Pain of Salvation: Performance magistral na capital paulista

Resenha - Pain of Salvation (Carioca Club, São Paulo, 04/06/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

É difícil não esperar das bandas de progressivo e suas vertentes apresentações abaixo da perfeição. Dada a extrema qualidade dos seus músicos, sempre ótimos instrumentistas, é raro ver algo dar errado em um show como este. E apesar dos problemas, da falta de tempo e da rapidez do show, os suecos do PAIN OF SALVATION entregaram um belíssimo repertório aos fãs que foram ao Carioca Club no feriado de quinta-feira. Confira abaixo os principais detalhes do show, com o registro das imagens de Fernando Yokota.

Pain of Salvation: O auge criativo de uma carreira desconcertanteMetal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

Imagem

Imagem

Fotos: Fernando Yokota. Set completo em fb.com/fernandoyokotafotografia

A fila era grande na porta do Carioca Club desde cedo, dando sinais de que seria mais um show com grande lotação em São Paulo. As portas se abriram bem depois do combinado, o que acabou atrasando um pouco o cronograma da apresentação. Conforme foi informado, a banda sueca acabou chegando muito encima da hora para a apresentação pois o voo que iriam pegar acabou cancelado. O atraso, assim, se deu para que o público acabasse não sendo prejudicado por isto.

A abertura do show ficou novamente a cargo da banda SEVENTH SEAL. Infelizmente eles acabaram, pelos problemas técnicos, tendo uma apresentação que não é digna da qualidade que a banda já apresentou em outros shows de abertura. O som muito alto, os instrumentos extremamente embolados e apenas quatro músicas depois a banda já estava saindo do palco. Foram, porém, bastante aplaudidos pela vontade mostrada no palco e o carinho dos fãs. Aos que não conhecem a banda, não se deixem levar pela apresentação, pois o som destes caras é realmente muito bom, em especial “Mechanical Souls”, último disco da banda lançado em 2014.

A banda subiu ao palco as 19h15m, quando a música “Remedy Lane” começou a ser tocada como introdução ao show. Rapidamente Gildenlöw e companhia subiram ao palco para uma sequência de músicas deste clássico álbum, que este ano completou já 13 anos de vida. De “Of TwoBeginnings” até “A Trace of Blood”, a banda arrasou em todos os sentidos. O som estava realmente bastante afinado, com a potência exata. Isso trouxe ao show o ambiente perfeito, tanto nos momentos mais baixos da música quanto nos solos e refrãos, mais potentes.

Imagem

Imagem

E entre os instrumentos e a insanidade das músicas, a voz de Daniel Gildenlöw ainda continua distintiva como sempre, e ela dá o tom para a força do Pain of Salvation no palco. Sua saúde esta perfeita, e em ótima condição ele comandou no palco tanto a banda quanto o público, com destaque para “Linoleum”, música do “Road Salt One” que demanda muita qualidade na voz por suas variações.

E para mostrar que estava ótimo, o vocalista ainda teve um bom papo com o público. Agradeceu aos presentes que tem recebido, pois no dia 5 de junho completaria 42 anos. O público cantou “Parabéns”, deixando Daniel bastante contente. Bem humorado que estava, resolveu ainda perguntar se algum fã bastante rico que estivesse no show não poderia lhe dar um Mustang, um pequeno mimo. Ao receber uma flor de uma fã, ficou bastante sem jeito.

Imagem

Imagem

A banda então fecharia seu show com a bela instrumental “Dryad of the Woods”, seguida de “Beyond the Pale”, outras duas excelentes músicas do álbum “Remedy Lane”. A banda cantou junto e aplaudiu demais a banda no final. Rapidamente, a banda ainda voltou para um bis com as músicas “Ashes” e “The Physics of Gridlock”, uma das melhores músicas da banda nesta nova fase da carreira.

Imagem

Imagem

Destaque negativo ficou para o comprimento do show, especialmente se comparado com os setlists divulgados em outras apresentações da banda nesta turnê. Com duas músicas a menos, o público teve em São Paulo um show bem menor que nas outras cidades, o que foi uma pena. Porém, o que foi apresentado pela banda em São Paulo é digno do que se espera do gabarito do Pain of Salvation, que continua uma banda de extrema excelência.

Pain of Salvation é:
Daniel Gildenlöw – Vocal e guitarra
Ragnar Zolberg – Guitarra e vocal
Gustaf Hielm – Baixo
Daniel Karlsson – Teclado
Léo Margarit – Bateria e vocal

Setlist:
Intro: Remedy Lane
1. Of Two Beginnings
2. Ending Theme
3. Fandango
4. A Trace of Blood
5. Linoleum
6. ! (Foreword)
7. People Passing By
8. 1979
9. Rope Ends
10. Dryad of the Woods
11. Beyong the Pale
Bis:
12. Ashes
13. The Physics of Gridlock

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Pain of Salvation: O auge criativo de uma carreira desconcertantePain Of Salvation: entrevista com Ragnar ZolbergPain of Salvation: novo álbum é lançado no BrasilPain of Salvation: O melhor álbum da banda em 15 anos...Pain of Salvation: Bacana, mas longe de ser um clássicoPain of Salvation: Nova versão realça as qualidade do Remedy LaneTodas as matérias e notícias sobre "Pain Of Salvation"

Arte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

Prog Metal
Os 10 discos essenciais segundo o TeamRock

Metal Progressivo
Os melhores álbuns do estilo segundo o About.com

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 09 de junho de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"

Heavy Metal
16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

Cinema
As 11 melhores bandas fictícias das telonas

Metal Neoclássico
As regras para se tornar uma estrela do gênero

Bruce Dickinson: "Venha para o backstage e eu cuidarei de você"Bateristas: os trinta mais ricos do mundoB.B. King: músicos comentam falecimento do lendário bluesmanA7x: "Nós temos muitas similaridades estranhas com o Metallica"

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online