Aquiles Priester: os álbuns que marcaram o baterista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Emanuel Seagal, Fonte: Aquiles Priester
Enviar correções  |  Comentários  | 

Aquiles Priester é um dos grandes nomes da bateria no metal brasileiro. Como muitos, ele começou batendo em latas e panelas, e começou sua carreira no metal em 1997, quando formou o HANGAR. Três anos depois, o músico tocou na banda de Paul Di'Anno, ex-vocalista do Iron Maiden, com o qual gravou o álbum "Nomad". No ano seguinte, Aquiles entrou no Angra, onde ficou até 2007, tendo gravado três discos de estúdio, um EP e um CD/DVD ao vivo. Sempre bastante elogiado pela imprensa e tendo apoio de empresas como Mapex e Paiste, que criaram modelos signature de seus produtos com o seu nome, Aquiles é um dos grandes nomes do metal brasileiro.

2164 acessosFalaschi: vamos surpreender na 2ª parte da turnê Return of Shadows5000 acessosSinceridade: e se as capas de discos dissessem a verdade?

Confira abaixo os primeiros contatos de Aquiles Priester com a música e os álbuns que marcaram sua vida.

"Meu primeiro contato com a música aconteceu quando eu tinha quatro anos de idade e ainda morava na África do Sul. Vi uma bateria na TV. A única coisa que me lembro é da sensação que eu tive, foi tipo uma premonição. Eu simplesmente estava passando pela sala, vi aquilo e me chamou atenção. Anos mais tarde, quando eu já tinha quinze anos, vi outra bateria num bar que estava sendo limpo para funcionar à noite e fiquei ali na porta, parado olhando. Não demorou para alguém me chutar dali... No mesmo ano, por causa de uma gincana da escola, comecei a dublar o Ultraje o Rigor e tocávamos em todas as festinhas que tinham nos colégios da redondeza. Percebi que tínhamos mais facilidade com as meninas da nossa idade por sermos 'celebridade'... A partir dali, abandonei a minha promissora carreira de jogador de futebol e entrei de cabeça no mundo da música".

Ultraje a Rigor - "Nós Vamos Invadir sua Praia"


Por incrível que pareça, conheci o Ultraje a Rigor quando estava assistindo ao Globo Esporte (programa esportivo da Rede Globo), pois na época eu era fissurado em futebol. Na verdade, até 1985 eu queria ser jogador de futebol. Acho que a reportagem falava do alojamento de um grupo de meninas do vôlei, da seleção brasileira, e a música "Rebelde Sem Causa" era a trilha sonora. Imediatamente, gravei em fita cassete e assim iniciei minha vida musical, pois, com esse disco, eu montei uma banda que dublava o Ultraje a Rigor e, a partir de então, comecei a me apresentar nas festinhas do colégio e gostei da experiência. Toda a história é contada na minha Biografia Oficial – Aquiles Polvo Priester – De Fã a Ídolo, esse foi o pontapé inicial na minha carreira musical.

Paralamas do Sucesso - "O Passo do Lui"


Esse disco tem o melhor som de bateria da história da música brasileira, em minha opinião. Levando-se em conta que ele foi gravado em 1984, é assustador falar isso hoje em dia. O som do bumbo da música "Óculos" é referência até hoje. Falar da atuação do baterista João Barone é muito importante, pois, desde aquela época, ele já estava revolucionando a história da bateria do nosso país e apareceu na grande mídia como um dos músicos mais competentes e inovadores da história da bateria. Por anos a fio, foi eleito o melhor baterista pelas revistas especializadas da época. Não é a toa que ele e os Paralamas continuam muito bem até hoje... Ou seja, passaram pelo teste do tempo.

Inocentes - "Pânico em SP"


Eu estava assistindo o extinto programa Clip Clip da Rede Globo, em 1986, e vi a banda Inocentes tocando no programa ao vivo. Achei muito animal a atitude da banda e, na semana seguinte, achei o disco. Durante muitos anos, a música "Ele disse não" foi uma espécie de hino para a minha turma de amigos em Foz do Iguaçu (onde morei até os 18 anos) e também já comecei a me acostumar com um som mais pesado. Inocentes sempre foi sinônimo de atitude e rebeldia. Minha música favorita é "Ele Disse Não". Ainda quero tocar essa música ao vivo com eles...

Iron Maiden - "Somewhere in Time"


Aqui minha vida musical começa a tomar outro rumo. Foi o primeiro disco e a primeira banda de metal que eu ouvi na minha vida. Sem dúvida nenhuma, esse foi o disco que mais escutei na vida e, com certeza, nenhum outro disco irá ultrapassá-lo. Steve Harris, então com 30 anos de idade, fez a grande obra prima da sua vida. Na época, os fãs mais radicais acharam estranho as guitarras sintetizadas, mas hoje, o disco é reconhecido como uma das melhores fases da banda, junto com outros dois grandes trabalhos, o "Powerslave" e o "Seventh Son of a Seventh Son". Quem já leu minha biografia oficial, sabe o porquê desse disco ser tão importante na minha vida. Eu nunca escuto uma música ou outra individualmente. Esse disco merece ser ouvido na íntegra, como eu fazia em 1986, virando o cassete intermináveis vezes para tentar assimilar um pouco mais da grande musicalidade aqui encontrada. No final de cada audição, tenho a certeza de ter escutado o melhor disco de metal da história, em minha opinião. Nesse disco se ouve a banda em plena forma, apesar de Bruce não ter composto uma única música e passava pela primeira fase estranha na banda, mas canta muito em todas as oito faixas. Nicko esbanja "takes" fantásticos com seus bumbos galopados, tocados na velocidade da luz com um único pé. Adrian Smith faz solos que são pequenas composições dentro de cada música e forma a dupla perfeita de guitarrista com o Dave Murray. Steve Harris nos presenteia com obras primas como "Caught Somewhere in Time", "The Loneliness of the Long Distance Runner" e "Alexander the Great", que tem o tema de "twin guitars" mais cativante de todas as músicas do Iron Maiden. Um disco que mudou minha vida e que nunca será ouvido de forma indiferente.

Racer X - "Second Heat"


Apesar desse disco ser da mesma época do "Somewhere in Time", só fui tomar conhecimento dele em 1994, na época que eu estava entrando de cabeça nos dois bumbos. A banda tinha Scott Travis na bateria, Paul Gilbert e Bruce Bouillet nas guitarras, John Alderete no baixo (que hoje toca no Mars Volta), e Jeff Martin nos vocais. Uma banda virtuosa, fazendo música virtuosa, para todos os gostos. Bateristicamente falando, é um disco de pesquisa até hoje, pois nessa época não existia gravação digital e os bumbos de Scott Travis, na música "Scarified", era o "benchmarking" da época; e 24 anos depois continua sendo, assim como a introdução de "Painkiller", que o tornaria mundialmente famoso. O disco foi lançado pelo selo Shrapnel Records, do famoso Mike Varney/Steve Fontano, que revelou muito dos guitarristas virtuosos que atuam no mercado musical até hoje.

Sepultura - "Beneath The Remains"


Esse disco era o maior orgulho nacional na época. O Sepultura começava a aparecer no mundo e eu, como toda uma geração de metalheads, carregávamos esse disco para todos os lugares, mostrando aos colegas. Comecei ouvindo Sepultura no disco "Morbid Visions" e na época não entendi muito bem a evolução da banda no "Schizophrenia", mas no "Beneath The Remains" a evolução era latente. Logicamente, o Igor era uma espécie de super herói para os bateristas brasileiros de metal, pois estava sendo comparado ao Dave Lombardo e isso era surreal para a época. Eu era fã de ir aos encontros promovidos pela Rádio Ipanema na casa de shows Porto de Elis, nos anos 90, em Porto Alegre. Fui ao show do lançamento do disco no ginásio Geraldo Santana, em Porto Alegre, e eu era um dos carinhas que estava na frente do palco, e que o Max olhava nos olhos ao final do show e dizia: - A gente ama vocês!!! Minha música preferida é "Primitive Future", uma das mais violentas da banda.

Tony MacAlpine - "Maximum Security"


Esse disco caiu na minha mão por acaso, pois um guitarrista me emprestou para eu tirar uma música do Tony MacAlpine. A música era "Hundreds of Thousand" e o baterista era o Deen Castronovo. Além de Deen, Atma Anur também toca nesse disco, mas as atuações do Deen beiram algo surreal para a época. E falei para o guitarrista que eu não entendia nada que o baterista tocava... Isso era 1994 e fiquei sabendo que o Deen tinha lançado uma vídeo aula. Nessa época, eu estava começando a fazer aulas com o mestre Kiko Freitas, em Porto Alegre. Quando a vídeo aula chegou, eu entendi que muitos padrões de condução no ride eram tocados com as duas mãos... Ele ensinava seus melhores licks e muitos truques que abriram minha cabeça, sem falar na pegada do cara que já era um absurdo. Aprendi muito nesse vídeo e posso dizer que moldei meu estilo ouvindo o Deen e aplicando tudo de técnica que aprendi com o Kiko Freitas, especialmente nas ideias que me surgiam ao ouvir todo o material que consegui do Deen, naquela época. Minha música favorita nesse álbum é "King’s Cup". Hoje em dia, o Deen toca com o Journey e continua sendo uma grande inspiração para mim.

Death - "Symbolic"


Digamos que esse é um disco obrigatório para todo baterista de heavy metal. Gene Hoglan, em entrevista para a Modern Drummer americana, falou que esse disco era uma espécie de tributo ao Deen Castronovo. Quando fiquei sabendo, comprei o álbum. Logo de cara, a faixa que abre o disco é "Symbolic", que beira a insanidade em termos de arranjos mais que perfeitos e velocidade extrema para a época. Até hoje, essa música é "benchmarking" para os bateristas de metal. Tem tanta informação nesse disco que recentemente, em outra entrevista para a mesma Modern Drummer, ele afirma que tocou mais que devia e encheu as músicas de arranjos para mostrar suas habilidades. No entanto, acho que o disco entrou para a história, não só por sua atuação, mas também pelas composições de Chuck Schuldiner, que se mostrava muito inspirado na época. Até hoje, esse disco causa um grande impacto devido a gama de informações musicais existentes. A música favorita nesse disco é a "Symbolic", tanto que fiz uma versão para o meu DVD "The Infallible Reason of my Freak Drumming".

Dave Matthews Band - "Crash"


Esse é, com certeza, o disco que vai gerar maior constrangimento no meu top 10. Mas a musicalidade e habilidade de cada integrante é evidente, e desde o seu lançamento, esse disco já chegou arrebentando ao entrar direto para a segunda colocação na parada da Billboard 200. Claro que a forma que Dave canta é um tanto peculiar e também estranhei no começo, mas depois de ouvir a atuação do baterista Carter Beauford, tudo fazia sentido. Quando Carter apareceu foi um choque, pois sua forma de tocar é única, assim como sua sonoridade. Era estranho um disco que vendia milhões de cópias ao redor do mundo ter tantos deslocamentos de tempo e tantos grooves com pedal duplo. Carter abriu o mercado com sua abordagem eclética e tão pessoal. Tive a chance de vê-los ao vivo, no Rock in Rio III, um dia antes do Iron Maiden.

Joey Tafolla - "Infra-Blue"


Apesar de ser o disco de um guitarrista, é o baterista Deen Castronovo que é o show man por aqui. Um disco instrumental mais que perfeito, com três músicos muito competentes. Completa o time o baixista John Onder, que mais tarde também gravaria com o Artension. As músicas são bem ecléticas e isso faz com que o disco nem pareça instrumental. Esse disco é a base da vídeo aula "High Performance Drumming", de Deen Castronovo, e como ele mesmo ressalta na fita, as ideias simplesmente aparecem durante um bom "take" e nada mais. Para os bateristas curiosos, escutem também os discos: Cacophony – Go Off (1988), Tony MacAlpine – Premonition (1994), Dragon’s Kiss – Marty Friedman (1988) e avaliem se o Deen não estava muito a frente do seu tempo.

Os responsáveis são citados no texto. Não culpe os editores. :-)

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosClóvis Eduardo: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosPaulo Finatto Jr: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosBen Ami Scopinho: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosMaurício Gomes Angelo: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosRafael Carnovale: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosBruno Sanchez: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosMarcos A. M. Cruz: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosRicardo Seelig: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosEduardo Contro: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosRodrigo Werneck: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosRodrigo Simas: os álbuns que marcaram o redator do Whiplash.Net5000 acessosMarcio Baraldi: os álbuns que marcaram o cartunista5000 acessosBruno Maia: os álbuns que marcaram o líder do Tuatha de Danann5000 acessosUmmagumma: os álbuns que marcaram os redatores do site4989 acessosTato Deluca: os álbuns que marcaram o vocalista do Aclla5000 acessosDavid DeFeis: os álbuns que marcaram o vocalista5000 acessosEric de Haas: os álbuns que marcaram o produtor1901 acessosHaavard Holm: os álbuns que marcaram o lojista norueguês5000 acessosMarcos De Ros: os álbuns que marcaram o guitarrista4479 acessosTommy Lindal: os álbuns que marcaram o guitarrista3404 acessosDaniel Piquê: os álbuns que marcaram o músico5000 acessosTom Englund: os álbuns que marcaram o vocalista do Evergrey5000 acessosEddie Trunk: os álbuns que marcaram o apresentador5000 acessosAndreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarrista5000 acessosNando Mello: os álbuns que marcaram o baixista do Hangar5000 acessosJeff Scott Soto: os álbuns que marcaram o vocalista5000 acessosOverkill: os discos que mudaram a vida de Bobby Blitz1612 acessosPsychotic Eyes: 10 álbuns que marcaram Dimitri Brandi1753 acessosKappa Crucis: 10 álbuns que marcaram o batera Fábio Dória3127 acessosUganga: os álbuns que marcaram o vocalista Manu Joker1609 acessosSlippery: os álbuns que marcaram o vocalista Fabiano Drudi5000 acessosThiago Bianchi: os álbuns que marcaram o vocalista1090 acessosImagery: Os 10 álbuns que marcaram Joceir Bertoni1358 acessosHellish War: os álbuns que marcaram o baixista JR3197 acessosRosa Tattooada: os álbuns que marcaram o líder do grupo1217 acessosAmazon: 10 álbuns que marcaram Renato Angelo674 acessosKappa Crucis: os 10 discos que marcaram Gerson Fischer1080 acessosHellish War: 10 álbuns que marcaram Daniel Job3199 acessosMalefactor: Os discos que marcaram Lord Vlad501 acessosDevachan: os 10 álbuns que marcaram Gabriel Dias856 acessosThe Leprechaun: Os 10 álbuns que marcaram Fabiana Santos761 acessosFire Shadow: os 10 álbuns que marcaram Francisco Kozel2745 acessosNoturnall: Os 10 álbuns que marcaram Junior Carelli1519 acessosHigher: Os 10 álbuns que marcaram Gustavo Scaranelo638 acessosThe Leprechaun: os 10 álbuns preferidos do baixista Eric Fontes1788 acessosGirlie Hell: Os 10 álbuns preferidos de Fernanda Simmonds542 acessosSeu Juvenal: 3 álbuns que mudaram vida do baixista Alexandre Tito5000 acessosRush: Os álbuns favoritos do baixista Geddy Lee5000 acessosKiko Loureiro: os cinco discos de rock que marcaram sua vida4388 acessosRichie Kotzen: dez álbuns que mudaram sua vida5000 acessosZakk Wylde: os álbuns que marcaram a vida do músico2860 acessosLimp Bizkit: os dez álbuns que marcaram Wes Borland3835 acessosMotorhead: os álbuns que mudaram a vida de Phil Campbell5000 acessosDave Lombardo: dez álbuns que marcaram a vida do baterista5000 acessosMegadeth: dez álbuns que marcaram a vida de David Ellefson5000 acessosSlipknot: os dez álbuns que mudaram a vida de Corey Taylor5000 acessosDuff McKagan: dez álbuns que marcaram a vida do baixista4409 acessosJason Becker: os 10 discos que mudaram a vida dele5000 acessosDave Mustaine: os dez álbuns que mudaram a sua vida5000 acessosCorey Taylor: os 10 discos que mudaram a vida dele

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 16 de janeiro de 2011
Post de 22 de junho de 2012
Post de 02 de outubro de 2014
Post de 18 de maio de 2016
Post de 23 de junho de 2017

Edu FalaschiEdu Falaschi
Vamos surpreender na segunda parte da turnê Return of Shadows

178 acessosAltair: comédia diabólica de Progressive/Power Metal809 acessosAngra Fest: com Massacration, Geoff Tate, Noturnall e outros0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

MegadethMegadeth
"Dystopia" não seria tão bom com Menza e Friedman

Angra e SepulturaAngra e Sepultura
As duas bandas mais tretadas do metal nacional

AngraAngra
Banda escaneada em 3D; veja imagem de Rafael

0 acessosTodas as matérias da seção Maiores e Melhores0 acessosTodas as matérias sobre "Hangar"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

SinceridadeSinceridade
E se as capas de discos dissessem a verdade?

EsquireEsquire
Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin

Guns N RosesGuns N' Roses
Axl mandou expulsar Steven Adler de show?

5000 acessosAC/DC: A origem do nome da banda5000 acessosLágrimas nos olhos: 25 músicas para chorar5000 acessosAndreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"5000 acessosMotorhead: Nem queda de avião consegue abalar a calma de Lemmy Kilmister5000 acessosIron Maiden: "somos uma família", diz Adrian Smith5000 acessosJack Black: "Nirvana foi a última grande banda do rock"

Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com clássicos como Iron Maiden e Black Sabbath. Hoje em dia, entre outros gêneros musicais, e sem se limitar a rótulos, ouve principalmente doom, viking e folk metal. Sempre que possível está em busca de novas bandas que tenham algo a transmitir alem de clichês, e mesmo em meio a tantas novidades não dispensa pérolas como o bom e velho Candlemass. Acompanha o Whiplash! desde os primórdios, tendo iniciado sua vida de internauta no mesmo ano de criação do site (1996). Há algum tempo está envolvido com metal, seja trabalhando com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa, na tentativa de contribuir de alguma forma para o crescimento desse que é um dos segmentos mais apaixonantes da música, o metal.

Mais informações sobre Emanuel Seagal

Mais matérias de Emanuel Seagal no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online