Rock In Rio: o velho complexo de vira-lata

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Junior, Fonte: Aliterasom
Enviar correções  |  Ver Acessos

Para mim ainda é um mistério o porquê bandas do calibre de Angra, Sepultura e Korzus se submeterem a tocarem fora do palco principal do RiR IV. Mistério porque nada justifica a presença de Gloria, Stone Sour, Coheed and Cambria, NX Zero e Detonautas no púlpito das maiores atrações, mesmo que em dias diferentes do estilo das bandas citadas na primeira linha.

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGNSlipknot: "pastor" detecta mensagens subliminares nas capas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para não dizer que é partidário o comentário, Mike Patton, Titãs e Ed Motta (juntamente com as bandas que citei) tem muito mais história do que grupos que sempre tiveram um empurrãozinho da mídia para aparecerem para seu público. Não estou defendendo, por exemplo, que o sobrinho "peso pesado" de Tim Maia seja atração no Palco Mundo, justamente por entender que nem com o festival ele tem muita relação, mas se Jay-z, Cláudia Leite, Rihanna e Ivete Sangalo lá estão, porque uma das melhores vozes deste país fica reservado ao Palco Sunset como atração secundária?

Quando falamos de arte e especialmente de música, o ufanismo ou qualquer tipo de paternalismo não tem nenhum tipo de eficácia em seu discurso, no entanto, o complexo de vira-latas que o brasileiro tem quando o assunto é produto estrangeiro ou mesmo, popularidade midiática, é impressionante.

Foi o Sepultura que permitiu, por exemplo, que bandas como Angra, Shaman e Korzus entre tantas outras, pudessem fazer carreiras internacionais. A outra banda muito importante no processo de conhecimento do "material nacional" foi o Ratos do Porão. Mesmo assim, ninguém nunca cogitou que a banda de João Gordo fosse headline de qualquer festival deste calibre em seu país. Pelo contrário, lá fora, a banda punk tem status de banda histórica e é respeitada como uma das maiores do movimento. Aqui o discurso é reticente e apela apenas para uma velha e chata retórica: "João Gordo traiu o movimento".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A ex-banda de Max Cavalera, se não tem a pegada e a popularidade da época do "Arise", ainda é referência internacional quando o assunto é metal. Não vive bons momentos desde a saída, primeiro de Max e depois de Iggor, mas isso não pode apagar o fato que, ao vivo, é uma das bandas mais explosivas em um palco, sendo inclusive uma das atrações principais no Rock In Rio III.

O Angra vive fase semelhante da banda mineira. Lançou Aqua (2010) sem a devida repercussão em terra brasilis, o que não apaga o enorme sucesso que a banda de Edu Falaschi faz fora do território nacional. Sem contar o enorme respeito que todos os seus integrantes possuem na comunidade metal. Mesmo assim, em meio a divulgação do seu mais recente disco, a banda que tem base em São Paulo, toca ao lado de Tarja Turunen, também no Palco Sunset.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Já o Korzus, banda que data de 1983 (!), que já lançou 9 discos e que teve enormes reviravoltas em sua história - entre elas o suicídio de um integrante, Zema (1987) - é uma das bandas mais guerreiras do cenário nacional. Teve sua primeira turnê internacional em 1992, nove anos após seu surgimento para o mundo. Tocaram na edição nacional do Monster of Rock (1998) ao lado de Glenn Hughes, Dream Theater, Megadeth e Slayer. Quase 30 anos depois divide o palco com The Punk Metal All Stars... seja lá o que seja isso.

... Daí volta e meia um figurão do meio diz que as bandas não são unidas. Não sou a pessoa mais apropriada para dizer "isso" ou "aquilo", se isso é verdade ou não, mas ao se venderem por pouco, as bandas dão clara noção de que estão pouco ligando para importância que cada um delas tem para história do rock nacional (especialmente seu ramo mais pesado) e que, o que vale mesmo é participar do evento. Será?

Não sei como contratos são negociados e nem entendo quais são os critérios de seleção, mas Detonautas tocar no mesmo dia de Guns N' Roses é uma boa demonstração de que sabemos muito menos de música do que imaginamos.

twitter do autor: @dcostajunior
twitter do site: @aliterasom

Foto da chamada: Roberta Forster




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Rock In Rio"


Humor: Ghost fazendo um milagre no público do Rock In RioHumor
Ghost fazendo um milagre no público do Rock In Rio

Duff McKagan: as lembranças de quando tocou no Rock In RioDuff McKagan
As lembranças de quando tocou no Rock In Rio


Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGNPunk Rock
Os 25 melhores discos segundo o site IGN

Slipknot: pastor detecta mensagens subliminares nas capasSlipknot
"pastor" detecta mensagens subliminares nas capas


Sobre Daniel Junior

Daniel Junior era blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colaborava com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Daniel faleceu em 2017 e definitivamente fará falta.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280