On The Road: Um dos livros mais comentados e menos lidos da história

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Vigo
Enviar Correções  

On The Road possivelmente é um dos livros mais comentados e menos lidos da história. Com sua escrita automática, alimentada por rolos de papel contínuo na máquina e muita benzedrina na cabeça, Jack Kerouac foi o principal personagem da beat generation, exemplo maior de um modo de vida que revolucionou os costumes em sua relação com os meios de comunicação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Antes que alguns gritem: É plágio! É plágio! Vou logo avisando: calma, gente, é homenagem. On The Road possivelmente é um dos livros mais comentados e menos lidos da história. Com sua escrita automática, alimentada por rolos de papel contínuo na máquina e muita benzedrina na cabeça, Jack Kerouac foi o principal personagem da beat generation, exemplo maior de um modo de vida que revolucionou os costumes em sua relação com os meios de comunicação. Que após o episódio beat passaram a idealizar e divulgar toda forma de vagabundagem romântica e transgressora, preparando o terreno pro drop out dos hippies e todas as suas conseqüências. Pois é, o espírito da coisa era esse mesmo, como se fosse um solo de be bop, Kerouac escreveu de uma penada só, batendo alucinadamente, sem corrigir e sem voltar atrás todo o livro que escorria pelo chão no formulário continuo, levando a bicha invejosa, Truman Capote, a afirmar em histórica entrevista: "Isto não é literatura é datilografia".

Lançado no meio dos anos 50, On The Road foi escrito em três semanas na mais autêntica prosa espontânea beat e narra as desventuras de uma viajem alucinada através e ao redor da América no meio de muito jazz e disponibilidade pra levar a vida ao sabor dos ventos dominantes ou nem tanto. O boom publicitário de tudo isso foi enorme e tanto Kerouac quanto seus companheiros de aventura Allen Ginsberg e William Burroughs (a santíssima trindade beatnik) passaram à condição de fazedores de cabeça globais influenciando muito mais gente e atitudes que possamos suspeitar. Junto com Howl de Ginsberg e Naked Lunch de Burroughs este livro foi um dos três pilares onde se sedimentou um caldo de cultura que gerou coisas como John Lennon, Jim Morrison e muito do pensamento libertário e porra louca do rock dos anos 60.


Projeto pessoal e de vida de um dos artistas mais paranóicos e perfeccionistas da história do rock o King Crimson e seu líder Robert Fripp estavam de roupa nova e com o som totalmente reformulado no início dos anos 80. Com o auxílio luxuoso da guitarra do ex Talking Head Adrian Belew, do baixo de Tony Levin e do antigo membro Bill Bruford na bateria lançou o segundo disco desta nova fase com o sintomático titulo de Beat, uma escancarada homenagem a beat generation e toda sua mitologia. Sei que a afirmação é altamente polêmica, mas classifico este disco e o anterior Discipline como uma renovação no ar bolorento que vivia o rock dito progressivo na época, uma saída altamente criativa ao beco em que se encurralara o gênero. A primeira música começa logo com Belew desfiando todo um rosário de súplicas nostálgicas falando de Paris, Sartoris, subterrâneos e roupas pretas e de Neal (Cassady) e Jack (Kerouac) e tem na instrumental Sartori in Tangier o ápice com as guitarras de Fripp e Belew fazendo simplesmente o diabo acompanhadas pela melhor cozinha progressiva de todos os tempos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O King Crimson seguiu em frente, sempre se renovando, e dos grupos desta época talvez seja o único que não vive do culto a um passado remoto e repetitivo onde as bandas sobrevivem tocando seus clássicos para uma platéia de meia idade que compra os relançamentos e novidades requentadas imóvel em suas confortáveis lembranças de um tempo louco que há muito já passou. Mesmo assim estes dois discos e principalmente Beat foi o auge desta nova fase criativa, onde a proposta de autenticidade de propósitos e ruptura com a repetição do passado se fizeram presente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


O que é um sartori? Na tradição Zen Budista o Sartori é um momento de iluminação instantânea quando atingimos um estado em que num só segundo temos a intuição de todo o universo.Simplificando ao extremo: Seria como se uma criança que houvesse vivido desde que nasceu em um quarto escuro tivesse, por acaso, achado o interruptor e em um segundo vislumbrasse todos os detalhes deste quarto num só momento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que é e onde fica Tanger? Na pontinha mediterrânea do Marrocos, quase Espanha.Tanger sempre foi um lugar de aventureiros, devassos, local onde toda sorte de outsiders sempre aportou.André Gide morou um bom tempo por lá assim como Paul Bowles, William Burroughs e era o local preferido de férias de todos os beats.Um local mágico, ensolarado, com um marzão azul onde o haxixe e o nudismo são altamente tolerados.

publicidade

A música é instrumental, mas dá para entender o sentido?


Uma historinha beat:

William Burroughs, herdeiro de uma família milionária (Burroughs Computers) só começou a escrever depois dos quarenta. Antes disso teve toda a sorte de empregos e vícios que a imaginação pode conceber. Os empregos ele largou pelo caminho, o resto ele trouxe até o fim da vida quando foi considerado um dos escritores americanos mais importantes. Uma verdadeira lenda viva underground, amigo intimo de gente como Lou Reed, Pattie Smith, Laurie Anderson e muitos outros mais. De alguns de seus livros saíram termos e nomes de bandas que dizemos no dia a dia sem suspeitar da origem: Heavy Metal, Steely Dan, Soft Machine etc....

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Certa vez, completamente chapado, resolveu brincar de Guilherme Tell com a mulher. Botou a maçãzinha pegou o três oitão e pimba, mandou bala antes que ela pudesse dizer: É mais pra cima Bill!


No mais é ouvir este disco, se possível lendo alguns destes livros e seguir o lema deixado por AllenGinsberg: "Soltem as fechaduras das portas! Soltem também as portas de seus batentes".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


On The Road

On The Road: Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black CrowesOn The Road
Jimmy Page, Led Zeppelin & The Black Crowes

On The Road: John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimadoOn The Road
John Paul Jones, o menos amado, talvez o mais subestimado

On The Road: O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anosOn The Road
O mundo girou ao redor de Andy Warhol por quase vinte anos

On The Road: Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?On The Road
Para Joe Jackson como seria o Céu e o Inferno?

On The Road: Jim Morrison, uma ode a L.A.On The Road
Jim Morrison, uma ode a L.A.

On The Road: Jerry Garcia - O Anti-Super-StarOn The Road
Jerry Garcia - O Anti-Super-Star

On The Road: The 70's - E um pouco sobre Gregg AllmanOn The Road
The 70's - E um pouco sobre Gregg Allman

On The Road: Allman Brothers Band - ainda The 70sOn The Road
Allman Brothers Band - ainda The 70s

On The Road: The 80's - e um pouco sobre Ian CurtisOn The Road
The 80's - e um pouco sobre Ian Curtis

On The Road: Jorge MautnerOn The Road
Jorge Mautner

On The Road: Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculávelOn The Road
Tommy Bolin; sua morte prematura foi uma perda incalculável

On The Road: Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdoOn The Road
Chuva de Guitarras; Total domínio do instrumento e um feeling absurdo

On The Road: John Mayall e o restaurante IndonésioOn The Road
John Mayall e o restaurante Indonésio

On The Road: Camel, uma noite das ArábiasOn The Road
Camel, uma noite das Arábias

On The Road: Glam Rock; A vanguarda era ditada com muito cílio postiço

On The Road: Papo LynyrdOn The Road
Papo Lynyrd

On The Road: Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especificaOn The Road
Tunel do tempo; A criatividade não está restrita a uma época especifica

On The Road: Four de AsesOn The Road
Four de Ases

On The Road: Pancadão HendrixnianoOn The Road
Pancadão Hendrixniano

On The Road: Num muro dos anos 70On The Road
Num muro dos anos 70

On The Road: Steely Dan - Pop PerfeitoOn The Road
Steely Dan - Pop Perfeito

On The Road: Os quatro CDs do ApocalipseOn The Road
Os quatro CDs do Apocalipse

On The Road: Joni Mitchell e Charlie MingusOn The Road
Joni Mitchell e Charlie Mingus

On The Road: Gigantes do Soul JazzOn The Road
Gigantes do Soul Jazz

On The Road: Mais gigantes do Soul JazzOn The Road
Mais gigantes do Soul Jazz

On The Road: Quem lembra dos Supergrupos?On The Road
Quem lembra dos Supergrupos?

On The Road: Mick Jagger, Graham Bond e Geração BenditaOn The Road
Mick Jagger, Graham Bond e Geração Bendita

On The Road: Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixoOn The Road
Colin Hodgkinson, biscoito fino no baixo

On The Road: Alguns atalhos para muitas viagensOn The Road
Alguns atalhos para muitas viagens

On The Road: John Paul Jones - herói do OlimpoOn The Road
John Paul Jones - herói do Olimpo

On The Road: The Shadows, a sombra de Hank MarvinOn The Road
The Shadows, a sombra de Hank Marvin

On The Road: Coldplay e a franja do FernandoOn The Road
Coldplay e a franja do Fernando

On The Road: Funky FriendsOn The Road
Funky Friends

On The Road: Elogio do ÓcioOn The Road
Elogio do Ócio

On The Road: Confissões PaulistasOn The Road
Confissões Paulistas

On The Road: Velhas NovidadesOn The Road
Velhas Novidades

On The Road: Mahavishnu Orchestra e a YogaOn The Road
Mahavishnu Orchestra e a Yoga

Air - Moon SafariAir - Moon Safari

Colecionadores de discos e de calcinhasColecionadores de discos e de calcinhas

Hell's Angels, Punks, VerveHell's Angels, Punks, Verve

Robert Fripp: No brasil acompanhado das focas amestradasRobert Fripp
No brasil acompanhado das focas amestradas

On The Road: Rimbaud e MorrisonOn The Road
Rimbaud e Morrison

On The Road: Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim FestivalOn The Road
Dr. John, melancolia e insensatez durante o Tim Festival

On The Road: Mais do MesmoOn The Road
Mais do Mesmo

On The Road: Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOSOn The Road
Jorge Mautner e as Memórias do filho do KAOS

On The Road: Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funkyOn The Road
Soulive, usina groove em forma de power trio de jazz funky

On The Road: Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbuciosOn The Road
Exile..., obra prima feita de arestas, atos falhos e balbucios

On The Road: Menos é MaisOn The Road
Menos é Mais

On The Road: Os 1001 discos para se ouvir antes de morrerOn The Road
Os 1001 discos para se ouvir antes de morrer

On The Road: Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüênciaOn The Road
Jeff Beck, economia e bom gosto, eis a conseqüência

On The Road: O velho feiticeiro do piano e o Zappa do FunkOn The Road
O velho feiticeiro do piano e o Zappa do Funk

On The Road: Allman Brothers Band, um sonho de priscas erasOn The Road
Allman Brothers Band, um sonho de priscas eras

On The Road: Jeff Beck é Jeff BeckOn The Road
"Jeff Beck é Jeff Beck"

On The Road: "It's a long time gone, bicho!" - CSN no RJ

On The Road: Água Brava, Bacamarte e Celso Blues Boy

On The Road: biografia de Ron Wood é bem humorada e informativa

Todas as matérias sobre "On The Road"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Andre Matos declara: O Angra tinha que acabar!Andre Matos declara
"O Angra tinha que acabar!"

Fotos de Infância: Robert Plant, do Led ZeppelinFotos de Infância
Robert Plant, do Led Zeppelin


Sobre Cláudio Vigo

Da safra de 62 , Claudio Vigo ganha a vida com a poesia, o jazz e o rock n roll. Paga as contas como arquiteto.

Mais matérias de Cláudio Vigo no Whiplash.Net.

Cli336 CliIL Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336 Cli336