". O cara vivia em Marte e possivelmente estava adiantado ao seu tempo. Se formos ver o que fez sucesso na década seguinte o Ernesto se encaixava como uma luva. Os óculos, o ritmo quebrado, a esquisitice. Se fosse inglês chegaria ao estrelato sem duvida!


Se tem uma palavra que pode definir Paulo Ronaldo (outra peça raríssima) esta palavra é gostoso. O sujeito se dedicava dia e noite ao exercício da gostosura e era a coisa mais próxima de David Cassidy que existia. Muitas senhoras casadas e cheias de filhos escondem com todas as forças o fato de terem sucumbido aos encantos do efebo. Hoje negam, dizem que não se lembram, mas ouviram muito Lynyrd Skynyrd e Poco naquela fusca a beira mar onde ele contava as peripécias de seu guia espiritual, um encosto indígena de origem Apache, e gemia um "ai luv ma beibe" nos ouvidos perplexos com o sotaque do Alabama. Hoje é um senhor mais pra cheinho e possivelmente não causa tantos suspiros. Agora, cá entre nós: "Guia espiritual Indígena e Apache" é muito engraçado. Se ainda fosse tupiniquim ou Bororó, vai lá.


Infelizmente pouco sei do fim que levaram estas figuras. Tinha mais um monte delas, de algumas eu esqueci, outras resolvi obscurecer. O que ligava toda esta turma era o fato que o rock era nosso assunto principal, nossa razão de viver. Todos tínhamos grupos preferidos e ódio profundo à Disco Music que surgia com toda força pra nos atormentar. Se Marcel Proust toda vez que molhava sua Madeleine no Chá vislumbrava (com talento e gênio é claro, o que infelizmente não é o caso aqui) um mundo de Barões e Condes, o meu Combray é um muro baixo e descascado que hoje vive vazio à espera de uma outra turma de malucos pra se sentar e sonhar com um futuro cheio de histórias prá contar ao som do bom e velho rock'n'roll. Não consigo deixar de sentir um travo de melancolia toda vez que passo por ali. Quantas escolhas de caminho nas tantas encruzilhadas (crossroads) que se apresentaram em tanto tempo. Pensando bem, até o biscoito Mirabel parou de ser fabricado e este café está pra lá de requentado como todas estas lembranças.

Muitas vezes a gente se acostuma com a cajuada e nem conhece o gosto do caju. O Willie Bobo terminou e pude perceber que muito do Santana e de muita coisa saiu desta fonte. Um fantástico Latin Jazz dos 60 com muita conga, maraca, Timbales e um suingue de perder o rumo. Peguei-me gritando uns três "ughs!" nos intervalos da metaleira. Entrou um Herbie Hancok agora em que os clássicos Cantaloupe Island e Maiden Voyage estão mostrando que o original é superior a todo o acid jazz que sampleou estas musicas.

Caramba! Já estou entrando no assunto que eu ia falar. Vou jogar este café fora e procurar alguma coisa mais interessante pra ouvir o resto deste Herbie Hancock. Quem vai nessa?


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da históriaOn The Road
Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.On The Road
Jim Morrison, uma ode a L.A.

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Joni Mitchell e Charlie MingusOn The Road
Joni Mitchell e Charlie Mingus

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Mais gigantes do Soul JazzOn The Road
Mais gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Velhas NovidadesOn The Road
Velhas Novidades

On The Road: Mahavishnu Orchestra e a YogaOn The Road
Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Colecionadores de discos e de calcinhasColecionadores de discos e de calcinhas

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "On The Road"


Bruce Dickinson: vocalista elege seus 5 álbuns preferidosBruce Dickinson
Vocalista elege seus 5 álbuns preferidos

Guns N' Roses: Perguntas e respostas e curiosidades diversasGuns N' Roses
Perguntas e respostas e curiosidades diversas


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

adGoo336