David DeFeis: os álbuns que marcaram o vocalista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Emanuel Seagal, Fonte: Virgin Steele
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em conversa com o portal Whiplash.Net em 2010, David DeFeis, vocalista e líder da veterana banda norte americana VIRGIN STEELE, falou de seus primeiros contatos com a música, e claro, os álbuns que marcaram sua vida, confira abaixo.

Guitarra: o riff mais popular de todos os temposSlipknot: como são os membros da banda sem as máscaras?

"Eu nascí em um ambiente teatral e musical. Meu pai era e ainda é produtor, diretor e ator. Eu crescí assistindo seus ensaios e performances de tudo, do drama Grego a Shakespeare e Edward Albee. Ver estas produções fez com que eu começasse a ler os mais diversos mitos que eu pudesse ter em minhas mãos. Por outro lado, eu estava ouvindo as bandas de rock que meu irmão Damon e minha irmã Danae tocavam e também ouvia ópera que minha irmã Doreen ouvia. Ela estava estudando para ser uma cantora de ópera e atingiu este objetivo com grande sucesso. Havia muita empolgação na casa com todos tipos de ensaios e performances acontecendo, então eu tive que me juntar. Eu comecei a ter aulas de piano aos oito anos, e entrei no meu primeiro grupo de rock aos 11. O garoto que entrega o jornal de manhã em nossa casa era baterista. Ele era alguns anos mais velho que eu, e me informou que sua banda não estava feliz com o vocalista...então um dia enquanto estava andando pela cidade o ajudando a entregar seus jornais, eu falei sem pensar... "Eu vou cantar na sua banda", e ele disse "OK", e basicamente foi assim que tudo começou.

Eu defino o que fazemos no VIRGIN STEELE como "Barbaric-Romantic Epic Metal". Esta é uma categoria única, e somos o único grupo neste gênero. Este estilo de música tem raízes em diversos lugares. Um lugar é o Blues, e outro é a música "clássica", especialmente do século XIX, com Chopin e Debussy. Pode ser sinfônico com todos tipos de orquestrações ou pode ser apenas piano e guitarra acústica e um vocal. É uma música ambiciosa. Além de todos elementos usados, o que a torna metal para mim é como a apresentamos. Como a música é executada significa muito! Cada nota deve ter comprometimento, e deve ser tocada como se fosse a última nota antes que o universo fosse consumido em chamas. Paixão, comprometimento e intenção são tudo.

Queen - "Queen II"


A música "The March of the Black Queen" do álbum "Queen II" é incrível! Para mim foi uma relação como estou certo que a nona de Beethoven foi para outros compositores clássicos. Eu fiquei maravilhado como toda aquela elaborada harmonia foi colocada e como te leva da primeira nota à última. Ela tem uma dinâmica incrível. A faixa pavimentou o caminho para "Bohemian Rhapsody". O segundo álbum do queen é inteiramente uma obra de arte! A habilidade de compor é surpreendente. Músicas como "March of the Black Queen", "Ogre Battle", "White Queen" e "Father to Son" são excelentes exemplos do gênero. Elas são poderosas, pérolas bem lapidadas, complexas e verdadeiramente desenvolvidas, ainda assim são acessíveis e nunca ficam presas à técnica somente pela técnica.. Elas são sempre melódicas e feitas com coração. Eu fico espantado quando penso no valor da incrível produção e habilidade de gravação empregada em gravar estes incríveis discos! As performances são dignas de estrelas, cheias de um poder majesoso e precisão superior ao dos mortais! Mas ainda mais incrível, é que por trás de tudo isso há esta "mente brilhante e criativa trabalhando. Este é um trabalho de mestre, ser capaz de imaginar estas idéias e então executá-las. Eu acredito que não haveria muitos grupos de power metal ou power metal sinfônicos trabalhando hoje se não fosse por este álbum.

Led Zeppelin - "Led Zeppelin"


Enquanto eu crescía, além de esperar compor como Freddie Mercury, eu também admirava Jimmy Page. Seu trabalho de guitarra teve um efeito direto no meu canto. Eu queria cantar como seus solos de guitarra soavam. Eu queria ser uma guitarra humana. Eu uso minha viz de uma forma instrumental. Eu não estou apenas cantando palavras; eu canto como se estivesse em um longo solo de guitarra e também sou muito percussivo em meu "approach". Eu também toco teclado como um guitarrista. Eu penso em todas coisas na forma de uma guitarra. Para mim o "I" do Led Zeppelin é outro marco. Do que ouví, Freddie Mercury também era muito apaixonado pelo trabalho de Jimmy Page, e o incrível som que ele alcançou tanto ao vivo quanto no disco. O Zeppelin I é cheio de poder cru, virtuosidade e fúria nórdica. Eles conseguiram capturar o verdadeiro som e calor de uma banda. A voz de Plant é o lamento do vento do norte. Ela pode trair ou seduzir. A bateria de Bonham é a implacável força da natureza, o baixo de John Paul Jones e o órgão/teclado são os músculos e força vital que permite o crescimento e a guitarra de Page é o raio de Zeus e o poder de Odin. Este foi um álbum sexual e também místico, um trabalho guerreiro. Paixão escorre de cada groove. Os arranjos foram bem pensados e com um grande senso de dinâmica; luz e sombra permeam o trabalho. Uma das grandes coisas deste álbum é sua espontaneidade. Eles não passaram 100 anos gravando. Eles ensaiaram um pouco, discutiram e então começaram de uma forma hardcore. E agora hoje, muitos anos após, ainda soa novo e vital. Nos dias de hoje muitos ainda estão tentando alcançar o que eles alcançaram naquelas 30 horas de estúdio. Para mim ambos álbuns ("Queen II" e "Led Zeppelin"), e estas duas bandas em geral, cristalizaram em minha mente que o metal deveria ser. Primeiramente, independente de quão técnico ou aventureiro alguem pode ser musicalmente, ele deve sempre manter o calor cru e sensualidade de onde o rock veio...do blues. Sempre mantenha o calor e o suor. Segundo, todo membro do grupo deve ter uma força verdadeira. O baterista deve ser um terremoto, um pandemônio puro, mas sempre em controle, como um vulcão. O guitarrista deve ser um exército de guitarras, e mestre de tudo relacionado as cordas, ele é o violino, viola e violoncelo da orquestra. O baixista deve fazer a terra tremer, ser uma âncora de um milhão de toneladas, a pedra base. O vocalista deve ser um coral inteiro, um banshee e um xamã, e o tecladista deve ser todo o resto da orquestra e um mestre da harmonia. Cada membro deve ser uma montanha de sons por si só, para que todos juntos, possam dominar o universo!

Black Sabbath - "Black Sabbath"


Ele continha aquela qualidade bela, doom, como se ele existisse no século XVII. Era misterioso, elegante e honesto, eu o amo até a morte.

Queen - "Sheer Heart Attack"


Não posso superestimar o efeito que o QUEEN teve em mim. Eles forma pura magicka. Eu fiquei espantado com as composições, as performances e técnica de gravação. Tudo era digno de estrelas. Eu os vi ao vivo nesta turnê e eles foram surpreendentes! A performance como um todo foi tão mágicka. Eu estava feliz apenas por estar no mesmo lugar que eles. Eles combinavam metal com uma sensibilidade operática/clássica e um pouco de teatro da Broadway, uma pura viagem teatral que eu amei.

T. Rex - "Electric Warrior", "The Slider" e "Tanx"


Incríveis músicas, simples mas ainda assim tão cheias de mundos dentro de outros mundos. Eu amo a voz de Bolan e seu estilo de tocar guitarra. Eu sempre pensei no som de sua guitarra como sendo similar ao som de Brian May. Ambos tinham aquele tipo de atmosfera sônica "estou tocando guitarra mas ela realmente soa como algo além disso".

Angel - "Angel" e "Helluvaband"


Pomposo, exagerado, uma espécie de cruzamento entre Queen e Yes. Incríveis vocais de Frank Dimino, ótimo teclados atmosféricos de Gregg Guiffria, e guitarra realmente interessante de Punky Meadows. As músicas eram inteligentes com arranjos interessantes, e as performances eram realmente sólidas.

Mott The Hoople - "Mott" e "The Hoople"


Mott The Hoople foi uma banda áspera, teatral e rebelde. Eles tinham letras realmente interessantes, arranjos bem trabalhados e uma atitude realmente durona, combinada com um approach glam "vamos chutar sua bunda". Músicas como "Violence", "Crash Street Kids" e "Marionette", eram agressivas e épicas, e faixas como "Hymn For The Dudes" ou "Ballad Of Mott The Hoople", eram delicadas e sinceras. Eles tinham tudom atitude de estrelas e grande apresentação.

The Who - "Live at Leeds"


Incrível álbum ao vivo. Selvagem, cru, apaixonado, mortal e cheio de urina e vinagre. Eles não poderiam ser melhores.

Van Halen - "Van Halen"


Chutador de bundas, original. Eles redefiniram o que bandas como Zeppelin fizeram em seu primeiro álbum. Eu também gostaria de cantar como os solos de Eddie Van Halen soavam. Roth tinha uma atitude de estrela, e uma expressiva voz "vá aos céus" e Edward levantava vôo. Ele era como um sax de jazz ou trompete, incrível!


Eu poderia continuar por dias sobre todos os tipos de álbuns. Quanto mais penso mais eu lembro, Rainbow, incrível, especialmente os três primeiros. UFO, etc...

Cheers

David DeFeis 02/11/2010


Álbuns que Marcaram

Clóvis Eduardo: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Paulo Finatto Jr: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Ben Ami Scopinho: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Maurício Gomes Angelo: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Rafael Carnovale: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Bruno Sanchez: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Marcos A. M. Cruz: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Ricardo Seelig: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Eduardo Contro: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Rodrigo Werneck: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Rodrigo Simas: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net

Marcio Baraldi: os álbuns que marcaram o cartunistaMarcio Baraldi
Os álbuns que marcaram o cartunista

Bruno Maia: os álbuns que marcaram o líder do Tuatha de DanannBruno Maia
Os álbuns que marcaram o líder do Tuatha de Danann

Ummagumma: os álbuns que marcaram os redatores do siteUmmagumma
Os álbuns que marcaram os redatores do site

Tato Deluca: os álbuns que marcaram o vocalista do Aclla

Eric de Haas: os álbuns que marcaram o produtor e fotógrafoEric de Haas
Os álbuns que marcaram o produtor e fotógrafo

Haavard Holm: os álbuns que marcaram o lojista norueguês

Marcos De Ros: os álbuns que marcaram o guitarristaMarcos De Ros
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Aquiles Priester: os álbuns que marcaram o bateristaAquiles Priester
Os álbuns que marcaram o baterista

Tommy Lindal: os álbuns que marcaram o guitarristaTommy Lindal
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Daniel Piquê: os álbuns que marcaram o músico

Tom Englund: os álbuns que marcaram o vocalista do EvergreyTom Englund
Os álbuns que marcaram o vocalista do Evergrey

Eddie Trunk: os álbuns que marcaram o apresentadorEddie Trunk
Os álbuns que marcaram o apresentador

Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarristaAndreas Kisser
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Nando Mello: os álbuns que marcaram o baixista do Hangar

Jeff Scott Soto: os álbuns que marcaram o vocalista

Overkill: os discos que mudaram a vida de Bobby Blitz

Psychotic Eyes: 10 álbuns que marcaram Dimitri Brandi

Kappa Crucis: 10 álbuns que marcaram o batera Fábio Dória

Uganga: os álbuns que marcaram o vocalista Manu JokerUganga
Os álbuns que marcaram o vocalista Manu Joker

Slippery: os álbuns que marcaram o vocalista Fabiano Drudi

Thiago Bianchi: os álbuns que marcaram o vocalistaThiago Bianchi
Os álbuns que marcaram o vocalista

Imagery: Os 10 álbuns que marcaram Joceir Bertoni

Hellish War: os álbuns que marcaram o baixista JR

Rosa Tattooada: os álbuns que marcaram o líder do grupo

Amazon: 10 álbuns que marcaram Renato Angelo

Kappa Crucis: os 10 discos que marcaram Gerson Fischer

Hellish War: 10 álbuns que marcaram Daniel Job

Malefactor: Razões pelas quais Lord Vlad vive a música pesadaMalefactor
Razões pelas quais Lord Vlad vive a música pesada

Devachan: os 10 álbuns que marcaram Gabriel Dias

The Leprechaun: Os 10 álbuns que marcaram Fabiana Santos

Fire Shadow: os 10 álbuns que marcaram Francisco Kozel

Noturnall: Os 10 álbuns que marcaram Junior Carelli

Higher: Os 10 álbuns que marcaram Gustavo Scaranelo

The Leprechaun: os 10 álbuns preferidos do baixista Eric Fontes

Girlie Hell: Os 10 álbuns preferidos de Fernanda Simmonds

Seu Juvenal: 3 álbuns que mudaram vida do baixista Alexandre Tito

Rush: Os álbuns favoritos do baixista Geddy LeeRush
Os álbuns favoritos do baixista Geddy Lee

Kiko Loureiro: os cinco discos de rock que marcaram sua vidaKiko Loureiro
Os cinco discos de rock que marcaram sua vida

Richie Kotzen: dez álbuns que mudaram sua vidaRichie Kotzen
Dez álbuns que mudaram sua vida

Zakk Wylde: os álbuns que marcaram a vida do músicoZakk Wylde
Os álbuns que marcaram a vida do músico

Limp Bizkit: os dez álbuns que marcaram Wes Borland

Motorhead: os álbuns que mudaram a vida de Phil Campbell

Dave Lombardo: dez álbuns que marcaram a vida do bateristaDave Lombardo
Dez álbuns que marcaram a vida do baterista

Megadeth: dez álbuns que marcaram a vida de David EllefsonMegadeth
Dez álbuns que marcaram a vida de David Ellefson

Slipknot: os dez álbuns que mudaram a vida de Corey TaylorSlipknot
Os dez álbuns que mudaram a vida de Corey Taylor

Duff McKagan: dez álbuns que marcaram a vida do baixistaDuff McKagan
Dez álbuns que marcaram a vida do baixista

Jason Becker: os 10 discos que mudaram a vida deleJason Becker
Os 10 discos que mudaram a vida dele

Dave Mustaine: os dez álbuns que mudaram a sua vidaDave Mustaine
Os dez álbuns que mudaram a sua vida

Corey Taylor: os 10 discos que mudaram a vida deleCorey Taylor
Os 10 discos que mudaram a vida dele

Tarja Turunen: os discos que marcaram a vocalistaTarja Turunen
Os discos que marcaram a vocalista

Edu Falaschi: 10 discos que marcaram a vida do vocalistaEdu Falaschi
10 discos que marcaram a vida do vocalista

Guns N' Roses: os dez álbuns que mudaram a vida de Dizzy ReedGuns N' Roses
Os dez álbuns que mudaram a vida de Dizzy Reed

Alirio Netto: 10 discos que marcaram a vida do vocalistaAlirio Netto
10 discos que marcaram a vida do vocalista

Todas as matérias sobre "Álbuns que Marcaram"



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Maiores e MelhoresTodas as matérias sobre "Álbuns que Marcaram"Todas as matérias sobre "Virgin Steele"


Guitarra: o riff mais popular de todos os temposGuitarra
O riff mais popular de todos os tempos

Slipknot: como são os membros da banda sem as máscaras?Slipknot
Como são os membros da banda sem as máscaras?


Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com clássicos como Iron Maiden e Black Sabbath. Hoje em dia, entre outros gêneros musicais, e sem se limitar a rótulos, ouve principalmente doom, viking e folk metal. Sempre que possível está em busca de novas bandas que tenham algo a transmitir alem de clichês, e mesmo em meio a tantas novidades não dispensa pérolas como o bom e velho Candlemass. Acompanha o Whiplash! desde os primórdios, tendo iniciado sua vida de internauta no mesmo ano de criação do site (1996). Há algum tempo está envolvido com metal, seja trabalhando com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa, na tentativa de contribuir de alguma forma para o crescimento desse que é um dos segmentos mais apaixonantes da música, o metal.

Mais informações sobre Emanuel Seagal

Mais matérias de Emanuel Seagal no Whiplash.Net.