Almah: Como foi a apresentação da banda em Porto Alegre

Resenha - Almah (Bar Opinião, Porto Alegre, 08/06/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Guilherme Dias
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
O domingo do dia 08/06/2014 estava frio em Porto Alegre, mas isso não foi problema algum para os fãs do ALMAH que estavam no Bar Opinião para prestigiar a banda, que esteve na capital gaúcha para divulgar o seu recente disco “Unfold”, lançado no final de 2013.

O set-list estava recheado de músicas de toda a carreira da banda, que está em atividade desde o ano de 2006. Os eventos de heavy metal normalmente tem alguma atração na abertura dos shows principais com alguma banda local, e em Porto Alegre não é diferente.

A abertura ficou por conta da banda REVOLTA XXI que é original de Butiá/RS, apresentaram o seu thrash metal para aquecer a noite. A banda tocou algumas músicas próprias, entre elas “Próxima Refeição” e um cover de uma banda “pouco conhecida”, segundo Isaias Fussa (Vocal/ Guitarra). “Territory” do SEPULTURA animou o público presente mesmo a banda não sendo do estilo do ALMAH.

Por volta das 21hs as luzes do palco se apagaram e ao som da trilha sonora “The Imperial March” do clássico “Starwars” o ALMAH subiu ao palco com “Hypnotized “, do disco “Motion”. A presença de palco e o carisma são fundamentais na música, em qualquer estilo, para qualquer público. Edu Falaschi (vocal) e seus companheiros sorriam enquanto tocavam, cativando o público presente.

O show seguiu com as pesadas “Living and Drifting” e “The Hostage”, onde Marcelo Barbosa (guitarra) e Diogo Mafra (guitarra) mostraram grande qualidade técnica. Os dois estavam muito ativos no palco, sempre caminhando de um lado a outro e batendo cabeça, assim como Raphael Dafras (baixo).

Edu disse que não tocava na capital gaúcha há três anos, e estava com saudade de ouvir os fãs cantando o “hino rio grandense”, lembrando os tempos de ANGRA, onde todos cantavam o hino muito alto e com muito orgulho. Então realizou o pedido pois os seus colegas de banda estavam muito ansiosos para esse momento.

O público cantou o hino gaúcho, porém nada comparado aos anos de ANGRA, onde os shows lotavam muito mais na capital do Rio Grande do Sul. A casa de shows estava longe de sua lotação máxima, o público não passava de 500 pessoas.

Nos bumbos da bateria do gaúcho Marcelo Moreira havia uma mensagem, nela estava escrito “Paulo Almah Schroeber”. Isso porque recentemente ocorreu o falecimento de Paulo, (ex-guitarrista da banda). Foi realizada uma homenagem para o também gaúcho Paulo Schroeber antes de “Beyond Tomorrow” (do disco Fragile Equality).

Após “Children of Lies”, Falaschi disse que mudaria o rumo da apresentação, pois gosta muito de compor baladas também. “Breathe” realmente mudou o clima do show, porém mantendo a boa performance da banda no palco. Quando um disco é lançado, algumas músicas são destaques instantâneos e outras ficam no fundo do baú.

Edu Falaschi (vocal) comentou que em São Paulo a música do último disco que mais tem dado retorno para a banda é “Believer”, a qual não decepcionou nenhum fã quando executada pela primeira vez em Porto Alegre, sendo uma das músicas mais animadoras do show.

O show ainda teve a partipação de Iuri Sanson (vocal) do HIBRIA para dividir os vocais de um clássico do IRON MAIDEN, “2 Minutes to Midnight”, juntamente com Falaschi, levando os presentes à loucura. Iuri estava reencontrando a banda que dividiu o palco com o HIBRIA no último Rock in Rio. Mais uma balada foi apresentada no set-list, dessa vez foi “Warm Wind”, dedicada a Micaela, filha do frontman.

A banda que projetou Edu Falaschi para o mundo não foi esquecida. O público pediu “Nova Era”, mas recebeu “Heroes of Sand” do ANGRA. Marcelo Moreira (bateira) teve a sua vez no microfone, mas não para cantar. O baterista declarou que estava muito emocionado em tocar no mesmo palco em que assistiu bandas como HELLOWEEN e BLIND GUARDIAN.

Disse também que já havia tocado no palco do Bar Opinião, porém com a sua antiga banda BURNING IN HELL para abertura de shows, e não como banda principal.

Religião foi um assunto comentado por Edu, pois “Bullets In The Altar” fala sobre religião e fanatismo, sem falar sobre nenhuma forma de seguir a vida, dizendo que a religião está dentro de cada um.

Falaschi falou para o público que compôs ela pensando na tragédia ocorrida em uma escola em Realengo no Rio de Janeiro, onde um garoto entrou em uma sala de aula e assassinou doze crianças.

O show teve a duração de quase duas horas. A presença de palco do ALMAH foi perfeita, as guitarras muito sincronizadas, assim como o baixo e a bateria fazendo muito bem a “cozinha”. Edu Falaschi não tem a mesma voz de 10 anos atrás, falhou em diversos momentos, mas isso não tirou o brilho que a banda teve no palco, mostrando-se muito competente em todos os momentos.

Antes de finalizar o show, Edu disse que a banda desceria do palco e iria direto para a pista, onde tiraria fotos com todo mundo e assinaria o que os fãs “precisassem” sem cobrar nada adicionalmente (alfinetando as bandas que fazem o serviço de “Meet and Greet”, cobrando um valor adicional ao do ingresso para esse contato, normalmente antes dos shows).

A faixa de abertura do primeiro disco da banda, “King”, encerrou o belo show que Porto Alegre teve o prazer de receber. Agora é momento de os fãs aguardarem pelo retorno da banda para o Rio Grande do Sul.

Fotos: Liny Rocks®

Set-list completo:
1 - Hypnotized
2 - Living and Drifting
3 - The Hostage
4 - Beyond Tomorrow
5 - Children of Lies
6 - Breathe
7 - Believer
8 - Beware the Stroke
9 - Bullets on the Altar
10 - Late Night in 85
11 - 2 Minutes to Midnight – IRON MAIDEN
12 - Raise the Sun
13 - Days of the New
14 - Warm Wind
15 - Wings of Revolution
16 - Trace of Trait
17 - Heroes of Sand - ANGRA
18 - Torn
19 - Birds of Prey
20 - King

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Não Deixe o Samba Morrer: versão rock por Gustavo Di PaduaEdu Falaschi: "O Rock é hereditário"Almah: melhor álbum de 2016 pelos leitores da Roadie CrewTodas as matérias e notícias sobre "Almah"

Edu Falaschi
No Kazagastão, o teste para o Iron Maiden, o Angra e mais

Almah
Edu diz que já foi ameaçado por fãs de Andre Matos

Edu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 13 de junho de 2014

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Almah"

Metallica
James Hetfield revela seus guitarristas base preferidos

Dave Mustaine
"Tive momentos difíceis por me assumir cristão!"

Marty Friedman
"Não percam seu tempo com música instrumental"

Euronymous: o paradoxo do caos e da liberdadeSeparados no nascimento: Ronnie James Dio e Roberto CarlosEsquisitices: algumas exigências bizarras para showsKirk Hammett perdendo a guitarra para o público em 1983Slayer: a verdade sobre o fim da parceria com Rick RubinBelphegor: "não se perde nada quando uma igreja queima"

Sobre Guilherme Dias

Sou Guilherme Figueiró Dias, de Porto Alegre, estudante de educação física, tenho 23 anos e sou fanático por música e futebol, especialmente hard rock e heavy metal. Preferências entre Helloween, Gamma Ray, Pink Cream 69, Bon Jovi, Hellacopters, Michael Kiske, entre outros. O que gosto realmente de fazer (além de torcer, cantar e pular pelo Grêmio na Geral) é curtir um bom show das bandas que eu adoro e tomar umas cervejas pra celebrar a vida.¨

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online